Health practices in the prevention of sexually transmitted infections

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18755

Keywords:

Sexually Transmitted Infections; Primary prevention; Basic care; Sexual health; Nursing.

Abstract

Objective: to know the scientific production on health practices in the prevention of sexually transmitted infections. Methods: described study, of the type integrative review. The Virtual Health Library (VHL) was used for data collection between December 2018 and January 2019. The data included were complete articles and available in full, in Portuguese, published between 2013 and 2018. Results: 12 articles were analyzed, the information was divided into two categories according to the type of strategy employed in prevention practices, namely: assistance actions and preventive educational actions. Schools present themselves as the scenario for carrying out preventive actions and adolescents are the main target of interventions. It was noted the difficulty of health and education professionals in addressing issues related to sexual health and sexuality, the need for continuing education for professionals. The workshops and group activities have a positive impact in the fight against infections, however, the stigma and taboo still permeate the subject. Conclusions: assistance and educational actions must be carried out together. It is salutary that there is continuous qualification and improvement of professionals, organization of health services and incorporation of intersectoral actions, in addition to actions in the community that promote the perception of risk for sexually transmitted infections, with the encouragement of safe practices for health in all countries. groups and age groups.

References

Angelim, R. C. M., et al (2016). Atividades educativas sobre práticas sexuais de risco para estudantes: relato de experiência. Rev Enferm UFPI. 5(1),96-100.

Brasil. (2020a). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral as Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil.(2020b), Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST/ AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS. Brasília: Ministério da Saúde dez,num. especial 2020.

Brasil. (2020c), Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST/AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico de Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde,num. especial 2020.

Brasil. (2020d). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST/AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico das Hepatites virais 2018. Brasília: MS. dez., num. especial 2020.

Brasil. (2017) Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Prevenção Combinada do HIV/ Bases conceituais para profissionais, trabalhadores(as) e gestores(as) de saúde. MS – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2016a). Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Pesquisa brasileira sobre resistência do gonococo a medicamentos corrobora dados da OMS e sugere alternativas para o tratamento. Brasília: MS.

Brasil. (2016b). Mistério da Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Decreto nº 8.901/2016 publicada no Diário Oficial da União em 11.11.2016, Seção I, páginas 03 a 17. Mudança da nomenclatura “IST” (infecções sexualmente transmissíveis) no lugar de “DST” (doenças sexualmente transmissíveis).

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. PORTARIA Nº 1.984, DE 12 de setembro de 2014. Lista nacional de doenças e agravos de notificação compulsória. Brasília: MS.

Carvalho, P. M. G., et al. (2013). Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis por mulheres homossexuais e bissexuais: estudo descritivo. Rev brasileira de enfermagem [Online],12 (4).

Costa e Silva, S. P., Barbosa, A. P. P., Araújo, C. S., et al. (2016) Discutindo Sexualidade/IST no contexto escolar: Práticas de professores de escolas públicas. Rev Enferm UFPE. 10(5):4295-303

Cordeiro, J. K. R., Santos, M. M., Sales, L. K. O., et al. (2017). Adolescentes escolares acerca das DST/Aids: quando o conhecimento não acompanha as práticas seguras. Rev enferm UFPE. 11(7), 2888-96.

Czeresnia, D. (2003). O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção [versão revisada e atualizado]. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Cad. Saúde Pública. 39 (53). Fiocruz

Ferraz, D. A. S., & Nemes, M. I. B. (2013). Cogestão e Prevenção das DST/Aids na Atenção Primária: contribuições desde o referencial dos direitos humanos e da Vulnerabilidade. Temas em Psicologia. 21 (3). 735-749.

Galvão, T. F., Pansani, T. S, A., & Harrad, D. (2015). Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiol. Serv. Saúde. 24(2), 335-342.

Grangeiro, A. et al. (2015). O efeito dos métodos preventivos na redução do risco de infecção pelo HIV nas relações sexuais e seu potencial impacto em âmbito populacional: uma revisão da literatura. Rev Bras Epidemiol 18(01): 43-62.

Mendes, K. D. S, Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto-Enfermagem. 17(4): 758-764

Nasser, M. A et al. (2017) Avaliação na atenção primária paulista: ações incipientes em saúde sexual e reprodutiva. Rev Saúde Pública. 51 (1).

OMS & UNAIDS. (2020). Organização Mundial de Saúde. Relatório informativo– dez 2020. UN oficial report Fact Sheet.

Organização Mundial da Saúde. Estratégia do setor de saúde global sobre infecções sexualmente transmissíveis, 2016–2021. Organização Mundial da Saúde.

Organização Mundial de Saúde. (2020). Infecções Sexualmente Transmissíveis (DSTs). UN oficial report Fact Sheet. Organização Mundial da Saúde.

Reis, T. G. O et al. (2014). Educação em saúde com prostitutas: uma experiência de educação aos pares. Rev Enferm UFPI. 3(3):46-52

Rodrigues, A. R. M, Silva, M. A. M, Cavalcante, A. E. S, et al. (2016). Atuação de enfermeiros no acompanhamento da sífilis na atenção primária. Rev enferm UFPE. 10(4), 1247-55.

Russo, K., & Arreguy, M. E. (2015). Projeto “Saúde e Prevenção das Escolas”: percepções de professores e alunos sobre a distribuição de preservativos masculinos no ambiente escolar. Revista de Saúde Coletiva. 25 (2): 501-523.

Santos, M. P., et al. (2017). Pré-carnaval educativo sobre infecções sexualmente transmissíveis com adolescentes escolares. Rev enferm UFPE. 11(12), 5116-21.

Silva, D. M, Alves, M., Souza, T. O et al. (2013). Sexualidade na adolescência: relato de experiência. Rev enferm UFPE. 7(1):820-3.

Soares, C. B., Hoga, L. A. K., Peduzzi, M., Sangaleti C, Yonekura, T, & Silva, D. R. A. (2014). Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 48(2), 335-45.

Torres, R. A. M., et al. (2015). Comunicação em saúde: uso de uma web rádio com escolares. J. Health Inform. 7(2):58-61.

Xavier, L. D. A, Silva, C. F, Torres, E. F., et al (2017). Câncer de colo uterino e infecção sexualmente transmissível: percepção das mulheres privadas de liberdade. Rev enferm UFPE. 11(7), 2743-50.

Published

11/08/2021

How to Cite

PINTO , I. S.; OLIVEIRA, J. S. B. de; SUTO, C. S. S.; PINTO, F. S.; NOBRE, T. C. N. . Health practices in the prevention of sexually transmitted infections. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e306101018755, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18755. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18755. Acesso em: 27 oct. 2021.

Issue

Section

Health Sciences