Role of nursing in the prevention of female

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21350

Keywords:

Nursing care; Women rights; Violence against women.

Abstract

Objective: This study seeks to understand the role of nursing in the prevention of femicide, which in Brazil is increasingly frequent. Methods: Integrative review based on the guiding question: What is the role of Nursing in preventing femicide?. Searches were carried out in the LILACS, BVS and SciELO databases, using the descriptors “Violence against women”, “Women's rights” and “Nursing Care”, through the Booleans AND and OR. Articles that were available in Portuguese and English, available in full and dated in the last ten years, were used as inclusion criteria, due to the scarcity of material that included the relationship between femicide and nursing care in women's health. After analysis, 16 publications were selected to compose the discussion and presentation of this review. Results: Based on the analysis of the material obtained in the searches of the databases, it was understood the need for nursing professionals to encourage women who are or have experienced violence to perform self-care and direct the service and assistance network to these victims, as a means of preventing femicide. The guidance of these professionals on social interaction is essential, aiming at balancing the mental health of these women. Conclusion: Despite being a topic of total relevance in public health today, it is necessary to broaden the debate on gender violence within health services, so that nursing professionals can understand the phenomenon and deal with the consequences of violence suffered, knowing that the care provided to these women is mostly performed by this professional class.

References

Acosta, D. F. et al. (2017). Aspectos éticos e legais no cuidado de enfermagem às vítimas de violência doméstica. Texto contexto - enferm. 26 (3), e6770015.

Andrade, S. R. et al. (2017). O estudo de caso como método de pesquisa em enfermagem: uma revisão integrativa. Texto & contexto enferm. 26(4), e5360016.

Arboit, J. et al. (2017). Health care for women in situations of violence: discoordination of network professionals. Rev. esc. enferm. USP 51, e03207.

Benevides, B. G; Nogueira, s. N. B. (2021). Dossiê assassinatos e violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2020. Orgs. São Paulo: Expressão Popular, ANTRA, IBTE <https://antrabrasil.files.wordpress.com/2021/01/dossie-trans-2021-29jan2021.pdf>.

Brasil. (2021). Denunciar e buscar ajuda a vítimas de violência contra mulheres (Ligue 180). Brasil. <https://www.gov.br/pt-br/servicos/denunciar-e-buscar-ajuda-a-vitimas-de-violencia-contra-mulheres>.

Brasil. (2006). Lei nº 11.340. Brasil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm>.

Brasil. (2015). Lei nº 13.104. Brasil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm>.

Brasil. Ministério da Saúde. (2016). Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres. Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Brasília/DF. <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolos_atencao_basica_saude_mulheres.pdf>.

Brasil. (2021). Sancionada lei do Sinal Vermelho contra violência doméstica. Brasil. <https://www.gov.br/pt-br/noticias/assistencia-social/2021/07/sancionada-lei-do-sinal-vermelho-contra-violencia-domestica>.

Cardoso, F. S. Brito, L. M. T. (2015). Possíveis impasses da Lei Maria da Penha à convivência parental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(2), 529-546.

Carrijo, C. Martins, P. A. (2020). A violência doméstica e racismo contra mulheres negras. Rev. Estud. Fem. 28(2), e60721.

Colimoide, F. P. et al. (2017). Integralidade na perspectiva de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Rev. Bioét. 25 (3), 611-617

De Sousa, L. M. M. et al. (2017). A metodologia de revisão integrativa da literatura em enfermagem. Revista Investigação em Enfermagem; 17-26.

De Souza, S. M. J. (2018). O Feminicídio e a legislação brasileira. Rev. Katálysis 21 (03). https://www.scielo.br/j/rk/a/XHsBp yL7bg56mBKqDpfQ88y/?lang=pt>.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública - FBSP. Práticas de Enfrentamento à violência contra as mulheres: experiencias desenvolvidas pelos profissionais de segunrança pública e do sistema de justiça - Casoteca FBSP 2019. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2020. – (Série Casoteca FBSP, v.3). 216p. https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2021/02/casoteca-2019-v5.pdf>.

Honnef, F. et al. (2021). Representações sociais da violência doméstica em cenários rurais para mulheres e homens. Acta Paul Enferm. 368-374 .

Ipea. (2020). Atlas de Violência. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. <https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020>.

Martins, T. V. et al. (2020). O efeito das microagressões raciais de gênero na saúde mental de mulheres negras. Ciênc. saúde coletiva, 25 (7), pp. 2793-2802

Moura, L. S. (2020). Acolhimento e acompanhamento de mulheres vítimas de violência sexual: proposta de ferramenta de apoio. Dissertação de mestrado. Site online. Curitiba - PR, Brasil. 2020. https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/70109/R%20-%20D%20-%20LETICIA%20DE%20SOUZA% 20MOURA.pdf?sequence=1&isAllowed=y>.

Netto, L. A. et al. (2018). Atuação da enfermagem na conservação da saúde de mulheres em situação de violência. reme - Revista Mineira de Enfermagem, 22:e-1149.

Okabayashi, N. Y. et al. (2020). Violência contra a mulher e feminicídio no Brasil - impacto do isolamento social pela COVID-19. Brazilian Journal of Health Review. 3(3).

Pernambuco. Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco. (2010). Orientações para o atendimento a vítimas de violência: guia para profissionais de saúde. Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco - Secretaria executiva de vigilância em saúde, 2010. Série Acidentes e Violências - Nº 2. <https://ead.saude.pe.gov.br/pluginfile.php/3816/mod_folder/content/0/Orienta%C3%A7%C3%B5es%20para%20atendimento%20a%20vitimas%20de%20viol%C3%AAncia_PE%202010.pdf?forcedownload=1

Pernambuco. (2014). Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da cidade do Recife. Ministério Público de Pernambuco. Recife/PE. https://www.mppe.mp.br/mppe/attachments/article/2861/Livro_Pesquisa_Mulher_10leve.pdf>.

Rabelo, D. P. et al. (2019). Incidência da Violência contra a Mulher e a Lei do Feminicídio. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde. https://revistarebis.rebis.com.br/index.php/rebis/article/view/55/51.

Santos, S. C. et al. (2018). Violência Contra a Mulher: Como os profissionais da atenção primária à saúde estão enfrentando essa realidade? Revista Saúde e Pesquisa, 11(2), 359-368.

Silva, J. O. M. et al. (2021). Planejamento e implementação do curso Sexual Assault Nurse Examiner para o atendimento às vítimas de violência sexual: relato de experiência. Rev Esc Enferm USP ;55, e03739

Souza, M. A. R. (2020). Educação permanente em saúde: desenvolvimento de competências profissionais na atenção às mulheres em situação de violência. Dissertação de mestrado. Site online. Curitiba - PR, Brasil. 2020. https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/69966/R%20-%20T%20-%20MARLI%20APARECIDA%20ROCHA%20DE%20SOUZA.pdf?sequence=1&isAllowed=y>.

Trigueiro, T. H., et al. (2015). Vítimas de violência sexual atendidas em um serviço de referência. Ver. Cogitare Enferm. Abr/jun; 20(2):249-56.

Zabala, T. C. (2020). Violência Doméstica Contra a Mulher Transgênera e a Mulher Travesti. Revista Essência Jurídica - UniFCV. 3(1).

Published

19/10/2021

How to Cite

PONTES, A. F. .; SILVA, B. C. da .; RODRIGUES, N. A.; DEODORO, M. F. P. .; RIBEIRO, F. de A. .; SOUZA, M. E. P. de .; ALBUQUERQUE, M. L. de M. .; CABRAL, M. G. de O. .; COELHO, R. T. . .; BARROS, N. H. de C. .; SILVA, M. N. C. da .; FREITAS, J. O. da S. .; BRAGA, I. S. R. .; LUCENA, M. C. I. de .; ANDRADE, Ângela R. L. de . Role of nursing in the prevention of female. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e471101321350, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21350. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21350. Acesso em: 2 dec. 2021.

Issue

Section

Review Article