Cassava sago in Brazil: a parallel between market research and food labeling

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20337

Keywords:

Tapioca pearl; Food labeling; Manihot esculenta Crantz.

Abstract

The presence of cassava and its derivatives in Brazilian food is expressive, except for cassava sago. Given this scenario, there is a lack of studies that reveal the extension of this food in the Brazilian market. The aim of this work was to elucidate this scenario from market research considering the labeling and advertising information, focusing on the online offer of cassava sago in the Brazilian market. The categories “dry sago”, “mixture for preparing sago desserts” and “ready-to-eat sago desserts” were evaluated considering region of sale and price, quality and identity parameters, list of ingredients, liquid content, nutritional table, portion and homemade measures, information on gluten, lactose and food allergens, packaging and sales or official websites. Eighty-one (81) national products were evaluated, consisting of 75.3% (n=61) dry sago, 19.7% (n=16) mixtures for sago desserts and 5.0% (n=4) ready-to-eat sago desserts. Dry sago showed inadequacies in all categories. The mixtures for preparing sago were adequate regarding labeling of portion and household measures, and information on gluten and lactose. Ready-to-eat sago presented systematic errors for being of the same brand. Therefore, it was possible to deepen the panorama of available products and prices, being the first study carried out for the Brazilian market. Even with a relevant amount of available cassava sago, several brands have inadequate labeling, which proves the need for reformulation. Finally, it is understood that virtual communication channels can be more used to attract the attention of consumers to these products, as long as there is appropriate technical language.

References

Alves, A. C. & Santana, I. (2019). Pérolas à mesa: sobremesas à base de sagu de mandioca. Rio de Janeiro: INU UERJ.

Batista, R. A. B., Assunção, D. C. B., Penaforte, F. R. de O. & Japur, C. C (2018). Lactose em alimentos industrializados: avaliação da disponibilidade da informação de quantidade. Ciência & Saúde Coletiva, 23(12), 4119-4128.

Cascudo, L. C. (2011). História da Alimentação no Brasil (4ª ed). São Paulo: Global.

Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos nº 12, de 2ª de julho (1978). Aprova as seguintes NORMAS TÉCNICAS ESPECIAIS, do Estado de São Paulo, revistas pela CNNPA, relativas a alimentos (e bebidas), para efeito em todo território brasileiro. Ministério da Saúde.

David, M.L. & Guivant, J. S. (2020). Os Padrões de Identidade e Qualidade dos Alimentos: uma Análise de suas Transformações no Brasil. Mediações, 25(1), 247-264.

Estrela, C. (2018). Metodologia Científica: Ciência, Ensino, Pesquisa. Porto Alegre: Artes Médicas.

Pereira, A. S.; Shitsuka, D. M; Parreira, F. J. & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Rio Grande do Sul: UFSM.

Fenacelbra (2010). Guia orientador para celíacos. São Paulo: Artecor.

Food and Agriculture Organization of the United Nations (2021). FAOSTAT. http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC

Goodman, D. (2003). The quality 'turn' and alternative food practices: reflections and agenda. Journal of Rural Studies, (19,1), 1-7.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (2004). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003. Brasília, DF, Brasil. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9050-pesquisa-de-orcamentos-familiares.html?edicao=9051&t=o-que-e

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (2011). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Brasília, DF, Brasil. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9050-pesquisa-de-orcamentos-familiares.html?edicao=9051&t=o-que-e

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (2020). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2018-2019. Brasília, DF, Brasil. Disponível em:https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9050-pesquisa-de-orcamentos-familiares.html?edicao=9051&t=o-que-e

Instrução Normativa n. 75, de 08 de outubro (2020). Estabelece os requisitos técnicos para declaração da rotulagem nutricional nos alimentos embalados. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Instrução Normativa nº 23, de 14 de dezembro (2005). Aprova o REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DOS PRODUTOS AMILÁCEOS DERIVADOS DA RAIZ DE MANDIOCA, conforme anexo. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Lei nº 10.674, de 16 de maio (2003). Obriga a que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Subchefia de Assuntos Jurídicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Decreto-lei n. 986, de 21 de outubro (1969). Inclui normas sobre alimentos. Presidência da República - Casa Civil - Subchefia para Assuntos Jurídicos.

Informe Técnico n. 26, de 14 de junho (2007). Padronizar as informações que devem constar no rótulo dos alimentos que contêm aroma em sua formulação para conferir, reforçar ou reconstituir o sabor ou ainda conferir sabor não específico. Agência Geral de Alimentos – GGALI/ Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Machado, S. S.; Santos, F. O., Albinati, F. L. & Santos, L. P. R. (2006). Comportamento dos consumidores com relação à leitura de rótulo de produtos alimentícios. Alimentos e Nutrição, 17(1), 97-103.

Marins, B. R., Araújo, I. & Jacob, S. (2014). Vigilância Sanitária e direito à comunicação: a rotulagem de alimentos como espaço de cidadania. Vigilância Sanitária em Debate, 2(4), 86-95.

Ministério da Saúde (2014). Guia Alimentar para a População Brasileira (2ª ed). Brasília: MS.

Peccini, R. (2010). Somos o que comemos: o terroir do sagu de vinho bordô In IV Seminário de Pesquisa em Turismo no Mercosul Saberes e Fazeres no turismo: interfaces, Anais. Caxias do Sul, RS, Brasil.

Portaria n. 1149, de 11 de novembro (2015). Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Doença Celíaca. Ministério da Saúde.

Resolução do Diretório Colegiado nº 135, de 08 de fevereiro (2017a). Altera a Portaria SVS/MS nº 29, de 13 de janeiro de 1998, que aprova o regulamento técnico referente a alimentos para fins especiais, para dispor sobre os alimentos para dietas com restrição de lactose. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Resolução do Diretório Colegiado nº 136, de 08 de fevereiro (2017b). Estabelece os requisitos para declaração obrigatória da presença de lactose nos rótulos dos alimentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Resolução do Diretório Colegiado nº 259, de 20 de setembro (2002). Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Resolução do Diretório Colegiado nº 36, de 02 de julho (2015). Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Resolução do Diretório Colegiado nº 429, de 08 de outubro (2020). Dispõe sobre a rotulagem nutricional dos alimentos embalados. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Rodrigues, L. C., Macedo, C. M., Drumond, & Castro, M. C. (2019). Inovação das embalagens como fator estratégico: estudo de caso em uma indústria de alimentos. Braz. J. of Develop., 5 (8), 13515 – 13535.

Published

19/09/2021

How to Cite

SILVA-E-SILVA, A. C. A. G. da; TEODORO, A. J.; SANTANA, I. Cassava sago in Brazil: a parallel between market research and food labeling. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e242101220337, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20337. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20337. Acesso em: 29 feb. 2024.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences