Sexually Transmitted Infections in the context of deprivation of liberty

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.12044

Keywords:

Nursing; Sexually Transmitted Infections; Population deprived of liberty; Women's Health.

Abstract

Identify self-reported and confirmed cases of STI in women deprived of their liberty. This is an exploratory, descriptive, cross-sectional case study with a quantitative approach, performed with 62 women from the Prison Complex of Santarém, Pará. The results showed that 56,5% of the women had low schooling, 91,9% declared themselves to be black and brown-skinned, 59,7% were in the age group of 21 to 40 years, 59,7% said they did not use a condom. The prevalence of self-reported STI was 25,8% (syphilis and gonorrhea), but 19,4% of syphilis cases and 7.0% of HPV cases were identified and confirmed, no other STI were identified in the study. It was noted how distant the Brazilian prison system is from the humanitarian ideal, besides the need to recognize women in deprivation of liberty as capable of making decisions about their bodies and their health, in this sense, it is fundamental that these women, have dignified conditions and opportunities for health promotion and education about STI, as well as services within the principles guaranteed by public policies, of accessibility, completeness, resolution and humanization of health care.

Author Biographies

Nádia Vicência do Nascimento Martins, Universidade do Estado do Pará

 Universidade do Estado do Pará - UEPA

Lucia Yasuko Izumi Nichiata, Universidade de São Paulo

Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo - EEUSP.

Maria Rita Bertolozzi, Universidade de São Paulo

Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo - EEUSP.

Adriana Vanessa Ribeiro Mafra, State University of Pará

Universidade do Estado do Pará – UEPA.

Randerson José de Araujo Sousa, State University of Pará

Universidade do Estado do Pará – UEPA.

References

Ayres, J. R. C. M., Freitas, A. C., Santos, M. A. S., Saletti Filho, H. C., França Júnior, I. (2003). Adolescência e Aids: avaliação de uma experiência de educação preventiva entre pares. Interface (Botucatu). 7(12):113-28.

Barbosa, M. L., Silva, P. B. A., Cardins, K. K. B., Amaral, N. O., Costa, G. M. C. (2017). Assistência à saúde nas prisões brasileiras: uma revisão integrativa. 3º Seminário Internacional de Pesquisa em Prisão. Recife – PE. UFPE. GT 13 – Saúde nas Prisões.

Belda Jr, W., Shiratsu, R., Pinto, V. V. (2009). Abordagem nas doenças sexualmente transmissíveis. Revista Brasileira de Dermatologia. 84(2): 151-59.

Boni, R., Veloso, V. G. E., Grinsztejn, B. (2014). Epidemiology of HIV in Latin America and the Caribbean. Curr. Opin. HIV AIDS. 2;9(2):192-8.

Brasil (2018). Infopen – Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias - Infopen mulheres. (2ª edição). Ministério da Justiça e da Segurança Pública. Distrito Federal – DF.

Buchalla, C. M., Paiva, V. (2002). Da compreensão da vulnerabilidade social ao enfoque multidisciplinar. Rev. Saúde Pública. 36 (4 Supl):117-9.

Dallabetta, G., Laga, M., & Lamptey, P. (1997). Controle de Doenças Sexualmente Transmissíveis: Manual de Planejamento e Coordenação de Programas: Te Corá Editora / Associação Saúde da Família.

IBGE (2015) – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Martins, T. A., Kerr, L. R. F. S., Kendall, C., Mota, R. M. S (2014). Cenário Epidemiológico da Infecção pelo HIV e AIDS no Mundo. Epidemiological setting of HIV infection and AIDS in the World. Rev Fisioter S Fun. 3(1):4-7.

Ministério da Saúde, Departamento de IST, AIDS e Hepatites Virais. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas (PCDT): Atenção Integral as pessoas com Infecção Sexualmente Transmissíveis (IST).

Mome, R. K. B., Wiyeh, A. B., & Kongnyuy, E. J. (2018). Eficácia do preservativo feminino na prevenção do HIV e infecções sexualmente transmissíveis: um protocolo de revisão sistemática. BMJ. 8: e023055. 10.1136 / bmjopen-2018-023055.

Naud, P. (1993). DST &AIDS: Artes Médicas.

Neri, M. S., Oliveira, J. F., Nascimento, E. R., Gusmão, M. E. N., & Moreira, V. S. (2011). Presas pelas drogas: características de saúde de presidiárias em Salvador, Bahia. Rev. Baiana de Enfermagem. 5(2) 121-132.

Nicolau, A. I. O., Ribeiro, S. G., Lessa, P. R. A., Monte, A. S., Bernardo, E. B. R., & Pinheiro, A. K. B. (2012). Conhecimento, atitude e prática do uso de preservativos por presidiárias: prevenção das DST/HIV no cenário prisional. Rev. Esc. Enferm. USP. 46 (3):711-9.

Nijhawan, A. E., Chapin, K. C., Slloway, R., Andrea, S., Champion, J., & Roberts, M. (2012). Prevalence and predictors of Trichomonas infection in newly incarcerated woman. Sex Transm. Dis. 39(12):1-12.

Organização Mundial da Saúde - OMS (2013). Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), a importância de um compromisso renovado com a prevenção e o controle das IST na obtenção de saúde sexual e reprodutiva global.

Organização Mundial da Saúde – OMS (2016). Estratégia global do setor de saúde sobre infecções sexualmente transmissíveis, 2016-2021.

Organização Mundial da Saúde – OMS (2017). Infecções de transmissão sexual (ITS).

Organização Pan Americana de Saúde – OPAS (2017). Folha Informativa/HIV/aids.

Plácido, W. S. (2012). Epidemiologia da infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV) em população feminina geral e população carcerária. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Pará. Núcleo de Medicina Tropical. Belém, Pará.

Pereira, A. S., Shitsuka., D. M., Pereira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica: UFSM, NTE.

Reis, C. B., & Bernardes, E. B. (2011). O que acontece atrás das grades: estratégias de prevenção desenvolvidas nas delegacias civis contra HIV/AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis. Ciência & Saúde Coletiva, 16(7):3331-3338.

Rufino, E. C., Andrade, S. S. C., Leadebal, O. D. C. P., Brito, K. K. G., Silva, F. M. C., Santos, S. H. (2016). Conhecimento de mulheres sobre IST/aids: intervindo com educação em saúde. Rev. Cienc. Cuid. Saúde. 15(1):9-16.

Silva, E. F., & Ribeiro, E. R. (2013). Atenção à saúde da mulher em situação prisional. Revista Saúde e Desenvolvimento. 4(2).

Silveira, S. F. S. (2016). Perfil sociodemográfico e achados citopatológicos no colo do útero da população feminina privada de liberdade do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado). Fundação Pio XII. Hospital do Câncer de Barretos. Barretos. São Paulo.

UNAIDS (2013). A ONU e a resposta à AIDS no Brasil: UNAIDS do Brasil.

UNAIDS (2013). Global Report: Unaids Report on the Global AIDS Epidemic 2013 :148 p.

UNAIDS (2015). Chegando a zero. Estratégia do UNAIDS/ONUSIDA. 2011- 2015. Brasília-DF, Brasil.

World Health Organization – WHO (2103). Sexually Transmitted Infections (STIs), The importance of a renewed commitment to STI prevention and control in achieving global sexual and reproductive health.

Zaninelli, G. (2015). Mulheres encarceradas: Dignidade da pessoa humana, gênero, legislação e políticas públicas. 2015. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual do Norte do Paraná. Programa de Mestrado em Ciências Jurídicas. Jacarezinho – Paraná.

Published

25/01/2021

How to Cite

MARTINS, N. V. do N. .; NICHIATA, L. Y. I. .; BERTOLOZZI, M. R. .; MAFRA, A. V. R. .; SOUSA, R. J. de A. Sexually Transmitted Infections in the context of deprivation of liberty . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e49410112044, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.12044. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12044. Acesso em: 28 feb. 2021.

Issue

Section

Health Sciences