Adhesion to medicines of elderly people with arterial hypertension and related factors

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20531

Keywords:

Older Adult; Adherence to medication; Hypertension; Family Health Strategy; Nursing.

Abstract

Objective: Assess medication adherence of elderly people with hypertension and its related factors. Methodology: This is a cross-sectional quantitative study with an exploratory-descriptive approach. This research is part of the macro-project "Relationship between Functional Health Literacy, medication adherence and functionality in elderly people in the family health strategy", which was carried out in 10 units, totaling 17 teams of the Family Health Strategy, which form the zone west of the city of Rio Grande-RS. Results: 264 elderly people with arterial hypertension participated in the study, 36.7% adherent and 63.3% non-adherent. The variables that had a statistically significant relationship with the mean medication adherence were having diabetes, taking medication for the digestive system/metabolism, and purchasing medication through the Unified Health System or through donation. Conclusion: Knowledge of the variables related to medication adherence in elderly patients with arterial hypertension contributes to directing interventions and actions carried out in coordination between health professionals, researchers, managers and policy makers, in order to improve access and adherence to treatments, thus minimizing harm resulting from this chronic disease.

References

Abreu W. A., & Portela N. L. C. R. (2015). Fatores associados à não adesão ao tratamento medicamentoso da Hipertensão Arterial Sistêmica. Interd. 8(3), 50-60.

Aquino G. A. et al. (2017). Fatores associados à adesão ao tratamento farmacológico em idosos que utilizam medicamentos anti-hipertensivo. Rev Bras Geriatr Gerontol, 20 (1), 116-27.

Baker D. W. et al. (1999). Development of a brief test to measure functional health literacy. Patient Educ Couns, 38(1), 33-42.

Barreto M. S., Carreira L., Marcon, S.S.(2015). Envelhecimento populacional e doenças crônicas: Reflexões sobre os desafios para o Sistema de Saúde Pública. Revista Kairós Gerontologia, 18(1), 325-39.

Becho A. S. et al.(2017). Dificuldades De Adesão Ao Tratamento Por Hipertensos De Uma Unidade De Atenção Primária À Saúde. Rev. APS. 20(.3), 349-59.

Bezerra A. L. A. et al.(2018). Perfil epidemiológico de idosos hipertensos no Brasil: uma revisão integrativa. Rev Med (São Paulo), 97(1), 103-7.

Brasil.(2010). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e Estados do Brasil. Municípios. Rio Grande RS. Pesquisas. Censo demográfico 2010: amostra - características da população; 2010. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/riogrande/pesquisa/23/25888?detalhes=true

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. VIGITEL Brazil 2017: surveillance of risk and protective factors for chronic diseases by telephone survey: estimates of frequency and sociodemographic distribution of risk and protective factors for chronic diseases in the capitals of the 26 Brazilian states and the Federal District in 2017 - Brasília; 2018.

Brasil (2007). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e Saúde da Pessoa idosa. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica-Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 192p.

Carthery-Goulart, M. T. et al. (2009). Performance of a Brazilian population on the test of functional health literacy in adults. Rev Saude Publica, 43(4), 631-38.

Duncan, B. B. et al.(2012). Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública, 46(1), 126-34.

Figueira, A. L. G. et al. (2017). Intervenções educativas para o conhecimento da doença, adesão ao tratamento e controle do diabetes mellitus. Rev Latino-Am. Enfermagem, 25(e2863).

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa / Antonio Carlos Gil. (6a ed.), Atlas.

Girotto E. et al. (2013). Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Ciênc. saúde coletiva, 18(6), 1763-1772.

Mendes, L. V. et al. (2014). Disponibilidade de medicamentos nas unidades básicas de saúde e fatores relacionados: uma abordagem transversal. Saude Debate, 38, 109-23.

Morisky D.E. et al. (2008) Predictive Validity of A Medication Adherence Measure in an Outpatient Setting. J Clin Hypertens (Greenwich).

Moreira, R. M. et al. (2013). Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica. Revista Kairós Gerontologia, 16(1), 27-38, São Paulo.

Miott, H. A.(2011). Tamanho da amostra em estudos clínicos e experimentais. J Vasc Bras, 10(4), 275-8.

Oliveira-Filho, A. D. et al. (2012). Association between the 8- item Morisky Medication Adherence Scale (MMAS-8) and blood pressure control. Arq Bras Cardiol. 99(1), 649-58.

Organização Mundial da Saúde (2005). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Organização Pan-Americana de Saúde.

Remondi, F. A. et al.(2014). Não adesão ao tratamento medicamentoso contínuo: prevalência e determinantes em adultos de 40 anos e mais. Cad. Saúde Pública, 30(1), 126-36.

Santos, M. I. P. O., & Portella, M. R. (2016). Conditions of functional health literacy of an elderly diabetics group. Rev Bras Enferm, 69(1), 144-52.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. 107(3),

Stefano I. C. A. et al. (2017). Uso de medicamentos por idosos: análise da prescrição, dispensação e utilização num município de porte médio do estado de São Paulo. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 20(5),681-92.

Tavares N. U. L. et al.(2016). Fatores associados à baixa adesão ao tratamento farmacológico de doenças crônicas no Brasil. Rev. Saúde Pública, 50(supl.2) São Paulo.

The PLOS Medicine Editors (2014) Observational Studies: Getting Clear about Transparency. PLoS Med, 11(8).

Vianna, M. S. et al. Competência para o autocuidado na administração de insulina por idosos septuagenários ou mais de idade. Rev Latino-Am. Enfermagem., 25(e2943).

World Health Organization (2003). Adherence to long term-therapies: evidence for action. Chapter 5, Towards the solution; 27-38.

Published

23/09/2021

How to Cite

LIMA, J. P. de .; ABREU, D. P. G. .; BANDEIRA, E. de O. .; BARLEM, J. G. T. .; LOURENÇÃO, L. G. . Adhesion to medicines of elderly people with arterial hypertension and related factors. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e343101220531, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20531. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20531. Acesso em: 20 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences