Reinforced concrete pathologies and their structural restoration methods

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.12053

Keywords:

Reinforced concrete; Construction; Civil Engineering; Structural Recovery Methods; Reinforced concrete pathology.

Abstract

Constructions based on reinforced concrete are the most used construction technique in Brazilian territory and, in this sense, they also present a large number of pathologies, which usually happen in several phases of the construction process of a work. It is necessary, therefore, to carry out an adequate analysis of the most important reasons, as well as causative agents, in addition to planning preventive and corrective methods. Reinforced concrete pathologies are capable of creating material, financial and even vital damage - in the case of victims facing serious construction problems - for consumers, managers, civil engineering workers, as well as other individuals involved with constructions. When investigating this situation, the following research problem is highlighted: what are the main methods of structural recovery in relation to the pathologies that occur in reinforced concrete? Regarding the general objective, the crucial properties about the pathology in reinforced concrete were assessed. The specific objectives of this study are: description of conceptual aspects about pathology in reinforced concrete; characterization of related questions about the nature of the structural deterioration in reinforced concrete; evaluation of structural recovery methodologies in reinforced concrete. This study was carried out using the narrative bibliographic review methodology (literature review), based on literary works, articles published in offline journals and also on online articles recognized in the scientific community, where the main methods were checked. of structural recovery in relation to the pathologies that occur in reinforced concrete.

References

Azevedo, M. T. (2011). Patologia das Estruturas de Concreto. Ibracon.

Bezerra, J. E. A. (1998). Estruturas de Concreto Armado: Patologia e Recuperação.

Botelho, M. H. C., & Marchetti, O. (2004). Concreto armado eu te amo. Edgar Blucher.

Brasil. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. (2020). Institui o Código Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10406.htm.

Cajueiro, R. L. P. (2012) Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos: guia prático do estudante. (3a ed.), Vozes. 112 p.

Cánovas, M. F. (1988). Patologia e Terapia do Concreto Armado. Trad. M. C. Marcondes; C. W. F. dos Santos; B. Cannabrava. 522 p. Pini.

Gil, A. C. (2017) Como elaborar projetos de pesquisa. (6a ed.), Atlas. 192 p.

Gonçalves, E. A. B. (2015). Estudo de Patologias e suas Causas nas Estruturas de Concreto Armado de Obras de Edificações. 2015. 174 f. Monografia (Graduação em Engenharia Civil). UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Rio de Janeiro: UFRJ.

Helene, P. R. L. (1992).Manual prático para reparo e reforço de estruturas de concreto. 119 p. Pini.

Lüdke, M., & André, M. E. D. A. de. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. (2a ed.), EPU. 128 p.

Marcelli, M. (2007).Sinistros na construção civil: causas e soluções para danos e prejuízos em obras. Pini.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2017). Metodologia do trabalho científico. (8a ed.), Atlas. 256 p.

Martins, G. A.., & Pinto, R. L. (2001). Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos. Atlas. 96 p.

Miotto, D. (2010). Estudo de Caso de Patologias Observadas em Edificação Escolar Estadual no Município de Pato Branco-PR. 63 f. Monografia (Pós-Graduação em Construção de Obras Públicas). UFPR - Universidade Federal do Paraná. Programa de Residência Técnica da Secretaria de Estado de Obras Públicas (SEOP). Curitiba: UFPR, 2010. https://acervod igital.ufpr.br/bitstream/han dle/188/34 353/MIOTTO,%20DANIELA.pdf.

Neville, A. M., & Brooks, J. J. (2013). Tecnologia do Concreto. (2a ed.). Bookman.

Pereira, A. S. et al. (2018).Metodologia da pesquisa científica. UFSM. https://rep ositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifi ca.pdf?sequence=1.

Relvas, F. J. (2004). Curso de estruturas de concreto: projeto, execução e reparo. Reforço de peças de concreto armado, com chapas de aço dez.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem. 20(2), 5-6.

Sanabria, L. T., & Helene, P. R. L. (2000). Contribuição ao estudo da resistência à corrosão de armaduras de aço inoxidável. Tese (Doutorado em Engenharia Civil). USP - Universidade de São Paulo. São Paulo: USP.

Silva, D. G. V., & Trentini, M. (2002). Narrativas como técnica de pesquisa em enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 10(3).

Souza, E. A. da. (2006). Técnicas de recuperação e reforço de estruturas de concreto armado. 84 f. Monografia (Graduação em Engenharia Civil). Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo: Universidade Anhembi Morumbi.

Souza, V. C., & Ripper, T. (1998).Patologia, recuperação e reforço de estruturas de concreto. 255 p. Pini.

Takata L. T. (2009). Aspectos executivos e a qualidade de estruturas em concreto armado: Estudo de caso. 2009. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). UFSCar - Universidade Federal de São Carlos. São Carlos: UFSCar.

Thomaz, E. (1989).Trincas em Edifícios: causas, prevenção e recuperação. Pini.

Trentini, M., & Paim, Lygia. (1999). Pesquisa em enfermagem. Uma modalidade convergente-assistencial. Florianópolis: Editora da UFSC.168 p.

Trindade, D. dos S. da. (2015). Patologia em Estruturas de Concreto Armado. 88 f. Monografia (Graduação em Engenharia Civil). UFSM - Universidade Federal de Santa Maria. Centro De Tecnologia. Santa Maria: UFSM.

Published

30/01/2021

How to Cite

SOUSA, J. L. C. de; AQUINO, F. K. M. de; NASCIMENTO , N. V. do; COSTA , A. A. V. da; TEIXEIRA , J. C. S. . Reinforced concrete pathologies and their structural restoration methods. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e53010112015, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.12053. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12053. Acesso em: 25 feb. 2021.

Issue

Section

Engineerings