Acting of the Movement of People Affected by Dams (MAB) in the neodevelopmentalist cycle

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18602

Keywords:

Social movements; Movement of those affected by dams; Sustainability; Neodevelopmentalism.

Abstract

This article intends to reflect on the leading role of the Movement of People Affected by Dams (MAB) in the dynamics of development, based on the sustainability category. The methodology adopted was a literature review, analysis of public documents and a case study of the experiences carried out by the MAB, in the set of actions to confront and resist the neoliberal situation adopted from the 1990s onwards. social conflicts involving the implementation of dams gain more and more space in the media and there is an evolution in MAB's performance, the “risk assessment” model of the 80s and 90s persists when it comes to involuntary resettlements. This is because the theoretical-conceptual instrument naturalizes populations, representing them as obstacles to progress and does not treat them as social actors capable of discussing rights and interests.

References

Arendt, H. (1988). Da revolução. Trad. Fernando Vieira & Caio N. de Toledo. São Paulo; Brasília: Ática; Ed. UnB.

Benincá, D. (2011). Energia & cidadania: a luta dos atingidos por barragens. São Paulo: Cortez.

Carvalho, F. C. (2004) . Bretton Woods aos 60 anos. Novos Estudos, 70. < https://christypato.files.wordpress.com/2008/09/cardim-fernando-bretton-woods-60-anos.pdf >.

Cervinski, G. (2011). Crise capital e privatização da água. discurso ideológico para a privatização da água. Entrevista com (MAB Brasil) à radio mundo real FM: 19 de julho de 2011. <http://www.radiomundoreal.fm/Crise-capital-e-privatizacao-da?lang=es>

Diniz, E. (2011). O contexto internacional e a retomada do debate sobre desenvolvimento no Brasil contemporâneo (2000/2010). DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 54(4), 493-531.

Diniz, E. (2010). Empresariado Industrial, Representação de Interesses e Ação Política: Trajetória Histórica e Novas Configurações. Política & Sociedade. Revista de Sociologia Política, 9(17), 101-139.

Elias, N., Scotson, J. L (2000). Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Trad. Vera Ribeiro, Rio de Janeiro: Zahar.

Jaccound, M. & Maye, R. A observação direta e a pesquisa qualitativa in Poupart, J., Deslauriers, J. P., Groulx, L. H., Laperrière, A., Mayer, R., & Pires, Á. (2018). A pesquisa qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológico.

MAB. Energia para quê e para quem? <http://www.mabnacional.org.br/menu/proposta.html>.

MAB. Produção de energia na ótica popular. <http://www.mabnacional.org.br/menu/producao_energia.html>.

MAB. Organização. < http://www.mabnacional.org.br/organizacao>.

MAB (2013). MAB cobra de Lobão política nacional e fundo para os atingidos. Movimento dos Atingidos por Barragens, nov., http://www.mabnacional.org.br/noticia/mab-cobra-lob-pol-tica-nacional-e-fundo-para-os-atingidos>.

MAB. Seminário modelo energético brasileiro: atualidades e perspectivas. <http://www.mabnacional.org.br/noticia/soberania-nacional-discutida-no-semin-rio-energia-da-regi-sudeste>.

Martins, J. S. (1988). A chegada do estranho: notas e reflexões sobre o impacto dos grandes projetos econômicos nas populações indígenas e camponesas da Amazônia. Anais do 46° Congresso Internacional de Americanistas, Amsterdam.

Melucci, A. (1989). Um objetivo para os movimentos sociais? Luz Nova, Trad.: Suely Bastos. 17(jun), São Paulo, 49-66. <http://www.scielo.br/pdf/ln/n17/a04n17.pdf>

Melucci, A. (2001) A invenção do presente. Movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis/RJ: Vozes.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Santa Maria, RS : UFSM, NTE. https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/358/2019/02/Metodologia-da-Pesquisa-Cientifica_final.pdf

Rosa, L. P. (2013). Energia e setor elétrico nos governos Lula e Dilma. In SADER, Emir (org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo, SP: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil, 73-190.

Vainer, C. B. (2008). O conceito de “Atingido”: uma revisão do debate. In ROTHMAN, Franklin Daniel. Vidas alagadas: conflitos socioambientais, licenciamento e barragens. Viçosa-MG: UFV.

Vainer, C. B. (2002). Águas para a vida, não para a morte. Notas para uma história do movimento de atingidos por barragens no Brasil. In: Workshop Social Movements in the South, Center for International Affairs, Harvard University, (mai.), 1-24.

Vainer, C. B. (1992), Araujo, F. G. B. Grandes projetos hidrelétricos e desenvolvimento regional. Rio de Janeiro: CEDI.

Vieira, F. B. (2011). Dos proletários unidos à globalização da esperança: um estudo sobre internacionalismo e a Via Campesina. São Paulo: Alameda.

Zen, E. L. (2007). Movimentos sociais e a questão de classe: um olhar sobre o Movimento dos Atingidos por Barragens. 211f. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade de Brasília, <http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2415>.

Published

06/08/2021

How to Cite

CÂMARA, A. A. F. .; TERRA, A. D. G.; SOARES, P. B. D. . Acting of the Movement of People Affected by Dams (MAB) in the neodevelopmentalist cycle . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e98101018602, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18602. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18602. Acesso em: 18 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences