Use of Scrum as a method for optimization in project design

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18329

Keywords:

Agile methods; Management; Optimization.

Abstract

In public administration, the management of projects of municipal interest must seek the optimization of human resources to enable time reduction in the stages of evaluation and monitoring of project activities. The purpose of this article is to present the benefits that were acquired with the implementation of an adaptation of the Scrum framework in the Project Management (PM) sector of the Municipal Public Works and Urban Services – SEMOP, in the county of Santana (AP). As a result, it was possible to standardize the elaboration of architectural projects and their complementary ones and, at the same time, manage them, indicating that the Scrum framework is not restricted to software engineering projects. When well used, this tool improves relationship teams, facilitates monitoring and development of any project, reduces materials waste, and elaborates time, besides promoting constant maintenance of the organization's good practices and disseminating the tactical knowledge of those involved in teams participating projects. During the tool analysis time, an average of 66% was optimized in the time previously allocated to the evaluation and approval activities of projects at SEMOP. However, despite the positive results regarding the economy of resources, it is still necessary to hire new servers and purchase equipment to help them perform their daily work to prepare projects.

Author Biographies

Almiro Midons Bastos, Prefeitura Municipal de Santana

Possui graduação em Sistema de Informação pela Faculdade Atual (2016). Atualmente é responsável pelo licenciamento ambiental das obras da secretaria municipal de obras SEMOP da Prefeitura Municipal de Santana. Tem experiência na área de Ciências Ambientais, com ênfase em Ciências Ambientai

Argemiro Midonês Bastos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá

Graduado em Física pela Universidade Federal do Pará, com especialização em Metodologia do Ensino de Física pela Faculdade Internacional de Curitiba, mestrado em Biodiversidade Tropical pela Universidade Federal do Amapá, doutorado em Biodiversidade e Biotecnologia pela Universidade Federal do Amapá, e atualmente cursando pós-doutorado na Universidade Federal do Amapá. Ministro aulas de Educação Básica, Técnica e Tecnológica no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá. Atuo como docente permanente no Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica. Possuo experiência em Educação e Ensino, com ênfase em Ferramentas de Ensino de Física, Educação Ambiental e Formação de Professores, e em Biodiversidade, com ênfase em Modelagem Ambiental. Sou líder do Grupo de Pesquisa em Modelagem Aplicada para Ensino de Ciências (GMAEC), que possui as seguintes linhas de pesquisa: Formação de professores, Modelagem aplicada no ensino e Tecnologias aplicadas no ensino. Sou pesquisador nos Grupos de Pesquisa: 1) Grupo de Pesquisa em Educação Química e Ambiental (GPEQA), Linha de Pesquisa: Formação Inicial e Continuada de Professores de Química; e 2) Modelagem e Simulação de Sistemas Ambientais; Linhas de pesquisa: Modelagem de Sistemas Ambientais, Recursos Hídricos e Saneamento e Gestão Ambiental.

References

Bergamaschi, A. A. & Zuchi, J. D. (2018). Gerenciamento de tempo com base em informação e metodologias ágeis. Revista Interface Tecnológica. v. 15(1).

Bomfin, D. F.; Nunes, P. C.; Hastenreiter, F. (2012). Gerenciamento de projetos segundo o guia PMBOK: desafios para os gestores. Revista de Gestão e Projetos, v. 3(3), 58-87.

Brasil. (1993). Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 jun. 1993. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm.

Camargo, K. G. A., Galegale, N. V., Azevedo, M. M. de, & Neves, J. M. S. das. (2020). Estudo sobre associação de modelos de maturidade e metodologias ágeis. Research, Society and Development, 9(2), e115922169. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2169.

Coelho Ferreira, A. (2019). Ganhos e Melhorias com a Utilização de Modelos Híbridos na Gestão de Projetos de TI. Boletim do Gerenciamento, 6(6), 1-10. https://nppg.org.br/revistas/boletimdogerenciamento/article/view/157.

Conboy, K. (2009). Agility from first principles: Reconstructing the concept of agility in information systems development. Information systems research, 20(3), 329-354.

Cruz, F. (2018). Scrum e Agile em Projetos: guia completo. Rio de Janeiro: 2ª Ed. Editora Brasport,

Geraldi, J.; Maylor, H. & Williams, T. (2011). Now, Let's Make it Really Complex (Complicated): a systematic review of the complexities of projects. International Journal of Operations & Production Management, v. 31(9), 966-990.

Medeiros, L. (Org.). (2013). Princípios Básicos da Administração Pública. Poderes, Deveres, Direitos e Responsabilidades do Servidor. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Melo, C. O.; Ferreira, G. R. M. (2010). Adoção de métodos ágeis em uma instituição pública de grande porte: um estudo de caso. Conference on Agile Methods. Agile Brazil 2010. São Paulo. http://ccsl.ime.usp.br/agilcoop/files/WBMA_Melo_e_Ferreira.pdf.

Mendonça, J.; Vieira, M. F.; Santos, T.; Santana, S. A. (2018). Implantação de Gestão Ágil na Engenharia Civil. Revista Eletrônica da Reunião Anual de Ciência – e_RAC. v. 8(1).

Oliveira, M. M. de. (2011). Como fazer projetos, relatórios, monografias, dissertações e teses. 5. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Paiva, S. B.; Aragão, P. O. R. de; Pereira, S. L. (2005). Gestão do Conhecimento em uma organização baseada em conhecimento: uma abordagem qualitativa. Produto & Produção, v. 8(2), 37-56. http://www.seer.ufrgs.br/ProdutoProducao/article/view/3212.

PMI. (2017). Project Management Body of Knowledge Guide. Pennsylvania: Four Campus Boulevard.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2ª. ed. Novo Hamburgo: Universidade Freevale.

Schwaber, K. & Sutherland, J. (2017). Guia do Scrum: Um guia definitivo para o Scrum, as regras do Jogo. Califórnia, Creative Commons.

Silva, D. E. dos S.; Ingredy Souza, T. de; Camargo, T. (2013). Metodologias ágeis para o desenvolvimento de software: aplicação e o uso da metodologia Scrum em contraste ao modelo tradicional de gerenciamento de projetos. Revista Computação Aplicada. v. 2(1).

Silva, R. E. da & Neto, J. S. (2015). Contratação do desenvolvimento ágil de software na administração pública federal: riscos e ações mitigadoras. Revista do Serviço Público Brasília 66(1), 97-120.

Stopa, G. R. & Rachid, C. L. (2019). Scrum: metodologia ágil como ferramenta de gerenciamento de projetos. CES Revista. v. 33(1).

Veras, M. (2016). Gestão dinâmica de projetos: Life Cycle Canvas. Rio de Janeiro: Brasport.

Published

29/07/2021

How to Cite

BASTOS, A. M. .; BASTOS, A. M. Use of Scrum as a method for optimization in project design. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e40610918329, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18329. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18329. Acesso em: 23 sep. 2021.

Issue

Section

Engineerings