Epidemiological evaluation of congenital syphilis in northeastern Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.11568

Keywords:

Sexually transmitted infection; Syphilis in pregnancy; Public health.

Abstract

Syphilis is a sexually transmitted infection caused by Treponema Pallidum, where treatment during pregnancy is indispensable, but if left untreated it can progress to early neonates and fetal death. A congenital infection is a condition of compulsory notification, categorized as infectious disease due to the spread of T. pallidum transplacentally during pregnancy. In Brazil, data from the Ministry of Health bulletin 2018 were reported 158,051 case cases where 26,219 cases represent cases of evolutionary conflict for 241 cases. This article aimed to describe the profile of pregnancy cases, reported in the Northeast region, Brazil, from 2009 to 2018. An epidemiological survey of congenital individuals in the Northeast region from 2009 to 2018 was performed. Survey demonstrated increase in diagnosis per year every thousand live births, as observed in pregnant women aged 20 to 29 years, as well as in the diagnosis during the second and third trimester of pregnancy, in addition to showing an increasing number in cases of adherence to treatment, portraying the increasing number of mothers who had or pre-performed -Christmas. The prevalence of syphilis was observed in women with lower education level. As a result of the data collection, you can see the relevance of the study presented, considering the epidemiological importance of these data for the application of public policies.

Author Biography

Evaldo Hipólito de Oliveira, Universidade Federal do Piauí

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal da Paraíba (1990), graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal da Paraíba (1991), graduação em Direito pela Universidade Federal do Piauí (1999), Doutorado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários (2010), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (2002), especialização em Vigilância Sanitária e Epidemiológica (1997) e Citologia Clínica (2005). Foi Diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Piauí-LACEN-PI (2003 a 2007). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal do Piauí de microbiologia clínica e imunologia clínica (1994). Tem experiência na área de Farmácia (Interdisciplinaridade), atuando principalmente nos seguintes temas: análises clínicas ( bacteriologia, virologia, imunologia, citologia e hematologia ) e Vírus Linfotrópico de Células T Humanas-1/2-HTLV-1/2, HIV, HBV e HCV (Epidemiologa, Imunologia e Análise Molecular).

References

Araújo, C. L., Shimizu, H. E., Sousa, A. I. A., &Hamann, E. M. (2012). Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Revista de Saúde Pública, 46(3), 479-486. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000300010

Brasil, Ministério da Saúde (MS). (2006). Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS. Diretrizes para controle da sífilis congênita: manual de bolso. Brasília: MS.

Brasil, Ministério da Saúde. (2016). Ministério da Saúde lança ação nacional de combate à sífilis. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/26100-ministerio-da-saude-lanca-acao-nacional-de-combate-a-sifilis> Acesso em 09/12/2018

Cardoso, A. R. P., et al (2018). Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(2), 563-574. https://doi.org/10.1590/1413-81232018232.01772016

Cavalcante, A. N., Araújo, M. A. L., Nobre, M. A., & Almeida, R. L. F. D. (2019). Fatores associados ao seguimento não adequado de crianças com sífilis congênita. Revista de Saúde Pública, 53, 95..https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053001284

Costa, C. C. da., Freitas, L. V., Sousa, D. M. do N., Oliveira, L. L. de., Chagas, A. C. M. A., Lopes, M. V. de O. & Damasceno, A. K. de C. (2013). Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(1), 152-159. https://doi.org/10.1590/S0080-62342013000100019

De França, I. S. X., Batista, J. D. A. L., Coura, A. S., de Oliveira, C. F., Araújo, A. K. F., & de Sousa, F. S. (2015). Fatores associados à notificação da sífilis congênita: um indicador de qualidade da assistência pré-natal. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 16(3), 374-381. 10.15253/2175-6783.2015000300010

De Macêdo, Vilma Costa de Lira, P. I. C., de Frias, P. G., Romaguera, L. M. D., Caires, S. D. F. F., & de Alencar Ximenes, R. A. (2017). Fatores de risco para sífilis em mulheres: estudo caso-controle. Revista de Saúde Pública, 51, 1-12.https://dx.doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007066

Domingues, R. M. S. M., & Leal, M. do C. (2016). Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 32(6), e00082415. https://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00082415

Holztrattner, J. S., da Costa Linch, G. F., Paz, A. A., Gouveia, H. G., & Coelho, D. F. (2019). Sífilis congênita: realização do pré-natal e tratamento da gestante e de seu parceiro. Cogitare Enfermagem, 24.

Lima, V. C., Mororó, R. M., Martins, M. A., Ribeiro, S. M. & Linhares, M. S. C.(2017). Perfilepidemiológicodoscasosdesífiliscongênitaemummunicípiodemédio porte no nordeste brasileiro. J. Health Biol Sci;5(1):56-61. 10.12662/2317-3076jhbs.v5i1.1012.p.56-61.2017

Macêdo, V. C. de., Bezerra, A. F. B., Frias, P. G. D., & Andrade, C. L. T. D. (2009). Avaliação das ações de prevenção da transmissão vertical do HIV e sífilis em maternidades públicas de quatro municípios do Nordeste brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, 25(8), 1679-1692. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000800004

Oliveira, E. H., Silveira, J. A. V. da, Sampaio, S. S. de C., Verde, R. M. C. L., Soares, L. F., & Costa, S. C. R. (2020). Análise dos casos notificados de sífilis na gestação no estado da Paraíba, Brasil. Research, Society and Development, 9(1), e179911900. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i1.1900

Pires, A.C., Oliveira, D., Rocha, G., Santos, A. (2014). Ocorrência de sífilis congênita e os principais fatores relacionados aos índices de transmissão da doença no Brasil da atualidade - revisão de literatura.REVISTA UNINGÁ REVIEW, 19(1). http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1522

Saraceni, V., Pereira, G. F. M., da Silveira, M. F., Araujo, M. A. L., & Miranda, A. E. (2017). Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, 41, e44. 10.26633/RPSP.2017.44

Vescovi, J. S., &Schuelter-Trevisol, F. (2020). Increase of incidence of congenital syphilis in Santa Catarina State between 2007-2017: temporal trend analysis. Revista paulista de pediatria :orgao oficial da Sociedade de Pediatria de São Paulo, 38, e2018390. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2020/38/2018390

Published

21/03/2021

How to Cite

OLIVEIRA, E. H. de .; HOLANDA, E. C. .; SILVA, L. C. da .; BRITO, M. C. de S.; SOUSA, P. C. M. de . Epidemiological evaluation of congenital syphilis in northeastern Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e42410311568, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.11568. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11568. Acesso em: 13 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences