Temporal trend of neonatal mortality in the State of Pará between 2010 and 2019

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21613

Keywords:

Newborn; Neonatal mortality; Risk factors; Epidemiology; Ecological study; Ecological study.

Abstract

There is still a discrepancy between neonatal mortality among Brazilian States, which is a liability of the inherent and structured social inequality in society, which are historical and very expressive, which reflects on the health of the population. Given this, this study sought to analyze the temporal trend of neonatal mortality in the State of Pará, from 2010 to 2019. This is an ecological study, with a quantitative character and a time series. Data were obtained from the Mortality Information System and the Live Birth Information System. To assess the temporal trend of the mortality series, the year sampled (2010 to 2019) was defined as an independent variable, and as dependent variables the region of health, sex and age of the child, weight of the child at birth, skin color/ race and age of the mother, duration of pregnancy, type of pregnancy and type of delivery. The survey identified a total of 22,560 neonatal deaths (ND) in the population in the State of Pará from 2010 to 2019. The average rate of ND was 22.6 per 1000 live births (LB), with an average annual variation (β) indicating a decrease of -47.7575 (r = 0.9504; R² = 0.9034; p-value = <0.001). The highest risks of death for newborns in the State of Pará correspond to factors such as birth weight up to 500 g, mother's age group above 30 years and gestation duration between 22 and 37 weeks.

References

Almeida, M. F., Novaes, H. M. D., Alencar, G. P., & Rodrigues, L. C (2002). Mortalidade neonatal no município de São Paulo: influências do peso ao nascer e de fatores sócio-demográficos e assistências. Revista Brasileira de Epidemiologia, 5 (1), 93-106.

Araujo Filho, A. C. A., Sales, I. M. M., Araújo, A. K. L., Almeida, P. D., & Rocha, S. S (2017). Aspectos epidemiológicos da mortalidade neonatal em capital do nordeste do Brasil. Revista Cuidarte, 8 (3), 1767-1776.

Barbeiro, F. M. S., Fonseca, S. C., Tauffer, M. G., Ferreira, M. S. S., Silva, F. P., Ventura, P. M., & Quadros, J. I (2015). Óbitos fetais no Brasil: revisão sistemática. Revista de Saúde Pública, 49 (22), 1-15.

Barros, A. J. D., & Albernaz, E (2011). Óbitos evitáveis até 48 meses de idade entre as crianças da coorte de nascimentos de Pelotas de 2004. Revista de Saúde Pública, 45, 334-342.

Brasil. (2011). Portaria Nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília: Ministério da Saúde. <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html>.

Brasil. (2002). Rede Interagencial de Informações para a Saúde - Ripsa. Indicadores Básicos para a Saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Organização Pan-Americana de Saúde.

Ferrari, L. S. L., Brito, A. S. J., Carvalho, A. B. R., & Gonzáles, M. R. C. (2006). Mortalidade neonatal no Município de Londrina, Paraná, Brasil, nos anos 1994, 1999 e 2002. Cadernos de Saúde Pública, 22 (5), 1063-1071.

França, E. B., Lansky, S., Rego, M. A. S., Malta, D. C., França, J. S., Teixeira, R., Porto, D., Almeida, M. F., Souza, M. F. M., Szwarcwald, C. L., Mooney, M., Naghavi, M., & Vasconcelos, A. M. N (2017). Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20 (1), 46-60.

França, E & Lansky, S (2016). Mortalidade infantil neonatal no Brasil: situação, tendências e perspectivas. <http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/1763>.

Gaiva, M. A. M., Fujimori, E., & Sato, A. P. S (2015). Mortalidade neonatal: análise das causas evitáveis. Revista Enfermagem UERJ, 23 (2), 247-253.

Gonçalves, A. C., Costa, M. C. N., Barreto, F. R., Paim, J. S., Nascimento, E. M. R., Paixão, E. S., & Mota, E. L. A (2015). Tendência da mortalidade neonatal na cidade de Salvador (Bahia-Brasil), 1996-2012. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 15 (3), 337-347.

Haiddar, F. H., Oliveira, U. F., & Nascimento, L. F. C (2001). Escolaridade materna: correlação com os indicadores obstétricos. Cadernos de Saúde Pública, 17 (4), 1025-1029.

IBGE. (2021). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Taxa de mortalidade infantil. <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/pesquisa/39/ 30279?localidade1=13&tipo=rankin>.

Kilsztajn, S., Rossbach, A., Carmo, M. S. N., & Sugahara, G. T. L. (2003). Assistência pré-natal, baixo peso e prematuridade no Estado de São Paulo, 2000. Revista de Saúde Pública, 37 (3), 303-310.

Kropiwiec, M. V., Franco, S. C., & Amaral, A. R (2017). Fatores associados à mortalidade infantil em município com índice de desenvolvimento humano elevado. Revista Paulista de Pediatria, 35 (4), 391-398.

Lima, E. F. A., Sousa, A. I., Griep, R. H., & Primo, C. C. (2012). Fatores de risco para mortalidade neonatal no município de Serra, Espírito Santo. Revista Brasileira de Enfermagem, 65 (4), 578-585.

Malta, D. C., Duarte, E. C., Escalante, J. J. C., Almeida, M. F., Sardinha, L. M. V., Macário, E. M., Monteiro, R. A., & Morais Neto, O. L (2010). Mortes evitáveis em menores de um ano, Brasil, 1997 a 2006: contribuições para a avaliação de desempenho do Sistema Único de Saúde. Cadernos de Saúde Pública, 26 (3), 481-491.

Migoto, M. T., Oliveira, R. P., Silva, A. M. R., & Freire, M. H. S. (2018). Mortalidade neonatal precoce e fatores de risco: estudo caso-controle no Paraná. Revista Brasileira de Enfermagem, 7 (15). 2675-2683.

Monteiro, R. A., & Schmitz, B. A. S. (2007). Infant mortality in the Federal District, Brazil: time trend and socioeconomic inequalities. Cadernos de Saúde Pública, 23 (4), 767-774.

Oliveira, C. M., Bonfim, C. V., Guimarães, M. J. B., Frias, P. G., & Medeiros, Z. M. (2016). Mortalidade infantil: tendência temporal e contribuição da vigilância do óbito. Acta Paulista de Enfermagem, 29 (3), 282-290.

Ortiz, L. P., & Oushiro, D. A. (2008). Perfil da mortalidade neonatal no Estado de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, 22 (1), 19-29.

Paim, J., Travassos, C., Almeida, C., Bahia, L., & Macinko, J. (2011). O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Lancet, 11, 60054-60058.

Petruccelli, J. L. & Sabola, A. L. (2013). Características étnico-raciais da população: classificações e identidades. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 208p.

Pontes, M. A. G., Nascimento, F. A. S., Silva, D. F. A., Silva, M. L., Cunha, K. C., & Chermont, A. G. (2020). Mortalidade neonatal precoce no estado do Pará, Região Amazônica do Brasil. Revista CPAQV, 12 (2), 1-16.

Santos, A. D., Santos, M. B., Lima, S. V. M. A., & Santos, R. J. (2019). Temporal trends of mortality in the city of Lagarto, Northeast of Brazil. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental, 11 (5), 1155-1160.

Silveira, M. F., Barros, A. J. D., Santos, I. S., Matijasevich, A., & Victoria, C. G. (2008). Diferenciais socioeconômicos na realização de exame de urina no pré-natal. Revista de Saúde Pública, 42 (3), 389-395.

Soares, E. S., & Menezes, G. M. S. (2010). Fatores associados à mortalidade neonatal precoce: análise de situação no nível local. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 19 (1), 51-60.

Sousa, J. F., Santos, K. F., Santos, D. R., Silva, A. V. C., Pereira, I. S., & Silva, R. C (2019). Mortalidade infantil por doenças infecciosas e parasitárias no estado do Pará: vigilância de óbitos entre 2008 a 2017. Pará Research Medical Journal, 3 (3-4), 1-8.

Tomio, G. O., & Magajewski, F. (2019). Tendência temporal da mortalidade neonatal e sua relação com as variáveis associadas à desigualdade social em Santa Catarina no período de 2008 a 2016. Universidade do Sul de Santa Catarina. Disponível em: <https://www.riuni.unisul.br/handle/12345/7380>.

Veloso, F. C. S., Kasar, L. M. L., Oliveira, M. J. C., Lima, T. H. B., Bueno, N. B., Gurgel, R. Q., & Kassar, S. B. Análise dos fatores de risco na mortalidade neonatal no Brasil: uma revisão sistemática e metanálise de estudos observacionais. Jornal de Pediatria, 95 (5), 519-530.

Viellas, E. F., Domingues, R. M. S. M., Dias, M. A. B., Gama, S. G. N., Theme Filha, M. M., Costa, J. V., Bastos, M. H., & Leal, M. C. (2014). Assistência pré-natal no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30, 85-100.

Walker, N., Yenokyan, G., Friberg, I. K., & Bryce, J (2013). Patterns in coverage of maternal, newborn, and child health interventions: Projections of neonatal and under-5 mortality to 2035. The Lancet, 382 (9897), 1029-1038.

Walther, F. J (2005). Withholding treatment, withdrawing treatment, and palliative care in the neonatal intensive care unit. Early Human Development, 81 (12), 965-972.

Published

22/10/2021

How to Cite

REZENDE, R. da S. M. .; PEREIRA, D. G. de A. .; SANTOS, L. M. R. dos; MORAES, J. S.; SANTOS, C. A. R. dos .; SEABRA, E. da S. . Temporal trend of neonatal mortality in the State of Pará between 2010 and 2019. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e595101321613, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21613. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21613. Acesso em: 3 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences