Empirical verification of the intent to turnover scale: Construct validity, factor structure and factorial invariance in workers

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13084

Keywords:

Turnover; Scale; Construct; Factor analysis.

Abstract

This paper aims to verify the quality of factor structure, invariance and differences of the turnover intention scale in workers. The theme regarding turnover in the workplace has been studied frequently in recent years, which is a concern for workers and managers, because it directly affects the quality and efficiency of organizations, capable of compromising the strategies of competitiveness, productivity and innovation. The study had the participation of 219 workers, aged over 18 years old, distributed in the cities of Natal-RN and João Pessoa-PB, in the public and private sectors, men and women. They answered, besides the sociodemographic data, the Turnover Intention Scale, the Survey of Perceived Organizational Support, and the Scale of Perception of Bullying in the World of Work. Descriptive statistics, Pearson correlations, Student's t-test, Anova, and confirmatory factorial analysis were performed. From the findings of this study, the scale is reliable, consistent, and invariable, especially when comparing the RN and PB samples. The psychometric indicators both corresponded to what was expected and were technically within the required statistical criteria. Thus, it is considered that this measure is intended for use in the organizational context, being important for the evaluation of human resources in organizations, focusing both on diagnosis and labor prognosis.

References

Agapito, P. R. (2012). Bem-estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes de intenção de rotatividade (Dissertação de mestrado não publicada, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP, Brasil).

Agapito, P. R., Polizzi, F. A., & Siqueira, M. M. M. (2015). Bem-estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes de intenção de rotatividade. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 16(6), 71-93. https://doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n6p71-93

Albuquerque, L. G. (2002). Gestão estratégica de pessoas. In: Fleury, M. T. L. (Org.). As pessoas na organização. Editora Gente.

Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia - ANPEPP. (2000). Contribuições para a discussão das Resoluções CNS nº. 196/96 e CFP Nº 016/2000. https://bit.ly/3i0EoQz.

Borges-Andrade, J. E., Abbad, G. S., & Mourão, L. (2012). Modelos de avaliação e aplicação em TD&E. In G. Abbad, L. Mourão, P. P. M. Meneses, T. Zerbini, J. E. Borges-Andrade & R. Vilas-Boas (Orgs.), Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação (pp. 20-35). Porto Alegre: Artmed.

Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL: Basic applications and programming for confirmatory factor analytic models. Springer-Verlag.

Cançado, V. L., Medeiros, Nilcéia L., & Jeunon, E. E. (2008). O profissional da informação: uma análise baseada no modelo de múltiplos papéis de Ulrich. Perspectivas em Ciência da Informação, 13(2), 196-218. https://doi.org/10.1590/S1413-99362008000200013

Conselho Federal de Psicologia (2000). Resolução nº 016/2000. Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. http://www.crpsp.org.br/portal/orientacao/resolucoes_cfp/fr_cfp_016-00.aspx. Acesso em 1 jan. 2021.

Dalfovo, O., & Dias, D. (2009). Gestão do Capital Humano: comparação na localização de software de gestão do capital humano entre os paises Brasil, Argentina e México. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(33), 333-350. https://doi.org/10.7819/rbgn.v11i33.535

Damásio, B. F. (2012) Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Avaliação psicológica. 11 (2) http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?s cript=sci_arttext&pid=S1677-04712012000200007

Eisenberger, R., Huntington, R., Hutchison, S., & Sowa, D. (1986). Perceived Organizational Support. Journal of Applied Psychology, 71(3), 500-507.

Estivalete, V. F. B., Löbler, M. L., Andrade, T., & Visentini, M. S. (2011). (Des) Alinhamento entre as estratégias organizacionais e as estratégias de recursos humanos: o caso de uma empresa internacionalizada. Revista de Negócios, 16 (1), 49-68.

Faissal, R., Passos, A. E. V. M., Mendonça, M. C. F. et al. (2009). Atração e seleção de pessoas. (2a ed.), Editora FGV.

Faul, F., Erdfelder, E., Lang, A. G., & Buchner, A. (2007). G* Power 3: A flexible statistical power analysis program for the social, behavioral, and biomedical sciences. Behavior research methods, 39(2), 175-191.

Fleury, A., & Fleury. M. T. L. (2000) Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. São Paulo: Ed. Atlas.

Formiga, N. S., Franco, J. B. M., Oliveira, H. C. C., Araújo, L. A. S. C., Nascimento, F. S., & Lima, E. A. de S. A. (2021). Suporte organizacional e assédio moral no trabalho: correlatos e diferenças entre funcionários da área de saúde e educação de um munícipio do Estado da Paraíba, Brasil. Psicologia e Saúde Em Debate, 7(1), 54–76. https://doi.org/10.22289/2446-922X.V7N1A5

Formiga, N. S., Freire, B. G. de O., Azevedo, I. M., & Faria, S. de S. (2020). Correlatos entre o suporte organizacional, capital psicológico no trabalho e expectativa de futuro: um estudo com trabalhadores brasileiros. Research, Society and Development, 9(6), e155963486. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3486

Formiga, N., Souza, M., Costa, D., Gomes, M., Fleury, L., & Melo, G. (2015, junio 30). Comprobación empirica de una medida relacionada al excesivo consumo de alcohol en Brasileños. LIBERABIT. Revista Peruana De Psicología, 21(1), 91 - 101. http://revistaliberabit.com/inde x.php/Liberabit/article/view/290

Formiga, N., Fleury, L. F. D. O., & Souza, M. A. D. (2014). Evidências de validade da escala de percepção de suporte organizacional em funcionários de empresa pública e privada. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 5(2), 60-76.

Friedman, B., Hatch, J., Walker, M. D. (2000). Como atrair, gerenciar e reter capital humano- Da promessa à realidade. Futura.

Hair, J. F., Tatham, R. L., Anderson, R. E. & Black, W. (2005). Análise multivariada de dados. Bookman.

Hom, P. (1992). A meta analytical structural equations analysis of a model of employee turnover. Journal of Applied Psychology, 77, 890-909.

Joo, B. K., & Mclean, G. N. (2006). Best Employer Studies: A Conceptual Model from a Literature Review and a Case Study. Human Resource Development Review, 228- 257

Joreskög, K. & Sörbom, D. (1989). LISREL 7 user's reference guide. Mooresville: Scientific Software.

Lawshe, C. A (1975) Quantitative Approach To Content Validity. Personnel Psychology, 28(4), 563-575.

Lima, E. A. S. A., Lima, H. D. S. A., & Nilton S. Formiga (2019). Suporte organizacional e assédio moral em funcionários públicos: Um estudo correlacional em trabalhadores no sertão paraibano, Brasil. Beau Bassin, Mauritius. Novas edições Acadêmicas.

Maroco, J. (2010). Análise de equações estruturais. ReportNumber.

Mathieu, J. E., & Zajac, D. M. (1990). A review and meta-analysis of the antecedents, correlates, and consequences of organizational commitment. Psychological Bulletin, 108(2), 171–194. https://doi.org/10.1037/0033-2909.108.2.171

Mendonça, M. C. F. (2002). Retenção de Talentos por Meio de Reconhecimento e Recompensa. Dissertação de Mestrado apresentada à Escola Brasileira de Administração Pública, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa, Curso de Mestrado Executivo Fundação Getúlio Vargas – FGV, São Paulo.

Mintzberg, H. and Lampel, J. (1999) Reflecting on the Strategy Process. Sloan Management Review, 40, 21-30.

Mobley, W. H. (1992). Turnover: causas, consequências e controle. Ortiz.

Oliveira, Á. F., Gomide J., Sinésio, P., Bânia V. S., & Oliveira-Silva, L. C. (2018). Análise dos fatores organizacionais determinantes da intenção de rotatividade. Temas em Psicologia, 26(2), 1031-1042. https://dx.doi.org/10.9788/TP2018.2-18Pt

Oliveira-Castro, G. A., Pilati, R., & Borges-Andrade, J. E. (1999). Percepção de suporte organizacional: desenvolvimento e validação de um questionário. Revista de Administração Contemporânea, 3(2), 29-51.

Pereira, G. A., Formiga, N. S., & Estevam, I. D. (2019). Análise confirmatória da medida do suporte organizacional em enfermeiros de um hospital público de uma capital do nordeste brasileiro. Boletim - Academia Paulista de Psicologia, 39(96), 59-68. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2019000100007&lng=pt&tlng=pt.

Pontes, B. R. (1996). Planejamento, recrutamento e seleção de pessoas. (2a ed.), LTR.

Santos, P. S. (2012) Construção e validação de Escala de Estresse Organizacional. Dissertação de mestrado. Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.

Schwab, D. P. (1991). Contextual variables in employee performance-turnover relationships. Academy of Management Journal 34 (4), 966-975.

Silva, D. L. (2018). Intenção de Rotatividade, Comprometimento, Percepção de Suporte e Identificação Organizacional: um Estudo na AGU. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, UnB. Brasília, DF.

Silveira, C. C. (2011). Análise de turnover na Química Brasil Ltda.

Siqueira, M. M. M. (1995). Antecedentes de comportamentos de cidadania organizacional: análise de um modelo pós-cognitivo. Tese de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Siqueira, M. M. M., Gomide, S., Jr., Moura, O. I., & Marques, T. M. (1997). Um modelo pós-cognitivo para intenção de rotatividade: antecedentes afetivos e cognitivos. Resumo do Congresso Interamericano de Psicologia.

Siqueira, M. M. M., Gomide, S., Jr., Oliveira, A. F. & Polizzi, A., Filho. (2014). Intenção de rotatividade. In M. M. M. Siqueira (Ed.), Medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão (pp. 209-216). Artmed.

Steil, Andrea Valéria, Penha, Mariana Mateus, & Bonilla, Maria Alejandra Maldonado. (2016). Antecedentes da retenção de pessoas em organizações: uma revisão de literatura. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 16(1), 88-102. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572016000100008&lng=pt&tlng=pt.

Tabachnick, B. G. & Fidell, L. S. (1996). Using multivariate statistics. Needham Heights, MA: Allyn & Bacon.

Tamayo, A, & Paschoal, T. (2003). A relação da motivação para o trabalho com as metas do trabalhador. RAC-Revista de Administração Contemporânea, 7(4), 33-54.

Ulrich, D. Os campeões de recursos humanos: inovando para obter os melhores resultados. Futura, 1998.

Wilson, F.; Pan, W., & Schumsky, D. (2012). Recalculation of the critical values for Lawshe’s Content Validity Ratio. Measurement and Evaluation in Counseling and Development, 45 (3), 197– 210.

Yamashita, L. K. (2007). Fatores de influência na retenção de talentos em empresas de distribuição de energia elétrica: Um estudo de caso. Dissertação (mestrado). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Published

07/03/2021

How to Cite

FORMIGA , N. S. .; NASCIMENTO, F. S. da; FRANCO, J. B. M. .; OLIVEIRA , H. C. C. .; VALIN, C. G. P. .; PROCHAZKA, G. L. .; LIMA, R. O. de O.; BESERRA, T. K. P. .; LIMA, E. A. de S. A. . Empirical verification of the intent to turnover scale: Construct validity, factor structure and factorial invariance in workers. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e9910313084, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13084. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13084. Acesso em: 12 apr. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences