Childbirth and perinatality: The role of the hospital psychologist in this context

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15351

Keywords:

Hospital; Obstetric; Childbirth; Perinatal; Protocols.

Abstract

Psychological assistance carried out in the context of hospitals, clinics and health centers must cover the three pillars existing in the hospital environment, namely, patients, family members and health professionals. The specialist psychologist in the hospital modality can act on several fronts, including individual care and in psychotherapeutic groups, outpatient care and intensive care units (ICUs), wards, emergency care, diagnostic assessments, psychodiagnostics and consultancies. Even though several studies that talk about hospital psychology are identified, especially with regard to working with the patient, little is said about this front in the context of childbirth and perinatality. That said, this article aims to talk about the role of the psychologist in this context. It is justified because it is a relevant study, with little literature on the subject, which seeks to work on the importance of the psychologist not only in the treatment of patients, but also in the health promotion of parturient women. It is a qualitative study, with bibliographic survey done in online databases. The findings suggest that although the psychologist is inserted in the hospital context, his insertion in obstetric centers is not yet fully effective. It is concluded, therefore, that there is still a long way to build psychological practices to support families and, in particular, parturients, before, during and after childbirth, as well as a space within the obstetric / hospital environment for the psychology professional. Furthermore, it is emphasized the importance of research and studies dedicated to the theme, which corroborate for the construction of protocols related to psychological care in the hospital obstetric context.

References

Almeida, E. C. (2000). O Psicólogo no Hospital Geral. Psicologia: Ciência e Profissão, 20, 24-27. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pcp/v20n3/v20n3a05.pdf

Arrais, A. da R. & Mourão, M. A. (2013). Proposta de atuação do psicólogo hospitalar em maternidade e UTI neonatal baseada em uma experiência de estágio. Revista Psicologia e Saúde, 152–164. DOI: https://doi.org/10.20435/pssa.v5i2.284

Arrais, R., Silva. N. O. Lordello, S. R. M. (2014). Perception Obstetrical Team on the Role of Psychologist in a Hospital Center of Obstetric. 49–67. DOI: https://doi.org/10.33362/ries.v3i2.288

Augusto, C. A. et al. (2013). Pesquisa Qualitativa: rigor metodológico no tratamento da teoria dos custos de transação em artigos apresentados nos congressos da Sober Revista de Economia e Sociologia Rural, v.51, n.4, p. 745-764, 2013. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032013000400007

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bortoni-Ricardo, S. M. (2008) O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial.

Castro, E. K. de, & Bornholdt, E. (2004). Psicologia da saúde x psicologia hospitalar: definições e possibilidades de inserção profissional. Psicologia: Ciência e Profissão, 24(3), 48–57. DOI: https://doi.org/10.1590/s1414-98932004000300007

Carvalho, D. B. (2013). Psicologia da Saúde Crítica no Contexto Hospitalar. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(2), 350-365. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932013000200008

Conselho Regional de Psicologia – PR (2016). Caderno de psicologia hospitalar: considerações sobre assistência, ensino, pesquisa e gestão. Recuperado de: https://crppr.org.br/wp-content/uploads/2019/05/AF_CRP_Caderno_Hospitalar_pdf.pdf

Consonni, E. B. (2019). A psicologia perinatal frente aos diversos desafios da maternidade. Salvador. Recuperado de: http://schenautomacao.com.br/psico/envio/files/685.pdf

Crepaldi, M. A. (1999). Bioética e Interdisciplinaridade: direitos de pacientes e acompanhantes na hospitalização. Ribeirão Preto: Paidéia.

Del Priore M. (1995). Ao sul do corpo: condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil colônia. Rio de Janeiro: José Olympio 2ª.ed.

Deslandes, S. F. (2004). Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva, 9 (1), 7-14. DOI: https://doi.org/10.1590/51413-81232004000100002

Domingues, R. M. S. M. (2002). Acompanhantes familiares na assistência ao parto normal: a experiência da maternidade Leila Diniz. Dissertação de Mestrado, Departamento de endemias, ambiente e sociedade, Fundação Osvaldo Cruz, Rio de Janeiro. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/5214

Fantinato, M. (2015). Métodos de pesquisa. São Paulo: USP.

Gaíva, M. A. M., &Tavares, C. M. A. (2002). O nascimento: um ato de violência ao recém-nascido? Porto Alegre: Rev. Gaúcho Enferm., 23(1), 132-145. Recuperado de: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4408

Iaconelli, V. (2012) O que é psicologia perinatal: definição de um campo de estudo e atuação. Área de Estudos do Instituto Brasileiro de Psicologia Perinatal. disponível em http://www.institutogerar.com.br/

Klaus, M. H., & Kennel, J. H. (1993). Pais/Bebê: a formação do apego. Porto Alegre: Artes Médicas.

Lima J. B. (1998). Práticas obstétricas para maternidade segura: guia da OMS. In: MS/ SESA/ JICA. Relatório da Conferência Nacional sobre Organização de Serviços para Maternidade Segura à Luz da Humanização – Projeto Luz. Fortaleza: Ministério da Saúde/ Secretaria Estadual de Saúde / Missão Japonesa no Ceará, p.70-6.

Maldonado, M. (2002) . Psicologia da Gravidez: parto e puerpério. São Paulo: Saraiva, 16. ed.

Ministério da Saúde. (2001). Parto, aborto e puerpério. Brasília. 2ª ed. Recuperado de: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf

Ministério da Saúde (2020). O que significa ter saúde? Portal Saúde Brasil. Recuperado de: https://saudebrasil.saude.gov.br/eu-quero-me-exercitar-mais/o-que-significa-ter-saude

Monticelli, M. (1994). O nascimento como um rito de passagem: uma abordagem cultural para o cuidado de enfermagem às mulheres e recém-nascidos. (Dissertação de Mestrado). Florianópolis: UFSC. Recuperado de: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/76041

Osava R. H. (1997). Assistência ao parto no Brasil: o lugar do não médico (tese de doutorado). São Paulo: Faculdade de Saúde Pública/ USP. Recuperado de: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde-10032020-120733/en.php

Queiroz, L. L. G. de, Azevedo, A. P. B., Cherer, E. de Q., & Chatelard, D. S. (2020). Psychology at hospital maternity: an experience report. Fractal: Revista de Psicologia, 32(1), 57–63. DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5679

Santos, L. de J., & Vieira, M. J. (2012). Atuação do psicólogo nos hospitais e nas maternidades do estado de Sergipe. Ciencia e Saude Coletiva, 17(5), 1191–1202. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000500013

Souza, T. G. de, Gaíva, M. A. M., & Modes, P. S. S. dos A. (2011). A humanização do nascimento: percepção dos profissionais de saúde que atuam na atenção ao parto. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(3), 479–486. DOI: https://doi.org/10.1590/s1983-14472011000300007

Spink, M. J. (2013) Psicologia Social e Saúde: saberes e sentidos. Rio de Janeiro: Vozes, 9. ed.

Vendrúscolo, C. T., & Kruel, C. S. (2016). A história do parto: do domicílio ao hospital; das parteiras ao médico; de sujeito a objeto. Disciplinarum Scientia | Ciências Humanas, 16(1), 95–107. Recuperado de: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumCH/article/view/1842/1731%0Ahttp://www.periodicos.unifra.br/index.php/disciplinarumCH/article/view/1842/1731

Vieira, M. J. de O., Santos, A. A. P. dos., Sanches, M. E. T. de L., Silva, J. M. de O., Oliveira, K. R. V. de. (2020). Representações sociais de mulheres frente à escolha da via de parto. Research,

Published

19/05/2021

How to Cite

LAGUNA, T. F. dos S. .; LEMOS, A. P. S. .; FERREIRA, L.; GONÇALVES, C. dos S. . Childbirth and perinatality: The role of the hospital psychologist in this context . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e21510615351, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15351. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15351. Acesso em: 15 jun. 2021.

Issue

Section

Review Article