Communication via social media as an educational technology of nursing assistance to clients submitted to high digestive endoscopy

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13854

Keywords:

Nursing; Communication; Mobile Applications; Endoscopy Gastrointestinal; Educational technology.

Abstract

This study had as objectives: To identify if the information sent by social media were assimilated by the clients who will be submitted to Upper Digestive Endoscopy; describe the conditions of preparation of the patient for the performance of Upper Digestive Endoscopy when receiving information via social media and analyze the impact of communication via social media as an educational technology according to the King's Goal Achievement Theory. Method: Convergent Care Research, carried out in a federal hospital in Rio de Janeiro, with 17 clients undergoing pre-examination of Upper Digestive Endoscopy. A semi-structured interview was used, followed by a dialogue with each participant. Thematic analysis applied. Results: A significant adherence of the patient to the preparation for the exam was observed after receiving the information, both in telephone contact and in the message via Whatsapp®, the interaction between nurse / patient was observed throughout the process, corroborating King's theory when says that individuals involved in an interaction bring different ideas as well as individual attitudes and perceptions to be exchanged. Conclusion: It became evident that, when rethinking our practice, in addition to sharing our knowledge, we also assumed responsibility for our action, with the user of our service and his companion. The nurse is in a position to assess what people know about their health and how they act to maintain it. Through the process of human interaction, it equates its scientific knowledge with the SELF of the client (person, family or community) in order to, through communication, set the goals and the means to achieve the objectives.

Author Biographies

Maria Célia Teixeira Barbosa, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira, graduada pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro- UNIRIO (2002) , pós graduada em Enfermagem em Clínica Médica e Cirúrgica nos Moldes de Residência de Enfermagem, no Hospital Central do Exército, de acordo com o Termo de Cooperação Técnica nº 08-005-00 do Comando do Exército/Ministerio da Saúde pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro(UNIRIO).Foi 1º Tenente Enfermeira do Exército Brasileiro (HCE) . Atualmente é enfermeira do Serviço de Endoscopia Digestiva no Hospital Universitário Gaffrée e Guinle. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Clínica Cirúrgica e realiza PRECEPTORIA DE RESIDENTES DE ENFERMAGEM.

Ana Cristina Silva Pinto, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1998), Habilitação Em Enfermagem Médico Cirúrgica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1999). Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2004), Doutorado em Enfermagem- EEAN/ UFRJ pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2016). Especialista em Docência do Ensino Superior. MBA em Gestão e Segurança dos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde -Consórcio Brasileiro de Acreditação - CBA. Atua na Graduação e Pós-Graduação: Programa de Pós-Graduação em Enfermagem - PPGENF. Membro do Grupo de Pesquisa Enfermagem e a Saúde da População ( UNIRIO). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde do Adulto e do Idoso, com interface na EDUCAÇÃO EM SAÚDE, atuando principalmente nos seguintes temas: Tecnologias Educacionais, Consulta de Enfermagem, Enfermagem Perioperatória - Enfermagem ortopédica, Oncologia cirúrgica e Fenomenologia.

Laisa Figueiredo Ferreira Lós de Alcântara, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008) e especialista em Enfermagem Oncológica pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva - INCA (1999). Membro do grupo de extensão e pesquisa Gerência e Processo de Cuidar em Enfermagem na Atenção Oncológica(CNPq/UFRJ). Iniciou suas atividades profissionais no Centro de Pesquisas e Assistência Integral a Mulher e a Criança / CPAIMC como enfermeira supervisora das Unidades Básicas de Saúde propostas em um projeto de pesquisa subsidiado pelo Ministério da Saúde, Organização Mundial de Saúde (OMS) e Universidade Johns Hopkins, na cidade do Rio de Janeiro (1981 - 1986); desenvolvendo consulta de enfermagem e grupos operativos de orientação em Planejamento Familiar, Saúde da Mulher e Puericultura,bem como a gestão de 5 Unidades Básicas de Saúde. Exerceu a função de enfermeiro no Hospital do Câncer III / INCA durante 30 anos, desenvolvendo diversas atividades inerentes a assistência de enfermagem hospitalar e ambulatorial no campo da Oncologia e dentre elas, enfermeira ambulatorial nos setores de Quimioterapia (7 anos), Ambulatório (10 anos), Educação Continuada (10 anos) e Serviço de Pronto Atendimento (3 anos) do Hospital do Câncer III / INCA. Atuou como docente na disciplina de Metodologia da Pesquisa no curso de Especialização de Enfermagem em Emergência na Universidade Gama Filho (2010 - 12) e na Estácio (2012- 13). Atuou na atividade de supervisão na Área de Ensino Técnico e bolsista de produção científica da COENS-INCA no período de 02. de 2017 a 03 de 2018. Atualmente exercendo função de docente na Escola de Enfermagem Alfredo Pinto - UNIRIO, como professosr visitante. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Oncologia, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, consulta de enfermagem, saúde da mulher, oncologia, câncer de mama, Sistematização da Assistência de Enfermagem e fenomenologia.

Eliza Cristina Macedo, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Biociências - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e Universidade Aberta de Lisboa, Portugal - 2015 com fomento PDSE/CAPES, processo 9610/2014-06. Mestre em Enfermagem -Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) - 2007. Especialista em Enfermagem Pediátrica - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 2003. Especialista em Educação Profissional na Área de Saúde: Enfermagem - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) 2004.Graduação em Enfermagem e Obstetrícia - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeio (UNIRIO) 1983. Enfermeira do Setor de Pediatria do Hospital Federal dos Servidores do Estado-HFSE (até 2010). Professor Adjunto - Departamento de Enfermagem Materno-Infantil (DEMI), Escola de Enfermagem Alfredo Pinto (EEAP), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Membro do NuPEEMC - Núcleo de Pesquisa, Estudos e Experimentação em Enfermagem na Área da Saúde da Mulher e da Criança. Coordenadora do Projeto de Extensão: Qualidade de vida de crianças com necessidades especiais de saúde e seus cuidadores. Vice coordenadora do Projeto de Extensão: Incorporação e produção de tecnologias nos serviços de saúde. Experiência assistencial, gerência e pesquisa na área de Enfermagem - Saúde da Mulher e da Criança/Adolescente/Família. Coordenadora do Curso de Mestrado Profissional em Saúde e Tecnologia no Espaço Hospitalar.

Vânia Maria Fernandes Teixeira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1980).Doutora em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social/UERJ (2015).Mestrado em Ciências da Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (2005). Possui título de Especialista em Ética Aplicada e Bioética pela Fundação Oswaldo Cruz (2003). Exerceu suas funções como Tecnologista Pleno A3 do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), na qual atuou como Supervisora da Área de Ensino Técnico e docente dos Cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio e da Residência Multiprofissional em Oncologia. Atuou como enfermeira no Hospital do Câncer I (INCA), atualmente aposentada.Tem experiência em Planejamento e Gestão em Saúde; Ensino com ênfase na Educação Profissional Técnica de Nível Médio e Bioética.Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Integra o Grupo de Pesquisa: Políticas, Programas e Ações de Educação na Saúde do IMS/UERJ.

Leila Leontina Couto, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense (1985), mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004) e doutorado em Doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2014). Atualmente é professora adjunta de enfermagem da Universidade Federal Fluminense- PURO, com atuação na área da saúde da criança e saúde do adolescente.. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Aconselhamento Genético, atuando principalmente nos seguintes temas: oncologia, enfermagem, pediatria, família e enfermagem pediátrica.

Vera Lúcia Freitas, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990), Especialização em Doenças Infecto parasitarias - Residencia em Enfermagem - UERJ (1991 - 1993). Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1999) e Doutorado em Enfermagem (EEAN / UFRJ (2007). Atualmente é Professor Associado I (EEAP / UNIRIO). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Área Cuidativa, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, cuidado de enfermagem, pós-operatório, paciente oncológico comunicação, educação para saúde e administração em enfermagem.

