Analysis of the performance of laboratory tests in the diagnosis of Dengue in Piauí

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20776

Keywords:

Arboviruses; Dengue; Laboratory diagnosis; Epidemiological survey.

Abstract

The etiologic agent of dengue is an arbovirus, with four different serotypes (DENV 1, 2, 3 and 4), transmitted by the Aedes aegypti mosquito. All serotypes can cause several clinical manifestations, ranging from mild symptoms to more severe symptoms, even leading to death. This study aimed to analyze the cases of dengue in Piauí, reported between 2014 and 2020, and to assess the frequency of laboratory tests essential for the diagnosis of this arbovirus in the state. In this context, the study is a descriptive, retrospective and cross-sectional epidemiological research, with a quantitative approach, with data collection on the digital platform of Diseases and Conditions of Notification of the National System of Information on Diseases and Notification (SINAN/DATASUS ). It was found that 38,093 cases of dengue were registered in the state. It was observed that out of the total number of cases, the majority (57.49%) occurred in women, and that the most affected population was young adults (20-39 years). When analyzing parameters related to the diagnosis of dengue, it was verified the recording of data as "not performed" or "ignored/blank" overlapping the exams performed (positive/negative/inconclusive), as in the detection of IgM antibodies, ELISA serological tests and viral isolation. The DENV-1 and DENV-2 serotypes were the most detected in Piauí. Therefore, it is observed that the clinical-epidemiological diagnosis has been superimposed on the performance of diagnostic tests. However, it is noteworthy that the performance of laboratory tests allows a precise and specific monitoring of the evolution and spread of the infection in the state.

Author Biographies

Raí Emanuel da Silva, Universidade Federal do Piauí

Biomédico pela Universidade Federal do Piauí - UFPI, Especialista em Docência do Ensino Superior, Pós-graduando em Microbiologia Clínica e Mestre em Farmacologia pelo Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais (Centro de Ciências da Saúde - CCS/UFPI). Possui experiências no desenvolvimento de pesquisas com moléculas de origem natural, com foco na investigação do seu potencial antimicrobiano. Domínio nas áreas de Farmacologia e Microbiologia, com ênfase em Bacteriologia. Como Docente, já atuou no ensino Profissionalizante, Técnico, Superior e Pós-graduação (Especialização Lato Sensu). Vasto conhecimento na elaboração e desenvolvimento de estudos acadêmicos. Experiência na área de Educação e Promoção da Saúde, explicitamente na Conscientização do Controle e Prevenção de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde e Promoção do Conhecimento em Microbiologia para a Educação Escolar.

Alda Cássia Alves da Silva , Universidade Federal do Piauí

Biomédica habilitada em Análises Clínicas pela Universidade Federal do Piauí- UFPI (2016). Desenvolveu Projeto de Extensão na área de Conscientização de Medidas de Controle e Prevenção de Infecções Hospitalares para os profissionais da área da saúde, com atuação na Promoção e Prevenção em Saúde. Mestre e Doutoranda em Farmacologia no Programa de Pós-Graduação no Núcleo de Pesquisa em Plantas Medicinais (NPPM), UFPI, atuando na linha de pesquisa Farmacologia do Sistema Cardiovascular e do Trato Gastrintestinal (TGI), com ênfase em hipertensão, motilidade do TGI e fisiologia do exercício físico

Dakson Douglas Araújo, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Biomédico habilitado em Análises Clínicas pela Universidade Federal do Piauí (2018), Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Evangélica do Meio Norte e atualmente Mestrando do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia pela Universidade Federal do Delta do Parnaíba. Apresenta interesse nas áreas de farmacologia, biologia celular e molecular. Integrante do Laboratório de Cultura de Células Delta onde realiza pesquisa na busca de produtos naturais com efeitos antitumorais e antimetastáticos.

Nathanael dos Santos Alves, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Graduado em Biomedicina pela Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar), ex membro da liga acadêmica de Microbiologia da Universidade Federal do Piauí (LAMIC), participante do projeto de pesquisa intitulado Caracterização bioquímica e epidemiologia molecular de isolados de Cryptococcus neoformans e Cryptococcus gattii no estado do Piauí, Brasil. Aluno bolsita (2018/2019) do projeto intitulado Avaliação do perfil de resistência antimicrobiana de enterobactérias produtoras de beta-lactamase de espectro estendido (ESBL) isoladas em uroculturas de pacientes na cidade de Parnaíba, Piauí.

Artur Alexandre de Oliveira, Universidade Federal do Delta do Parnaíba

Biomédico pela Universidade Federal do Delta do Parnaíba - UFDPar.

Ingredy Lopes dos Santos , Universidade Federal do Piauí

Graduação em Biomedicina pela Universidade Federal do Piauí, Campus Ministro Reis Veloso, Parnaíba - Piauí (2016). Mestre no Programa de Pós-Graduação em Farmacologia (2019), vinculado ao Núcleo de Pesquisa em Plantas Medicinais (NPPM) no Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Federal do Piauí (UFPI) , atuando na linha de pesquisa de Farmacologia de Antimicrobianos com ênfase em leishmanioses e tratamentos antileishmania, doutoranda em Farmacologia (UFPI) na linha de imunofarmacologia e toxicologia no câncer.

Marina Sandy da Silva Mendes , Faculdade Maurício de Nassau

Possui graduação em Lic.Química pelo Instituto Federal do Piauí campus-Parnaíba(2016). Já foi bolsista da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) tanto PIBID quanto PIBIC, atuando como monitor do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) no Centro de Ensino Médio de Tempo Integral Polivalente Lima Rebelo - CEMTI e bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), IFPI com o trabalho sobre óleos essenciais, participou de iniciação cientifica sem bolsa -ProAGRUPAR, com trabalho sobre abelhas; estagiou na empresa Anidro do Brasil extrações do nordeste S/A, Grupo Centroflora, com função de analista de Laboratório. Participou de eventos científicos com organização, apresentação de trabalhos, ouvinte e monitoria.

Jéssyca Christina Fortes Ramos, Universidade Federal do Piauí

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Piauí (2014) e mestrado em Biotecnologia pela Universidade Federal do Piauí (2017). Atualmente é analista de garantia da qualidade - Grupo centroflora e tutora do curso ciências da natureza do Instituto Federal do Piauí (IFPI) Parnaíba- Piauí. Tem experiência na área de nanotecnologia, atuando principalmente: nanopartículas e filmes LbL, e na área garantia da qualidade, atuando principalmente: boas práticas de fabricação e laboratório, auditorias e integridade de dados.

References

Barbosa, I. R., Araújo, L. D. F., Carlota, F. C., Araújo, R. S., & Maciel, I. J. (2012). Epidemiologia do dengue no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil, 2000 a 2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(1), 149-157.

Bhatt S, Gething P. W, Brady O. J, et al. The global distribution and burden of dengue. Nature 2013; 496:504–7.

Biassoti, A. V., & Ortiz, M. A. L. (2017). Diagnóstico laboratorial da dengue. Revista Uningá Review, 29(1).

Brasil. (2009). Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes nacionais para a prevenção e controle de epidemias de dengue. MS.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica: Dengue: diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança. [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. 5. ed. Ministério da Saúde.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 5 de 2018. Boletim Epidemiológico. 49:1-14.

Castro, J. A. F. D., Andrade, H. M. D., Monte, S. J. H. D., Silva, A. S. D., Gomes, K. C. B. L., Cipriano, F. D. O., & Miagostovich, M. P. (2003). Atividade do vírus da dengue no Piauí, Brasil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 98 (8), 1021-1023.

Cafferata, M. L., Bardach, A., Rey-Ares, L., Alcaraz, A., Cormick, G., Gibbons, L., & Ruvinsky, S. (2013). Dengue epidemiology and burden of disease in Latin America and the Caribbean: a systematic review of the literature and meta-analysis. Value in health regional issues, 2(3), 347-356.

De Almeida, T. G, Rieder, A., Junior, E. S. O, Muniz, C. C, Ramos, A. O, & Pereira, P. A (2021). Aspectos epidemiológicos da dengue no Estado de Mato Grosso, Brasil: série temporal 2001-2018. Research, Society and Development , 10 (6), e32610615716-e32610615716.

Figueiredo, L. B., Sakamoto, T., Leomil Coelho, L. F, de Oliveira Rocha, E. S, Gomes Cota, M. M, Ferreira, G. P, & Kroon, E. G (2014). Dengue virus 2 American-Asian genotype identified during the 2006/2007 outbreak in Piauí, Brazil reveals a Caribbean route of introduction and dissemination of dengue virus in Brazil. PLoS One, 9(8), e104516.

Gerace, S. M., Silva, E. A. D. D. S., Carolina, A., De Souza, E. B. P., Manini, E. C., & Minto, M. V. A. Avaliação dos métodos de ELISA para antíg eno NS1 e anticorpos IgM, no diagnóstico da dengue, durante a epidemia ocorrida em 2013, no município de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Gubler, D. J., Kuno, G., Sather, G. E., Velez, M., & Oliver, A. N. D. A. (1984). Mosquito cell cultures and specific monoclonal antibodies in surveillance for dengue viruses. The American journal of tropical medicine and hygiene, 33(1), 158-165.

Igarashi, A. (1978). Isolation of a Singh's Aedes albopictus cell clone sensitive to Dengue and Chikungunya viruses. Journal of General Virology, 40(3), 531-544.

Khetarpal, N., & Khanna, I. (2016). Dengue: causas, complicações e estratégias de vacinação. Journal of Immunology Research, 2016.

Kraemer, M. U., Sinka, M. E., Duda, K. A., Mylne, A. Q., Shearer, F. M., Barker, C. M., & Hay, S. I. (2015). The global distribution of the arbovirus vectors Aedes aegypti and Ae. albopictus. elife, 4, e08347.

Lanciotti, R. S., Calisher, C. H., Gubler, D. J., Chang, G. J., & Vorndam, A. V. (1992). Rapid detection and typing of dengue viruses from clinical samples by using reverse transcriptase-polymerase chain reaction. Journal of clinical microbiology, 30(3), 545-551.

Lettry, T. C. R. N., Tobias, G. C., & Teixeira, C. C. (2021). Perfil Epidemiológico De Dengue Em Senador Canedo-Goiás, Brasil. Revista Uningá, 58, eUJ3722-eUJ3722.

Levorato, C. D., Mello, L. M. D., Silva, A. S. D., & Nunes, A. A. (2014). Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciência & saúde coletiva, 19, 1263-1274.

Licks J. G. D. S. (2013). Caracterização da investigação laboratorial de casos suspeitos de dengue no Estado de Goiás. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Lima, G. A., Lima, F. E. T., do Nascimento, I. C. F., Rodrigues, R. R., Rocha, D. M. A., da Costa, C. O., & Sandoval, L. J. S. (2019). Casos de dengue em Fortaleza: um estudo epidemiológico documental. Brazilian Applied Science Review, 3(5), 2252-2262.

Lin, R. J., Lee, T. H., & Leo, Y. S. (2017). Dengue in the elderly: a review. Expert review of anti-infective therapy, 15(8), 729-735.

Lopes, T. R. R., Silva, C. S., Pastor, A. F., & Silva, J. V. J. (2018). Dengue no Brasil em 2017: o que aconteceu? Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, 60.

Monteiro, E. S. C., Coelho, M. E., Cunha, I. S. D., Cavalcante, M. D. A. S., & Carvalho, F. A. D. A. (2009). Aspectos epidemiológicos e vetoriais da dengue na cidade de Teresina, Piauí-Brasil, 2002 a 2006. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 18(4), 365-374.

Muller, D. A.; Depelsenaire; A. C. I.; Young, P. R. Clinical and Laboratory Diagnosis of Dengue Virus Infection. The Journal of Infectious Diseases 2017; 215(S2):S89–95.

Nascimento, L. B. D., Siqueira, C. M., Coelho, G. E., & Siqueira, J. B. (2017). Dengue em gestantes: caracterização dos casos no Brasil, 2007-2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26, 433-442.

Oliveira, R. D. M. A. B., Araújo, F. M. D. C., & Cavalcanti, L. P. D. G. (2018). Aspectos entomológicos e epidemiológicos das epidemias de dengue em Fortaleza, Ceará, 2001-2012. Epidemiologia e serviços de saúde, 27, e201704414.

Patrocínio, D. C. B., Ribeiro, A. B. B. G., Fernandes, V. D. G., de Alencar, L. B. B., de Azevedo, J. D. F., de Sousa, S. C. A., & de Oliveira Filho, A. A. (2020). Análise epidemiológica dos casos de intoxicações exógenas por plantas medicinais no estado da Paraíba. Research, Society and Development , 9 (7), e855975011-e855975011.

Rabelo, A. C. L., Amâncio, F. F., Oiko, C. S. F., Ferraz, M. L., & Carneiro, M. (2020). Caracterização dos casos confirmados de dengue por meio da técnica de linkage de bancos de dados, para avaliar a circulação viral em Belo Horizonte, 2009-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 29, e2019354.

Ribeiro, G. S, Kikuti, M., Tauro, L. B, Nascimento, L. C. J., Cardoso, C.W., Campos, G. S., & Sardi, SI (2018). A imunidade após a infecção pelo zika vírus tem proteção cruzada contra a dengue ?. The Lancet Global health , 6 (2), e140-e141.

Saito, C. K., Machado, S. C. P., Medina, W. S. G., & Paschoalato, A. B. P. (2017). Sorologia e avaliação clínica: correlação no diagnóstico da Dengue. Cuidarte, Enferm, Catanduva, 1(11), 72-77.

Salles, T. S., da Encarnação Sá-Guimarães, T., de Alvarenga, E. S. L., Guimarães-Ribeiro, V., de Meneses, M. D. F., de Castro-Salles, P. F., & Moreira, M. F. (2018). History, epidemiology and diagnostics of dengue in the American and Brazilian contexts: a review. Parasites & Vectors, 11(1).

World Health Organization. (2009). Dengue: guidelines for diagnosis, treatment, prevention and control. New edition. WHO.

World Health Organization. (2012). Special Programme for Research and Training in Tropical Diseases. Handbook for clinical management of dengue. World Health Organization.

Published

29/09/2021

How to Cite

SILVA, R. E. da .; SILVA , A. C. A. da .; ARAÚJO, D. D. .; ALVES, N. dos S. .; OLIVEIRA, A. A. de .; SANTOS , I. L. dos .; MENDES , M. S. da S. .; RAMOS, J. C. F. . Analysis of the performance of laboratory tests in the diagnosis of Dengue in Piauí. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e531101220776, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20776. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20776. Acesso em: 26 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences