Prematurity and congenital diseases in newborn: A case report

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15918

Keywords:

Congenital, hereditary and neonatal diseases and abnormalities; Prematurity; Nursing.

Abstract

Objective: To report a case of neonatal malformation of three types: supernumerary finger on the left hand, ambiguous genitalia and impervious anus. Method: The present study is a case report, with information obtained through the review of documentary ase of the medical record type. Discourse: It is believed that knowing the profile of children born with congenital malformation is important for assistance, in the sense of offering subsidies to improve the quality of the professional demand provided in the birth of a child with congenital malformation. For the reduction of morbidity and mortality rates in the neonatal period, it is necessary to know the regional particularities of each service, such as the frequency of congenital malformations, the identification of associated risk factors, in addition to valuing early diagnosis, primary and secondary preventions. . Therefore, it is worth mentioning that the existence of some type of congenital malformation both at birth and in the cause of the death of children is linked to underreporting, that is, there are still flaws in collecting information about this type of occurrence observed in all regions. from Brazil, which reveals the importance of working more strongly on promotion and prevention policies, aimed at maternal and child health, so that the occurrence of malformations is minimized. Conclusion: Thus, the contribution of this study is of great relevance for guiding the adoption of measures to strengthen the prenatal policy with preventive measures and the design of strategic actions to combat preventable factors and causes in order to reduce these changes that may bring irreversible consequences to neonates in their growth and development process.

References

AMORIM, M.M.R, et al. Impacto das malformações congênitas na mortalidade perinatal e neonatal em uma maternidade-escola do Recife. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil. Recife, 6 (Supl 1): S19-S25, maio, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde - APPMS [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 26 p. : il.

BRASIL. Ministério da saúde. Instituto Fernandes Figueira. Portal de Boas Práticas. Atenção ao recém-nascido. Principais Questões sobre Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal. Setembro, 2019. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/atencao-recem-nascido/principais-questoes-sobre-cuidados-com-o-recem-nascido-na-uti-neonatal/

BRASIL. Portaria nº 55, de 24 de fevereiro de 1999. Dispõe sobre a rotina do Tratamento Fora de Domicilio no. Sistema Único de Saúde - SUS, com inclusão dos procedimentos específicos na tabela de procedimentos do Sistema de Informações Ambulatoriais do SIA/SUS e dá outras providências. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/1999/prt0055_24_02_1999.html.

CARDOSO, et al. Terapêuticas utilizadas em recém-nascidos com malformações congênitas internados em unidade neonatal. id. Revista Eletrônica Enfermagem [Internet]. 2015 jan./mar.;17(1):60-8.

CRISTOVAM, M.A, et al. Frequência de anomalias congênitas em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal no Brasil. Residência Pediátrica; 2019: Ahead of Print.

COSME, H.W et al. Prevalência de anomalias congênitas e fatores associados em recém-nascidos do município de São Paulo no período de 2010 a 2014. Revista Paulista Pediátrica. 2017;35(1):33-38.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LIMA, M.P. et al. O perfil de malformação congênita em nascidos vivos, do estado do Rio Grande do Sul, 2012-2016. Revista de Saúde Dom Alberto, v. 4, n. 1, p. 105-160, 15 jun. 2019.

PEREIRA, R.J.D.A.S, et al. Frequência de malformações congênitas das extremidades em recém- nascidos. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano. 2008; 18(2): 155-162.

RODRIGUES, et al. Características das crianças nascidas com malformações congênitas no município de São Luís, Maranhão, 2002-2011. Epidemiologia. Serviços Saúde, Brasília, 23(2):295-304, abr-jun., 2014.

REIS, L.L.A.S; FERRARI, R. Malformações congênitas: perfil sociodemográfico das mães e condições de gestação. Revista Enfermagem. UFPE on line, Recife, 8(1):98-106, jan., 2014.

Published

09/06/2021

How to Cite

DIAS, N. M. .; CORDOVIL, A. B. C. .; SILVA, N. de F. C. P. da .; COUTINHO, A. C. de O. .; CORDEIRO, L. R. M. .; PEREIRA, F. dos S. .; SILVA, L. L. da .; LIMA, A. . B. de . Prematurity and congenital diseases in newborn: A case report. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 6, p. e56610615918, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i6.15918. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/15918. Acesso em: 14 jun. 2021.

Issue

Section

Health Sciences