Jeniffer Lopes Rodrigues da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Gama Filho (2010); Especialização em Enfermagem Oncológica pela Universidade Gama Filho(2012); Especialização em Saúde da Família pela W Pós(2014); Laborou como enfermeira na assitência ao paciente oncológico, clínico, cirúrgico e de saúde mental no Hospital São Francisco Xavier(2012-2013). Atuou como enfermeiro oncologista na Clínica de Oncologia Salus(2014-2015). Experiência como enfermeira em oncologia, Infectologia e pediatria no Hospital Municipal Raphael de Paula Souza(2013-2014) e enfermeira coordenadora da linha de cuidado da DST/AIDS da Coordenação de Atenção Primária - CAP 4.0(2015 - 2017). Atualmente atua como Enfermeira Oncologista no ambulatório de quimioterapia do Hospital Universitário Gafreé Guinle(Maio 2017 até o presente momento).

Sabrina da Silva Brasil, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira, formada pela UniFoa em Volta Redonda, em 2007. Mestranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UNIRIO), Especialista em Gestão da Atenção Básica e Emergência Pré e Intra-hospitalar, pela UniFoa, Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Dom Bosco/MS, especialista em Gestão e Organizações dos Serviços de Saúde pela UFJF/MG. Enfermeira de SCIH e Educação Permanente do Hospital de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu em Paraíba do Sul/RJ desde 2013.

 

Isabelle Christine Nunes de Carvalho, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira de Emergência Adulta, graduada em ENFERMAGEM pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Com interesse de atuação nas áreas de Segurança do Paciente,Gerenciamento de Risco, voltados para atenção à Saúde do Adulto e Idoso com vistas à reabilitação e/ou melhora da qualidade de vida.

References

BarelI, P. S., Sousa, C. S., PovedaI, V. B., & TurriniI, R. N. T. (2018). Ansiedade e conhecimento de clientes submetidos a cirurgia ortognática no pré-operatório. Revista Brasileira de Enfermagem, 71, 2206-2211.

Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução no 554, de 17 de julho de 2017. Dispõe sobre estabelecer os critérios norteadores das práticas de uso e de comportamento dos profissionais de enfermagem, em meio de comunicação de massa, na mídia impressa, em peças publicitárias, de mobiliário u [Internet].2017. http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05542017_53838.html

Corrêa, E. S. (2009). A Comunicação Digital nas organizações: tendências e transformações. Organicom, 6(10-11), 161-167.

Deng, X., Wang, Y., Zhu, T., Zhang, W., Yin, Y., & Ye, L. (2015). Short message service (SMS) can enhance compliance and reduce cancellations in a sedation gastrointestinal endoscopy center: a prospective randomized controlled trial. Journal of medicais systems, 39(1), 1-11.

Souza Minayo, M. C. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista pesquisa qualitativa, 5(7), 1-12.

Frazier, B., Culley, J. M., Hein, L. C., Williams, A., & Tavakoli, A. S. (2014). Social networking policies in nursing education. CIN: Computers, Informatics, Nursing, 32(3), 110-117.http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342017000100800&lng=pt.

Humaniza, S. U. S. (2004). Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS/Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde.

Instituto Nacional de Câncer. (2020) incidência de câncer no Brasil. Rio de janeiro, RJ, Brasil. https://www.inca.gov.br/estimativa/estado-capital/brasil.

King, I. M. (1981). A theory for nursing systems, concepts, process.

Leão, C. F., Coelho, M. E. D. S., Siqueira, A. O., Rosa, B. A. D. A., & Neder, P. R. B. (2018). O uso do whatsapp na relação médico-paciente. Revista Bioética, 26(3), 412-419. http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422018263261.

Lima, I. C. V. D., Galvão, M. T. G., Pedrosa, S. C., Cunha, G. H. D., & Costa, A. K. B. (2018). Uso do aplicativo Whatsapp no acompanhamento em saúde de pessoas com HIV: uma análise temática. Escola Anna Nery, 22(3). https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0429.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Pereira, D. A., Costa, N. M. D. S. C., Sousa, A. L. L., Jardim, P. C. B. V., & Zanini, C. R. D. O. (2012). The effect of educational intervention on the disease knowledge of diabetes mellitus patients. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(3), 478-485.

Pereira, J. S. P. (2018). A Influência da Orientação da Enfermagem antes da Alta Hospitalar no Prognóstico do Paciente. Amazônia Science & Healt. 6(4).

Pinto, A. C. S., Scopacasa, L. F., Bezerra, L. L. D. A. L., Pedrosa, J. V., & Pinheiro, P. N. D. C. (2017). Uso de tecnologias da informação e comunicação na educação em saúde de adolescentes: revisão integrativa. Rev. enferm. UFPE on line, 634-644.

Ressler, P., & Glazer, G. (2010). Legislative: Nursing’s engagement in health policy and healthcare through social media. OJIN: The Online Journal of Issues in Nursing, 16(1), 1-5.

Santos, Z. M. D. S. A., & Lima, H. D. P. (2008). Tecnologia educativa em saúde na prevenção da hipertensão arterial em trabalhadores: análise das mudanças no estilo de vida. Texto & Contexto-Enfermagem, 17(1), 90-97.

Selhorst, I. S. de B., Bub, M. B. C., & Girondi, J. B. R. (2014). Protocolo de acolhimento e atenção para usuários submetidos a endoscopia digestiva alta e seus acompanhantes. Revista Brasileira de Enfermagem 67(4), 575-580. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2014670412.

Selhorst, I. S. de B., Bub, M. B. C., & Girondi, J. B. R. (2015). Usuário submetido à endoscopia digestiva alta e seu acompanhante: Perfil e expectativas. Enfermagem em Foco, 4(3/4), 207–210. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2013.v4.n3/4.554.

Silva, D. M. D. L., Carreiro, F. D. A., & Mello, R. (2017). Tecnologias educacionais na assistência de enfermagem em educação em saúde: revisão integrativa. Rev. enferm. UFPE on line, 1044-1051.

Silva, M. G. (2010). Enfermagem em endoscopia: digestiva e respiratória. São Paulo (SP): Atheneu.

Silva, R. D. S. (2013). Exame endoscopia digestiva alta: percepções dos pacientes submetidos ao exame e contribuição de enfermagem.

Silva, S. S. F. da, Monteiro, J. de A. S., Silva, L. R. da, Francisco, M. R., Brasil, Y. Z., & Paula, D. G. de. (2020). Produções tecnológicas desenvolvidas por Enfermagem: revisão sistemática. Research, Society and Development, 9(8), e224985721. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.5721

Souza, M. T. D., Silva, M. D. D., & Carvalho, R. D. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8(1), 102-106.

Thomas, L. S.., & Fontana, R. T. (2020). Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação como meio educacional na saúde: revisão integrativa. Research, Society and Development, 9(10), e9869109321. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9321

Trentini, M., Paim, L., & Silva, D. M. G. V. (2014). Pesquisa convergente assistencial: delineamento provocador de mudanças nas práticas de saúde. Porto Alegre: Moriá, 175, 175p.

Published

28/03/2021

How to Cite

BARBOSA, M. C. T. .; PINTO, A. C. S. .; ALCÂNTARA, L. F. F. . L. de; MACEDO, E. C. .; TEIXEIRA, V. M. . F.; COUTO, L. L.; FREITAS, V. L.; SILVA, J. L. . R. da; BRASIL, S. da S. .; CARVALHO, I. C. N. de . Communication via social media as an educational technology of nursing assistance to clients submitted to high digestive endoscopy. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e1710413854, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13854. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13854. Acesso em: 11 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences