The work space of nursing in Neonatal Units and occupational risks: integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21701

Keywords:

Nursing; Occupational risks; Worker's health; Neonatal Intensive Care.

Abstract

The objective was to raise, in national and international literature, as scientific evidence about occupational risk indicators and their reflexes for the health of the nursing team in a neonatal unit. Integrative review study, carried out during the month of October 2020. A search conducted through the Virtual Health Library portal, in the LILACS, MEDLINE, IBECS and BDENF databases, simultaneously, for articles in English, Portuguese and Spanish with abstract and full text available, published between 2015 and 2020. Duplicate articles, review, methodologically classified as thesis, dissertation or monograph as well as those that did not fit the theme were excluded. 15 publications were identified, of which, 5 met the eligibility criteria. As for occupational risk, it was identified: psychological damage: occupational stress; exhaustion; desire to quit work, emotional exhaustion, professional demotivation; physical damage: work overload; inadequate environmental conditions and noise; social damage: difficulties in interpersonal relationships and the need to restrict personal contacts. The reflexes on the worker's health were: depression, frustration, anger, bitterness, negativity and compulsiveness; fatigue, exhaustion, lack of attention, low immunity; irritability, cynicism, low empathy. Occupational risks reflect negatively on the health of nursing workers. The strategy of prevention and control of these is recommended, seeking to promote a working environment in accordance with the principles of safety in force in the legislation.

References

Albendin L. et al. (2016). Prevalencia bayesiana y niveles de burnout en enfermeria de urgências. Revista Latino Americana de Psicologia, Espanha, n. 48, p. 137-145, nov. 2016.

Agostini M. (2002). Saúde do Trabalhador. In: Andrade A; Pinto S C; Oliveira RS. (orgs). Animais de Laboratório: criação e experimentação [online]. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2002. 388 p.

Almeida L M N; Beltrame Júnior M; & Salazar M B P. (2014). Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: riscos físicos como fatores potenciais de agravos à saúde do trabalhador. Revista Univap, São Paulo, v. 20, n. 35, p. 69-77, 2014.

Araújo A L B. et al. (2019). Síndrome de Burnout em Enfermeiros que atuam em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Motricidade, Santa Maria da Feira, v. 15, n. 4, p. 51-58, 2019.

Aytekin A; Yilmaz F; & Kuguoglu S. (2013). Burnout levels in neonatal intensive care nurses and its effects on their quality of life. Australian Journal of Advanced Nursing, Austrália, v. 31, n. 2, p. 39, 2013.

Barros A R; & Rodrigues L M. (2016). O exercício profissional de enfermagem e as principais causas de adoecimento laboral: uma revisão integrativa. Revista Científica de Enfermagem, São Paulo, v. 6, n. 18, p. 12-25, 2016.

Batista J B V. et al. (2013). Síndrome de Burnout: compreensão de profissionais de enfermagem. Revista de enfermagem UFPE on line, Pernambuco, v. 7, n. 2, p. 553-561, 2013.

Bendett A; Ferraz L; & Posso M B S. (2009). Riscos para agravos musculoesqueléticos entre os profissionais de saúde de uma unidade de terapia intensiva neonatal. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras, São Paulo, v. 9, n.2, p. 59-65, 2009.

Braithwaite M. (2008). Nurse burnout and stress in the NICU. Advances in neonatal care, Philadelphia, v. 8, n. 6, p. 343-347, 2008.

Bueno F S. (1996). Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD LISA, 1996.

Buunk A P; Zurriaga R; & Peiró J m. (2010). Social comparison as a predictor of changes in burnout among nurses. Anxiety, Stress & Coping, Londres, v. 23, n. 2, p. 181-194, 2010.

Carvalho D P et al. (2017). Cargas de trabalho e a saúde do trabalhador de enfermagem: revisão integrativa. Cogitare Enfermagem, Paraná, v. 22, n. 1, 2017.

Castro I; Bernardino E; & Ribeiro E L Z. (2008). Absenteísmo na enfermagem em UTI neonatal: perfil do profissional e motivos das ausências. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v.13, n.3, 2008.

Cavaliere, T.A. et al. (2010). Moral distress in neonatal intensive care unit RNs. Advances in Neonatal Care, Philadelphia, v. 10, n. 3, p.145-156, 2010.

Ceballos-Vásquez, P. et al. (2015). Fatores psicossociais e carga mental de trabalho: uma realidade percebida pelos enfermeiros em Unidades de Terapia Intensiva. Revista Latino-Americana De Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 23, n. 2, p. 315-322, 2015.

Costa, D. et al. (2013). Saúde do Trabalhador no SUS: desafios para uma política pública. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 38, n. 127, p.11-21, 2013

Costa, G. L; Lacerda, A.B.M; & Marques, J. (2013). Ruído no contexto hospitalar: impacto na saúde dos profissionais de enfermagem. Revista CEFAC, Campinas, v. 15, n. 3, p. 642-652, 2013.

