Maxillofacial injuries in women victims of physical violence: Literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18485

Keywords:

Violence against women; Dental surgeon; Maxillofacial trauma.

Abstract

Objective: To describe facial trauma in women who are victims of violence and the role of the Dentist-Surgeon in treating these cases. Methods: This is a narrative review study of the literature on the subject of maxillofacial trauma in women victims of physical violence. Results: The face region becomes a target because the aggressor can clearly visualize the feeling of pain, being a way to externalize the dominance over the woman, since her desire is often to depreciate her and make her submissive. It is possible to use parameters that every 4 minutes a woman is attacked, with her partners/partners being characterized as the main aggressors (65.6%), followed by ex-partners (24.2%), acquaintances (8.73%) or unknown (1.47%). Among the maxillofacial injuries resulting from violence against women, it has been reported that injuries to soft tissue on the face are the most prevalent. Conclusion: It is concluded that maxillofacial trauma due to violence in women has an expansive number, thus it is necessary to recognize the dentist in the scenario intervening in the fight against violence.

References

Avarenga, A. M. et al. (2010). Etiologia e Incidência trauma faciais relacionado à violência doméstica à mulher. Revista do Laboratório de Estudo e Violência e Segurança. Marília, v. 5; n. 5; p. 118-125.

Bernardino, I. M. et al. (2018). Intimate partner violence against women, circumstances of aggressions and oral-maxillofacial traumas: A medical-legal and forensic approach. Legal medicine. Campina Grande, v. 31, n. 9, p. 1-6.

Brasil - Ministério da Saúde (2012). Norma técnica: Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. 3a ed. Brasília: Secretaria de Políticas da Saúde.

Carvalho, L. M. F. et al (2013). O cirurgião-dentista frente à violência doméstica: conhecimento dos profissionais em âmbito público e privado. Revista Medicina. Ribeirão Preto, v.46, n.3, p.297-304, 2013.

Castro, T. L. (2011). Lesões Craniofaciais em mulheres vítimas de violência doméstica e familiar: registros do departamento médico legal de vitória (ES) entre 2004 e 2008. (Trabalho de conclusão de curso de mestrado em biologia bucodental com concentração em odontologia legal e deontologia), Piracicaba.

Chaves, A. S. et al. (2018). Prevalência de traumatismo maxilofaciais causados por agressão ou violência física em mulheres adultas e os fatores associados: uma revisão de literatura. Revista da Faculdade de Odontologia -UPF. Passo fundo, v. 23, n.1, p.60-67.

Dias, I. J. & Santiago, B. M. (2014) Violência de gênero contra a mulher: perfil de registros periciais da Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (GEMOL) João Pessoa/PB. Rev Bras Ciên Saúde; 18(4):315-24.

Dourado, S. M. & Noronha, C. V. (2015) Visible and invisible marks: facial injuries suffered by women as the result of acts of domestic violence. Ciên & Saúde Coletiva; 20(9):2911-20.

Garbin, C. A. S. et al. (2015). Desafios do profissional da saúde na notificação da violência: Obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Araçatuba, v. 20, n. 6, p.1879-1890.

Hage, C. A. et al. (2018). Traumas Faciais e morbidade bucal provocada pela violência em belém, estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde. Ananindeua, v.9, n.1, p. 41-49.

Leite, M. T. S. et al. (2014). Ocorrência de violência contra a mulher nos diferentes ciclos de vida. Revista Latino Americana de Enfermagem. 22(1):85-92.

Marques, R. C. et al. (2013). Oral and maxillofacial injuries in women: records of the medical legal institute of São Luís, maranhão, Brazil - from 2010 to 2013. Revista de Pesquisa da Saúde. São Luís, v. 17, n. 2, p. 69 – 73.

Nascimento, L. S., Hage C. A., Nakano, A. M. S., Azevedo, P. S. B. & Lettiere, A. (2012). Violência contra à mulher e consequências à saúde bucal. Gênero na Amazônia; 2:149-56.

Netto, L. A., Moura, M. A. V., Queiroz, A. B. A., Tyrrell, M. A. R. & Bravo, M. M. P. (2014). Violence against women and its consequences. Acta Paul Enferm; 27(5):458-64.

Nóbrega, L. M. et al. (2017) Pattern of oral-maxillofacial trauma from violence against women and its associated factors. Dental traumatology. Campina Grande, v. 33, n. 3, p. 181-188.

Oneida, A. (2009) Maxillofacial Injuries and Violence Against Women. Archives of facial plastic surgery. Pasadena, v. 11, n. 1, p. 48-52.

ONU - Organização Das Nações Unidas. (1993) Declaração sobre a eliminação da violência contra as mulheres. Proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas na sua resolução 48/104.

Roselino, L. M. R., Bregagnolo, L. A., Pardinho, M. A. B. S., Chiaperini, A., Bérgamo, A. L., Santi, L. N. et al. (2009). Danos buco-maxilo-faciais em homens da região de Ribeirão Preto (SP) entre 1998 e 2002. Odontologia, Ciência e Saúde – Revista do Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais. 10:71-7.

Silva, C. J. P. et al. (2014) Traumatismo maxilofacias como marcadores da violência urbana. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Belo Horizonte, v.19, n.1, p.127- 136.

Silva, R. F. et al. (2010). Atuação Profissional do Cirurgião-dentista diante da Lei Maria da Penha. Revista Sul-Brasileira de Odontologia (ONLINE). Joinville, v.7, n.1, p.100-116.

Published

02/08/2021

How to Cite

SILVA, M. K. A. da .; GONZAGA, G. L. P. .; BARBOSA, K. G. N. . Maxillofacial injuries in women victims of physical violence: Literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e55910918485, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18485. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18485. Acesso em: 20 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences