Association of intestinal microbiota with anxiety and depression disorder

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14316

Keywords:

Intestinal microbiota; Depressive disorder; Anxiety disorder; Prebiotics.

Abstract

Introduction: The psychosocial stress that people experience daily is an important factor in the cause of mental illnesses such as depression and anxiety through stress. When they are not properly treated, due to the mental impossibility of not being able to express these problems, these diseases can manifest in the body through psychosomatic symptoms. Methodology: This is an integrative review, a search was conducted in the SciElo, LILACS and Pub Med databases, and the following words were used for the databases: “intestinal microbiota” “Depressive disorder” and “Anxiety Disorder”. The articles identified during the search in the databases were selected from the reading of the titles, followed by the abstracts, including 5 articles in the study. Results: The studies were selected according to the authors, the year of publication, place of study, type of study, results and conclusion. The relationship between intestinal microbiota and human health has been restricted to the most common mental and  behavioral disorders. Final Considerations: It was concluded that it is important to emphasize the importance of conducting studies on this topic, with the aim of contributing to the quality of life of people who have these disorders.

References

Andrade, V. L. A., Anjos, E. M. S., Amorim, N. R., Iskanda, S. M., Moura, M. T. R. M., Oliveira, K. A., Pereira, M. V. R., Pereira, M. R. A., & Regazzoni, L. A. A. (2015). Obesidade e microbiota intestinal. Revista de Medicina de Minas Gerais, 25(4): 583-589.

Andrade, A., Liz, C. M., Viana, M. S., & Rentz, A. (2017). Autoestima, imagem corporal e depressão de adolescentes em diferentes estados nutricionais. Revista de saúde publica. 19 (1). doi.org/10.15446/rsap.v19n1.47697

Antunes, A. E. A., Bueno, R. G. A. L., Moraes, A. L. F., & Rojas, M. F. (2019). Suplementação Com Probióticos E Depressão: Estratégia Terapêutica? Revista De Ciências Médicas, 28(1):31-47. http://dx.doi.org/10.24220/2318-0897v28n1a4455

Ayeta, A. C., Cunha, A. C. B., Heidelmann, S. P. & Saunders, C. (2015). Fatores nutricionais e psicológicos associados com a ocorrência de picamalácia em gestantes. Rev Bras Ginecol Obstet 37(12):571-7.

Burokas, A. (2017). Visando o eixo microbiota-intestino-cérebro: os prebióticos têm efeitos ansiolíticos e antidepressivos e revertem o impacto do estresse crônico em camundongos. Psiquiatria biológica 82(7): 472-487.

Blennerhassett, P. A., Collins, J., & Park, A. J. (2013). Função colônica alterada e perfil da microbiota em um modelo de camundongo com depressão crônica. Revista Neurogastroenterol Motil. 25: 733-575.

Costa, A. P. R., Lach, G., Morais, L. H., & Hoeller, A. A. (2017). Envolvimento da flora intestinal na modulação de doenças psiquiátricas. Revista de Ciências da Saúde. 29 (1): 64-82. 10.14295/vittalle.v29i1.6413

Cavalcante, L. G. C., & Brito, A. N. M. (2021). Efeitos da suplementação probiótica sobre a obesidade e o Diabetes Mellitus. Rev Interd. 13(1).

Dinan, T. G., & Cryan, J. F. (2013). Melancholic microbes: a link between gut microbiota and depression? Neurogastroenterology & Motility, 25 (9): 713-9. 10.1111 / nmo.12198.

França, T. B. (2019). Interação entre o eixo microbiota-intestino-cérebro, dieta e transtornos de humor: uma revisão narrativa. Universidade Federal do Pernambuco- Vitória de Santo Antão.

Furtado, C. C., Silva, A. L. B., & Walfall, A. M (2018). Psicobióticos Uma Ferramenta Para o Tratamento no Transtorno da Ansiedade e Depressão. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa. 15 (40): 2318-2083.

Grochowska, M., Wojnar, M., & Radkowski, M (2018). The gut microbiota in neuropsychiatric disorders. Revista Acta Neurobiol. Exp, 78: 69-81.

Gomesa, D. O. V. S., & Morais, M. B. (2019). Microbiota intestinal e emprego dos pro bióticos na constipação intestinal em crianças e adolescentes: revisão sistemática. Revista Paulista de Pediatria. 38: 1984 – 0462. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2020/38/2018123

Kawashita, R(2018). A influência da microbiota intestinal na saúde humana e apossível relação com transtornos mentais e comportamentais.Trabalho de Conclusão de Curso de Farmácia¬Bioquímica. Faculdade de Ciências Farmacêuticas-Universidade de São Paulo, São Paulo.

Naseribafrouei, A Hestad, K, Avershina, E, Sekelja, M, Linløkken, A, Wilson, R, Rud, K (2014). Correlação entre a microbiota fecal humana e a depressão. Neurogastroenterol Motil, 26 (8): 1155-62. 10.1111 / nmo.12378

Machado, M. C. L. (2017). Influência de Antipsicóticos de Segunda Geração na Composição da Microbiota Intestinal. Dissertação (Mestrado em Medicina Molecular)- UFMG. Belo Horizonte.

Martins, A. L. P. (2018). Perfil da Microbiota residente intestinal e sua relação coma depressão. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Nutrição). Centro Universitário de Brasília.

Medeiros, A. C., & Maynard, D. C. (2019). A influência do microbioma intestinal no desenvolvimento de processos depressivos e o uso de probióticos como tratamento. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Nutrição). Centro Universitário de Brasília.

Oliveira, B. A. S., & Protachevicz, A. P. (2019). Multifatoriedade das doenças psiquícas: Asserções acerca do microbioma humano. In: XVII Jornada Científica dos Campos Gerais.

Perandre, Y. H. T., & Haydu, V. B. (2018). Um programa de intervenção para transtorno de ansiedade social com o uso da realidade virtual. Revista Trends in Psychology. 26 (2):851-866. 10.9788/TP2018.2-12Pt.

Silva, B. P., Silva, R. G., & Souza, S. M. (2019). Microbiota intestinal e sua relação com o transtorno de ansiedade. rev. conexão eletrônica, 16 ( 1).

Published

17/04/2021

How to Cite

SILVA, B. M. F. da .; LIMA, A. C. da C. .; SANTOS, L. S. dos .; BRITO, A. . N. M. de . Association of intestinal microbiota with anxiety and depression disorder. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e45210414316, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14316. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14316. Acesso em: 6 may. 2021.

Issue

Section

Review Article