Creedy, D. K. et al. (2017). Prevalence of burnout, depression, anxiety and stress in Australian midwives: a cross-sectional survey. BMC Pregnancy and Childbirth, Londres, v. 17, n. 13, p. 1-8, 2017.

Curtis, Dc. et al. (2015). News of the Academy of Neonatal. Academy of Neonatal Nursing, Estados Unidos, v. 34, n.5, p. 300-307, 2015.

Dalmolin, G. L. et al. (2012). Implicações do sofrimento moral para os (as) enfermeiros (as) e aproximações com o Burnout. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 200-208, 2012.

Dejours, C; Abdoucheli, E; & Jayet, C. (2014). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2014.

Disher, Tc. et al. (2017). Striving for optimum noise-decreasing strategies in critical care. The Journal of perinatal & neonatal nursing, Frederick MD, v. 31, n. 1, p. 58-66, 2017.

Ercole, Ff; Melo, Ls ; & Alcoforado, C l. G .C. (2014). Revisão integrativa versus revisão sistemática. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 18, n. 1, p.9-12, 2014.

Felli, V.E.A. (2012). Condições de trabalho de enfermagem e adoecimento: motivos para a redução da jornada de trabalho para 30 horas. Enfermagem em foco, Brasília, v. 3, n. 4, p. 178-181, 2012.

Fogaça, M.C. et al. (2010). Fatores que tornam estressante o trabalho de médicos e enfermeiros em terapia intensiva pediátrica e neonatal: estudo de revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 261-266, 2010.

Fonsêca, L.D.C.T.D. et al. (2016). Vulnerability of the health of nursing professionals acting in the hospital setting: integrative review. Revista de enfermagem UFPE on line, Pernambuco, v. 10, n. 7, p. 2687-2695, 2016.

Forte, E.C.N. et al. (2014). Abordagens teóricas sobre a saúde do trabalhador de enfermagem: revisão integrativa. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 19, n. 3, p. 304-611, 2014.

Furlan, J.A.D.S; (2013). Stancato, K. Fatores geradores do absenteísmo dos profissionais de enfermagem de um hospital público e um privado. Revista de Administração em Saúde, São Paulo, v. 15, n. 60, p. 111-120, 2013.

Galindo, Apg; Caicedo, Yc; & Vélez-Pereira, Am. (2015). Nivel continuo equivalente de ruido en la unidad de cuidado intensivo neonatal asociado al síndrome de burnout. Enfermería Intensiva, Madrid, v. 26, n. 3, p. 92-100, 2015.

Gonçalves, J. R. D. S. et al. (2005). Causas de afastamento entre trabalhadores de enfermagem de um hospital público do interior de São Paulo. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 9, n. 4, p. 309-314, 2005.

Grazziano, E.S; Ferraz & Bianchi, E.R. (2010). Impacto del estrés ocupacional y burnout en enfermeros. Enfermería Global, Murcia, n. 18, p.1-20, 2010.

Karino, M. E; Martins, Jt; & Bobroff, M. C. C. (2011). Reflexão sobre as políticas de saúde do trabalhador no brasil: avanços e desafios. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 10, n. 2, p. 395-400, 2011.

Lin, Tc. et al. (2016). Work stress, occupational burnout and depression levels: a clinical study of pediatric intensive care unit nurses in Taiwan. Journal of Clinical Nursing, Oxford, n. 25, p. 1120-1130, 2016.

Lopes, C.C.P; Ribeiro, T.P; & Martinho, N.J. (2012). Síndrome de Burnout e sua relação com a ausência de qualidade de vida no trabalho do enfermeiro. Enfermagem em Foco, Brasília, v. 3, n. 2, p. 97-101, 2012.

Maciel, R.H.M.O; Santos, J.B.F; & Rodrigues, R.L. (2015). Condições de trabalho dos trabalhadores da saúde: um enfoque sobre os técnicos e auxiliares de nível médio. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 40, n. 131, p. 75-87, 2015.

Martinato, M.C.N.B. et al. (2011). Absenteísmo na enfermagem: uma revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 31, n.1, p.160-166, 2010.

Masson, Lp; Brito, J; & Athayde, M. (2018). Dimensão relacional da atividade de cuidado e condições de trabalho de auxiliares de enfermagem em uma unidade neonatal. Physis, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 879-898, 2011.

Melnyk, B. M; & Fineout-Overholt, E. (2005). Making the case for evidence-based practice. In: MELNYK, BM; FINEOUT-OVERHOLT, E (orgs). Evidence based practice in nursing & healthcare. A guide to best practice. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins, 2005. p. 3-24.

Mendes, A.M. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

Mendes, K.D.S; Silveira, R.C.P; & Galvão, C.M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n. 4, p.758-764, 2008.

Milette, I. (2010). Decreasing noise level in our NICU: the impact of a noise awareness educational program. Advances in Neonatal Care, Philadelphia, v. 10, n. 6, p.343-351, 2010.

Nunes, B. K; & Toma, E. (2013). Dimensionamento de pessoal de enfermagem de uma unidade neonatal: utilização do Nursing Activities Score. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n.1, p.348-355, 2013.

Oliveira, D. C; Xavier, J. L; & Araújo, L. G. S. (2013). The disease process nursing. Revista de Enfermagem da UFPI, Teresina, v. 2, n. spe, p.76-9, 2013.

Oliveira, E .B. D. et al. (2013). Fatores de risco psicossocial em terapia intensiva neonatal: repercussões para a saúde do enfermeiro. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, p. 490-495, 2013.

Oliveira, L. L; & Sanino, G. E. C. (2011). A humanização da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva neonatal: concepção, aplicabilidade e interferência na assistência humanizada. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras, São Paulo, v. 11, n. 2, p.75-83, 2011.

Oliveira, P. R; Tristão, R. M; & Neiva, E.R . (2006). Burnout e suporte organizacional em profissionais de UTI-Neonatal. Educação Profissional: Ciência e Tecnologia, Brasília, v. 1, n. 1, p.27-37, 2006.

Oliveira, V; & Pereira, T. (2012). Ansiedade, depressão e burnout em enfermeiros: Impacto do trabalho por turnos. Revista de Enfermagem Referência, Coimbra, v. serIII, n. 7, p. 43-54, 2012.

Pedroza, M. A. D; Campos, A. C. S; & Oliveira, M. M. (2006). Dano ocupacional na unidade de terapia intensiva neonatal: a percepção da enfermeira. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Ceará, v. 7, n.2. p. 17-24, 2006.

Pires, D. E. P de. et al. (2012). Inovação tecnológica e cargas de trabalho dos profissionais de saúde: uma relação ambígua. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, [s.l.], v. 33, n. 1, p.157-168, mar. 2012.

Prestes, F. C. et al. (2016). Danos à saúde dos trabalhadores de enfermagem em um serviço de hemodiálise. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 32, n. 1, e50759, 2016.

Quintas, S. et al. (2017). Os enfermeiros e a sua saúde no trabalho: a relação entre depressão e burnout. International Journal on Working Conditions, Porto, n. 13, p. 1-20, 2017.

Ribeiro, E; & Shimizu, H. E. (2020). Acidentes de trabalho com trabalhadores de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 5, p. 535-540, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672007000500010&lng=en. Acesso em: 19 out. 2020.

Ribeiro, R. P. et al. (2012). O adoecer pelo trabalho na enfermagem: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 46, n. 2, p. 495-504, 2012.

Rizo, M l p; & Ubago, M v. (2018). Estudio descriptivo sobre las condiciones de trabajo y los trastornos musculo esqueléticos en el personal de enfermería (enfermeras y AAEE) de la Unidad de Cuidados Intensivos Pediátricos y Neonatales en el Hospital Clínico Universitario de Valladolid. Medicina y Seguridad del Trabajo, Madrid, v. 64, n. 251, p. 161-199, 2018.

Rolim, K. M. C; Oliveira, M. M. C; & Cardoso, M. V. L. M. L. (2003). Combate ao estresse na Unidade de Internação Neonatal: uma experiência grupal. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Ceará, v. 4, n. 1, 2003.

Silva, J. L. L. et al. (2015). Fatores psicossociais e prevalência da síndrome de burnout entre trabalhadores de enfermagem intensivistas. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2, p. 125-133, 2015.

Souza, M. T; Silva, M. D; & Carvalho, R. I (2010). ntegrative review: what is it? How to do it? Einstein, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 102–106, 2010.

Terra, A. A. A. et al. (2011). O processo de trabalho da enfermagem em unidade de terapia intensiva neonatal. HU Revista, Juiz de Fora, v. 37, n. 1, 2011.

Tito, R. S. et al. (2015). Síndrome de Burnout em enfermagem pediátrica e neonatal: revisão da literatura. Enfermagem em Foco, Brasília, v. 4, n. 3/4, p.194-197, 2015.

Trbojevic-Stankovic, J. et al. (2015). Work-related factors as predictors of burnout in Serbian nurses working in hemodialysis. Nephrology Nursing Journal, Pitman, v. 42, n. 6, p. 553-562, 2015.

Ursi, E. S. (2018). Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. 2005. 130p. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

Vitorino, M.F. et al. Síndrome de burnout: conhecimento da equipe de enfermagem neonatal. Revista de enfermagem UFPE on line, Pernambuco, v. 12, n. 9, p. 2308-2314, 2018.

Published

22/10/2021

How to Cite

SILVA, A. P. B. .; PRADO, M. A. do .; SILVA, L. C. S. .; ANDRADE, L. Z. .; PASCOA, H.; BASTOS, L. R. R. .; SANTOS, K. C. P. dos .; SANTOS JUNIOR , P. S. .; ARANTES, E. H. .; CAMPOS, J. da S. .; NASCIMENTO, J. C. C. do .; BARBOSA, M. A. .; BRASILEIRO, M. E. .; BEZERRA, A. L. Q. . The work space of nursing in Neonatal Units and occupational risks: integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e566101321701, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21701. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21701. Acesso em: 7 dec. 2021.

Issue

Section

Health Sciences