Mental disorder and psychic suffering: social representations of primary health care professionals

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13267

Keywords:

Mental health; Primary Health Care; Psychic Suffering; Mental Disorder; Social representation.

Abstract

Primary Health Care is the preferred gateway to the Unified Health System and one of the attention points to the population’s mental health. The aim of this study was to understand the social representations of psychic suffering and mental disorders for professionals who work in reference teams of Basic Health Units with a Family Health Strategy and to identify them in the face of influences on decision-making regarding the elaboration of the therapeutic treatment plan. It is a qualitative, descriptive-exploratory research with a cross-sectional design, based on the theory of social representations developed by Serge Moscovici. Data were collected between April and June 2020, in a health district of a southern capital of the country, through semi-structured interviews and a socio-demographic questionnaire. 17 workers participated of the study, including doctors, nurses and nursing assistants / technicians. The results indicate that there is a paradigm shift in progress, although professionals find limitations both in training and in institutions to exercise comprehensive mental health care. It is concluded that the professionals of Primary Health Care differentiate the concepts of mental disorder and psychic suffering, however this does not significantly impact the decision-making about the therapeutic treatment plan, a fact that correlates to the current assistance structure, which demands on professional fast and resolutive interventions, which implies the preferential choice for drug therapy and referral to specialized services.

References

Alves, A. A. M., & Rodrigues, N. F. (2010). Determinantes sociais e econômicos da saúde mental. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 28(2), 127-131. http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-90252010000200003

Amarante, P., & Nunes, M. O. (2018). A reforma psiquiátrica no SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 2067-2074.

https://www.scielosp.org/pdf/csc/2018.v23n6/2067-2074/pt

Andrade, A. S., Tiraboschi, G. A., Antunes, N. A., Viana, P. V. B. A., Zanoto, P. A., & Curilla, R. T. (2016). Vivências acadêmicas e sofrimento psíquico de estudantes de psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(4), 831-846. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932016000400831&lng=pt&tlng=pt

Aragão, E. I. S., Campos, M. R., Portugal, F. B., Gonçalves, D. A., Mari, J. J., & Fortes, S. L. C. L. (2018). Padrões de apoio social na atenção primária à saúde: diferenças entre ter doenças físicas ou transtornos mentais. Ciência & Saúde Coletiva, 23(7), 2339-2350. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232018000702339&script=sci_abstract&tlng=pt

Arce, V. A. R., Sousa, M. F., & Lima, M. G. (2011) A práxis da saúde mental no âmbito da estratégia de saúde da família: contribuições para a construção de um cuidado integrado. Physis – Revista de Saúde Coletiva, 21(2), 541-560. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312011000200011

Bertoni, L. M., & Galinkin, A. L. (2017). Teoria e métodos em representações sociais. In: Mororó, L. P., Couto, M. E. S., & Assis, R. A. M. orgs. Notas teórico-metodológicas de pesquisas em educação: concepções e trajetórias [online]. (pp. 101-122). http://books.scielo.org/id/yjxdq/pdf/mororo-9788574554938-05.pdf

Bezerra, I. C., Jorge, M. S. B., Gondim, A. P. S., Lima, L. L. & Vasconcelos, M. G. F. (2014). “Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá”: processo de medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Interface. 18(48), 61-74. https://www.scielo.br/pdf/icse/v18n48/1807-5762-icse-18-48-0061.pdf

Borges, T. L., Miasso, A. I., Vedana, K. G. G., Telles Filho, P. C. P., & Hegadoren, K. M. (2015). Prevalência do uso de psicotrópicos e fatores associados na atenção primária à saúde. Acta Paulista de Enfermagem, 28(4), 344-349. https://www.scielo.br/pdf/ape/v28n4/1982-0194-ape-28-04-0344.pdf

Borges, T. L., Hegadoren, K. M., & Miasso, A. I. (2015). Transtornos mentais comuns e uso de psicofármacos em mulheres atendidas em unidades básicas de saúde em um centro urbano brasileiro. Revista Panamericana de Salud Publica, 38(3), 195-201. https://scielosp.org/pdf/rpsp/2015.v38n3/195-201/pt

Braga, T. B. M., & Farinha, M. G. (2018). Sistema único de saúde e a reforma psiquiátrica: desafios e perspectivas. Revista da Abordagem Gestáltica, 24(3), 366-378. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672018000300009

Câmara, R. H. (2013). Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 6(2), 179-191. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v6n2/v6n2a03.pdf

Carneiro, L. A., & Porto, C. C. (2014). Saúde mental nos cursos de graduação: interface com as diretrizes curriculares nacionais e com a reforma psiquiátrica. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 6(14), 150-167. https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68544#:~:text=As%20Diretrizes%20Curriculares%20Nacionais%20para,de%20servi%C3%A7os%20abertos%20e%20comunit%C3%A1rios.

Cavalcanti, M. T., Gomes, M. K., & Azevedo, L. M. S. (2020). Internato de Saúde Mental para alunos de Medicina: qual o melhor cenário de formação?. Interface: comunicação, saúde, educação, 24, 1-13. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832020000100500&tlng=pt

Fagundes, G. S., Campos, M. R., & Fortes, S. L. C. L. (2019). Matriciamento em saúde mental – análise do cuidado às pessoas em sofrimento psíquico na atenção básica. Ciência e Saúde Coletiva, periódico na internet. http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/matriciamento-em-saude-mental-analise-do-cuidado-as-pessoas-em-sofrimento-psiquico-na-atencao-basica/17333?id=17333&id=17333&

Id=17333

Fegadolli, C., Varella, N. M. D., & Carlini, E. L. A. (2019). Uso e abuso de benzodiazepínicos na atenção primária à saúde: práticas profissionais no Brasil e em Cuba. Cadernos de Saúde Pública, 35(6), 1-11. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2019000705007&lang= pt

Fertonani, H. P., Pires, D. E. P., Biff, D., & Scherer, M. D. A. (2015). Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, 20(6), 1869-1878. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000601869

Gaino, L. V., Souza, J., Cirineu, C. T., & Tulimosky, T. D. (2018). O conceito de saúde mental para profissionais de saúde: um estudo transversal e qualitativo. SMAD –Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, 14(2), 108-116. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/smad/v14n2/07.pdf

Gerbaldo, T. B., Arruda, A. T., Horta, B. L., & Garnelo, L. (2018). Avaliação da organização do cuidado em saúde mental na atenção básica à saúde do Brasil. Trabalho, Educação e Saúde, 16(3), 1079-1094. https://www.scielo.br/pdf/tes/v16n3/1678-1007-tes-1981-7746-sol00150.pdf

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Método de pesquisa. Editora da UFRGS. http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf

Hirdes, A. (2009). A reforma psiquiátrica no Brasil: uma (re) visão. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 297-305. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s1413-81232009000100036&script=sci_abstract&tlng=pt

Lei n. 10.216/01, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

Lima, A. I. O., Severo, A. K., Andrade, N. L., Soares, G. P., & Silva, L. M. (2013). O desafio da construção do cuidado integral em saúde mental no âmbito da atenção primária. Temas em Psicologia, 21(1), 71-82. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2013000100005

Lima, D. K. R. R., & Guimarães, J. (2019). Articulação da rede de atenção psicossocial e continuidade do cuidado em território: problematizando possíveis relações. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 29(3), 1-20. https://www.scielo.br/pdf/physis/v29n3/0103-7331-physis-29-03-e290310.pdf

Lima, D. W. C., Vieira, A. N., & Silveira, L. C. (2015). A escuta terapêutica no cuidado clínico de enfermagem em saúde mental. Revista Texto Contexto Enfermagem, 24(1), 154-160. https://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/pt_0104-0707-tce-24-01-00154.pdf

Marková, I. A. (2017). A fabricação da teoria de representações sociais. Cadernos de Pesquisa, 47(163), 358-375. https://www.scielo.br/pdf/cp/v47n163/1980-5314-cp-47-163-00358.pdf

Marques, A. P. M. (2018). Violências contra os adolescentes em um distrito sanitário: as potencialidades e fragilidades para efetivar a linha de Cuidado na rede de proteção. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná]. https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/58558/R%20-%20D%20-%20ANA%20PAULA%20MACHADO%20MARQUES.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Ministério da Saúde. (2000). Programa saúde da família. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/implantacao_unidade_saude_familia_cab1.pdf

Ministério da Saúde. (2012). Política Nacional de Atenção Básica. Série E. Legislação em Saúde. http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Ministério da Saúde. (2012). Saúde Mais Perto de Você – Acesso e Qualidade programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica (PMAQ). Departamento de Atenção Básica. http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_instrutivo_pmaq_site.pdf

Ministério da Saúde. (2013). Acolhimento à demanda espontânea. Departamento de Atenção Básica. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_demanda_espontanea_cab28v1.pdf

Ministério da Saúde. (2013). Saúde mental. Departamento de Atenção Básica. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_34_saude_mental.pdf

Moscovici, S. (2015). Representações sociais: investigações em psicologia social. Vozes.

Oliveira, J. S. B., Suto, C. S. S., & Silva, R. S. (2016). Tecnologias leves como práticas de enfermagem na atenção básica. Revista Saúde.com, 12(3), 613-621. http://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/425

Osmo, A., & Schraiber, L. B. (2015). O campo da saúde coletiva no Brasil: definições e debates em sua constituição. Saúde e Sociedade, 24(1), 205-218. https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24s1/0104-1290-sausoc-24-s1-00205.pdf

Pinto, L. F., & Giovanella, L. (2018). Do programa à estratégia saúde da família: expansão do acesso e redução das internações por condições sensíveis à atenção básica (ICSAB). Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1903-1913. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2018.v23n6/1903-1914/pt

Pizzinato, A., Jesus, L. O., & Pagnussat, E. (2012). Avaliação de demandas e abordagens de atenção em saúde mental em unidade com estratégia de saúde da família. Revista Psicologia e Saúde, 4(1), 1-9. https://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/8990/2/Avaliacao_de_demandas_e_abordagens_de_atencao_em_saude_mental_em_unidade_com_estrategia_de_saude_da_familia.pdf

Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html

Prata, N. I. S. S., Groisman, D., Martins, D. A., Rabello, E. T., Mota, F. S., Jorge, M. A., Nogueira, M. L., Calicchio, R. R., & Vasconcelos, R. V. (2017). Saúde mental e atenção básica: território, violência e o desafio das abordagens psicossociais. Trabalho, Educação e Saúde, 15(1), 33-53. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1981-77462017000100033&script=sci_abstract&tlng=pt

Ribeiro, M. K. P., Gianini, R. J., Goldbaum, M., & Cesar, C. L. G. (2018). Equidade na cobertura dos gastos com saúde pelo Sistema Único de Saúde de pessoas com indicativos de transtornos mentais comuns no município de São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia, 21(1), 1-13. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2018000100410&script=sci_abstract&tlng=pt

Rodrigues, J., Kempfer, S. S., Lenz, J. R., & Oliveira, S. N. (2017). Influência das reformas curriculares no ensino de saúde mental em enfermagem: 1969 a 2014. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(3), 1-9. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000300407

Rocha, P. R., & David, H. M. S. L. (2015). Determinação ou determinantes? Uma discussão com base na teoria da produção social da saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(1), 129-135. http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n1/pt_0080-6234-reeusp-49-01-0129.pdf

Rocha, R. F. (2016). Representações sociais da saúde mental. Revista Eletrônica Científica Inovação e Tecnologia, 2(14), 95-113. https://periodicos.utfpr.edu.br/recit/article/view/4298

Santos, A. B. (2019). Escuta qualificada como ferramenta de humanização do cuidado em saúde mental na Atenção Básica. APS em Revista, 1(2), 170-179. https://apsemrevista.org/aps/article/view/23

Santos, D. S., Mishima, S. M., & Merhy, E. E. (2018). Processo de trabalho na estratégia de saúde da família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciência e Saúde coletiva, 23(3), 861-870. http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n3/1413-8123-csc-23-03-0861.pdf

Schneider, L. R., Pereira, R. P. G., & Ferraz, L. (2018). A prática baseada em evidência no contexto da Atenção Primária à Saúde. Saúde debate, 42(118), 594-605. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042018000300594

Silva, P. M. C., Costa, N. F., Barros, D. R. R. E., Silva Junior, J. A., Silva, J. R. L., & Brito, T. S. (2019). Saúde mental na atenção básica: possibilidades e fragilidades do acolhimento. Revista Cuidarte, 10(1), 1-12. https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/617

Silveira, C. B., Costa, L. S. P., & Jorge, M. S. B. (2018). Redes de Atenção à Saúde como produtoras de cuidado em saúde mental: Uma análise reflexiva. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, (19), 61-70. http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpesm/n19/n19a08.pdf

Silveira, D. P., & Vieira, A. L. S. (2009). Saúde mental e atenção básica em saúde: análise de uma experiência no nível local. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 139-148. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2009.v14n1/139-148/pt

Sousa, P. F., Maciel, S. C., Medeiros, K. T., & Vieira, G. L. S. (2016). Atitudes e Representações em Saúde Mental: Um Estudo com Universitários. Psico USF, 21(3), 527-538. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712016000300527&lang =pt

Sousa, P. F., Maciel, S. C., & Medeiros, K. T. (2018). Paradigma biomédico x psicossocial: onde são ancoradas as representações sociais acerca do sofrimento psíquico? Temas em Psicologia, 26(2), 883-895. https://www.scielo.br/pdf/tpsy/v26n2/2358-1883-tpsy-26-02-0883.pdf

Souza, M. N. (2020). O índice de vulnerabilidade das unidades municipais de saúde como estratégia de enfrentamento da COVID-19 na periferia de Curitiba. Observatório das Metrópoles. https://www.observatoriodasmetropoles.net.br/o-indice-de-vulnerabilidade-das-unidades-municipais-de-saude-como-estrategia-de-enfrentamento-da-covid-19-na-periferia-de-curitiba/#:~:text=De%20acordo%20com%20o%20Decretoadequa% C3%A7%C3%A3o%20do%20domic%C3%ADlio%2C%20perfil%20e

Tesser, C. D. (2019). Cuidado clínico e sobremedicalização na atenção primária à saúde. Trabalho Educação e Saúde, 17(2), 1-27. https://www.scielo.br/pdf/tes/v17n2/1678-1007-tes-17-02-e0020537.pdf

Trajano, M. P. (2017). O cuidado em saúde mental: limites e possibilidades da rede de atenção psicossocial. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/188992

Van Dijk, W., Faber, M. J., Tanke, M. A. C., Jeurissen, P. P. T., & Westert, G. P. (2016). Medicalisation and overdiagnosis: what society does to medicine. International Journal of Health Policy and Management, 5(11), 619-622. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5088721/

Vargas, D., Maciel, M. E. D., Bittencourt, M. N. Lenate, J. S., & Pereira, C. F. (2018). O ensino de enfermagem psiquiátrica e saúde mental no brasil: análise curricular da graduação. Texto Contexto Enfermagem, 27(2), 1-9. https://www.scielo.br/pdf/tce/v27n2/0104-0707-tce-27-02-e2610016.pdf

Zerbetto, S. R. & Pereira, M. A. O. (2009). O Ensino de saúde mental e psiquiatria nos cursos técnicos de enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem, 13(3), 358-364. https://cdn.publisher.gn1.link/reme.org.br/pdf/v13n3a07.pdf

Published

14/03/2021

How to Cite

FARINHUK, P. dos S.; SAVARIS, L. E.; FRANCO , R. S. Mental disorder and psychic suffering: social representations of primary health care professionals . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e24010313267, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13267. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13267. Acesso em: 16 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences