“Harmonizing”: Integrative and complementary practices in university extension

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18453

Keywords:

Complementary therapies; Scholars; Community-institutional relations; Teaching.

Abstract

Introduction: With the creation of the National Policy on Integrative and Complementary Practices (PNPIC), in May 2006, a new context for the insertion of these resources in the Unified Health System (SUS) was opened, also requiring approximation and studies during the professional training, so that students can reflect, experience and analyze these practices even during their undergraduate course, with university extension being a possible field of opportunities for the development of therapeutic plurality, favoring closer ties between university and community. Objectives: To assess the perceptions, difficulties and repercussions that the experiences with PICS provided in the academic and personal life of students who were extensionists in projects involving integrative and complementary practices. Methodology: Qualitative, exploratory and descriptive research, conducted with 7 students from the Nursing, Pharmacy and Nutrition courses at the Federal University of Campina Grande. The collection of data took place through semi-structured interviews, and they were analyzed using the content analysis technique. Results and Discussions: The integrative practices act in the care of oneself and of the other, in an ethical perspective of care, adding theoretical and practical knowledge and transforming the personal reality of the subjects. Nevertheless, there are many challenges ahead, such as little dissemination, disbelief in the beneficial effects and the hegemony of the biomedical model in the construction of health courses, which makes it difficult to expand these therapies. Conclusion: It is essential to expand the academic spaces for discussion and development of integrative and complementary practices, enhancing and integrating these resources in the training of health students, in the three inseparable spheres of the institution: teaching, extension and research.

Author Biographies

Ana Beatriz Nogueira Pereira, Vigilância Sanitária de Caicó

Enfermeira pela Universidade Federal de Campina Grande-PB.Enfermeira do Hospital Municipal de Cuité-PB e do setor de Vigilância Sanitária no município de Caicó-RN.

Maria Clara Soares Dantas, Universidade Federal de Campina Grande

Graduanda em Enfermagem pelo Centro de Educação e Saúde da Universidade Federal de Campina Grande-PB.

Ana Cláudia de Queiroz, Universidade Federal de Campina Grande

Graduanda em Enfermagem pelo Centro de Educação e Saúde da Universidade Federal de Campina Grande-PB.

Amanda Barbosa da Silva, Universidade Federal de Campina Grande

Enfermeira. Graduada pelo Centro de Educação e Saúde da Universidade Federal de Campina Grande-PB. Enfermeira da DSR Clínica Médica. Pós-graduanda em Saúde Mental. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares e em Enfermagem.

Alynne Mendonça Saraiva Nagashima, Universidade Federal de Campina Grande

Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta do Curso de Enfermagem do Centro de Educação e Saúde da Universidade Federal de Campina Grande-UFCG. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares e em Enfermage-GEPISE.

References

Azevedo, E. D., & Pelicioni, M. C. F. (2011). Práticas integrativas e complementares de desafios para a educação. Trab. educ. saúde (Online), 9(3), 361-378. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462011000300002&lng=en&nrm=iso.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70

Barreto, A.F. (2017). Práticas integrativas e complementares como ética da sensibilidade no cuidado humano. J Manag Prim Heal Care., 8( 2), 181-201. https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/525/569.

Belasco, I. C., Passinho, R. S. & Vieira, V. A. (2019). Práticas integrativas e complementares na saúde mental do estudante universitário. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, 71(1), 103-111. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672019000100008&lng=pt&nrm=iso.

Borges, M. R., Madeira, M. L. & Azevedo, V. M. G. O. (2011) As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no Hospital Sofia Feldman. Rev. Min. Enferm., 15 (01), 105-113. http://reme.org.br/artigo/detalhes/14.

Brasil. Ministério da Saúde. (2003). O papel da medicina natural e práticas complementares de saúde na consolidação dos princípios e diretrizes da Reforma Sanitária. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: PNPIC-SUS. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde.( 2011). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Relatório de Gestão: 2006/2010. Práticas Integrativas e Complementares no SUS. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf.

Dacal, M. D. P. O. & Silva, I. S. (2018) Impactos das práticas integrativas e complementares na saúde de pacientes crônicos. Saúde debate, Rio de Janeiro, 42(118), 724-735. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201811815.

Dalmolin, I. S. (2017). Revisão de Literatura. In: DALMOLIN, I. S. Práticas integrativas e complementares na atenção primária: caminhos para promover o sistema único de saúde. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, p. 147. https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/189161/PNFR1045-D.pdf?sequence=-1&isAllowed=y.

Evangelista, D. L. & Ivo, O. P. (2014). Contribuições do estágio supervisionado para a formação do profissional de enfermagem: expectativas e desafios. Revista Enfermagem Contemporânea, 3(2), 123-130. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/enfermagem/article/view/391/340.

Ferreira, E. S., Souza, M. B. de, Souza, N. V. D. de O., Tavares, K. F. A., & Pires, A. da S. (2015). A relevância do cuidado de si para profissionais de enfermagem / The importance of self-care for nursing professionals. Ciência, Cuidado E Saúde, 14(1), 978 - 992. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i1.23360.

Lima, I. C., Bastos, R. A., Kaipper, M. D., Santos, C. M. C. D. & Filgueiras, J. (2012). Terapias complementares: um projeto de extensão. Revista Conexão UEPG. 8(1), 76-85. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=514151727008> ISSN 1808-6578.

Maranhão, A. P., Souza, P. C. R. D. & Oliveira, J. G. D. D. (2017). Práticas Integrativas Em Acupuntura Na Extensão Universitária – notas preliminares. In: CONGREPICS. Realize: Natal-RN. I p. 01-06. http://editorarealize.com.br/revistas/congrepics/trabalhos/TRABALHO_EV076_MD4_SA2_ID1069_24082017221223.pdf.

Medeiros Neta, O. M., Moura, D. H., Cavalcante, I. F., Oliveira, J. P. & Costa, C.L. (2018). Extensão e formação na educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica. (editorial), 1(14). http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/7101.

Mendes, D. S., Moraes, F. S., Lima, G.O., Silva, P. R., Cunha, T. A., Crossetti, M.G.O. et al. (2019.) Benefícios das práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem. Journal Health NPEPS, [S. l.], 4(1), 302-318. http://dx.doi.org/10.30681/252610103452.

Menezes, A. H. N., Duarte, F. R., Carvalho, L. O. R. & Souza, T. E. S.( 2019). Metodologia Científica: teoria e aplicação na educação a distância.[free-ebook].Petrolina/ PE. Universidade Federal do Vale de São Francisco. https://portais.univasf.edu.br/noticias/univasf-publica-livro-digital-sobre-metodologia-cientifica-voltada-para-educacao-a-distancia/livro-de-metodologia-cientifica.pdf/view.

Nascimento, M. C. D. N., Romano, V. F., Chazan, A. C. S. & Quaresma, C. H. (2018) Formação em práticas integrativas e complementares em saúde: desafios para as universidades públicas. Trab. educ. saúde, 16(2), 751-772. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00130.

Saraiva, A.M. (2021). Práticas Integrativas e Complementares utilizadas por mulheres: histórias, cuidados e transformações. Appris.

.

Silva, F. G. S. D. (2018). O cuidado de si na saúde: um olhar pedagógico sobre o outro e sobre o mundo. Cadernos Cajuína, 3(1), 157-169. https://cadernoscajuina.pro.br/revistas/index.php/cadcajuina/article/view/154.

Telesi Junior, E. T. (2016) Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud. av. 30(86), 99-112. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000100099&lng=en&nrm=iso.

Published

02/08/2021

How to Cite

PEREIRA, A. B. N.; DANTAS, M. C. S.; QUEIROZ, A. C. de; SILVA, A. B. da; NAGASHIMA, A. M. S. “Harmonizing”: Integrative and complementary practices in university extension. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e55810918453, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18453. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18453. Acesso em: 23 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences