Comments on ADHD in youth and adult education: a mini review.

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.19061

Keywords:

ADHD; Education; Teaching; Social problems.

Abstract

Attention deficit disorder [ADHD] is considered a problem that occurs mainly in children and that makes life difficult for the student due to the lack of understanding of the problem by the teachers and the family of the individual affected by this disorder, which generates behavioral and social life l problems. Social living. This problem can persist in adults and, in addition to being neglected in children and young people, it is even more in adults. Within this scope, this systematic review was carried out to verify and to alert about ADHD in adults and the problems that affect college students who suffer from this disorder. In conclusion, it was found that ADHD in adults is, in fact, neglected and that problems in social relationships and with teachers affect academic activities and that university professors, in general, especially those who do not have pedagogical training, are not prepared to understand the situation that affected the students, which can lead to school dropout and psychological problems more serious than ADHD itself.

References

Alves, L. M., Estarlino, R. P. & Miranda, R. S. S. (2014). A coocorrência entre Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade e Transtorno de Aprendizagem em Escolas. Revista Tecer, 7(13), 118-132.

Andrade, C. R. M. et. al. (2011). Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Revista Médica de Minas Gerais, 21(4), 455-464.

Andrade, E. M. & Silva, D. (2018). A importância do trabalho psicomotor junto às crianças com diagnóstico de TDAH. Faculdade Sant’Ana em Revista, 4, 51-65.

Araújo, M. V. et. al. (2013). Papel do professor na implementação de repertórios comportamentais compatíveis com o aprendizado em Escolas com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 13(1), 9-13.

Araújo, C. Z. L. (2017). O TDAH e as produções subjetivas da criança: problematizando o diagnóstico com pais e professores. Programa de Iniciação Científica – Faculdade de Ciências da Educação e da Saúde, 07-48.

Assumpção, G. L. S., Oliveira, L. A. & Souza, M. F. S. (2018). Depressão e suicídio: Uma correlação. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 3(5), 313-333.

Barkley, R. A. (2008). Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Manual para Diagnóstico e Tratamento. 3ªed. Porto Alegre: Artmed.

Bastos, T. C. N. M. (2011). Neurobiologia da Depressão. Dissertação para obtenção do título de Mestre – Mestrado Integrado em Medicina; Faculdade de Medicina Universidade do Porto.

Baum, S. M., Olenchak, F. R. & Owen, S. V. (1998). Gifted students with attention deficits: Fact and/or fiction? Or can we see the forest for the trees? Gifted Child Quarterly, (42), 96-104.

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB. <http://www.fnde.gov.br/web/siope_web/lei_n9394_20121996.pdf.>

Brito, I. (2011). Ansiedade e Depressão na Adolescência. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 27, 208-214.

Cantiere, C. N. et. al. (2014). Intervenção neuropsicológica no desenvolvimento de habilidades cognitivas em crianças com TDAH: Estudo de caso. Intervenção neuropsicológica e TDAH, 14(2), 21-30.

Carreiro, L. R. R. et al. (2010). Sinais de Desatenção e Hiperatividade na escola: Análise dos relatos dos Professores sobre suas expectativas e modos de lidar. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 10(1), 49-51.

Carvalho, T. L. et. al. (2009). TDAH na interface Saúde e Educação: Uma Experiência com educadores. Revista Pedagógica – UNOCHAPECÓ, (23), 283-294.

Castro, C. X. L. & Lima, R. S. (2018). Consequências do TDAH na idade adulta. Revista de Psicopedagogia, 35(106), 61-72.

Cavestro, J. M. & Rocha, F. L. (2006). Prevalência de Depressão entre estudantes Universitários. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 55(4), 264-267.

Coelho, C. S. R. et. al. (2016). Comparação do tratamento para o TDAH pelo método farmacológico e psicossocial – síntese de evidências. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa, 13(31), 82-87.

Coutinho, M. K. A. R. G. & Araújo, D. A. De C. (2018). A medicalização da vida escolar: incoerências na conceituação do TDAH. Série-Estudos: Campo Grande, 23(47), 223-239.

Couto, T. S., Melo-Júnior, M. R. & Gomes, C. R. A. (2010). Aspectos neurobiológicos do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): uma revisão. Ciências e Cognição, 15(1), 241-251.

Costa, M. M. M. & Jahnke, L. T. (2017). O direito à saúde de crianças e de ado¬lescentes com diagnóstico de TDAH e o uso do metilfenidato: uma abordagem a partir da lei 8.069/90. Revista da Faculdade de Direito UFMG, 71(71), 443-470.

Dupaul, G. J. & Stoner, G. (2007). TDAH nas escolas. São Paulo: M. Books do Brasil.

Dutra, A. W. F. et. al. (2015). O uso indiscriminado do Metilfenidato. Revista Terra e Cultura: Cadernos de Ensino e Pesquisa, 34(66), 1-15.

Elmino, E. A. et.al. (2018). Saúde mental e processos de subjetivação em crianças com diagnóstico de TDA/TDAH. Trabalho de Conclusão de Curso para Obtenção do Título de Graduação em Psicologia.

Farah, B. (2016). A depressão no ambiente de trabalho: Prevenção e gestão de pessoas: Um estudo sobre as empresas contemporâneas à luz do Judiciário Federal.

Faraone, S. V. et al. (2003). The worldwide prevalence of ADHD: Is it an American condition? World Psychiatry, (2), 104-113.

Fernandes, A. P. A.; Dell’agli, B. A. V. & Ciasca, S. M. (2014). O sentimento de vergonha em crianças e adolescentes com TDAH. Psicologia em Estudo, 19(2), 333-344.

Fernandes, L. A. et. al. (2018). Análise do exercício físico em crianças com TDAH: uma revisão integrativa. Revista da Sobama, 19(1), 17-26.

Ferreira, P. V. da C. (2011). Uma revisão teórica sobre o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e estratégias educacionais de atendimento ao aluno com TDAH. Revista De Psicologia, 2(2), 57-75.

Ferreira, S. S. & Santos, T. da S. (2017). Aspectos terapêuticos do Transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Interdisciplinary Scientific Journal, 4(5), 118-134.

Fornari, L. H. T. et. al. (2010). As diversas faces da síndrome demencial: como diagnosticar clinicamente? Scientia Medica, 20(2), 185-193.

Gomes, A. Z. et. al. (2017). Estresse materno e a relação entre crianças com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Revista Uningá, 51, 107-111.

Gomez, J. C. M. (2009). Depressão e Suicídio Médico diante de Demanda Judicial por má-prática e Valoração do Dano. Revista Sideme, (2), 01-09.

Graeff, R. L. & Vaz, C. E. (2006). Personalidade de Crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) por Meio do Rorschach. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(3), 269-276.

Hartmann, T. (2003). The Edison Gene: ADHD and the Gift of the Hunter Child. 1ª ed, Rochester, VT: Park Street Press.

Honos-Webb, L. (2005). The gift of ADHD, 1ªed., Okland, CA: New Harbinger Press.

Hora, A. F. et. al. (2015). A prevalência do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH): uma revisão de literatura. Revista Psicologia, 29(2), 47-62.

Jardim, S. (2011). Depressão e trabalho: ruptura de laço social. Revista Brasileira Saúde ocupacional, 36(123), 84-92.

Lacet, C. & Rosa, M. D. (2017). Diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e sua história no discurso social: desdobramentos subjetivos e éticos. Revista Psicologia São Paulo, 26(2), 231-253.

Leal, A. L. C. (2018). Educacíon para la diversidad toda la Amazonia – análisis de toda proceso de inclusión desde la perspectiva del profesorado. Educação, artes e inclusão, 15(1), 119-141.

Leite, de S. L. & Leite, de S. A. B. (2018). As possibilidades de aprendizagem de geografia para alunos com transtorno de déficits de atenção e hiperatividade (TDAH). Revista Brasileira de educação em Geografia, 8(15), 198-215.

Leroux, J. A. & Levitt-Perlman, M. (2000). The gifted child with attention-deficit dis- order: An identification and intervention challenge. Roeper Review, (22), 171-176.

Lopes, M. L. C. (2011). Inclusão, Ensino e Aprendizagem do anulo com TDAH. Curso de Especialização em Desenvolvimento humano, Educação e Inclusão Escolar.

Lopes, R. M. F., Nascimento, R. F. L. & Bandeira, D. R. (2005). Avaliação do TDAH em adultos: uma revisão de literatura. Avaliação Psicológica, 4(1), 65-74.

Lovecky, D. V. (2004). Different minds: Gifted children with ADHD, Asperger syndrome, and other learning deficits. 1ª ed. New York: J. K. Press.

Marques, D. M. (2018). Análise Neuroquímica e morfométrica de culturas de neurônios corticais do modelo Murino do TDAH. Dissertação apresentada à UFRS para a obtenção do grau de Mestre em Bioquímica.

Martínez, A. G.; García-Sevilla, J. & Fenollar-Cortéz, J. (2018). Implication of Visuospatial and Phonological Working Memory in the Clinical Heterogeneity of Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder (ADHD). Anales de psicología, 34(1), 16-22.

Mattos, P. et. al. (2006). Adaptação transcultural para o português da escala Adult Self-Report Scale para avaliação do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) em adultos. Revista Psiquiatria clínica, 33(4), 188-194.

Menestrina, L. C. et. al. (2018). A relação entre o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade em adolescentes e a procura pelas drogas. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano, 6(1), 07-13.

Moon, S. M. (2002). Gifted children with attention-deficit/hyperactivity disorder. In: Neihart M. et al. The social and emotional development of gifted children. What do we know? 193-201.

Moon, S. M. et al. (2001). Learning and motivational characteristics of boys with ADHD and/or giftedness: A comparative case study. Journal for the Education of the Gifted, (24), 207-247.

Mota, A. H. (2014). Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na Vida Adulta e Funções Executivas: uma revisão teórica. Revista Interfaces da Saúde, (1), 39-50.

Muller, D. (2017). Evidência de efeito de dimorfismo sexual do gene do receptor de serotonina do tipo 1B: Um estudo do TDAH em adultos e suas principais comorbidades. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Muzetti, C. M. G. & Vinhas, M. C. Z. De L. (2011). Influência do déficit de atenção e hiperatividade na aprendizagem em escolas. Psicologia argumentativa, 29(65), 237-248.

Oliveira, C. T. & Dias, A. C. G. (2017). Dificuldades e estratégias de enfrentamento de estudantes universitários com sintomas do TDAH. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 19(2), 269-280.

Oliveira, C. T. & Dias, A. C. G. (2015). Repercussões do Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) na Experiência Universitária. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(2), 613-629.

Oliveira, A. P. & de Moraes, J. C. P. (2018). A Ritalina como forma de tratamento em crianças com TDAH: Um estudo de caso. Revista Acadêmica Magistro, 1(17), 01-15.

Palácio, S. G.; Ochi, N. O. & Vieira, G. L. (2016). Efeitos do metilfenidato no desempenho motor de crianças com TDAH. Saúde e Pesquisa: Maringá, 9(1), 93-99.

Penido, L. O. (2011). Saúde mental no trabalho: Um direito humano fundamental no mundo contemporâneo. Revista de Informação Legislativa, (191), 209-229.

Pereira, H. S., Araújo, A. P. Q. C. & Mattos, P. (2005). Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): aspectos relacionados à comorbidade com distúrbios da atividade motora. Revista brasileira de saúde e maternidade infantil, 5(4), 391-402.

Pidde, A. G. et. al. (2019). O desafio do diagnóstico de TDAH e suas implicações. 15ª Mostra de Saúde – XI evento científico, 942-947.

Porto, R. L. (2018). TDAH: Avaliação das funções executivas e do estresse entre universitários. Dissertação de Mestrado Profissional apresentada à Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas.

Possa, M. A., Spanemberg, M. & Guardiola, A. (2005). Comorbidades do TDAH em crianças escolares. Arquivos de Neuropsiquiatria, 63(2-B), 479-483.

Prando, M. L. et. al. (2013). Language and Auditory Processing in the Neuropsychological Profile of ADHD: A Systematic Review. Psicologia em Pesquisa UFJF, 7(1), 23-36.

Pylro, S. C. & Rossetti C. B. (2014). Avaliação de indícios de TDAH por meio de três escalas. Psicologia Argumento, 32(79), 19-29.

Rapport, M. D., Scalan, S. W. & Denney, C. B. (1999). Attention-deficit/hyperactiv¬ity disorder and scholastic achievement: A model of dual development pathways. The Journal of Child Psychology and Psychiatry, 40, 1169-1183.

Renhardt, M. C. & Renhardt, C. A. U. (2013). Attention deficit-hyperactivity disorder, comorbidities, and risk situations. Jornal de Pediatria, 89(2), 124-130.

Ribeiro, J. A. & De Melo, D. S. (2018). O lúdico no processo ensino aprendizagem do aluno com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Anais do Encontro de formação de professores de Sergipe, 1-15.

Rief, S. F. (2005) How to reach and teach children with ADD/ADHD. Practical techniques, strategies and interventions. 1ªed. San Francisco: Jossey-Bass.

Rios, O. F. L. (2006). Níveis de stress e depressão em estudantes universitários. Dissertação para obtenção do título de Mestre em Psicologia Clínica PUC-SP.

Rocha, M. M. & Del Prette, Z. A. P. (2010). Habilidades sociais educativas para mães de crianças com TDAH e a inclusão escolar. Psicologia Argumentativa, 28(60), 31-41.

Romero, A. C. L.; Capellini, S. A. & Frizzo, A. C. F. (2013). Cognitive potential of children with attention deficit and hyperactivity disorder. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, 79(5), 609-615.

Romero, A. C. L., Capellini, S. A. & Frizzo, A. C. F. (2015). Auditory temporal processing in children with ADAH disorder. Revista CEFAC, 17(2), 439-444.

Rozenthal, M., Laks, J. & Engelhardt, E. (2004). Aspectos neuropsicológicos da depressão. Revista de Psiquiatria, 26(2), 204-212.

Rudiger, D. S. (2014). Globalização e melancolia: a depressão como doença ocupacional. Cadernos de Direito, 14(27), 139-150.

Santos, J. T., Novais, J. P. & Tozato, M. O. (2015). As comorbidades correlatas ao TDAH. Educare: XII Congresso Nacional de Educação, 25155-25168.

Santos, P. T. & Francke, I. D. A. (2017). O TDAH e seus aspectos comportamentais e neuro-anátomo-fisiológicos: Uma narrativa para auxiliar o entendimento ampliado do TDAH. Psicologia, 01-23.

Santos, L. H. S. & Freitas, C. L. (2018). TDAH, aprimoramento e medicalização no âmbito da saúde mental global: Uma entrevista com Ilina Singh (parte 2). Interface – Entrevistas, 22(65), 631-641.

Schmidek, H. C. M. V. et. al. (2018). Dependência de internet e TDAH: revisão integrativa. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 67(2), 126-134.

Sena, S. Da S. & Souza, L. K. (2015). O TDAH na amizade infantil. Revista Interinstitucional de Psicologia, 8(2), 320-331.

Sierra, M. L. D. V. et. al. (2018). Attention and Impulsivity in Children with High Intellectual Ability and Children with ADHD. Electronic Journal of Research in Educational Psychology, 16(3), 503-516.

Silva, A. C. P. et al. (2012). A explosão do consumo de Ritalina. Revista de Psicologia da UNESP, 11(2), 44-57.

Souza, A. et. al. (2012). Avaliação Neuropsicológica do TDAH. Psicologia, 01-12.

Sousa, M. C. & Fontoura, H. S. (2018). Aspectos biopsicossociais de portadores de TDAH: Revisão de literatura. IV Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão da UEG, 01-05.

Taylor, M., O’Donoghue, T. E. & Houghton, S. (2006). To medicate or not to medicate? The decision making process of western Australian parents following their child: Diagnosis with an Attention Deficit Hyperactivity Disorder. International Journal of Disability, Development and Education, (53), 111-128.

Ticas, J. A. R. & Uchoa, E. R. (2010). Transtorno por Déficit de Atención e Hiperactividad (TDAH) en Adultos. Revista Médica Hondureña, (78). <http://65.182.2.242/RMH/pdf /2010/pdf/vol78-4-2010.pdf.>

Tonelotto, J. M. F. (2003) Aspectos acadêmicos e sociais do transtorno do déficit de atenção. Em S. M. Ciasca (Org.). Distúrbios de aprendizagem: proposta de avaliação interdisciplinar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 203-220.

Topczewski, A. (2014). Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade: uma vertente terapêutica. Einstein, 12(3), 310-313.

Vendruscolo, L. F. & Takahashi, R. N. (2011). Comorbidade entre o TDAH e o abuso e Dependência de álcool e outras drogas: Evidências por meio de modelos animais. Revista Brasileira de Psiquiatria, 33(2), 203-208.

Wagner, F.; Rohde, L. A. & Marceli, C. T. (2016). Neuropsicologia do Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: Modelos Neuropsicológicos e Resultados de Estudos Empíricos. Psico-USF, 21(3), 573-582.

Woolfolk, A. E (2006). Educational psychology 10ª ed. New York: Pearson Education Press.

Published

12/08/2021

How to Cite

TREVISAN, K.; MESQUITA, A. P. B.; PEREIRA, R. C. .; AVERSI-FERREIRA, T. A. Comments on ADHD in youth and adult education: a mini review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e342101019061, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.19061. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19061. Acesso em: 21 oct. 2021.

Issue

Section

Education Sciences