Occupational stress present in the activities of the nursing team in the operating room: Integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13872

Keywords:

Nursing; Stressors; Stress; Occupational; Surgery Center.

Abstract

The operating room is a complex, restricted unit, in which the team is faced with several situations that can be perceived as stressors. The study aimed to describe the scientific evidence found in the scientific literature from 2015 to 2020, about stressors and their consequences, for nursing professionals at work in the operating room. This is an integrative literature review study, descriptive, with a qualitative approach. The databases searched were BVS, LILACS and SciELO. For data extraction, the Ursi & Galvão form was used. For the critical analysis of the studies, the classification system by hierarchy of evidence was applied. The study sample consisted of nine original articles. The results were presented and discussed from two thematic categories: Stress factors at work in the operating room and the consequences of stress at work in the operating room. Divided and submitted to a variety of positions that generate wear and tear. Nursing was considered to be a stressful profession and this is related to working with people who suffer and require a great deal of attention. It was concluded that the occupational stress factors are of an environmental, social, professional nature, mainly related to the nature of the activities developed, the number of professionals, the planning of activities, materials and equipment, interpersonal relationships, are factors that have physical and psychological consequences.

References

Andrade, M. C. M. & Siqueira Júnior, A. C. (2017). Occupational stress in the mobile emergency care service. REME: Revista Mineira de Enfermagem, 18(2), 376–383.

Brasil. Ministério da Saúde, 2015.

Cardoso, V. et al. (2019). Revisão sistemática de métodos mistos: método de pesquisa para a incorporação de evidências na enfermagem. Texto & Contexto- Enfermagem, 28. e20170279. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2017-0279

Carvalho, A. D. M. B. et al. (2018). Qualidade de vida no trabalho da equipe de enfermagem do centro cirúrgico. Enfermagem em Foco, 9(3), 35–41.

Gomes, L. D. C. & Dutra, K. E. (2014). O enfermeiro no gerenciamento do centro cirúrgico. Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery, (16),1–21.

Jacques, J. P. B. et al. (2015). Geradores de estresse para os trabalhadores de enfermagem de centro cirurgico Stress Generators for employees of surgical nursing center. Semina: Ciênc. Biol. Saúde, 36(1), 25–32, 2015.

Lima, T. F. da S. et al. (2021). Variáveis climáticas e sua relação com doenças de origem infecciosa: Uma revisão integrativa. Research, Society and Development, 10(2), e7910212126. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i2.12126

Martins, F. Z.; & Dall’agnol, C. M. (2016). Centro cirúrgico: desafios e estratégias do enfermeiro nas atividades gerenciais. Revista Gaúcha de Enfermagem, 37(4), 1–9.

Meneghini, F., Paz, A. A. & Lautert, L. (2011). Fatores ocupacionais associados aos componentes da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto e Contexto Enfermagem, 20(2), 225–233.

Moher, D., et al. (2009). Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: The PRISMA statement. PLoS Medicine. 6 (7).

Santos, W. M. dos, Secoli, S. R. & Püschel, V. A. de A. (2018). A abordagem do Joanna Briggs Institute para revisões sistemáticas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26. e3074.

Santos, R. M. A. & Beresin, R. (2009). Qualidade de vida dos enfermeiros do centro cirúrgico. Einstein, 7(2), 152–160.

Organização Internacional do Trabalho (OIT). http://www.oitbrasil.org.br/sites/default/files/topic/gender/doc/safeday2013%20final_1012.pdf

Passos, J. B., Silva, E. L. da & Carvalho, M. M. C. de. (2010). Estresse no centro cirúrgico: uma realidade dos profissionais de enfermagem. Rev Pesq Saúde, 11(2), 35-38.

Paglione, N. L. et al. (2016). Satisfação profissional da equipe de enfermagem do centro cirúrgico em hospital público de média complexidade. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 10(3), 1080-1087.

Pereira, A. S., et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Puerto, J. C. et al. (2017). Uma nova contribuição para a classificação dos fatores que afetam os profissionais de enfermagem. Rev Latino Enfermagem. 25, 2895.

Ratochinski, C. M. W. et al. (2016). O Estresse em Profissionais de Enfermagem: Uma Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 20(4), 341–346.

Rissardo, M. P. & Gasparino, R. C. (2013). Exaustão emocional em enfermeiros de um hospital público. Escola Anna Nery, 17(1), 128-132.

Semeniuk, A. P. et al (2012). Saúde Mental Da Equipe De Enfermagem De Centro Cirúrgico frente à morte. Revista SOBECC, 17(4), 48–56.

Schmidt, D. R. C. et al. (2009). Estresse ocupacional entre profissionais de enfermagem do bloco cirúrgico. Texto e Contexto-Enfermagem, 18(2), 330-337.

Schmidt, D. R. C. et al. (2011). Ansiedade e depressão entre profissionais de enfermagem que atuam em blocos cirúrgicos. Rev Esc Enferm USP, 45(2), 487–93.

Schmidt, D. R. C. et al. (2013). Qualidade de vida no trabalho e burnout em trabalhadores de enfermagem de Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(1), 13–17.

Soares, C. B. et al. (2014). Revisão Integrativa versus Revisão Sistemática. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, 12(4), 758–764.

Soares, D. L. et al. (2017). Qualidade de vida dos profissionais atuantes no centro cirúrgico. Psicologia e Saúde em Debate, 3(2), 159–170.

Sousa, F. M. S. (2011). Condições de trabalho de ambiente cirúrgico e a saúde dos trabalhadores de enfermagem. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Stumm, E. M. F. et al. (2010). Estressores e sintomas de estresse vivenciados por profissionais em um centro cirúrgico. REME rev. min. enferm, 54–63.

Teixeira, E. et al. (2014). RIL métodos de revisão. Revista de Enfermagem da UFPI, 2(5), 3.

Tostes, M. F. D. P. et al. (2017). Dualidade entre satisfação e sofrimento no trabalho da equipe de enfermagem em centro cirúrgico. Revista SOBECC, 22(1), 3–9.

Ueno, L. G. S. et al. (2017). Estresse ocupacional: estressores referidos pela equipe de enfermagem. Rev. Enferm. UFPE Online, 11(4), 1632-1638.

Ursi, E. S. & Galvão, C. M. (2015). Avaliação das escalas de risco para úlcera por pressão em pacientes críticos: uma coorte prospectiva. Acta Paul Enferm, 23(1), 28-35.

Versa, G. L. G. da S. et al. (2012). Estresse ocupacional: avaliação de enfermeiros intensivistas que atuam no período noturno. Revista Gaúcha de Enfermagem, 33(2), 78-85.

Vieira, F. D. S. et al. (2013). Estresse: fatores desencadeadores no exercício profissional de enfermeiros. Revista de Enfermagem da UFPI, 2, 55–59.

Published

02/04/2021

How to Cite

RAMOS, C. S.; SANTOS, I. A. S. dos; SILVA, A. G. I.; BARROS, B. T. D.; BARROS, R. L. M.; BAILÃO, R. O.; LIMA, T. F. da S.; OLIVEIRA, V. M. L. P.; MENDES, L. O.; BRITO, E. M. de; OLIVEIRA, B. C. de; BARBOSA, J. F.; CAMPOS, R. C. C.; VALE, K. M.; COUTO, A. M. F. A. Occupational stress present in the activities of the nursing team in the operating room: Integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e13310413872, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13872. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13872. Acesso em: 14 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences