Rede Cegonha and its impacts on births in a region of northeastern Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13166

Keywords:

Maternal and Child Health; Infant Mortality; Health Status Indicators; Information Systems; Vital statistics.

Abstract

Objective: to analyze the impact of the Rede Cegonha Strategy in Alagoas on births from 2011 to 2018. Method: ecological study, time series, with secondary data from DATASUS. The data were processed using the Statistical Package for the Social Sciences software. Variables were the mortality coefficient between the years 2011 to 2018, the relationship between the total number of deaths from preventable causes, through multiple regression (p <0.05). Results: the rates understood showed fluctuations, however the Rede Cegonha potentiated the improvements in the indicators of morbidity and mortality. In addition, it was observed that most fetal deaths could be avoided through actions to reduce social inequalities, more high-quality prenatal consultations and to improve the quality of obstetric care aimed at women in the pregnancy-puerperal cycle and to the newborn. Conclusion: it was evident, through the analysis of the indicators, that there is a need for improvement in attention to maternal and child health in Alagoas. 

References

Alagoas, Secretaria de Estado da Saúde. (2018). Programação Anual de saúde.

Backes, D. S., Pereira, S. B., Marchiori, M. R. C. T., Pilecco, J. C., Backes, M. T. S., & Moreschi, C. (2019). Construção e validação de construto de boas práticas de atenção ao parto/nascimento. Enfermagem Em Foco, 10(5), 85–90. https://doi.org/10.21675/2357-707x.2019.v10.n5.2593.

Barros, P. de S., de Aquino, É. C., & de Souza, M. R. (2019). Mortalidade fetal e os desafios para a atenção à saúde da mulher no Brasil. Revista de Saude Publica, 53(1). https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2019053000714.

Brasil, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Estatísticas vitais– Brasil: 2011-2018.

Brasil, Ministério da Saúde. (2010). Estatísticas vitais - mortalidade e nascidos vivos, DATASUS.

Brasil, Ministério da Saúde (2011). Portaria Nº 1.459, de 24 de junho de 2011.

Brasil, Ministério da Saúde. (2014). Saúde Brasil 2013: uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde, Brasília.

Brasil, Ministério da Saúde. (2018). Boletim Epidemiológico de Sífilis / Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília.

Brasil, Secretaria de Atenção à Saúde (2009). Manual dos Comitês de Mortalidade Materna / Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 3. ed. Brasília: O Ministério.

Carlo, W. A., & Travers, C. P. (2016). Maternal and neonatal mortality: time to act. Jornal de Pediatria (Versão Em Português), 92(6), 543–545. https://doi.org/10.1016/j.jpedp.2016.08.001.

Carvalho, L. R. de O., Fonseca, L. M. L., Coelho, M. T. C., Machado, M. G. de S., Carvalho, M. B. de, & Vidal, C. E. L. (2016). Mortalidade de mulheres em idade fértil entre 1998 e 2012 na microrregião de Barbacena. Rev. Interdisciplin. Estud. Exp. Anim. Hum. (Impr.), 8(único), 15–22.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde, CONASS. (2016). Plano Estadual de Saúde 2016-2019.

De Almeida, W. da S., & Szwarcwald, C. L. (2012). Infant mortality and geographic access to childbirth in Brazilian municipalities. Revista de Saúde Pública, 46(1), 68–76. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012005000003.

De La Torre, A., Nikoloski, Z., & Mossialos, E. (2018). Equidade de acesso às intervenções de saúde materna no Brasil e na Colômbia: um estudo retrospectivo. Internacional Journal for Equity in Health, 17(43). https://doi.org/10.1186/s12939-018-0752-x.

De Lima, S. S., Braga, M. C., de Moraes Vanderlei, L. C., Luna, C. F., & Frias, P. G. (2020). Avaliação do impacto de programas de assistência pré-natal, parto e ao recém-nascido nas mortes neonatais evitáveis em Pernambuco, Brasil: estudo de adequação. Cadernos de Saude Publica, 36(2). https://doi.org/10.1590/0102-311X00039719.

Dias, J. M. G., Oliveira, A. P. S., Cipolotti, R., Monteiro, B. K. S. M., Pereira, R. O. (2014). Mortalidade Materna. Revista Médica de Minas Gerais, 25(2). http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20150034.

Diniz, C. S. G., Miranda, M. J., Queiroz, J. R., Queiroz, M. R., Salgado, H. O. (2016). Why do women in theprivate sector haveshorterpregnancies in Brazil? Left shift ofgestational age, caesareansectionandinversionoftheexpecteddisparity. J.Hum.Growth Dev., 26(1):33-40. https://doi.org/107322/jhgd.113712.

Domingues, R. M. S. M., Viellas, E.F., Dias, M. A. B., Torres, J. A., Filha, M. M. T., Gama, S. G. N., Leal, M. C. (2015). Adequação da assistência pré-natal segundo as características maternas no Brasil. Cad. Saúde Pública, 37(3).

Duarte, E. M. da S., Machado, M. F., Alencar, É. T. D. S., de Araújo, M. D. P., da Fonseca, L. G. A., Correia, D. S., da Silva, S. M., & de Souza, C. D. F. (2020). Mortalidade materna e vulnerabilidade social no Estado de Alagoas no Nordeste brasileiro: uma abordagem espaço-temporal. Revista Brasileira de Saude Materno Infantil, 20(2), 575–586. https://doi.org/10.1590/1806-93042020000200014.

Eckstein, I. (2015). Ministério da Saúde e ANS publicam regras para estimular parto normal na saúde suplementar, Brasília.

Feijão, L. B. V., Boeckmann, L. M. M., & Melo, M. C. (2017). Conhecimento De Enfermeiras Residentes Acerca Das Boas Práticas Na Atenção Ao Parto. Enfermagem Em Foco, 8(3), 35–39. https://doi.org/10.21675/2357-707x.2017.v8.n3.1318.

Giraldi, L. M., Corrêa, T. R. K., Schuelter-Trevisol, F., & Gonçalves, C. O. (2019). Óbito fetal: fatores obstétricos, placentários e necroscópicos fetais/Fetal death: obstetric, placental and fetal necroscopic factors. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, 55(1), 109–113. https://doi.org/10.5935/1676-2444.20190007.

Habicht, J. P., Victora, C. G., & Vaughan, J. P. (1999). Evaluation designs for adequacy, plausibility and probability of public health programme performance and impact. International Journal of Epidemiology, 28(1), 10–18. https://doi.org/10.1093/ije/28.1.10.

Jeronimo Lima, K., Soares Chaves, C., de Oliveira Gomes, E., Aparecida de Lima, M., Cristina Pascôa Candeira, E., Kécia Silevira Teófilo, F., Pereira Nunes, G., & Alves Alencar Viana, R. (2017). Análise da situação em saúde: a mortalidade fetal na 10a região de saúde do Ceará. Revista Brasileira Em Promoção Da Saúde, 30(1), 30–37. https://doi.org/10.5020/18061230.2017.p30.

LNM, S., Silveira, A. P. K. F., & Morais, F. R. R. (2017). Programa de Humanização do Parto e Nascimento: aspectos institucionais na qualidade da assistência. Rev Enferm UFPE on Line., 11(8), 3295–3302. https://doi.org/10.5205/reuol.11135-99435-1-ED.1108sup201713.

Martins, A. C. S., & Silva, L. S. (2018). Epidemiological profile of maternal mortality. Revista Brasileira de Enfermagem, 71, 677–683. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0624.

Mariano, J. L., & Marta, F. (2018). Eficiência na redução da mortalidade infantil: uma análise para os municípios da região Nordeste.

Oliveira, E. M. De, & Celento, D. D. (2016). A temática da Rede Cegonha. Revista de Saúde, 07(1), 33–38.

Oliveira, T. F., Felix, I. C. G., Souza, C. D. F., Machado, M. F. (2019). Perfil epidemiológico da sífilis congênita em alagoas (2008-2017). Saúde Meio Ambient. 8:237-247.

Silva, L. S. R. da, Silva, P. S. R. da, Santos, M. C. A., Silva, A. A., Oliveira, L. S., Silva, M. B. P. da, Varão, A. C. de A., Paiva, M. S. B., Rodrigues, R. L., & Cardoso, L. S. P. (2020). Perfil sociodemográfico e obstétrico dos óbitos fetais de gestantes residentes em um município do estado do Maranhão. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 45. https://doi.org/10.25248/reas.e3113.2020.

Silva, V. A; De Moura, F. R.; Esperidião, F.; Baptista, C. H. M. S. (2019). Desigualdades socioeconômicas: uma análise sobre os determinantes da taxa de mortalidade infantil nos municípios brasileiros. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 13(1), 73–97.

Teixeira, J. A. M., Araujo, W. R. M., Maranhão, A. G. K., Cortez-Escalante, J. J., Rezende, L. F. M. de, & Matijasevich, A. (2019). Mortalidade no primeiro dia de vida: tendências, causas de óbito e evitabilidade em oito Unidades da Federação brasileira, entre 2010 e 2015. Epidemiologia e Servicos de Saude : Revista Do Sistema Unico de Saude Do Brasil, 28(1). https://doi.org/10.5123/S1679-49742019000100006.

UNICEF, United Nations Children's Fund. (2009). Situação Mundial da Infância 2009: Saúde Materna e Neonatal. Brasília- DF.

UNICEF. (2015). Levels&Trends in ChildMortality: Report 2015 - EstimatesDevelopedbythe UN Inter-agencyGroup for ChildMortalityEstimation.

Published

17/03/2021

How to Cite

BARROS, M. C. dos S. .; SILVA, R. de C. R. da .; SANTOS, L. de M. .; FIGUEREDO , E. V. N. .; SANTOS, C. T. O. dos .; CARVALHO , A. A. de .; CABRAL, T. da S. .; OLIVEIRA, K. C. P. do N. .; FRANÇA, A. M. B. de .; SILVA, J. M. de O. e . Rede Cegonha and its impacts on births in a region of northeastern Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e30810313166, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13166. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13166. Acesso em: 18 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences