Analysis of the epidemiological profile in oral health in different regions of the Municipality of Penedo –AL: Strategy for strengthening and redirecting oral health policy

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15368

Keywords:

Oral health; Epidemiology; Public policies.

Abstract

Conducting epidemiological surveys is an important tool for understanding the prevalence of oral diseases and, thus, being able to guide the planning, execution and evaluation of health actions in a population. Thus,a cross-sectional study was carried out with 13.706 people, living in the rural and urban areas, aged 0-60 years, who were classified according to the risk of caries, evaluated in: 1(low); 2 (medium), 3 (high), contributing factors for oral cancer, need and use of dental prosthesis and prevalence of periodontal diseases. The data were tabulated and submitted to descriptive and Kappa analysis with intra and inter-rater agreement of 100% and 95%, respectively. There was a greater number of individuals classified as risk 1 and 2 in the urban area. In the contributing factors for oral cancer exposure to smoking and alcohol consumption was similar in the populations analyzed. The use of prostheses, the rural area (27%) stood out in relation to the urban area (18.2%), with the age group of 20-59 years being most committed by patients with the use of dental prosthesis. The prevalence of changes in the mucosa in the same group (20-59 years) was a prominent factor between the two regions, with the rural area 6.2% and the urban area 2.8%. As for the development of periodontal disease it was found that the urban area stood out in relation to the rural area, with 25.13% of individuals with active disease. Such results suggest better targeting of oral health policies and their care strategies, in order to achieve access to the dental service and resolution based on the specificities of different age groups and locations.

References

Abreu, M. H. N. G., Pordeus I. A. & Modena C. M. (2004). Cárie dentária entre escolares do meio rural de Itaúna (MG), Brasil. Rev Panam Salud Publica, 16(5), 334-344

Antunes, J. L. F. & Peres, M. A. (2013). Epidemiologia em Saúde Bucal. Guanabara Koogan.

Azevedo R. C., Pereira A. C. A., Medeiros, Y. L., Feyo, V. B., Luiz, K. A., Esteves, T. C., Chaves, M. G. A. M. & Fabri, G. M. C. (2020). Necessidades de atendimento odontológico em pacientes com câncer durante a pandemia de COVID-19 - uma revisão. Research, Society and Development. 9(12).

Bagan. J. V. & Scully, C. (2008) Recent advances in Oral Oncology; squamous cell carcinoma aetiopathogenesis and experimental studies. Oral Oncology, 45(6); 45-48.

Brasil, Ministério da Saúde. (2009). Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2010: Incidência de Câncer no Brasil/Instituto Nacional de Câncer.

Brasil, Ministério da Saúde. (2018b). Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil/Instituto Nacional de Câncer. INCA. 130 p.

Brasil, Ministério da Saúde. (2018ªa). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. A saúde bucal no Sistema Único de Saúde [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília.

Brasil, Ministério da Saúde. (2010). Secretaria de Atenção à saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Bucal. Pesquisa Nacional de Saúde Bucal. Brasília.

Brasil, Ministério da Saúde. (2011). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Bucal. Pesquisa Nacional de Saúde Bucal SB Brasil 2010: resultados principais. Brasília.

Brasil, Ministério da Saúde. (2008). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde Bucal. Série A. Normas e Manuais Técnicos- Caderno de Atenção Básic., nº17. 1ª ed.

Brasil, Ministério da Saúde. (2009). Secretaria de Políticas da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Saúde Bucal. Projeto SB 2010: condições de saúde bucal da população brasileira no ano 2010. Brasília: Ministério da Saúde.

Campinas, Secretaria Municipal de Saúde. (2003). Relatório do Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal. Módulo Village Paidéia do Centro de Saúde de Barão Geraldo. Campinas.

Chaves, S. C. L. & Silva, L. M. V. (2007). Atenção em saúde bucal e a descentralização de saúde no Brasil: Estudo de dois casos exemplares do Estado da Bahia. Caderno de Saúde Pública, 23(5), 1119-1131.

Cimard, A. C. B. S. & Fernandes, A. P. S. (2009). Câncer Bucal: A prática e a realidade clínica dos cirurgiões dentistas de Santa Catarina. RFO. 2(14), 99-104.

Damasceno, K. S. M., Cruz, D. N. & Barros, C. G (2021). Acessibilidade aos serviços odontológicos no SUS: revisão da literatura. Research, Society and Development. 10 (3).

França, D. C. C., Pinto, M. M. O., Monteiro, A. D., Silva, A. A. L. S., Zina, O., & Lima, G. S. (2010). Programa de diagnóstico e prevenção de câncer de boca: Uma estratégia simples e eficaz. Rev odont. Bras Central. 19 (49): 159-161.

Gjermo, P., Rosing, C.K. & Susin, C. (2002). Periodontal diseases in central and south America.; 29(1), 70-78.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Estimativa populacional 2017. https://cidades.ibge.gov.br/content/index.php?option=com_content&view=articl&id=20607&Itemid=7572.

INCA, Instituto Nacional do Câncer. Estimativa do Câncer 2016/2017. http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf.

Kassebaum, N. J., Bernabé, E., Dahiya, M., Bhandari, B., Murray, C. J. & Marcenes, W. (2014). Global burden of severe periodontitis in 1990-2010: a systematic review and meta-regression. J Dent Res. 93(11):1045-1053.

Leite, R. B., Marinho, A. C. O., Costa, B. L., Laranjeira, M. B. V., Araújo, K. D. T. & Cavalcanti, A. F. M. (2021) A influência da associação de tabaco e álcool no câncer bucal: revisão de literatura. J. Bras. 57: 1-5. Rio de Janeiro.

Lima, F. L. T. & O’Dwyer, G. (2020). Políticas de Prevenção e Controle do Câncer Bucal à luz da Teoria da Estruturação de Giddens. Ciênc. saúde coletiva. 25 (8)

Marques, D. E., Rink, M. C. M., Loureiro, R. M. T. & Silva, V. C. (1986). Levantamento epidemiológico de cárie dentária na zona rural de Uberlândia, Minas Gerais: contribuição para um modelo de programa de saúde bucal. Rev Cent Ciênc Bioméd Univ Fed Uberlândia. 2(1), 33-38.

Mateus, F. O. (2008). Câncer bucal no Brasil: Revisão de literatura. Faculdade de Medicina. Curso de Especialização em Saúde Pública. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Moysés, S,J. (2013). Saúde Coletiva, Políticas, Epidemiologia da Saúde Bucal e Redes de Atenção Odontológica. Artes Médicas.

Neves, K. C., Teixeira, M. L. O. & Ferreira, M. A. (2015). Fatores e motivação para o consumo de bebidas alcoólicas na adolescência. Revista de Enfermagem. Jun. 19 (2): 286-291.

Omena, B. D. (2016). Levantamento Epidemiológico da Necessidade de Tratamento Odontológico das escolas da zona rural do município de Pindoba- AL. Universidade Federal de Santa Catarina.

OMS, Organização Mundial da Saúde. (2013). Levantamentos em saúde bucal: Métodos Básicos. (5 ed.).

Piemonte, E. D., Lazos, J. P. & Brunotto, M. (2010). Relationship between chronic trauma of the oral mucosa, oral potentially malignant disorders and oral cancer. Jornal of Oral Pathology & Medicine. 39(7), 513-517.

Prado, N. F. & Passarelli, D. H. C. (2009). Uma nova visão sobre prevenção do câncer bucal no consultório odontológico. Rev.Odont.Univer. SP. 21(1), 29-85.

Quirino, M. R. S., Gomes, F. C, Marcondes M. S. & Baducci, I. (2006). Avaliação do conhecimento sobre o câncer de boca entre os participantes de campanha para prevenção e diagnóstico precoce da doença em Taubaté- SP. Rev. Odontol UNES. 35(4), 327-333.

Santos, I. V., Alves, T. D. B., Falcão, M. M. L. & Freitas, V. S. (2011). O papel do cirurgião-dentista em relação ao câncer de boca. Odontol. Clín.-Cient. 10(3):207-210.

Scherer, C. I. & Scherer, M. D. A. (2015). Avanços e desafios da saúde bucal após uma década de Programa Brasil Sorridente. Rev. Saúde Pública, 49, 98.

Scherer, C. I., Scherer, M. D. A., Chaves, S. C. L. & Menezes, E. L. C. (2018). O trabalho em saúde bucal na Estratégia Saúde da Família: uma difícil integração?

Saúde debate. .42(2):233-246.

SESAL, Secretaria Estadual de Saúde de Alagoas. (2009). Gerência de núcleo de saúde bucal. Manual de atenção básica em saúde bucal do Estado de Alagoas. p. 8-9.

Spackman, S. S. & Bauer, J. G. (2016). Correlation of the Index of Activities of Daily Living (Index of ADOH) with the Functional Independence Measure (FIM) in Older Adults. J Gerontol Geriatr Res. Mar, 5:2.

Vasconcelos, E. M. & Fratucci, V. B. (2014) Práticas de Saúde Bucal. http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/2/unidades_conteudos/uni dade15o/unid ade15o.pdf.

Wünsch-Filh, V. (2002). The epidemiology of oral and pharynx cancer in Brazil. Oral Oncol. 38, 737-746.

Zain, R. B. (2001). Cultural and dietary risk factors of oral cancer and precancer a brief overview. Oral oncology. 37, 205-210.

Published

04/06/2021

How to Cite

SANTOS, E. S. dos .; KANTOVITZ, K. R. .; COSTA, K. D. .; OMENA, K. V. M. de .; OMENA, C. P. A. de .; ATAIDE REZENDE DE GOUVEIA , C. Analysis of the epidemiological profile in oral health in different regions of the Municipality of Penedo –AL: Strategy for strengthening and redirecting oral health policy. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e42110615368, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15368. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15368. Acesso em: 18 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences