Methods and effectiveness of surgical antisepsy of the hands in the preoperative

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17836

Keywords:

Preoperative care; Antisepsis; Hands; Efficiency.

Abstract

Objective: This research aims to seek and compare the methods used in performing surgical hand antisepsis in the preoperative period and to evaluate which method is more appropriate and effective for the use of the surgical team, aiming at a safer patient care. Methodology: This is an exploratory literature review with a qualitative approach, where searches were made for materials published between 2010 and 2019 in the “Google Academic” database, where materials that supported the development of this research were found. Results: All methods and techniques used to perform surgical hand antisepsis present satisfactory results in the elimination of resident and transient flora, however, antisepsis performed with alcoholic solution was the most effective. Conclusion: With the results found in this research, it is concluded that it contributes to the quality of the service provided by the surgical team and with the nurse as the manager of the operating room, serving as a basis for decision making in light of the needs and the way more adequate preoperative surgical hand antisepsis, providing quality care and greater safety for the surgical patient.

References

Barreto, R. A. S. S., Rocha-Vilefort, L. O., Souza. A. C. S., Barbosa, M. A., Paula, G. R. & Palos, M. A. P. (2012). A antissepsia cirúrgica das mãos no cotidiano de um centro cirúrgico. Saúde Santa Maria. 38(2), 9-16. Doi: https://doi.org/10.5902/223658344163.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Cartaz de antissepsia ou preparo pré-operatório das mãos. 2014.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do Paciente em Serviços de Saúde: Higienização das Mãos/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa. 105p.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Técnica para antissepsia cirúrgica das mãos com produto à base de álcool. 2017.

Cunha, E. R. D., Matos, F. G. D. O. A., Silva, A. M. D., Araújo, E. A. C. D., Ferreira, K. A. S. L. & Graziano, K. U. (2011). Eficácia de três métodos de degermação das mãos utilizando gluconato de clorexidina degermante (GCH 2%). Revista da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo. 45(6), 1440-1445. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000600023.

Darouiche, R. O., Wall Jr, M. J., Itani, K. M., Otterson, M. F., Webb, A. L., Carrick, M. M., Miller. H. J., Awad, S. S., Crosby, C. T., Mosier. M. C. & Berger, D. H. (2010). Chlorhexidine-Alcohol versus Povidone-Iodine for Surgical-Site Antisepsis. New England Journal of Medicine. 362(1), 18–26. Doi: 10.1056/NEJMoa0810988.

Dos Santos, M. R., Burci, L. M. & Weigert, S. P. (2018). Fatores de Risco e Prevenção de Infecção do Sítio Cirúrgico. Revista Gestão & Saúde. 18(1), 39-45. ISSN 1984-8153.

Dotto, P. P., Zucuni, C. P., Antes, G. B., Fernandes, M., Favarin, A. G., Christ, R., Santos, B. Z. & Barboza. V, D, S. (2015). Eficácia de dois métodos de degermação das mãos. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial. Camaragibe. 15(3), 07-14. ISSN 1808-5210.

Duarte, I. G. L., & Leite, M. D. (2013). Paramentação cirúrgica: artigo de revisão. Revista Médica de Minas Gerais. 23(3), 343-346. Doi: 10.5935/2238-3182.20130054.

GIL, C. A. (2017). Como Elaborar Projetos de Pesquisa, 6ª edição. São Paulo, Atlas.

Gök, F., Kabu, F., Özbayir, T. (2016). Surgical hand washing: A systematic review. Int J Antisep Disinfect Steril. 1(1), 23-32. Doi: 10.14744/ijads.2016.32042.

Gonçalves, K. J., Graziano, K. U., Kawagoe, J. Y. (2012). Revisão sistemática sobre antissepsia cirúrgica das mãos com preparação alcoólica em comparação aos produtos tradicionais. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 46(6), 1484-1493.

Goulart, D. R., Assis, E. A., Souza, M. T. (2011). Avaliação microbiológica da antissepsia pré-operatória das mãos. Rev. cir. traumatol. buco-maxilo-fac. Camaragibe. 11(3), 103-112. ISSN 1808-5210.

Hennig, T. J., Werner, S., Naujox, K., & Arndt, A. (2017). Chlorhexidine is not na essential component in alcohol-based surgical hand preparation: a comparative study of two hand rubs based on a modified EN 12791 test protocol. Antimicrobial Resistance & Infection Control. 6(1), 1-6. Doi: https://doi.org/10.1186/s13756-017-0258-0.

Jarral, O. A., McCormack, D. J., Ibrahim, S. & Shipolini, A. R. (2011). Should surgeons scrub with chlorhexidine or iodine prior to surgery?. Interactive cardiovascular and thoracic surgery. 12(6), 1017-1021. Doi: 10.1510/icvts.2010.259796.

Lopes, A. E. R. (2019). Comparação da tolerância e aceitabilidade de cirurgiões à aplicação de solução alcoólica versus aplicação de antissépticos degermantes para o preparo cirúrgico das mãos: um ensaio clínico pareado. Doctoral Thesis. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo. Doi: http://10.11606/T.22.2020.tde-19112019-192529.

Maciel, M. A. (2013). Lavagem pré-cirúrgica das mãos: uma revisão de literatura. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Menezes, R. M., Cardoso, V., Hoehr, C. F., Bulle, D., Burgos, M. S., Benitez, L. B. & Renner, J. D. P. (2016). Avaliação microbiológica da antissepsia pré-operatória das mãos de profissionais de enfermagem de um centro cirúrgico. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção. Santa Cruz do Sul. 1(1), 178-191. ISSN 2238-3360. Doi: https://doi.org/10.17058/reci.v1i1.8288.

Nunes, M. B. de S. (2016). A atuação do enfermeiro no controle de infecção de sítio cirúrgico nos cuidados pré e pós-operatórios. Universidade Federal Fluminense. Niterói: [s.n.] 92 f.

Prates, J., Monteiro, A. B., Lopes, F., Stumpfs, D., Guglielmi, G., Narvaez, G., Bobsin, R. C. & Caregnato, R. C. A. (2016). Implantação de antissepsia cirúrgica alcoólica das mãos: Relato de Experiência. Revista SOBECC. 21(2), 116-121. Doi: 10.5327/Z1414-4425201600020009.

Primo, M. G. B., Ribeiro, L. C. M., Figueiredo, L. F. D. S., Sirico, S. C. A. & Souza, M. A. D.. (2010). Adesão à prática de higienização das mãos por profissionais de saúde de um Hospital Universitário. Revista Eletrônica de Enfermagem. 12(2), 266-271. Doi: 10.5216/ree.v12i2.7656.

Rehman, H., Nizami, A. Y. M. S. M. & Shafi, A. (2010). Surgical hand antisepsis: What surgeons need to know. Nishtar Medical Journal. 2, 14-22. ISSN: 2076-6823.

Shen, N. J., Pan, S. C., Sheng, W. H., Tien, K. L., Chen, M. L., Chang, S. C., & Chen, Y. C. (2015). Comparative antimicrobial efficacy of alcohol-based handrub and conventional surgical scrub in a medical center. Journal of Microbiology, Immunology and Infection. 48(3), 322-328. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jmii.2013.08.005.

Silva, E. L. D., & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. Ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC.

Published

23/07/2021

How to Cite

PEREIRA JUNIOR, A. C.; SILVA, A. P. M. da; NASCIMENTO, J. M.; STUART, M. R.; PIMENTEL, B. Methods and effectiveness of surgical antisepsy of the hands in the preoperative. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e15710917836, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17836. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17836. Acesso em: 18 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences