Factors influencing adherence to standard and contact precautionary measures in care for critical patients: Integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14278

Keywords:

Universal Precautions; Intensive Care Units; Infection control.

Abstract

Objective: To identify, in the scientific literature, the factors that influence the adherence to standard and contact precautionary measures by health professionals during the care of critical patients. Methodology: This is an integrative literature review, based on scientific investigations published between 2015 to 2020. Searches were carried out in databases: Foram efetuadas buscas nas bases de dados: BDENF, LILACS, MEDLINE, PUBMED and SCIELO, using the descriptors: Universal Precautions; Intensive Care Units; and, Infection Control. Results: 1,522 publications were identified, of which 10 met the established eligibility criteria. From the results, it was identified that the low adherence to standard and contact precautions may be related to the individual factors of the professionals, the deficiency in training, the organizational structure of the institution, the management of the unit and the working conditions. Final Considerations: The rates of adherence to standard and contact precautionary measures by health professionals working in the Intensive Care Units are still below expectations, whether in terms of hand hygiene, handling and disposal of sharps or use of personal protective equipment.

Author Biographies

Patrícia Miranda Sá, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira do HEMORIO. Graduada pela Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO. Residência em neonatologia pelo Instituto Fernandes Figueira - IFF/FIOCRUZ (2017-2019). Residência em clínica médica e cirúrgica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2019-2021).

Caroline Gomes Marambaia, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira graduada pela Universidade Federal Fluminense - UFF. Residência em Clínica Médica e Cirúrgica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO (2019-2021).

Priscila Carvalho de Souza, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira graduada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Residência em Clínica Médica e Cirúrgica em andamento pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Aline Affonso Luna, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira, Doutora em Enfermagem e Biociências pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2017). Professora adjunta na Escola de Enfermagem Alfredo Pinto (EEAP) - UNIRIO. Mestrado em Enfermagem - UNIRIO (2013). Especialista em Enfermagem em alta complexidade com ênfase em CTI - UNIGRANRIO (2008). Residência de Enfermagem em clínica médica - UERJ (2008). 

Natália Chantal Magalhães da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira, Doutora em Enfermagem Fundamental - Universidade de São Paulo/USP (2016). Professora adjunta na Escola de Enfermagem Alfredo Pinto (EEAP) - UNIRIO. Mestrado em enfermagem - Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL/MG (2014). Especialização em Gestão em Enfermagem em Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP (2016).

References

Adegboye, M. B., Zakari, S., Ahmed, B. A., & Olufemi, G. H. (2018). Knowledge, awareness and practice of infection control by health care workers in the intensive care units of a tertiary hospital in Nigeria. African health sciences, 18(1), 72–78. https://doi.org/10.4314/ahs.v18i1.11

Alvim, A. L. S., & Gazzinelli, A. (2016). Conhecimento dos profissionais de enfermagem em relação às medidas de prevenção das infecções. Revista de Enfermagem UFPE on line, 11(1), 18-23. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11873

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2004). Curso Infecção Relacionada à Assistência à Saúde – IRAS. Módulo 5: Risco Ocupacional e Medidas de Precauções e Isolamento. Versão 1.0. https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/iras/M%F3dulo%205%20-%20Risco%20Ocupacional%20e%20Medidas%20de%20Precau%E7%F5es%20e%20Isolamento.pdf

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2009). Segurança do Paciente em Serviços de Saúde: Higienização das Mãos. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_servicos_saude_higienizacao_maos.pdf

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2016). Programa Nacional de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (2016-2020). https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/pnpciras-2016-2020

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2017). Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/caderno-5

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2018). Nota Técnica nº 01/2018 GVIMS/GGTES/ANVISA: Orientações gerais para higiene das mãos em serviços de saúde. https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/alertas/item/nota-tecnica-n-01-2018-gvims-ggtes-anvisa-orientacoes-gerais-para-higiene-das-maos-em-servicos-de-saude

Barros, F. E. (2017). Construindo estratégia educativa relacionada a infecções na assistência à saúde em unidade hematológica e a enfermagem [Dissertação Mestrado, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro]. Hórus: Repositório Institucional da UNIRIO. http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/10969?show=full

Barros, F. E., Soares, E., Teixeira, M. L. O., & Branco, E. M. S. C. (2019). Controle de infecções a pacientes em precaução de contato. Revista de Enfermagem UFPE on line, 13(4), 1081-1089. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/238991.

Basso, M. E., Pulcinelli, R. S. R., Aquino, A. R. C., & Santos, K. F. (2016). Prevalência de infecções bacterianas em pacientes internados em uma unidade de terapia intensiva (UTI). Revista Brasileira de Análises Clínicas, 48(4), 383-388. https://doi.org/10.21877/2448-3877.201600307

Boeira, E. R., Silva e Souza, A. C., Pereira, M. S., Vila, V. S. C., & Tipple, A. F. V. (2019). Controle de infecções e medidas de segurança do paciente abordados em projetos pedagógicos da enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 53, e03420. https://doi.org/10.1590/s1980-220x2017042303420

Castro, A. F., & Rodrigues, M. C. S. (2019). Auditoria de práticas de precauções-padrão e contato em Unidade de Terapia Intensiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 53, e3508. https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018018603508

Centers for Disease Control and Prevention. (2016). Guide to infection prevention for outpatient settings: minimum expectations for safe care. https://www.cdc.gov/infectioncontrol/pdf/outpatient/guide.pdf

Centre for Evidence-Based Medicine. (2009). Oxford Centre for Evidence-based Medicine – Levels of Evidence. https://www.cebm.net/2009/06/oxford-centre-evidence-based-medicine-levels-evidence-march-2009/

Faria, L. B. G., Santos, C. T. B., Faustino, A. M., Oliveira, L. M. A. C., & Cruz, K. C. T. (2019). Conhecimento e adesão do enfermeiro às precauções padrão em unidades críticas. Texto & Contexto - Enfermagem, 28, e20180144. https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2018-0144

Faro, A. R. M. C. (2016). Avaliação do Conhecimento de Enfermagem em Terapia Intensiva Quanto às Medidas de Precaução Padrão e Biossegurança em Hospitais Públicos na Amazônia Ocidental Brasileira [Monografia de MBA, Instituto Nacional de Ensino Superior e Pesquisa].

Gil, A. C., Bordignon, A. P. P., Castro, E. A. R., Castro, S. T., Rafael, R. M. R., & Pereira, J. A. A. (2018). Avaliação microbiológica de superfícies em terapia intensiva: reflexões sobre as estratégias preventivas de infecções nosocomiais. Revista Enfermagem UERJ, 26, e26388. https://doi.org/10.12957/reuerj.2018.26388

Melo, M.S. (2019). Ações para a prevenção e controle da resistência bacteriana em hospitais de grande porte de Minas Gerais [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório Institucional da UFMG. http://hdl.handle.net/1843/31014

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J., Altman, D. G., The PRISMA Group. (2009). Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. PLOS Medicine, 6(7), e1000097. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1000097

Moralejo, D., El Dib, R., Prata, R. A., Barretti, P., & Corrêa, I. (2018). Improving adherence to Standard Precautions for the control of health care-associated infections. Cochrane Database of Systematic Reviews, 2(2), CD010768. https://doi.org/10.1002/14651858.CD010768.pub2

Ndu, A. C., & Arinze-Onyia, S. U. (2017). Standard precaution knowledge and adherence: Do Doctors differ from Medical Laboratory Scientists? Malawi medical journal: the journal of Medical Association of Malawi, 29(4), 294–300. https://doi.org/10.4314/mmj.v29i4.3

Pedrosa, K. K. A., Oliveira, I. C. M., Feijão, A. R., & Machado, R. C. (2015). Enfermagem baseada em evidência: caracterização dos estudos no Brasil. Cogitare Enfermagem, 20(4), 733-741. https://doi.org/10.5380/ce.v20i4.40768

Piai-Morais, T. H., Orlandi, F. S., & Figueiredo, R. M. (2015). Fatores que influenciam a adesão às precauções-padrão entre profissionais de enfermagem em hospital psiquiátrico. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(3), 473-480. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000300016

Porto, J. S., & Marziale, M. H. P. (2016). Motivos e consequências da baixa adesão às precauções padrão pela equipe de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, 37(2), e57395. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.02.57395

Reis, T. B., Tacla, M. T. G. M., Ferrari, R. A. P., Sant’Anna, F. L., & Faccioli, S. C. (2015). Precaução de Contato: percepção dos acompanhantes de crianças internadas em Unidade Pediátrica. Ciência, Cuidado e Saúde, 14(3), 1315-1322. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i3.24171

Siegel, J. D., Rhinehart, E., Jackson, M., Chiarello, L., & Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee. (2019). 2007 Guideline for isolation precautions: preventing transmission of infections agents in healthcare settings. https://www.cdc.gov/infectioncontrol/pdf/guidelines/isolation-guidelines-H.pdf

Silva, B. R., Carreiro, M. A, Simões, B. F. T., & Paula, D. G. (2018). Monitoramento da adesão à higiene das mãos em uma unidade de terapia intensiva. Revista Enfermagem UERJ, 26, e33087. https://doi.org/10.12957/reuerj.2018.33087

Whittemore, R., & Knalf, K. (2005). The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, 52(5), 546-553. https://doi.org/10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x

World Health Organization. (2009). WHO Guidelines on Hand Hygiene in Health Care: First Global Patient Safety Challenge Clean Care is Safer Care. https://www.who.int/publications/i/item/9789241597906

World Health Organization. (2016). Health care without avoidable infections: the critical role of infection prevention and control. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/246235/WHO-HIS-SDS-2016.10-eng.pdf

Published

20/04/2021

How to Cite

SÁ, P. M.; MARAMBAIA, C. G.; SOUZA, P. C. de; LUNA, A. A.; SILVA, N. C. M. da. Factors influencing adherence to standard and contact precautionary measures in care for critical patients: Integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e50710414278, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14278. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14278. Acesso em: 11 may. 2021.

Issue

Section

Review Article