Profile of hepatitis carriers in the State of Rio de Janeiro, from 2010 to 2018

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14212

Keywords:

Hepatitis A; Notification; Prevalence.

Abstract

Objective: To characterize the profile of individuals with hepatitis A in the State of Rio de Janeiro, from 2010 to 2018. Methodology: This is a cross-sectional research developed in the quantitative approach. Secondary data from the Viral Hepatitis Notification Form of the Bank of the Notifiable Diseases Information System, provided by the State Health Secretariat of Rio de Janeiro, were used. Results: 48672 notifications were analyzed, of which 3734 were confirmed notifications of hepatitis A carriers only, 28719 were related to other hepatitis, 614 were co-infected with more than one viral hepatitis and 15605 were ignored. The highest prevalence of hepatitis A was found in individuals with 4 to 8 years of study, black, aged ≤ 24 years and with contaminated water and food being the main source of contagion. Conclusion: Notification of cases and proper completion is important for the definition of health actions capable of mitigating damage to public health.

References

Araújo, M. M. P. & Silva, C. G. (2015). A importância do sistema de informação de agravos de notificação - SINAN para a vigilância epidemiológica do Piauí. Revista Interdisciplinar Ciência e Saúde. 201, 25-29. ISSN: 23586966.

Bandeira D. M. (2017). Etiologias de casos de hepatites agudas e perfil epidemiológico dos casos de hepatite A atendidos no Ambulatório de Hepatites Virais da FIOCRUZ 1997 a 2015. Dissertação de mestrado. Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Barrocas, P. R. G., Moraes, F. F. M. & Sousa, A. C. A. (2019). Saneamento é saúde? O saneamento no campo da saúde coletiva. História, Ciências, Saúde-Manguinhos. 26(1), 33–51.

Bordalo, A. A. (2006). Estudo transversal e/ou longitudinal. Revista Paraense de Medicina. 20(4). ISSN 0101-5907.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. (2009). ABCDE do diagnóstico para as hepatites virais; 24p. Brasília (DF).

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento. (2019). 24º Diagnósticodos Serviços de Água e Esgotos. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento - SNIS; 183p. Brasília (DF).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. (2020). Boletim Epidemiológico das Hepatites Virais; 79p. Brasília (DF).

Brito, W. I. & Souto, F. J. D. (2020) Vacinação universal contra hepatite A no Brasil: análise da cobertura vacinal e da incidência cinco anos após a implantação do programa. Rev Bras Epdemiol, 23: E200073. DOI: 10.1590/1980-549720200073

Chaves, G. C., Castro, C. G. S. O. & Oliveira, M. A. (2017). Compras públicas de medicamentos para hepatite C no Brasil no período de 2005 a 2015. Cien Saude Colet, 22(8): 2527-2538.

Ferreira, V. M., Gonçalves, E. & Gonzaga, L. M. O. (2017). Hepatites virais: epidemiologia dos casos notificados no estado de Minas Gerais entre 2005 e 2014. Revista Unimontes Científica, 19(1): 70-78.

Ferreira, C. T. & Silveira, T. R. (2004). Hepatites virais: aspectos da epidemiologia e da prevenção. Rev. Bras. Epidemiol, 7(4): 473-87.

Guimarães, L. C. C., Brunini, S., Guimarães, R. A., Júnior, H. G., Minamisava, R., Cunha, V. E., Santos, J. R. S., Lacerda, E. P. S., Souza, C. M., Oliveira, V. L. B., Albernaz, G. C., Menezes, T. G. & Rezza, G. (2019). Epidemiology of hepatitis B virus infection in people living in poverty in the central-west region of Brazil. BMC Public Health, 19(1):443. doi: 10.1186 / s12889-019-6828-8.

Ministério da Saúde - MS. (2017). Hepatites virais. Guia de Vigilância em Saúde: volume único. Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde - MS. (2018). Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Manual Técnico para o Diagnóstico das Hepatites Virais. Ministério da Saúde.

Nunes, F. S., Facco, L., Fecury, A. A., Araújo, M. H. M., Oliveira, E., Dendasck, C. V., Souza, K. O. & Dias, C. A. G. M. Número de casos confirmados de hepatites virais no Brasil entre os anos de 2010 a 2015. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 25(11), 71-80. ISSN: 2448-0959.

Jesus, V. (2020). Racializando o olhar (sociológico) sobre a saúde ambiental em saneamento da população negra: um continuum colonial chamado racismo ambiental. Saúde Soc: 29(2), e180519. DOI 10.1590/S0104-12902020180519

Junior, M. J. (2015). Como escrever trabalhos de conclusão de curso: instruções para planejar e montar, desenvolver, concluir, redigir e apresentar trabalhos monográficos e artigos, (9a ed.) Petropólis, RJ, Ed Vozes, 247p.

Pereira, F. E. L. & Gonçalves, C. S. (2003). Hepatite A. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 36:387-400.

Petruccelli, J. L. & Saboia, A. L. (2013). Caracteristícas étnico-raciais da população: classificações e identidades: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro.

Silva, P. C., Vitral, C. L., Barcellos, C., Kawa, H., Gracie, R. & Rosa, M. L. G. (2007). Hepatite A no Município do Rio de Janeiro, Brasil: padrão epidemiológico e associação das variáveis sócio-ambientais. Vinculando dados do SINAN aos do Censo Demográfico. Cad. Saúde Pública, 23(7), 1553-1564.

Published

04/04/2021

How to Cite

SANTOS, N. C. C. dos .; VELASQUE, L. de S. .; SILVA , B. R. M. . Profile of hepatitis carriers in the State of Rio de Janeiro, from 2010 to 2018. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e28810414212, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14212. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14212. Acesso em: 14 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences