Use of plants as an alternative to synthetic agrochemicals in the cultivation of organics in Goiás

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14191

Keywords:

Agriculture; Natural pesticides; Sustainability.

Abstract

One of the main challenges of sustainable agriculture is the control of diseases, pests and invasive plants. In view of this, the current study aimed to conduct a literature review on the use of plant as an alternative to synthetic agrodefensivos in organics cultivation in Goiás. Natural pesticides such as the use of plants have been gradually supplied by synthetics, but recently, there is a growing interest in natural products for pest control. The organic food market in Goiás is still an introvert, however it has registered growth in production and demand in the last ten years. The rural worker has an interest in producing food without using pesticides. The methodology is a bibliographic review with a qualitative exploratory-descriptive design. It is concluded that the use of plants as an alternative to agrodefensive agents, is of paramount importance for farmers, since the plants are highly effective in combating pathogenesis and increase the producer's viability. Therefore, it is considered that the use of plants as an alternative to agrodefensives in the development of organic products in agriculture is an ecologically appropriate strategy.

References

Alexandria, K. (2018). Preocupação com a saúde faz disparar produção de orgânicos. Jornal O Popular. Recuperado de: https://www.opopular.com.br/noticias/economia/preocupa%C3%A7%C3%A3ocomasa%C3%BAde-faz-disparar-produ%C3%A7%C3%A3o-de-org%C3%A2nicos-1.1472970.

Ambiente Brasil. (2016). Produtos orgânicos. Recuperado de: http://www. ambientebrasil.com.br.

Bahiense, D. V., Angeletti, M. P., & Souza, J. L. (2017). Situação atual e desafios da agricultura orgânica no estado do Espírito Santo. XIX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, XV Encontro Latino Americano de Pós-Graduação e V Encontro de Iniciação à Docência – Universidade do Vale do Paraíba. Recuperado de: https://biblioteca.incaper.es.gov.br/digital/bitstream/item/2635/1/BRTsituacaoatualedesafiosdaagriculturaorganicanoestado-souza.pdf.

Barbosa, W. F., & Sousa, E. P. (2020). Agricultura orgânica no Brasil: características e desafios. Revista Economia & Tecnologia (RET) Vol. 8, nº 4, p. 67-74, Out/Dez.

Bettiol, W., Ghini, R., Morandi, M. A. B., Stadnik, M. J., Krauss, U., Stefanova, M., & Prado, A. M. C. (2012). Controle biológico de doenças de plantas na América latina. In: Alves, S. B., & Lopes, R. B. (Eds.) Controle microbiano de pragas na América Latina. Avanços e desafios. Piracicaba: FEALQ, p.303- 327.

Carson, R. (2014). Primavera Silenciosa. 2ª edição. Tradução Raul Polillo São Paulo: Edições Melhoramentos, 2014.

Conejero, M. A., Tavares, L. S., & Neves, M. F. (2017). Produtos orgânicos: o que é, dimensões e como se habilitar. In: Neves, M. F. (Coord.) Agronegócios e desenvolvimento sustentável: uma agenda para liderança mundial na produção de alimentos e bioenergia. São Paulo: Atlas, 2013.

Corrêa, J. C. R., & Salgado, H. R. N. (2011). Atividade inseticida das plantas e aplicações: revisão. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu, v.13, n.4, p.500-506.

Costa, E. L. N., Silva, R. F. P., & Fiuza, L. M. (2015). Efeitos, aplicações e limitações de extratos de plantas inseticidas. Acta Biologica Leopoldensia, v.26, n.2, p.173-85.

Gomes, J. B. P. (2016). Desafios da comercialização de produtos orgânicos oriundos da agricultura familiar no estado de Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, G&DR, v. 12, n. 1, p. 132-156, jan-abr/ Taubaté, SP.

Inácio, R., Rodrigues, M., Xavier, T., Wittmann, M., & Minussi, T. (2013). Desenvolvimento regional sustentável: abordagens para um novo paradigma. Desenvolvimento Em Questão, 11(24), 6-40. doi: https://doi.org/10.21527/2237-6453.2013.24.6-40.

Karan, K. F., & Zoldan, P. (2013). Comercialização e consumo de produtos agroecológicos; pesquisa dos locais de venda, pesquisa do consumidor região da grande Florianópolis: Instituto Cepa/SC, p.51.

Koswoski, K., & Cericato, A. (2016). Desafios para a produção orgânica em propriedades rurais na agência de desenvolvimento regional (adr) de São Miguel do Oeste – SC. Recuperado de: http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/index.php/pos-graduacao/trabalhos-de-conclusao-de-bolsistas/trabalhos-de-conclusao-2018/ciencias-sociaisaplicadas/especializacao-5/495-desafios-para-a-producao-organica-empropriedadesruraisnaagenciadedesenvolvimento-regional-adr-de-sao-miguel-do-oeste-sc/file.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de metodologia científica. 8. Ed, São Paulo: Atlas. Recuperado de: https://docero.com.br/doc/v0ce1c. Acesso em: 07 de dezembro de 2020.

Menezes, E. L. A. (2012). Inseticidas botânicos: seus princípios ativos, modo de ação e uso agrícola. Seropédica, Rio de Janeiro: Embrapa Agrobiologia, 58p.

Minayo, M. C. S. (2012). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes. Recuperado de: https://wp.ufpel.edu.br/franciscovargas/files/2012/11/pesquisa-social.pdf. Acesso em: 07 de dezembro de 2020.

Morais, F. F. S., Oliveira, M. P., Camargo, L. H. M. B., & Caliari, R. S. (2019). Perfil dos consumidores de produtos orgânicos da feira agroecológica do mercado municipal de Goiânia-GO. Revista Verde (Mossoró – RN), vol. 7, n. 4, p.64 – 70, out-dez. Recuperado de http://repositorio.bc.ufg.br/handle/ri/17345. Acesso em 10 de janeiro de 2021.

Murugesan, N., & Murugesh, T. (2013). Eficácia de alguma planta produtos contra o besouro-da-folha (besouro Hadda), Henosepilachna vigintiooctopunctata (F.) em Berinjela. Journal of Biopesticides, v.1, n.1, p.67-9.

Oliveira Junior, N., Pereira, R., & Bresciani, L. P. (2011). Desenvolvimento Regional Sustentável no Grande ABC: análise das contribuições de uma instituição financeira brasileira. Desenvolvimento em Questão, 9(18), 49-78. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2011.18.49-78.

Oliveira, C. J., & Araújo, T. L. (2018). Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 09, n. 01, p. 93 - 105. Recuperado de: http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n1/v9n1a07.htm. Acesso em: 23 de janeiro de 2021.

Pádua, J. B. (2014). Produção e comercialização de produtos orgânicos pela agricultura familiar em Mato Grosso do Sul. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados-MS. Recuperado de: http://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/bitstream/prefix/689/1/JulianaBenitesPadua.pdf.

Rathi, J. M. (2015). Triagem fitoquímica qualitativa de algumas plantas inseticidas disponíveis localmente. Diário de Biopesticides, v.1, n.1, p.52-4.

Roychoudhury, R. Chapter 18 - Neem Products. In: Ecofriendly Pest Management for Food Security. Academic Press, p. 545-562, 2016.

Seixas, W. (2017). Orgânicos criam nicho de mercado em Goiás. Recuperado de: http://www.dm.com.br/cotidiano/2017/01/organicos-criam-nicho-de-mercado-em-goias.html.

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - Senar Goiás. (2017). De olho no campo. Recuperado de: http://ead.senargo.org.br/blog/maior-demanda-por-organicos-e-adversidade-climatica-atraem-produtores-para-agricultura.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae. (2017). Entidades fortalecem produção de orgânicos em Goiás. 2017. Recuperado de: http://www.sebrae.com.br/sites/asn/uf/GO/entidades-fortalecem-producao-de-organicos-em-goias,799c0101df816410VgnVCM1000003b74010aRCRD.

Sociedade Nacional de Agricultura – SNA. (2018). O Popular (Goiás): Preocupação com a saúde faz disparar produção de orgânicos. Recuperado de: https://www.sna.agr.br/o-popular-preocupacao-com-a-saude-faz-disparar-producao-de-organicos/.

Sousa, A. C. (2018). Sustentabilidade e produção orgânica: fazenda nossa senhora aparecida em Hidrolândia-GO. Recuperado de: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/8360.

Sousa, A. P., & Goiás, B. S. (2015). Agricultura orgânica no Brasil como uma alternativa para o desenvolvimento agrícola. Revista de Economia, Anápolis-GO, vol. 11, nº 01, p.235-247, Jan./Ago.

Stadnik, M. J., & Talamini, V. (2012). Legislação e uso de produtos naturais em países do Cone Sul. In: STADINIK, M. J., TALAMINI, V. (Eds.) Manejo Ecológico de Doenças de Plantas. Florianópolis, CCA/UFSC. p. 63-82.

Stringheta, P. C., & Muniz, J. N. (2013). Alimentos orgânicos: produção, tecnologia e certificação. Viçosa: UFV, 452 p.

Vila Verde, E. L. N. (2018). Cesto Orgânico: Um projeto piloto na web que aproxima produtores e consumidores de orgânicos. Recuperado de: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/21500/1/CestoOrganicoProjeto.pdf.

Zoldan, P. C., & Mior, L. C. (2017). Produção orgânica na agricultura familiar de Santa Catarina. Florianópolis: Epagri, 94 p. (Epagri. Documentos, 239).

Published

14/04/2021

How to Cite

BATISTA, V. P. .; MARQUES, M. L. da S.; JESUS, J. M. I. de; VALE, L. S. R. .; ROSA, E. V.; FELIX, M. J. D. .; MARQUES, E. .; SANTOS, W. M. dos .; MARTINS, A. L. da S.; MARQUES, V. dos S. . Use of plants as an alternative to synthetic agrochemicals in the cultivation of organics in Goiás . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e37910414191, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14191. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14191. Acesso em: 8 may. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences