The consensual means of conflict resolution as indicators of access to justice in the constitutional state

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.19064

Keywords:

Constitutional state; Jurisdictional function; Conflict resolution; Conciliation; Mediation.

Abstract

The Constitutional State brought a new format to the jurisdictional function, as well as the expansion of the fundamental right of access to justice. Hence, the objective of this article is extracted, namely, to verify the existence of consensual means of conflict resolution as a striking feature deduced by the contemporary jurisdictional conception, distancing itself from the traditional view of jurisdiction. Thus, this article aims to recognize the plural reality with regard to means of conflict resolution, by examining the adequacy of the path chosen by the parties themselves, which is also known as multi-door justice, given the presence of techniques such as conciliation, mediation and even arbitration, despite the proximity of the latter with the jurisdictional nature. Thus, through a review of specialized bibliography, it is inferred that the alleged strengthening of the Judiciary also indicates the procedural opening to dispute settlement methods based on consensuality, in view of the agility provided by such means, as well as the greater probability of social satisfaction obtained from a kind of self-management of conflicts substantially supported by the primacy of the autonomy of the will.

References

Alvim, E. A., Granado, D. W. & Ferreira, E. A. (2019). Direito processual civil. Saraiva Educação.

Ávila, E. M. (2012). Mediação judicial e extrajudicial: aspectos sociais e jurídicos. Revista dos Tribunais, 916, 189-204.

Awad, D. R. (2018). Mediação após o novo código de processo civil e a lei de mediação: avanço ou retrocesso? Revista de Arbitragem e Mediação, 57, 355-372.

Azeredo, C. M. de O. & Moura, C. da S. (2018). Mediação no novo CPC: avanços e desafios. Revista de Arbitragem e Mediação, 51, 461-478.

Basílio, A. T. P. (2003). Mediação: relevante instrumento de pacificação social. Revista dos Tribunais, 20, 309-324.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (2010). Resolução nº 125, de 29 de novembro de 2010, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/156

Brasil. (2015). Lei nº 13.105, de 15 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm

Brasil. (2010). Código de ética de conciliadores e mediadores judiciais. https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2014/04/resolucao_125_29112010_23042014190818.pdf

Brasil. (2015). Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. Institui a Lei da Mediação http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13140.htm

Cervo, A. L. (2007). Metodologia científica. Pearson Prentice Hall.

Cintra, N. L. (2016). Mediação privada: aspectos relevantes da Lei 13.140/2015. Revista dos Tribunais, 967, 68-85.

Filho, M. M. (2018). Direito processual civil. Atlas.

Folger, J. P., Neto, A. B. & Barros, J. (2016). Mediação transformativa: preservando o valor único da mediação em contextos de disputa. Revista dos Tribunais, 51, 439-459.

Fuoco, P. F. (2015). O papel estratégico do advogado na mediação no contexto empresarial. Revista dos Tribunais, 47, 277-296.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Marinoni, L., Arenhart, S. C. & Mitidiero, D. (2017). Novo código de processo civil comentado. Revista dos Tribunais.

Martins, C. B. V. da C., Valdetaro, L. G. & Simões, A. P. (2019). O papel do advogado na mediação. Revista de Arbitragem e Mediação, 60, 63-88.

Medina, J. M. G. (2020). Curso de direito processual civil moderno. Thomson Reuters Brasil.

Mendes, B. C. A. (2016). A jurisdição no estado constitucional. Revista DIREITO E JUSTIÇA: Reflexões sóciojurídicas, 26, 152-169.

Monnerat, F. (2020). Introdução ao estudo do direito processual civil. Saraiva Educação.

Pinho, H. D. B. de. (2020). Manual de direito processual civil contemporâneo. Saraiva Educação.

Pinho, H. D. B. de. (2015). O histórico da lei de mediação brasileira: do projeto de lei 94 à lei 13.140/2015. Revista de Arbitragem e Mediação, 46, 123-139.

Padilha, R. (2020). Direito constitucional. Método.

Rius, C. E. (2020). A mediação no direito positivo brasileiro. Revista dos Tribunais, 1018, 21-40.

Rodrigues, D. C. (2018). Mediação obrigatória no processo civil: reflexões à luz do direito comparado, do CPC/2015 e da lei de mediação (Lei 13.140/2015). Revista de processo, 285, 365-396.

Tartuce, F. (2019). Mediação nos conflitos civis. Método.

Tartuce, F. (2016). O novo marco legal da mediação no direito brasileiro. Revista dos Tribunais, 258, 495-516.

Published

14/08/2021

How to Cite

LEÃO, J. B. M.; MEDINA, J. M. G. The consensual means of conflict resolution as indicators of access to justice in the constitutional state. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e362101019064, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.19064. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19064. Acesso em: 18 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences