Integrality in the educational practices in the scholar scenery: Integrative revision in the brazilian literature

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18120

Keywords:

Health promotion; Intersectoral collaboration; Scholar health; Patient care team.

Abstract

Objective: to analyses scientific productions about integrality in the educative practices in the scholar context. Method: integrative review of the literature realized in the bases of data PUBMED, LILACS, BVS and SCIELO through of descriptors crossings: “intersectorial action” and “school health”. Seven publications were chosen, of these increase two thematic categories: skills to educative practices in the scholar scenery and challenges and limits of them. Results: The analyses of studies showed that actions executed by health professionals are traditional educative practices and introduced in the scholar enenvironment. These professionals have difficulties and fragilities in the formation to develop more dialogical and participative educative practices that get possibility to the process in the formation of reflexive and critical citizens in a perspective applied of health promotion. Conclusion: to raise to power educative processes remain what let the ability to professionals to exercise of educative practice based for integrality in the public politics.

References

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Dias, M. S. A. V., Ribeiro, F. M. B., Silva, L. C. C., Vasconcelos, M. I. O., & Machado, M. F. A. S. (2016). Colaboração interprofissional no Projeto Saúde e Prevenção na Escola. Ciênc Saúde Coletiva, 21(6), 1789-98.

Falkenberg, M. B., Mendes, T. P. L., Moraes, E. P., & Souza, E. M. (2014). Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc Saúde Coletiva, 19(3), 847-852.

Feuerwerker, L. C. M. (1998). Mudanças na educação médica e residência médica no Brasil. Interface-Comun Saúde Educ, 2(3), 51-71.

Fracolli, L. A., Zoboli, E. L. P., Granja, G. F., & Ermel, R. C. (2011). Conceito e prática da integralidade na Atenção Básica: a percepção das enfermeiras. Rev Esc Enferm USP, 45(5), 1135-1141.

Freire, P. (2002). Pedagogia do oprimido. Paz e Terra.

Freire, P. (2005). Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 31ª ed. Rio de Janeiro: Paz e terra.

Freire, P. (2010). Pedagogia da autonomia. Paz e Terra.

Hermann, C. P., Head, B. A., Black, K., & Singleton, K. (2016). Preparing nursing studants for interproffissional practice: the interdiciplinary curricullum for oncolgy. J Prof Nurs, 32(1), 62-71.

Kantor, S. A. (2010). Pedagogical change in nursing education: one instructor’s experience. J Nurs Educ, 49(7), 414-417.

Kappel, V. B., Gontijo, D. T., Medeiros, M., & Monteiro, E. M. L. M. (2014). Enfrentamento da violência no ambiente escolar na perspectiva dos diferentes atores. Interface (Botucatu), 18(51), 723-725.

Lima, M. M., Reibnitz, K. S., Prado, M. L., & Kloh, D. (2013). Integralidade como princípio pedagógico na formação do enfermeiro. Texto Contexto Enferm, 22(1), 106-113.

Magalhães, R. (2015). Constrangimentos e oportunidades para a implementação de iniciativas intersetoriais de promoção da saúde: um estudo de caso. Cad Saúde Pública, 31(7), 1427-1436.

Mascarenhas, N. B., Melo, C. M. M., & Fagundes, N. C. (2012). Produção do conhecimento sobre promoção da saúde e prática da enfermeira na Atenção Primária. Rev Bras Enferm, 65(6), 991-999.

Mattos, R. A. (2009). Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca dos valores que merecem ser definidos. In: Pinheiro, R., & Mattos, R.A. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde (pp. 11-15). CEPESC, IMS/URJ.

Mendes, E. V. (1996). Uma agenda para a Saúde. Ed. Hucitec.

Mendes, E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde; Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

Monteiro, E. M. L. M., & Vieira, N. F. C. (2010). Educação em saúde a partir de círculos de cultura. Rev Bras Enferm, 63(3), 397-403.

Pallarés, E. C., Alves, G. G., Aerts, D., & Câmara, S. (2016). Atenção primária em saúde: a adequação ao modelo da vigilância da saúde em município do sul do Brasil. Aletheia, 49(2), 89-109.

Pinheiro, R. (2008). Integralide como princípio de saúde. Dicionário educação do profissional de saúde/Isabel Brasil Pereira e Júlio César França Lima. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Rio de Janeiro: EPSJV. (2), 255-258.

Silva, P. C., Martins, A. M., & Schall, V. T. (2013). Cooperação entre agentes de endemias e escolas na identificação e controle da dengue. Rev Bras Prom Saúde, 26(3), 404-411.

Thiollent, M. (2011). Metodologia da pesquisa-ação. Cortez.

Westin, L., Sundler, A. J., & Berglund, M. (2015). Students’ experiences of learning in relation to didactic strategies during the first year of a nursing programme: a qualitative study. BMC Med Educ, 15(49), 1-8.

Published

02/08/2021

How to Cite

FORTALEZA, M. A. .; MARTINS, A. K. L. . Integrality in the educational practices in the scholar scenery: Integrative revision in the brazilian literature. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e53410918120, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18120. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18120. Acesso em: 17 sep. 2021.

Issue

Section

Review Article