Psychoanalysis and multidisciplinary practice: (im) possible consequences of working with autistic children and parents

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.19638

Keywords:

Psychoanalysis; Autism; Multidiscipline.

Abstract

Difficulties are often associated with suffering, but they can also be a motto for reflection and care. In this article we worked on some developments of the research developed over six years in a university hospital in the north of the country, more specifically those that emerged from clinical interventions in the service that welcomes children with autism, severe neurological syndromes, learning problems, hyperactivity, among other diagnoses. As analysts at the hospital, guided by the clinical method, we start from the freudo-lacanian assumptions that support the diagnostic suspension, until it has apprehended, in addition to organic causes, the symbolic plots imbricated with the child's symptom. As a working tool, we use listening from parents and children, transference and the therapeutic relationship as central axes for treatment, as we believe that a hasty diagnosis can precipitate drug prescriptions that can have harmful side effects for child development. We problematize the difficulties in clinical work in institutions which, many times, work against the bet on psychic health with its particularities. It was possible to verify that there is a possibility to sensitize the team to the importance of welcoming what is of the experience, giving some possibility of binding to the subject of the unconscious. Therefore, we must effectively support the possibility of the subject's emergence with the team, who is divided and who carries knowledge that he does not know. Important bet, both in the treatment of the child and his parents, as well as in the multidisciplinary work, in which we continue in the (im) possible exercise of intertextuality.

References

Abreu, D. N.( 2008). A prática entre vários: a psicanálise na instiutição de saúde mental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, n.1, p.74-82.

Alberti, S. (2008, janeiro). O Hospital, o sujeito, a psicanálise – questões desenvolvidas a partir de uma experiência de dezoito anos no NESA/UERJ. Revista SBPH, 11 (1), 143-160.

Alberti, S. (2000). Psicanálise: a última flor da medicina. A clínica dos discursos no hospital. Clínica e pesquisa em psicanálise. Alberti, S., & Elia, L. (orgs.). Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 37-55.

Alberti, S., Nicolau, R. F., & Moretto, M. L. T. (2017, junho). Psichotherapy in hospitals in Brazil and some contributions from psychoanalysis: a historical study. https://www.scirp.org/journal/PaperInformation.aspx?PaperID=67847, p. 43-56.

Andrade, R. D. (2005). Discussão x Costrução do caso Clínico. Mental - ano II - Barbacena, 45-58.

Barros, I. (2019). Quase tudo virou autismo: uma reflexão sobre os desdobramentos do diagnóstico precipitado. In: Batista, J., & Guidugli, S. (Orgs.) Psicologia da Saúde e Clínica: conexões necessárias. Curitiba: Appris, pp.65-80.

Bernardino, L. M. F. (2010). Mais além do autismo: a psicose infantil e seu não lugar na nosografia psiquiátrica. Psicologia Argumento. Paraná, PUC. V. 28, p 111-119.

Catão, I. (org.). (2020). Mal-estar na infância e medicalização do sofrimento: quando a brincadeira fica sem graça. Slavador: Ágalma.

Dunker, C. I. L., & Zanetti, C. E. (2017) Construção e formalização de casos clínicos. In: C, I. L. Dunker, Ramirez, H., & Assadi, T. (orgs.). A construção de casos clínicos em psicanálise: método clínico e formalização discursiva. São Paulo: Annablume , pp. 23-45.

Elia, L. (2000). Psicanálise: Clínica e pesquisa. In S. Alberti, L. Elia (Orgs.), Clínica e Pesquisa em Psicanálise (pp. 19-36): Rios Ambiciosos.

Elia, L. (2013) A psicanálise na atenção psicossocial: o dispositivo psicanalítico ampliado na rede pública de saúde mental. Revista da Associação Psicanalítica de Curitiba, 26, Curitiba: APC. P. 69-85.

Farinhuk, P. dos S., Savaris, L. E., & Franco, R. S. (2021). Transtorno mental e sofrimento psíquico: representações sociais de profissionais da Atenção Básica à Saúde. Research, Society and Development, 10(3), e24010313267. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13267

Figueiredo, A. C. C. (1997). Vastas Confusões e Atendimentos Imperfeitos - a clínica psicanalítica no ambulatório público. Rio de Janeiro: Relume-Dumará Livraria.

Figueiredo, A. C. C., Nobre, L. B. S., & Vieira, M. A. (2001). Pesquisa clínica em psicanálise: a elaboração de um método. In: A. C. C. de Figueiredo. (Org.). Psicanálise: Pesquisa e Clínica. 1ed. Rio de Janeiro: Editora CUCA – IPUB / UFRJ, v. 1, p. 11-23.

Figueiredo, A. C. C (2004, março). A construção do caso clínico: uma contribuição da psicanálise à psicopatologia e à saúde mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. Ano VII, 1, 75-86.

Figueiredo, A. C., & Vieira, M. A. (2002). Psicanálise e ciência: uma questão de método. In: W. Beividas (Org.). Psicanálise, pesquisa e universidade: Contra Capa, 13-31.

Francke, D., & Silva, J. C. da (2012). Da escuta à escrita: a construção do caso clínico em psicanálise. Psicanálise & Barroco em revista, 10(2), 42-61, dez.

Freud, S. Recomendações ao médico para o tratamento psicanalítico (2017). Fundamentos da clínica psicanalítica. Obras incompletas de Sigmund Freud, 6. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 93-106. (Trabalho original publicado em 1912).

Jerusalinsky, J. (2018). Detecção precoce de sofrimento psíquico versus patologização da primeira infância: face à lei nº 13.438/17, referente ao estatuto da criança e do adolescente. Estilos da Clinica, 23(1), 83-99. https://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i1p83-99

Lacan. J. (1998). As variantes do tratamento padrão. Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, (Originalmente publicado em (1955).

Lacan. J. (1998). A Direção do Tratamento e os Princípios de seu Poder. Escritos. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, (Originalmente publicado em (1958).

Lacan. J. (1992). O Seminário 17. O avesso da psicanálise: Editora Jorge Zahar (Original publicado em 1969-1970).

Lebrego, A. M., & Pena, B. F. (2021). A escrita de casos clínicos: dos efeitos no analista e da transmissão da psicanálise. Research, Society and Development, 10(11), e296101119639. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i11.19639

Matos, D. C. De., Silva, F. de M. A. M., Firmo, W. da C. A., & Matos, P. G. S. de. (2020). Treinamento de estagiários de psicologia para ensinar repertórios verbais e não verbais em crianças com transtorno do espectro autista. Research, Society and Development, 9(7), e116973928. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.3928

Moretto, M. L. T., & Priszkulnik, L. (2014). Sobre a inserção e o lugar do psicanalista na equipe de saúde http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tpsi/v46n2/v46n2a07.pdf.

Moretto, M. L. T. (2001). O que pode um analista no hospital? (4ª ed.): Casa do Psicólogo.

Nicolau (2018). Entre escutar e medicalizar. Impasses da clínica do autismo na instituição pública. In: Pimentel, A., Lemos, F. C. S., & Nicolau, R. F. (orgs.). A Escuta Clínica na Amazônia, v. I, pp. 263-281.

Oliveira, I. M. A. de. (2004). O caso clínico na instituição pública: polifonias desejantes. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(3), 82-93. https://doi.org/10.1590/1415-47142004003008

Quinet (2009). A Estranheza da Psicanálise: Editora Zahar Ltda.

Rinaldi, D. L. (2006). Entre o sujeito e o cidadão: psicanálise ou psicoterapia no campo da saúde mental? In: Alberti, S., & Figueiredo, A. C. (orgs.) Psicanálise e saúde mental: uma aposta. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, p. 141-147.

Rodrigues, L. M. (2011). Uma psicanalista em uma equipe multidisciplinar: atendimento a pacientes com amputação em reabilitação com prótese. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Silva, A. B. H. C. da. (2017). O discurso do analista como possibilidade da Psicanálise Aplicada no hospital. Revista da SBPH, 20(2), 166-187. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&p id=S1516-08582017000200011&lng=pt&tlng=pt.

Val, A. C., & Lima, M. A. C. (2014). A construção do caso clínico como forma de pesquisa em psicanálise. Ágora (Rio de Janeiro), XVII (1), jan/jun, 99-115.

Yin, R. K. (2015). O estudo de caso: Bookman.

Published

18/09/2021

How to Cite

NICOLAU, R. F. .; BARROS, I. P. M. de . Psychoanalysis and multidisciplinary practice: (im) possible consequences of working with autistic children and parents. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e220101219638, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.19638. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/19638. Acesso em: 29 feb. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences