Obstetric violence: concepts about its implication in childbirth

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21060

Keywords:

Obstetric violence; Humanization of care; Violence against women; Childbirth.

Abstract

The birth process has always been seen as one of the most special moments in a woman's life. However, situations of obstetric violence during the pregnancy and puerperal period are very present in public and private institutions, causing a painful event both physically and psychologically. Thus, this article aimed to describe obstetric violence and its implications for the well-being of parturients and to investigate the current scientific production on the subject, and demonstrate methods that enable the quality of care. The study consists of an integrative literature review with a theoretical approach. 43 articles were initially selected that addressed the descriptors, which after analyzing the object of study and the inclusion criteria, remained 21 articles, in the language: Portuguese, published between 2014 and 2020. The exclusion criteria were thesis publications, dissertation, monograph and duplicate materials and articles not directly related to the research theme. Women have the right to choose obstetric care, therefore, they must have their dignity assured with regard to the basic principles of sexual and reproductive rights. Changes in current obstetric care practices are considered necessary, in order to reduce unnecessary interventions, and to promote actions of humanization of care.

References

Brasil. (2014). Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Caderno humaniza SUS. 4, 465.

Brasil, (1986). Conselho Federal de Enfermagem, Lei do exercício profissional n. 7.498 de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Manual prático para implementação da rede cegonha. 1, 1-42.

Carneiro, R. (2015). “Para chegar ao Bojador, é preciso ir além da dor”: sofrimento no parto e suas potencialidades. Sexualidad, Salud y Sociedad (Rio de Janeiro). 20, 91-112.

Castro, A. T. & Rocha, S. P. (2020). Violência obstétrica e os cuidados de enfermagem: reflexões a partir da literatura. Revisão Integrativa de Literatura. 11, 176-81.

Carvalho, I. S. & Brito, R. S. (2017). Formas de violência obstétrica vivenciadas por puérperas que tiveram parto normal. Revista Eletrônica Trimestral De Enfermeira. 16, 80-8.

Diniz, S. G., Salgado, H. D. O., Andrezzo, H. F. D. A., Carvalho, P. G. C D., Carvalho, P. C. A., Aguiar, C. A. D., Niy, D. Y. (2015). Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Revista Brasileira e desenvolvimento humano. Jornal of Human Growth and Development. 25, 377-384.

Jardim, D. M. B. & Modena, C. M. A. (2018). Violência obstétrica no cotidiano assistencial e suas características. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 26, 3069.

Rodrigues, F. A. C., Lira, P. H. M., Freitas, A. L. V., Mitros, V. M. S., Almeida, P. C. (2017). Violência obstétrica no processo de parturição em maternidades vinculadas à rede cegonha. Revista Sociedade Brasileira de Reprodução Humana. 32, 78-84.

Leal, M. C., Pereira, A. P. E., Domingues, R. M. S. M., Theme, M. M. F., Dias, M. A. B., Nakamura, P. M., Bastos, M. H., Gama, G. N. (2014). Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Caderno Saúde Pública. 30, 17-47.

Martins, F. L., Silva, B. O., Carvalho, F. L. O., Costa, D. M., Paris, L. R. P., Guidi, L. R. J., Bueno, D. M. P., David, M. L. (2019). Violência obstétrica: uma expressão nova para um problema histórico. Revista Saúde em Foco. 11, 413.

Moura, R. C. M., Pereira, T. F., Rebouças, F. J., Costa. C. M., Lernades, A. M. G., Silva, L. K. A., Rocha, K. M. M. (2018). Cuidados de enfermagem na prevenção da violência obstétrica. Revista Enfermagem Foco. 9, 60-65.

Nascimento, S. L., Pires, V. M. M., Santos, N. A., Machado, J. C., Meira, L. S., Palmarella, V. P. R. (2019). Conhecimentos e experiências de violência obstétrica em mulheres que vivenciaram a experiência do parto. Revista Enfermeira Actual. 37, 1-14.

Organização Mundial Da Saúde. (2014). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra: Departamento de Saúde Reprodutiva e Pesquisa/OMS.

Pereira, J. S., Silva, J. C O., Borges, N. A., Ribeiro, M. M., Auarek, L. J., Souza, J. H. K. (2016). Violência obstétrica: ofensa à dignidade humana. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. 15, 103-108.

Silva, T. M., Sousa, K. H. J. F., Oliveira, A. D. S., Amorim, F. C. M., & Almeida, C. A. P. L (2020). Violência obstétrica: a abordagem da temática na formação de enfermeiros obstétricos. Acta Paul Enferm. 33, 1-8.

Silva, M. G. Da., Marcelino, M. C., Rodrigues, L. S. P., Torro, R. C. (2014). Violência obstétrica na visão de enfermeiras obstetras. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 15, 720-728.

Souza, M. T. D., Silva, M. D. D., & Carvalho, R. D. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8(1), 102-106.

Souza, A. B., Silva, L. C., Alves, R. N., Alarcão, A. C. J. (2016). Fatores associados à ocorrência de violência obstétrica institucional: revisão integrativa da literatura. Revista Ciência Médica. 25, 115-128.

Souza, J. P. & Castro, C. P. (2014). Sobre o parto e o nascer: a importância da prevenção quaternária. Caderno Saúde Pública. 30, 11-13.

Venturi, W., Bokany, V., Dias, G., Alba, D., Rosas, W., Figueiredo, N. (2010). Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Públicos e Privado. Fundação Perseu Abramo e SESC. (São Paulo).

Published

05/10/2021

How to Cite

SOUSA, N. B.; MATOS, K. O.; SOUSA, P. M. L. S. de. Obstetric violence: concepts about its implication in childbirth. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e90101321060, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21060. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21060. Acesso em: 8 dec. 2021.

Issue

Section

Review Article