Humanized dental care for the transsexual community: literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21553

Keywords:

Transsexuality; Transsexuals; Sex; Dental care.

Abstract

Objective: To highlight and analyze how the humanized dental care of the transsexual population occurs and to identify the knowledge that the dental surgeon has about public policies for this population. Methodology: This is a study of narrative literature review. Literature review: It is important to emphasize the absence of transvestites and transsexuals in health services, especially in primary care, which should be the gateway to health services. As for the assistance to gays, lesbians, bisexuals, transvestites and transsexuals, violations of basic human rights by various social groups (including health professionals) such as segregation, prejudice, social marginalization, etc., promote the formulation of creating public policies specific health services for these audiences to ensure equity in care. Final Considerations: It is concluded that there must be a dignified service, making it necessary to invest in the preparation of professionals for specific treatments and care for the transsexual community.

References

Albuquerque G. A. et al. (2013). Homossexualidade e o direito à saúde: Um desafio para as políticas públicas no Brasil. Saúde em Debate. Rio de Janeiro, 37(98), 516-524.

Aran M, et al. (2009). Transexualidade e saúde pública no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, 14(4), 1141- 1149.

Aran M. (2006). A transexualidade e a gramática normativa do sistema sexo-gênero. Ágora, 9(1), 49-63.

Athayde A. V. L. (2001). Transexualismo masculino. Arq Bras Endocrinol Metab, 45(4), 407-414.

Brasil. (2000). Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. SUS princípios e conquistas.

Brasil. (2003) Ministério da Saúde. Portaria nº 2.836, de 1 de dezembro de 2011. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Dez. 2011.

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.803, de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 25.

Brasil. (2016). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510.

Brasil. (2017). O Ministério Público e os direitos de LGBT: conceitos e legislação / Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. Ministério Público do Estado do Ceará. MPF.

Cardoso, Michelle Rodrigues e Ferro, Luís Felipe. (2012). Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicologia: Ciência e Profissão. 32(3).

Cassalha O, et al. (2020) Vivências de pessoas transgêneras no atendimento à saúde: metassíntese qualitativa. Research, Society and Development, 9(10).

Ferreira K, et al. (2020). Gênero e Odontologia: Um relato de experiência. Revista Da Faculdade De Odontologia - UPF; 24(3), 417-421.

Galli R. A. et al. (2013). Corpos mutantes, mulheres intrigantes: transexualidade e cirurgia de redesignação sexual. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, 29(4), 447-457.

Guimarães R et al. (2017). Assistência à saúde da população LGBT em uma capital brasileira: o que dizem os Agentes Comunitários de Saúde?. Tempus, actas de saúde colet, 11(1), 121-139.

Jesus J. G. (2012). Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. 2 ed. Brasília.

Monteiro S, & Brigeiro M. (2019). Experiências de acesso de mulheres trans/travestis aos serviços de saúde: avanços, limites e tensões. Cadernos de Saúde Pública, 35.

Paiva C. H. A., & Teixeira L. A. (2014). Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. Hist. cienc. saude-Manguinhos, 21(1), 15-36.

Rocon P. C., et al. (2017). O que esperam pessoas trans do Sistema Único de Saúde? Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 22(64), 43-53.

Rocon P. C., et al. (2019). Desafios enfrentados por pessoas trans para acessar o processo transexualizador do Sistema Único de Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 23.

Rocon P. C., et al. (2020). Vidas após a cirurgia de redesignação sexual: sentidos produzidos para gênero e transexualidade. Scielo saúde pública.

Saadeh A. (2004). Transtorno de identidade sexual: um estudo psicopatológico de transexualismo masculino e feminino. Universidade de São Paulo,

Santos E, et al. (2020). Dificuldades enfrentadas por lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros ao atendimento no Programa de Saúde da Família. Research, Society and Development, v. 9(9).

Silva J. B. (2019). Participação social e comunicação: disputas e negociações no Conselho Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. 2019. 32 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Comunicação em Saúde) - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Silva L. K. M, et al. (2017). Uso do nome social no Sistema Único de Saúde: elementos para o debate sobre a assistência prestada a travestis e transexuais. Physis, 27(3), 835-846.

Silva M. E. A. (2019). A divisão do esporte deve ser separada por sexo ou gênero. REDOC, 3(1), 236-249.

Trindade C. A., et al. (2019). Posicionamento Conjunto. Medicina Diagnóstica inclusiva: cuidando de pacientes transgênero. Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML). Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR).

Published

22/10/2021

How to Cite

SILVA FILHO, A. W. R. da .; SILVA, M. K. A. da .; GONZAGA, G. L. P. .; SANTOS NETO, J. de D.; ACIOLLY, G. M. A. .; BEZERRA, A. R. T. de L. .; MELO, P. B. de M. .; PEIXOTO, L. B.; OLIVEIRA, A. L. P. de; PEIXOTO, F. B. Humanized dental care for the transsexual community: literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e587101321553, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21553. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21553. Acesso em: 2 dec. 2021.

Issue

Section

Review Article