Triple nature of cooperatives in the mineral sector: unveiling the characteristics of social, economic and environmental management

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.19024

Keywords:

Mineral cooperativism; Mining; Social management; Economic management; Environmental management.

Abstract

Com a determinação do Estado, por meio da Constituição Federal e do Estatuto do Garimpeiro, de que a concessão de lavra garimpeira seria concedida prioritariamente para trabalhadores organizados em Cooperativas, o Brasil viu crescer em mais de 500% o número de requisições de lavras feitas por cooperativas. No entanto, o cooperativismo mineral ainda e pouco conhecido tanto pelos órgãos de controle e apoio ao cooperativismo como pelos órgãos de requerimento do setor mineral. As pesquisas científicas sobre o tema também são escassas. Nesta direção é que este trabalho se examina o funcionamento das cooperativas das cooperativas do estado de Minerais, com especial atenção a tripla natureza estas associações: social, econômica e ambiental. Foram analisadas 14 cooperativas. A coleta de dados ocorrida por meio de alterações semiestruturadas com dirigentes e representantes do poder público local. Foi possível evidenciar que os minerais cooperativas não possuem um modelo de funcionamento homogêneo, embora os estatutos e atas de constituição sigam um padrão específico, cumprindo a obrigação legal do processo de formalização. No âmbito social, se que as cooperativas possuam quadro social diverso e sistemas de hierarquia entre os cooperados. A maioria das cooperativas não atuam na comercialização dos produtos minerais extraídos, ficando a cargo do cooperado. E no âmbito ambiental uma pesquisa conhecida que as cooperativas enfrentam grandes dificuldades para lidar com as questões burocráticas da legislação ambiental que é inerente a sua atividade econômica.

Author Biographies

Alan Ferreira de Freitas, Universidade Federal de Viçosa

Professor adjunto da Universidade Federal de Viçosa

Alair Ferreira de Freitas, Universidade Federal de Viçosa

Professor adjunto da Universidade Federal de Viçosa

References

Amade, P. & Lima, H. M. (2009). Desenvolvimento sustentável e garimpo – O caso do Garimpo do Engenho Podre em Mariana. Minas Gerais.

Alves, W., Ferreira, P. & Araújo, M. (2017). Mining cooperatives in Brazil: an overview. Procedia Manufacturing, 13, 1026-1033.

ANM. (2020). Agência Nacional de Mineração. http://www.anm.gov.br

Bitencourt, M. A. (2009). Cooperativismo e atividade garimpeira: o caso da cooperativa garimpeira do vale do rio da bagagem ltda. (Dissertação). Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

BRASIL. (2019). Lei nº 5764 de 16 de dezembro de 1971. Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Brasília, 1967. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ leis/l5764.htm .

BRASIL. Lei nº 11.685, de 2 de junho de 2008. Institui o Estatuto do Garimpeiro e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ano CXLV, n. 104, Seção 01, terça-feira, 3 jun. 2008. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11685.htm.

BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado.

Byemba, G. K. (2020). Formalization of artisanal and small-scale mining in eastern Democratic Republic of the Congo: An opportunity for women in the new tin, tantalum, tungsten and gold (3TG) supply chain?. The Extractive Industries and Society, https://doi.org/10.1016/j.exis.2020.03.001. Elsevier.

Calvimontes et al., (2020). M. Small-scale gold mining and the COVID 19 pandemic: Conflict and cooperation in the Brazilian Amazon. The Extractive Industries and Society, 7: 1347-1350. Elsevier.

Cançado & Gontijo. (2004). Princípios Cooperativistas: origens, evolução e influência na legislação brasileira.

Coelho, M. C., Wanderley, I. J. & Costa, R. (2017). Garimpeiros de Ouro e Cooperativismo no século XXI. Exemplos nos rios Tapajós, Juma e Madeira no Sudoeste da Amazônia Brasileira. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie/Revista franco-brasilera de geografia, n. 33.

Freitas, A. F; Freitas, A. F & Macedo, A. S. (2016). O Estado e o cooperativismo mineral: da indução de uma forma organizacional aos desafios de uma organização sustentável. Revista brasileira de gestão e desenvolvimento regional, v. 12, n. 1.

Geenen, S. A. & Claessens, K. (2016). Diferentes faces do controle de acesso em uma mina de ouro da RDC,. Third World Thematicsp. 01-16.

Gil, A. C. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr.

Macedo et al., (2019). De Usurpadores do Bem Público a ‘Mineradores’ Legalizados: uma Análise da Formalização de Cooperativas Minerais. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas, v. 6, n. 11, p. 239-256, 2019.

Marston, A. Vertical farming: tin mining and agro-mineros in Bolivia The Journal of Peasant Studies, doi:10.1080/03066150.2019.1604511. Routledge.

OCB. (2019). Relatório anual da ocb. https://www.ocb.org.br/publicacao/53/anuario-do-cooperativismo-brasileiro-2019.

Ribeiro, C. V., Freitas, A. F., Silva, S. S. (2021). Educação empreendedora no ensino de Administração: umasimulação realista como instrumento de ensino. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento. 10(3), e9610313066, 2021. DOI: 10.33448 / rsd-v10i3.13066. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13066

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Valadares, J. H. (2020). Moderna administração de cooperativas. (Apostila FORMACOOP – Mód.I - SESCOOP/GO).

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Published

12/08/2021

How to Cite

SILVA, S. S. da .; FREITAS, A. F. de .; FREITAS, A. F. de .; ALVES JÚNIOR, A. Triple nature of cooperatives in the mineral sector: unveiling the characteristics of social, economic and environmental management. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e341101019024, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.19024. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19024. Acesso em: 20 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences