Teaching of Natural Sciences in basic education through recreational activities: A literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.14643

Keywords:

Natural Sciences; Recreational Activities; Basic Education.

Abstract

The objective of this work is to discuss the main teaching strategies that are currently being used to promote an improvement in the learning performance of natural sciences (Chemistry, Physics and Biology), in primary education students: elementary and high school, replacing the traditional teaching methodology. Thus, a bibliographic research was conducted dealing with the main teaching techniques involving playful activities. These have promoted an improvement in the students' learning, developing the motivation to study, innovation, sociability and allowing the student to internalize the interrelationships between these disciplines. A bibliographic survey was also conducted considering the contributions of several authors in the databases: Base Nacional Comum Curricular, Google Scholar, Scielo, Youtube, among others, seeking from their arguments to show the benefits of these strategies in the teaching-learning process of the students. The results demonstrate that the use of music, games and plays promote an improvement in student learning and stimulate cognitive skills that favor sociability, motivation and arouse the interest of the student in relation to the content addressed in the classroom. From this review, it was concluded that the use of classroom ludicity in the development of learning is very effective.

Author Biographies

Silvio Gentil Jacinto Junior, Universidade Estadual do Ceará

Licenciado em Química pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) em 2013. Especialista em Metodologia do Ensino de Biologia e Química pela Universidade Cândido Mendes (UCAM) em 2016. Mestre em Climatologia e Aplicações nos Países da CPLP e África pela UECE em 2018. Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais na UECE com desenvolvimento de pesquisas na área de Fisiologia Vegetal. Atualmente sou Professor de Ciências na Prefeitura Municipal de Fortaleza e tutor à distância do Curso de Licenciatura em Química da Universidade Estadual do Ceará - UECE. Atuo, principalmente, nos seguintes temas: fisiologia vegetal, estresse hídrico e catálise biológica.

Eliseu Marlônio Pereira de Lucena, Universidade Estadual do Ceará

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Ceará (1993), Mestre em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (1995), Doutor em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (2006) e Pós-Doutor em Botânica Aplicada (Plantas Bioativas e Bioprocessos) pela Texas A&M University (2014). Foi Professor Visitante da Universidade Regional do Cariri em 1996. Foi Diretor Regional do Centro de Ensino Tecnológico (CENTEC) do Cariri de 1997 a 2002. Desde 2004 é Professor do Curso de Ciências Biológicas (CCB) do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Estadual do Ceará (UECE), onde ministra aulas de Botânica e orienta alunos de Iniciação Científica, Monitoria Acadêmica e Trabalhos de Conclusão de Curso, sendo atualmente professor Associado. Foi Coordenador do CCB/CCS de 2009 a 2013. É professor do Curso de Ciências Biológicas EaD da UECE desde 2010. Foi Presidente do 62° Congresso Nacional de Botânica em Fortaleza-CE (2011). É coordenador do Laboratório de Ecofisiologia Vegetal desde 2012. Foi conselheiro do Centro de Ciências da Saúde (CONCEN) de 2007 a 2009, Conselheiro do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) de 2009 a 2012, Conselheiro do Conselho Universitário (CONSU) de 2012 a 2018 e novamente Conselheiro do CEPE desde 2018. Em 2013 ingressou como Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais da UECE, orientando alunos de Mestrado e Doutorado. Desenvolve pesquisas sobre Ensino de Botânica, Botânica Aplicada, Etnobotânica, Fisiologia Vegetal, Ecofisiologia Vegetal, Fisiologia de Sementes, Fisiologia Pós-Colheita, Florística, Morfologia Vegetal, Anatomia Vegetal, Plantas Alimentícias Não Convencionais, Plantas Bioativas e Bioprocessos, tendo escrito livros e publicado regularmente estudos em periódicos de circulação nacional e internacional.

Daniela Ribeiro Alves, Universidade Estadual do Ceará

Atualmente é Doutoranda em Ciências Naturais pela Universidade Estadual do Ceará. Possui Doutorado (2019) e Mestrado (2015) em Ciências Veterinárias e Especialização em Bioquímica e Biologia Molecular Aplicada à Área de Saúde (2013) pela mesma instituição. Graduada em Licenciatura Específica em Biologia (2008) pela Universidade Estadual Vale do Acaraú, possui Graduação em Mecatrônica Industrial (Incompleta - 2013) pelo Instituto Federal do Ceará.Foi Professora da Secretaria de Educação do Ceará e da Prefeitura Municipal de Maracanaú. Tem alguma experiência na área de Química de Produtos Naturais, Bioquímica, Biologia dos Microorganismos e Biologia Molecular. 

Selene Maia de Morais, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Federal do Ceará, mestrado em Química Orgânica pela Universidade Federal do Ceará e doutorado em Química - University of London (1991). Fez estágio de Pós-Doutoramento na Universidade de Aveiro (2015). Foi professora da Universidade Federal do Ceará até 1996, na graduação e Pós-graduação, exercendo os cargos de Coordenadora do Curso de Química e Diretora do Laboratório de Produtos Naturais. Atualmente é Professora Titular da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e bolsista de produtividade do CNPq. Foi coordenadora do Curso de Química da UECE, participou do Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas e atualmente orienta alunos dos Cursos de Doutorado em Biotecnologia da RENORBIO, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias e do Mestrado Acadêmico em Recursos Naturais (MARENA). Foi Coordenadora do MARENA e do Doutorado em Biotecnologia da UECE. Participa da Câmara de Pesquisa da FUNCAP, sendo consultora Ad-hoc da FAPEMA e da FAPEPI. Tem experiência na área de Química dos Produtos Naturais, atuando principalmente no isolamento e determinação estrutural de compostos orgânicos naturais e avaliação de suas propriedades biológicas como antioxidante, leishmanicida, antiviral contra o vírus Dengue, antimicrobiana, larvicida contra Aedes aegipty, dentre outras, trabalhando em conjunto com pesquisadores dos Cursos de Medicina Veterinária, Biologia e Medicina. É revisora de vários periódicos nacionais e internacionais.Trabalha também na área de síntese de derivados de produtos naturais e avaliação da relação estrutura x atividade.

References

Baldow, R., & Silva, A. P. T. B. (2014). Galileu, Kepler e suas descobertas: análise de uma peça teatral vivenciada com estudantes do Ensino Fundamental e Médio. Experiências Em Ensino de Ciências, 9(2), 45–68.

Barbosa, R. M. N., & Jófili, Z. M. S. (2004). Aprendizagem Cooperativa no Ensino de Química - Parceria que dá certo. Ciência & Educação, 10(1), 55–61.

Barros, M. D. M. de, Zanella, P. G., & Araújo-Jorge, T. C. (2013). A música pode ser uma estratégia para o ensino de Ciências Naturais? Analisando concepções de professores da Educação Básica. Revista Ensaio, 15(1), 81–94.

Barroso, M. F., Rubini, G., & Silva, T. da. (2018). Dificuldades na aprendizagem de Física sob a ótica dos resultados do Enem. Revista Brasileira de Ensino de Física, 40(4), e4402. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.1590/1806-9126-RBEF-2018-0059

Belo, T. N., Leite, L. B. P., & Meotti, P. R. M. (2019). As dificuldades de aprendizagem de química: um estudo feito com alunos da Universidade Federal do Amazonas. Scientia Naturalis, 1(3), 1–9.

Benedetti Filho, E., Santos, C. G. P. dos, Cavagis, A. D. M., & Benedetti, L. P. dos S. (2019). Desenvolvimento e aplicação de um jogo virtual no ensino de Química. Informática Na Educação: Teoria & Prática, 22(3), 144–157.

Bezerra, R. da S., Alves, L. A., & Nunes, A. O. (2018). Uma visão interdisciplinar do ensino de ciências por meio do teatro científico. Abakós, 7(1), 47–67.

Bortolotto, M. M., Gerônimo, V., Lima, M. C., & Michels, M. L. (2015). Bingo Quimisabe para o estudo da Química no Ensino Médio. Revista Cadernos Acadêmicos, 7(1), 99–107.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular.

Brasil. Ministério da Educação. (1996). LDB : Lei de diretrizes e bases da educação nacional. In Senado Federal. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf

Coelho, F. T., Silva, É. D., & Pirovani, J. C. M. (2020). Percepção de estudantes do ensino médio de uma escola pública do Espírito Santo sobre o ensino de Biologia. Olhares & Trilhas, 22(3), 381–402. https://doi.org/10.14393/ot2020v22.n.3.57134

Cruz, N. da S. N., Brito, H. E. M., Sousa, F. J. de, & Cardozo, R. M. D. (2020). A ludicidade no ensino de química: o uso da música como facilitador do processo de ensino-aprendizagem. Brazilian Journal of Development, 6(7), 51179–51186. https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-675

Fontes, A. da S., Ramos, F. P., Schwerz, R. C., & Cargnin, C. (2016). Jogos adaptados para o ensino de Física. Ensino, Saúde e Ambiente, 9(3), 226–248.

Gerhard, A. C., & Rocha Filho, J. B. da. (2012). A fragmentação dos saberes na educação científica escolar na percepção de professores de uma escola de ensino médio. Investigações Em Ensino de Ciências, 17(1), 125–145.

Gomes, L. O., & Merquior, D. M. (2017). O uso dos jogos e atividades lúdicas no ensino médio em Química. Revista UNIABEU, 10(24), 187–205.

Gonçalves, R. R., Martello, A. R., Epple, B., Laurence, C., Desbessel, J., & Post, P. (2014). Bingo da Célula: uma ferramenta metodológica para o ensino de Biologia Celular. Ensino & Pesquisa, 12(1), 28–47.

Gonzaga, G. R., Miranda, J. C., Ferreira, M. L., Costa, R. C., Freitas, C. C. C., & Faria, A. C. de O. (2017). Jogos didáticos para o ensino de Ciências. Educação Pública, 17(7), 1–12.

Ludke, M., & Andre, M. E . D. A. (2013). Pesquisas em educação: uma abordagem qualitativa. E.P.U.

Machado, P. P., & Matos, W. R. de. (2012). A utilização do Teatro no Ensino de Ciências: um estudo de caso. Revista Rede de Cuidados Em Saúde, 6(1), 1–11.

Melo, S. R. de;, & Feitoza, L. A. (2010). Teatro e Biologia : uma proposta dinâmica para compreender a nutrição dos neurônios e as relações entre os diferentes sistemas envolvidos . Arquivos Do MUDI, 14(1/2/3), 11–18.

Menegazzo, R. F. (2018). Teatro em Biologia contribui para a aprendizagem e pode ser utilizado em outras disciplinas. South American Journal of Basic Education Technical and Technological, 5(2), 113–124.

Miranda, S. de. (2001). No fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, 28(168), 64–64.

Moura, D. de A., & Teixeira, R. R. P. (2010). O Teatro Científico e o Ensino de Física - Análise de uma experiência didática. Revista Ciência e Tecnologia, 11(18), 1–17.

Oliveira, K. B. de. (2017). Estratégias lúdicas para o ensino de Ciências/Biologia: retratos do V Encontro Nacional de Ensino de Biologia (ENEBIO). Universidade Federal da Fronteira Sul.

Pedrancini, V., Corazza-Nunes, M., Bellanda Galuch, M., Olivo Rosas Moreira, A., & Claudia Ribeiro, A. (2007). Ensino e aprendizagem de Biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica de Enseñanza de Las Ciencias, 6(2), 299–309.

Pereira, R. J. B., Azevedo, M. M. R., Sousa, E. T. F., & Hage, A. X. (2020). Método tradicional e estratégias lúdicas no Ensino de Biologia para alunos de escola rural do município de Santarém-PA. Experiências Em Ensino de Ciências, 15(2), 106–123.

Perovano, L. P., Pontara, A. B., & Mendes, A. N. F. (2017). Dominó inorgânico: uma forma inclusiva e lúdica para Ensino de Química. Conhecimento Online, 9(2), 37–50.

Romano, C. G., Carvalho, A. L., Mattano, I. D., Chaves, M. R. M., & Antoniassi, B. (2017). Perfil químico: um jogo para o ensino da Tabela Periódica. Revista Virtual de Quimica, 9(3), 1235–1244. https://doi.org/10.21577/1984-6835.20170072

Santos, A. G. dos;, & Melo, S. C. da S. (2020). O Ensino de Ciências e a peça teatral “Heróis Da Ciência”: olhares dos estudantes com deficiência. Revista Educação e (Trans)Formação, Dossiê Tem(dez), 54–71.

Santos, A. O., Silva, R. P., Andrade, D., & Lima, J. . P. M. (2013). Dificuldades e motivações de aprendizagem em Química de alunos do ensino médio investigadas em ações do (PIBID/UFS/Química). Scientia Plena, 9(7), 1–6. www.scientiaplena.org.br

Silva, J. B. da, & Sales, G. L. (2017). Gamificação aplicada no ensino de Física: um estudo de caso no ensino de óptica geométrica. Acta Scientiae, 19(5), 782–798.

Silva, F. T. da;, Silva, A. L. S. da, Leyva-Cruz, J. A. ., Miltão, M. S. R. ., & Andrade-Neto, A. V. (2013). O Teatro como instrumento pedagógico para o Ensino de Física. Caderno de Física Da UEFS, 11(1,2), 43–55.

Silva Junior, A. N., & Barbosa, J. R. A. (2009). Repensando o ensino de Ciências e de Biologia na Educação Básica : o caminho para a construção do conhecimento científico e biotecnológico. Democratizar, 3(1), 1–15.

Silva, R. A. da;, Silva, M. L. e;, & Souza, R. (2001). O Ensino de Anatomia através das Artes Cênicas. Arquivos do MUDI, 5(1), 9–14.

Sousa, A. S., Silva, A. dos S., Araújo, D. S. de;, Silva, R. J. D., Costa, E. de O., Lima, R. C. dos S., Oliveira Junior, J. C. de;, Paula, J. C. de F., & Santos, J. C. O. (2015). O PIBID contextualizando o Ensino de Química através do Teatro. Química: Ciência, Tecnologia e Sociedade, 4(2), 71–80. https://doi.org/10.5151/chenpro-5erq-eq36

Ventura, B., Neves, R. L., Ribeiro, V. G. P., Vale, M. R., Guedes, I., & Mazzetto, S. E. (2018). Teatro no Ensino de Química: Relato de Experiência. Revista Virtual de Quimica, 10(4), 824–840. https://doi.org/10.21577/1984-6835.20180060

Published

26/05/2021

How to Cite

JACINTO JUNIOR, S. G. .; LUCENA, E. M. P. de; ALVES, D. R. .; MORAIS, S. M. de. Teaching of Natural Sciences in basic education through recreational activities: A literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e16110614643, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.14643. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14643. Acesso em: 24 jun. 2021.

Issue

Section

Review Article