Analysis of exogenous intoxications in the State of Piauí from 2013 to 2017

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.17260

Keywords:

Intoxication; Medication; Suicide; Public Health.

Abstract

Introduction: Intoxication is characterized as the manifestation of signs and symptoms, due to the harmful effects caused in a living organism, as a result of its interaction with a certain exogenous chemical substance. According to the World Health Organization (WHO), annually 1.5 to 3% of the population are intoxicated on the national scene, corresponding to approximately 4,800,000 new cases each year, with a total of 0.1 to 0.4 % of intoxications lead to death. These problems affected in accidental or intentional ways are considered to be important causes of health problems. Objective: Describe and analyze exogenous intoxication data recorded in the Notifiable Diseases Information System (SINAN), in the state of Piauí, between 2013 and 2017. Methodology: This is an ecological, descriptive study, with a quantitative approach to cases of poisoning by exogenous agents reported in the state of Piauí, in the period from 2013 to 2017. Data were obtained through SINAN. The following variables were researched: municipality of notification, age group, evolution, circumstances, type of exposure and confirmation criteria. The data were analyzed using absolute and percentage frequencies and organized in tables and graphs using Microsoft Office Word, 2016; Microsoft Office Excel, 2016 and TabWin version 4.14. Results: 5,836 confirmed cases of exogenous poisoning were reported in individuals living in Piauí, concentrated in Picos and in the capital Teresina, with 16.48% and 32.74% of the records, respectively. There was unanimity regarding the most affected age group, 20-39 years. The main circumstance of intoxications was the attempted suicide (44.47%), with acute single exposure to drugs being the predominant medium, with 1,880 cases. Of the total occurrences, 75.88% had a cure without sequelae, 0.94% resulted in a cure with sequelae, 1.09% died and 21.31% of the cases were ignored. The clinical criterion was the main means of confirmatory diagnosis, corresponding to 53.75% of the total of notifications, followed by the clinical-epidemiological criterion with 30.58%. Conclusion: Intoxication is a recurrent event in the state of Piauí, associated, in most cases, with medications and suicide attempts, justifying the need to carry out educational actions with the population and permanent education with health professionals. It is also emphasized the importance of reporting cases of exogenous intoxication for investigation of outbreaks, adequate care for patients and the development of prophylactic measures.

Author Biography

Evaldo Hipólito de Oliveira, Universidade Federal do Piauí

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal da Paraíba (1990), graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal da Paraíba (1991), graduação em Direito pela Universidade Federal do Piauí (1999), Doutorado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários (2010), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (2002), especialização em Vigilância Sanitária e Epidemiológica (1997) e Citologia Clínica (2005). Foi Diretor do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Piauí-LACEN-PI (2003 a 2007). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal do Piauí de microbiologia clínica e imunologia clínica (1994). Tem experiência na área de Farmácia (Interdisciplinaridade), atuando principalmente nos seguintes temas: análises clínicas ( bacteriologia, virologia, imunologia, citologia e hematologia ) e Vírus Linfotrópico de Células T Humanas-1/2-HTLV-1/2, HIV, HBV e HCV (Epidemiologa, Imunologia e Análise Molecular).

References

Almeida, C. F.; Araújo, E. S.; Soares, Y. C.; Diniz, R. L. C.; Fook, S. M. L. & Vieira, K. V. M. (2008). Perfil epidemiológico das intoxicações alimentares notificadas no Centro de Atendimento Toxicológico de Campina Grande, Paraíba. Ver. Bras. Epidemiol, 11(1), 139-46. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2008000100013.

Amorim, M. L. P.; Mello, M. J. G. & Siqueira, M. T. (2017). Intoxicações em crianças e adolescentes notificados em um centro de toxicologia no nordeste do Brasil. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant, 17(4), 773-780. https://doi.org/10.1590/1806-93042017000400009.

Arrais, P.S.D.; Fernandes, M.E.P.; Da silva; Dal Pizzol, T.; Ramos, L.R.; Mengue, S.S.; Luiza, V. L.; Tavares, N. U. L.; Farias, M. R.; Oliveira, M. A. & Bertoldi, A. D. (2016). Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Rev. Saúde Pública. 50(2), 13.

Brasil. Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. (2012). Manual de Vigilância das Intoxicações. Programa Municipal de Prevenção e Controle de Intoxicações. São Paulo.

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Setembro Amarelo: Agenda Estratégica de Prevenção do Suicídio. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/21/Coletiva-suicidio-21-09.pdf> Acesso em: 03/03/2021.

Carvalho, F. S. A. et al. Intoxicação exógena no estado de Minas gerais, Brasil. (2017). C&D-Revista Eletrônica da FAINOR, 10(1), 172-184.

Chaves, L. H; S.; Viana, A; C.; Júnior, W. P. M. Silva, A. L. & Serra, L. C. (2017). Intoxicação Exógena Por Medicamentos: Aspectos Epidemiológicos dos Casos Notificados Entre 2011 e 2015 no Maranhão. ReonFacema, 3(2), 477-482.

Fortes, A. F. A. (2016) Intoxicações exógenas: perfil dos pacientes atendidos em um pronto atendimento. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 7(1), 211-230.

Filho, J. S. (2009). Intoxicações exógenas no município de Sobral-Ceará, sob a ótica da Vigilância Sanitária. Trabalho de Conclusão de Curso, Escola de Saúde Pública do Ceará, Forataleza, CE, Brasil.

Jesus, H. S.; Beltrão, H. R. M. & Assis, D. M. (2012). Avaliação do sistema de vigilância das intoxicações exógenas no âmbito da saúde do trabalhador no Brasil entre 2007 e 2009. Cad. Saúde Colet., 21(4), 515-524.

Klinger, E. I.; Schmidt, D. C.; Lemos, D. B.; Pasa, L.; Possuelo, L. G. & Valim, A. R. M. (2016). Intoxicação exógena por medicamentos na população jovem do Rio Grande do Sul. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, 6. http://dx.doi.org/10.17058/reci.v1i1.8216.

Lopes, D. S., Bispo, D. C., Carvalho, F. S., Macêdo, K. P. C., Freitas, R. L., Oliveira, E. H. & Sousa, J. A. (2019). Intoxicações por medicamentos em pacientes pediátricos: análise na cidade de Teresina, Piauí. Braz. J. Surg. Clin. Res. 27(1), 33-36.

Margonato, F. B; Thomson, Z. & Paoliello, M. M. B. (2008). Determinantes nas intoxicações medicamentosas agudas de um município do Sul do Brasil. Cad Saude Publica, 24(2), 333-341. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000200012.

Matos, A. S. (2013). Análise das intoxicações exógenas por agrotóxicos no Brasil, entre 2007 a 2012. Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Ceilândia UnB/FCE, Brasília, DF, Brasil.

Monte, B. S.; Nunes, M. S. T.; Nunes, M. D. S. & Mendes, C. M. M. (2016). Estudo epidemiológico das intoxicações por medicamentos registrados pelo centro de informações toxicológicas do Piauí: 2007 a 2012. R. Interd. 9(3), 96-104.

Mota, A. N. D.; Pereira, R. R.; Franck, J. G. & Polisel, C. G. (2015). Caracterização das intoxicações agudas registradas em São Luís/MA: a importância das instituições hospitalares como centros notificadores. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde, 6(2), 6-11.

Nery, A. P. S. T.; Modesto, A. S.; Neves, N. C.; Steele, S. B.; Lopes, L. C. & Pimentel, R. F. W. (2020). Casos de intoxicação exógena com desfecho de óbito no estado da Bahia, Brasil: estudo ecológico. Práticas e Cuidado: Revista de Saúde Coletiva. 1(e10118), 1-18.

Oga, S.; Camargo, M. M. A. & Batistuzzo, J. A. O. (2008) Fundamentos de Toxicologia. 3 ª ed. São Paulo: Atheneu, 642p.

Oliveira, D.H. & Suchara, E.A. (2014). Intoxicações medicamentosas em hospital público de Barra do Garças – MT, no período de 2006 a 2009. Rev. Ciênc. Méd. Biol, 13(1), 55-59. https://doi.org/10.9771/cmbio.v13i1.10117.

Oliveira, J. F. M.; Wagner, G. A.; Romano-Lieber, N. S. & José, L. F. A. (2017). Tendência da mortalidade por intoxicação medicamentosa entre gêneros e faixas etárias no Estado de São Paulo, Brasil, 1996-2012. Ciência & Saúde Coletiva, 22(10), 3381-3391. https://doi.org/10.1590/1413-812320172210.12782017.

Ramos, T. O. & Colli, V. C. (2017). Indicadores epidemiológicos das intoxicações exógenas em crianças menores de 5 anos na região de Araçatuba-SP. Revinter, 10(3), 86-100. https://doi.org/10.22280/revintervol10ed3.308.

Rolim, H. M. L.; Holanda, E. C.; Nery Neto, J. A. de O.; Oliveira, A. G.; Bessa, L. S. da S.; Oliveira, E. H. de. (2021). Main determinants of drug poisoning in the City of Teresina-PI, Brazil. Research, Society and Development, 10(10), 142101017138. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i10.17138.

Soares, J. Y. S; Lima, B. M.; Verri, I. A. & Oliveira, S. V. (2021). Perfil epidemiológico de intoxicação exógena por medicamentos em Brasília. Revista de Atenção à Saúde. 19(67), 202-217. https//doi.org/10.13037/ras.vol19n67.7335.

Sousa, E. S. F., Carvalho, F. S., Macêdo, K. P. C., Leal, B. S., Feitosa, C. L. P., Rodrigues, M. M. M., Lourenço, S. da S., Silva, R. S. V., Santos, M. C., Sousa, P. A., Lima, G. I. S., Arrais, K. W. N., Sá, N. K. C. M., Oliveira, E. H., & Lúcio Neto, M. P. (2020). Análise das intoxicações por medicamentos no Piauí entre os anos de 2007 a 2017. Revista Eletrônica Acervo Saúde, (51), e745.

Talbot, J. & Aronson, J. K. (2012). (Ed.) Stephens’ detection and evaluation of adverse drug reactions: principles and practice. 6 ed. Chichester/UK: Wiley-Blackwell.

Teixeira, L. H. S. (2020). Intoxicações exógenas em sete lagoas, Minas Gerais: análise de notificações ao sinan entre 2011 e 2019. Revista Farmácia Generalista, 2(2), 29-41.

Zandonadi, R. P.; Botelho, R. B. A.; Sávio, K. E. O.; Akutsu, R. C. & Araújo, W. M. C. (2007). Atitudes de risco do consumidor em restaurantes de autosserviço. Revista de Nutrição, 20(1), 19-26. https://doi.org/10.1590/S1415-52732007000100002,

Werneck, G. L. & Hasselmann, M. (2009). Intoxicações exógenas em crianças menores de seis anos atendidas em hospitais da região metropolitana do Rio de Janeiro. Rev Assoc Med Bras, 55(3), 302-7. https://doi.org/10.1590/S0104-42302009000300023.

Published

17/08/2021

How to Cite

SILVA, A. K. M. da .; COSTA, M. F. da S.; VAZ, J. L. S. .; SOUZA, K. A. da S. .; CRUZ, L. P. L. da .; FREITAS, J. E. de S. M. .; OLIVEIRA, E. H. de . Analysis of exogenous intoxications in the State of Piauí from 2013 to 2017. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e505101017260, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.17260. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17260. Acesso em: 26 nov. 2021.

Issue

Section

Health Sciences