Corruption in public administration: An analysis of international scientific publications

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15754

Keywords:

Corruption; Public sector; Scientific publications; Bibliometry.

Abstract

The study seeks to identify the panorama of public administration corruption publications in the international literature over the past two decades. For data analysis we used Scopus database and a mixture of bibliometrics, content analysis, network analysis and word cloud techniques. Therefore, this research is delineated as descriptive, bibliometric and quantitative analysis. A total of 311 articles were found in the US with a more significant representation in international production with 21.1% of articles, followed by Australia (8.6%) and the United Kingdom (6.1%). Already Brazil appears in 24th place with only 4 (1.2%) publications. The results showed that the International Journal of Public Administration and Public Administration and Development, with 15 articles each, followed by the Public Administration Review, 14, and the Mediterranean Journal of Social Sciences, 10, were the top journals in number. publications on corruption in the public administration. Also, only five clusters with five or more co-authoring research links were identified, indicating that there is a low rate of cooperative research development. Moreover, the data seem to show that the world literature on the subject is relatively consolidated, unlike the national literature, which still needs further advances.

Author Biographies

Marcelo Matzenbacher Delanoy, Universidade Federal do Pampa

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal do Pampa (2012), especialização em Gestão Pública Municipal na Universidade Federal do Pampa (2018), mestrado em Gestão de Organizações Públicas na Universidade Federal de Santa Maria (2020). Atualmente é assistente em administração da Universidade Federal do Pampa, atuando na Coordenação Administrativa do Campus Santana do Livramento.

Rafael Rudolfo Kreutz, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Possui graduação em administração de empresas pela Universidade Federal de Santa Maria (2011), MBA em Administração e Finanças pela Uninter (2012), Especialização em Gestão Pública pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (2016) e Mestrado em Gestão de Organizações Públicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2019). Já foi professor do curso de Gestão de Negócios em Saúde - Uningá Santa Maria (2010-2013), Professor do CEBRAC Santa Maria (2012). Diretor Comercial da Ajesm (Associação de Jovens Empreendedores de Santa Maria) (2007-2008), Vice Presidente da Ajesm (2009 - 2010). Conselheiro do Conselho Superior (CONSUN) da UERGS (2013-2015). Presidente da Comissão Eleitoral da UERGS - CEUERGS, para eleição de Reitor e Vice Reitor (2014), Vice Presidente Comissão Eleitoral Diretor Regional UERGS (2014), Secretário Executivo do Comitê de Ética em Pesquisa da Uergs (2015-2017). Possui formações complementares em qualidade PGQP, avaliador e examinador nível I e II do PGQP, Iso 9001 (como avaliador interno), gestão de projetos (FGV), mapeamento de processos e gestão pública. Atualmente, é membro do grupo de pesquisa Políticas, Gestão Pública e Desenvolvimento do Curso de Administração Pública da UERGS desde 2014, membro do grupo de pesquisa Economia e Finanças do Curso de Administração da UFSM desde 2017, Analista Administrador pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)/ Chefe de Gabinete e Editor Adjunto da Revista Eletrônica Científica da UERGS.

 

Kelmara Mendes Viera, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Viçosa (1995), mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998) , doutorado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006), graduação em estatística pela Universidade Federal de Santa Maria (2019) e pós-doutorado pela Universidade Federal de Minas Gerais (2020).. Professora Associada da Universidade Federal de Santa Maria. Foi coordenadora (2011-2013) do Programa de Pós-Graduação em Administração, editora da Revista Sociais e Humanas (2009-2016) e editora da Revista Práticas de Administração Pública (2016-2020). Atualmente é Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Administração Pública, editora associada da Revista Práticas de Administração Pública , editora associada da Brazilian Administration Review e revisora ad hoc de diversos periódicos. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Finanças e Administração Pública. As pesquisas em finanças comportamentais tem como principais temas de interesse: alfabetização financeira, atitude ao endividamento, bem-estar financeiro, uso e dívida no cartão de crédito, gerenciamento financeiro e inadimplência. Em administração pública tem realizado pesquisas em construção e aplicação de instrumentos para avaliação de políticas públicas do ponto de vista do usuário/beneficiário final.

References

Abramo, C. W. (2000). Relações entre índices de percepção de corrupção e outros indicadores em onze países da América Latina. In: SPECK, B. W. et al. (Org.) Os custos da corrupção. Cadernos Adenauer, v. 10, p. 47-62.

Abram O, C. W. (2005). A dificuldade de medir a corrupção. Novos Estudos, CEBRAB. 10, p. 33-37, Novembro.

Araújo, W. T. et al. (2000). Meta-análise das dissertações do curso de mestrado ciência da informação UFPB: 1990-1999. Revista Informação e Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 10, n. 1, p. 1-11.

Bräscher, M. & Café, L.(2008) Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 2008, São Paulo, Anais... São Paulo: ANCIB.

Brasil. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 de agosto de 2013. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12846.htm

Brei, Z. A. (2016). Corrupção: dificuldades para definição e para um consenso. Revista de Administração Pública, 30, n. 1, p. 64 – 77, jan/fev 1996.

Brol, M. (2016). Institutional determinants of corruption. Ekonomia i Prawo. Economics and Law, 15(1), 21-32.

Controladoria Geral da União. A Responsabilidade Social das Empresas no combate à corrupção. (2009). https://www.cgu.gov.br/Publicacoes/etica-e-integridade/arquivos/manualrespsocialempresas_baixa.pdf.

De Oliveira Costa, C. L., da Cunha, D. D. O., Bezerra, L. F., de Oliveira, F. L., do Vale Júnior, J. S., & Junior, E. S. (2020). A corrupção no setor público brasileiro. Research, Society and Development, 9(10), e5939109056-e5939109056.

Dolan, K., Mckeown, B. & Carlson, J. M. (1988). Popular conceptions of political corruption: implications for the empirical study of political ethics. Corruption and Reform, v. 3, n. 1, p. 3-24.

Elsevier. About Scopus. (2018). https://www.elsevier.com/solutions/scopus.

Elsevier. Scopus. (2011). http://www.americalatina.elsevier.com/corporate/scopus.php.

Ferenhof, H. A. et al. (2014). Environmental management systems in small and medium-sized enterprises: an analysis and systematic review. Journal of cleaner production, v. 74, p. 44-53.

Herzfeld, T. & Weiss, c. (2003). Corruption and legal (in) effectiveness: an empirical investigation. European Journal of Political Economy, v. 19, n. 3, p. 621-632.

Kitchenham, B. (2004). Procedures for performing systematic reviews. Keele, UK, Keele University, v. 33, n. 2004, p. 1-26.

Luciano, E. M., Magnagnagno, O. A. & Wiedenhöft, G. C. (2017). Entendendo as causas da corrupção no brasil e o papel da ti na redução Da vulnerabilidade a brechas de corrupção. Anais XX SEMEAD Seminários em Administração, FEA USP, São Paulo.

Luciano, E. M., Wiedenhöft, G. C., & Callegaro, S. (2019). Entendendo os fatores de combate à corrupção: proposta de um constructo de dissuasão à corrupção. Revista de Contabilidade e Organizações, n. temático Fraudes e Corrupção: o que Contabilidade e Organizações têm a dizer?, 20-30.

Nações Unidas. (2007). Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção. Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção. [S.l.]: [s.n.]. p. 1 – 68.

Nascimento, I. C. (2016). A Cultura Importa? a produção científica sobre a relação entre corrupção e cultura nacional. Anais do Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais, Porto Alegre.

Nobre, B. P., & Cotomacci, G. (2020). A distinção entre corrupção passiva e caixa dois. Revista do Curso de Direito, 15(15), 151-179.

Pereira, M. M. O. et al. (2017). Eco Inovação: um estudo bibliométrico como proposta de mapeamento dos estudos sobre o tema nas bases Web of Science e Scopus (1978-2016). Anais, XIX Engema, FEA/USP, São Paulo.

Peters, J. G. & Welch, S. (1978). Political Corruption in America: A Search for Definitions and a Theory, or If Political Corruption Is in the Mainstream of American Politics Why Is it Not in the Mainstream of American Politics Research? The American Political Science Review, p. 974 - 984, set.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale.

Quevedo-Silva, F. et al. (2016). Estudo Bibliométrico: Orientações sobre sua Aplicação. Revista Brasileira de Marketing, v. 15, n.2, p. 246-262.

Ribeiro, H. V., Alves, L. G., Martins, A. F., Lenzi, E. K., & Perc, M. (2018). The dynamical structure of political corruption networks. Journal of Complex Networks, 6(6), 989-1003.

Schlickmann, A., & Bortoluzzi, S. C. (2020). Análise Bibliométrica e de Conteúdo sobre a Avaliação de Desempenho Organizacional no contexto da Contabilidade Gerencial. In 9º Congresso UFSC de Controladoria e Finanças.

Sims, R. L., Gong, B. & Ruppel, C. P. A contingency theory of corruption: The effect of human development and national culture. The Social Science Journal, 1, p. 90 – 97.

Srivastava, S. C., Teo, T. S. H. & Devaraj, S. (2016). You Can't Bribe a Computer: Dealing with the Societal Challenge of Corruption Through ICT. Mis Quarterly, v. 40, n. 2, p. 511-526.

Transparency International. (2018). Transparency International. https://www.transparency.org/

Treisman, D. (200). The causes of corruption: a cross-national study. Journal of Public Economics, p. 399-457.

Vergara, S. C. (2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Zaganelli, J. C. & Miranda, W. V. D. (2017). Marco Civil da internet e política pública de transparência: uma análise da e-democracia e do compliance público. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, 7, n. 3, p. . 633-646.

Published

30/05/2021

How to Cite

DELANOY, M. M.; KREUTZ, R. R.; VIERA, K. M. . Corruption in public administration: An analysis of international scientific publications. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e31610615754, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15754. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15754. Acesso em: 24 jun. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences