The presence and the place of black teachers at IFMT: affirmative actions, advances and challenges

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24511

Keywords:

Affirmative actions; Academic racism; Black professor; Teaching.

Abstract

This article is the result of the research Project “Education and affirmative action: a study on the presence and place of black teachers at IFMT” developed at the Federal Institute of Education, Science and Technology of Mato Grosso. It aims to analyze, from a quantitative research the presence and place of black teachers in the IFMT educational and administrative structure. We specifically problematize this institution, in order to understand its locus in the scenario of implementation of affirmative action policies in Brazil after Durban (2001), considering that in the general context of public and private Brazilian universities it`s visible the small presence of black men and women professors in the didact and administrative structure of these academies. Therefore, the research assumes that the core of this problem is academic racism, justified by the myth of racial democracy, present in the work of Gilberto Freyre (2003). On the other hand, we deconstructed the idea of racial democracy, the main impediment to discussion of affirmative action policies in Brazil until 2001, the year of the Third Conference of Durban, having as theoretical support Florestan Fernandes (1972), Kabengele Munanga (1999, 2014), José Jorge de Carvalho (2003, 2006) and Nilma Lino Gomes (2005). It results from the investigation that combating racial inequality in higher education and university administrative instances requires new affirmative action measures that promote racial equality and, therefore, expand the presence and prominence of black professors in the academic environment.

Author Biographies

Josadaque Martins Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

Bacharel, Licenciado e Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Atualmente cursa o Doutorado em Educação, área de concentração em Cultura, Filosofia e História da Educação, no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação (FE) da Universidade de São Paulo - USP, sob a orientação do Prof. Paulo Henrique Fernandes Silveira. Professor efetivo de Filosofia (Classe DIII - Nível 2) do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - IFMT ( campus Cuiabá Cel. Octayde Jorge da Silva). Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores (as) Negros (as) - ABPN. Membro e pesquisador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro, Indígena e de Fronteira Maria Dimpina Lobo Duarte - NUMDI do IFMT.

Thiago Beirigo Lopes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

É Doutor em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT e possui Mestrado Profissional em Matemática - ProfMat pela Universidade Federal do Tocantins - UFT (2014 - 2015) e Graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade do Estado do Pará - UEPA (2004 - 2007). Atualmente é professor efetivo EBTT de Matemática com dedicação exclusiva do Instituto Federal de Mato Grosso - IFMT (campus Confresa). Também é Editor-Gerente da Revista Prática Docente (ISSN 2526-2149) e Líder do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática no Baixo Araguaia, registrado no CNPq.

Cristiane da Silva Ferreira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

Graduada em Letras/Português-Espanhol pela Universidade de Sorocaba - UNISO; mestre e doutora em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP e membro do Grupo de Pesquisa "Memória e Cultura na Língua Portuguesa escrita no Brasil", da PUC-SP. Atualmente, é professora efetiva EBTT de Português e Literatura do IFMT (campus Cuiabá Octayde Jorge da Silva).

References

Brasil. (2003). Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10639.htm.

Brasil. (2004). Parecer CNE/CP nº 3, de 10 de março de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_003.pdf.

Brasil. (2006). Orientações e Ações para a Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília, DF: MEC/SECAD. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/orientacoes_etnicoraciais.pdf.

Brasil. (2008). Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm.

Brasil. (2008). Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm.

Brasil. (2010). Lei nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial. Diário Oficial da União: Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.htm.

Brasil. (2012). Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm.

Brasil. (2014). Lei nº 12.990, de 9 de junho de 2014. Reserva aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e empregos públicos no âmbito da administração pública federal, das autarquias, das fundações públicas, das empresas públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União. Diário Oficial da União: Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Ato2011-2014/2014/Lei/L12990.htm.

Carvalho, J. J. (2003). Ações afirmativas para negros na pós-graduação, nas bolsas de pesquisa e nos concursos para professores universitários como resposta ao racismo acadêmico. In: Silva, P. B. G.; Silvério, V. R. (Orgs.). Educação e ações afirmativas: entre a justiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 161-190.

Carvalho, J. J. (2006). O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. Revista USP, 68, 88-103. https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13485/15303.

Convenção Nacional do Negro pela Constituinte (CNN), Carta aos dirigentes do país e a todos os membros da Assembleia Nacional Constituinte – 87. (1986). Brasília, DF. https://pt.scribd.com/document/482909657/Convencao-Nacional-Do-Negro-Pela-Constituinte-1986.

Cruz, R. A. (2009). Negro e educação: as trajetórias e estratégias de dois professores da Faculdade de Direito de São Paulo nos séculos XIX e XX. (Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil). https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/10729.

Declaração e Programa de Ação adotados na III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata. (2001). Durban, África do Sul. https://www.oas.org/dil/port/2001%20Declara%C3%A7%C3%A3o%20e%20Programa%20de%20A%C3%A7%C3%A3o%20adotado%20pela%20Terceira%20Confer%C3%AAncia%20Mundial%20contra%20o%20Racismo,%20Discrimina%C3%A7%C3%A3o%20Racial,%20Xenofobia%20e%20Formas%20Conexas%20de%20Intoler%C3%A2ncia.pdf.

Fernandes, F. (1972). O negro no mundo dos brancos. Difusão Europeia do Livro.

Freyre, G. (2003). Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Global Editora.

Gomes, N. L. (2005). A universidade pública como direito dos(as) jovens negros(as): a experiência do Programa Ações Afirmativas na UFMG. In: SANTOS, S. A. (Org.). Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação, UNESCO, 245-262.

Holanda, M. A. P. G. (2009). Tornar-se negro: trajetórias de vida de professores universitários no Ceará. (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil). http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3582.

Jesus, R. E. (2011). Ações afirmativas, educação e relações raciais: conservação, atualização ou reinvenção do Brasil?. (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil). http://hdl.handle.net/1843/BUBD-92QPQK.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2002). Metodologia do trabalho científico. Editora Atlas.

Munanga, K. (1999). Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Vozes.

Munanga, K. (2014). A questão da diversidade e da política de reconhecimento das diferenças. Crítica e Sociedade – Revista de cultura política, 4(1), 34-45. http://www.seer.ufu.br/index.php/criticasociedade/article/view/26989/14725.

Pires, M. F. C. (2014). Docentes negros na universidade pública brasileira: docência e pesquisa como resistência e luta. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil). http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253910.

Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI: 2009-2014 do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso. (2009). Cuiabá, IFMT. https://ifmt.edu.br/media/filer_public/b8/b3/b8b305c8-5503-400b-b8d0-d3d4b7abe319/plano_desenvolvimento_institucional_2009-1.pdf.

Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI: 2014-2018 do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso. (2014). Cuiabá, IFMT. https://ifmt.edu.br/media/filer_public/b3/cb/b3cbb909-bb6d-48c7-abe8-d723d23dacc7/pdi-oficial-consup-ultima-versao1.pdf.

Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI: 2019-2023 do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso. (2019). Cuiabá, IFMT. https://ifmt.edu.br/media/filer_public/de/4d/de4dc553-4177-4878-b92c-473c88a9ed00/pdi_2019_2023_110p.pdf.

Ribeiro, D. (1995). O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. Companhia das Letras.

Ribeiro, M. S. P. (2001). O romper do silêncio: história e memória na trajetória escolar e profissional dos docentes afrodescendentes das Universidades Públicas do Estado de São Paulo. (Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil). https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48133/tde-03072003-154636/publico/TeseCompleta.pdf.

Sampieri, R. H., Collado, C. F. & Lucio, P. B. (2013). Metodologia de pesquisa. McGraw-Hill.

Silva, J. M. (2021). O ‘não lugar’ epistemológico da Filosofia Africana nos livros didáticos de filosofia para o ensino médio aprovados pelo Programa Nacional do Livro e Material Didático – PNLD 2012. REFilo – Revista Digital de Ensino de Filosofia, 7, 1-21. https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/61350/pdf.

Silva, P. E. (2008). Professor negro universitário: notas sobre a construção e manipulação da identidade étnico-racial em espaços socialmente valorizados. (Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, Brasil). https://repositorio.unesp.br/handle/11449/99011.

Silveira, P. H. F. (2020). Florestan Fernandes e a questão do negro: batalhas acadêmicas e políticas. Revista Estudos de Sociologia, 2 (26), 123-142. https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/249316.

Vieira, S. (2009). Como elaborar questionários. Editora Atlas.

Published

22/12/2021

How to Cite

SILVA, J. M.; LOPES, T. B.; FERREIRA, C. da S. The presence and the place of black teachers at IFMT: affirmative actions, advances and challenges. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e163101724511, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24511. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24511. Acesso em: 24 jan. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences