The professional social educator in the daily life of adolescents of reception unit: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24690

Keywords:

Shelter; Social educator; Reception unit.

Abstract

This study aimed to analyze the role of social educators with adolescents in institutional reception units. Qualitative, descriptive integrative research, carried out in the Virtual Health Library, with publications of the last decade, associating the Keys Word and the descriptors in health: shelter; social educator; educators and host unit. The results pointed out the relevance of the role of social educators today. The profile of educators is mostly female; are generally between 20 and 66 years of age and with high school education. They exercise non-formal education that proposes the development of the social being, developed in groups at social risk in the context of the host units, not always obtaining specific training for action. They establish care, based on their own personal experience. It is considered that this profession favors the emancipation and transformation of subjects who are in a situation of risk and social vulnerability, being a reference in the institutional reception units of adolescents. Its performance has been essential in the non-formal education of the welcomed, sharing knowledge in the form of dialogue.

Author Biographies

Lucia Helena Garcia Penna, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Associada do Departamento de Enfermagem Materno Infantil e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Claudia Rosane Guedes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Dnda em Enfermagem – PPGENF/UERJ – Prefeitura Municipal Macaé – Centro Universitário Celso Lisboa - Universidade Estácio de Sá.

Rosemary Ribeiro , Secretaria Municipal de Saúde/Caxias

Mestre de Enfermagem- UERJ - SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CAXIAS

Adriana Lenho de Figueiredo Pereira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Dra. Em Enfermagem – UERJ - Universidade Estácio de Sá.

Joana Iabrudi Carinhanha, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Dep. de Enfermagem Materno-infantil da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Michele Marim da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Bolsista PIBIC graduanda Curso de Enfermagem.

Vanessa dos Santos Pereira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestranda do PPGENF – Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Susane Vasconcelos , Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestranda do PPGENF (UERJ)

Selma Villas Boas Teixeira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Mestre em Enfermagem. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

References

Avoglia, Hilda Rosa Capelão, Silva, Andreia Maria da, & Mattos, Pammela Makarowits de. (2012). Educador social: Imagem e relações com crianças em situação de acolhimento institucional. Revista Mal-estar e Subjetividade, 12(1-2), 265-292.

Bardin, L. Análise de conteúdo. (2016). São Paulo: Editora: Almedina.

Barros, Nilma Soares, & Naiff, Luciene Alves Miguez. (2015). Capacitação para educadores de abrigo de crianças e adolescentes: identificando representações sociais. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(1), 240-259

Bassoli, Eiza Nádila, Figueiredo,Vanessa Cartherina Neumann. (2020). Desafios do trabalho de educadoras sociais em casas de acolhimento. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, 15(n. esp3), 2396–2410.

Bispo, J.R. et al. (2015). Conhecimento dos educadores do abrigo Tereza de Jesus sobre saúde bucal infantil. Revista de Odontologia da Universidade da Cidade de São Paulo. São Paulo, 27(3), 202-209.

Bório, T. C., Gabatz, R. I. B., Milbrath, Schwartz, V. M., Eda, Vaz, Jéssica Cardoso (2020). Institucionalização infantil: revisão acerca da interação dos cuidadores com a criança. Revista Brasileira de Revisão de Saúde, 3(1), jan./fev. Curitiba.

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. de A., & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, 5(11), 121-136. https://doi.org/10.21171/ges.v5i11.1220.

Brito, Cristiane Vinholi de, & Souza, José Carlos. (2011). Qualidade de vida dos educadores sociais em abrigos de proteção a crianças e adolescentes. Psicologia: teoria e prática, 13(1), 89-100.

Carvalho, R. M. C., Cardoso, E. L. S, Ferreira, B. M. S, & Ferreira, R. K. G. (2020). COVID-19 na pediatria: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, 9 (9), e322997140.

Cavalcante, Lília Iêda Chaves, & Corrêa, Laiane Da Silva. (2012). Perfil e trajetória de educadores em instituição de acolhimento infantil. Cadernos de Pesquisa, 42(146), 494-517.

Cintra, Ana Lúcia, & Souza, Mériti de. (2010). Institucionalização de crianças: leituras sobre a produção da exclusão infantil, da instituição de acolhimento e da prática de atendimento. Revista Mal-estar e Subjetividade, 10(3), 809-833

Corrêa, Laiane da Silva, & Cavalcante, Lília Iêda Chaves. (2013). Educadores de abrigo: concepções sobre desenvolvimento e práticas de cuidado em situação de brincadeira. Journal of Human Growth and Development, 23(3), 309-317.

Cunha, R.C. (2011). O educador social e sua inserção nas políticas públicas: imprescindibilidade ou rearranjo do capital? Revista Espaço de Diálogo e Desconexão. Araraquara. 3(2),4438

Elage, B. et.al. (2011). Perspectivas: formação de profissionais em serviço de acolhimento. 1 Ed. Instituto Fazendo História: São Paulo.

Galvão, Taís Freire, & Pereira, Mauricio Gomes. (2014). Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(1), 183-184.

Garcia Penna, Lúcia Helena, dos Santos Fernandes, Ravini, Rosane Guedes, Cláudia, Pérsia Paulo dos Santos, Úrsula, da Silva Fernandes, Gleice, & Yuan Soares, Beatriz. (2012). Concepção de profissionais de unidades de acolhimento sobre a maternidade em adolescentes abrigadas. Rev Rene, 13(1),44-52. ISSN: 1517-3852.

Iannelli, Andrea M., Assis, Simone Gonçalves, & Pinto, Liana Wernersbach. (2015). Reintegração familiar de crianças e adolescentes em acolhimento institucional em municípios brasileiros de diferentes portes populacionais. Ciência & Saúde Coletiva, 20(1), 39-48.

Ito, S. I. & Azevêdo, A. V. dos S. (2021). Educadores Sociais em Abrigos Destinados a Crianças e Adolescentes: revisão sistemática. Contextos Clínicos, 14(1), jan./abr.

Lam, Carla. (2010). Holding e rêverie: postura do coordenador de grupo de reflexão com educadoras em um abrigo. Vínculo, 7(1), 33-43.

Lei nº 8.242, de 12 de outubro de 1991 (1991). Conanda. Dispõe sobre o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Brasília, DF. https://www.gov.br/participamaisbrasil/conanda

Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.

Lei nº 12.010 de 03 de agosto de 2009. (2009). Dispõe sobre adoção. Casa Civil, Brasília.http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12010.htm.

Liberati, A., Altman, D. G., Tetzlaff, J., Mulrow, C., Gøtzsche, P. C., Ioannidis, J. P., Clarke, M., Devereaux, P. J., Kleijnen, J., & Moher, D. (2009). The PRISMA statement for reporting systematic reviews and meta-analyses of studies that evaluate health care interventions: explanation and elaboration. PLoSMedicine, 6(7), e1000100.

Lucca, A., Griecco, A., Franco, F., & Prado, R. (2018). Construção da identidade do educador social. Diálogos Interdisciplinares, 7(4), 45-53. https://revistas.brazcubas.br/index.php/dialogos/article/view/587

Magalhães, C.M.C, Costa, L.N. & Cavalcante, L.I.C. (2011). Percepção de educadores de abrigo: o seu trabalho e a criança institucionalizada. Journal of Human Growth and Development. São Paulo, 21(3), 818-831

Manica, L. E. A educação profissional formal e não formal das pessoas com deficiência no Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, 12(4), 998-2023, out./dez. 2017.

Ministério do Desenvolvimento Social Brasil (2009). Secretaria Especial dos Direitos Humanos. SEDH. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Orientações Técnicas: Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes. Brasília, DF.

Ministério do Desenvolvimento Social. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. SEDH. (2009). Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Orientações Técnicas: Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes. Brasília, DF. https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/orientacoes-tecnicas-servicos-de-alcolhimento.pdf.

Ministério do Desenvolvimento Social Brasil (2018). Censo SUAS 2017: análise dos componentes sistêmicos da política nacional de assistência social. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação; Secretaria Nacional de Assistência Social, Brasília, DF.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2006). Conselho Nacional de Assistência Social. Norma operacional básica de recursos humanos do suas NOB-Rh/SUAS. https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/NOBRH_SUAS_Anotada_Comentada.pdf

Ministério do Trabalho e Previdência. (2021). Classificação Brasileira de Ocupações – CBO. http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf

Moreira, T. A. S., & Paiva, I. L. de. (2015). A atuação do psicólogo nos Serviços de Acolhimento Institucional de crianças e adolescentes. Psicologia Em Estudo, 20(3), 507-517.

Nörnberg, M., & Menezes M. (2012). Práticas de Acolhimento em Abrigo Infanto-Juvenil. Revista Contexto & Educação, 26(85), 177-201.

Oliveira, G. T. S. (2017). Do lar doméstico ao lar institucional: a percepção sobre o trabalho na ótica das cuidadoras sociais de casas e lares de Curitiba e região metropolitana. 156 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Sociedade) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba.

Penna, L., Carinhanha, J., Ribeiro, L., Graça, H., & Marques, C. (2017). Perfil sociodemográfico da adolescente em situação de rua: análise das condições socioculturais [Socio-demographic profile of female adolescents in a street situation: analysis of sociocultural conditions]. Revista Enfermagem UERJ, 25, e29603.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J. & Sitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM.

Pereira, A. (2019). O educador social e suas competências de atuação profissional: um trabalhador da Educação pela LDBEN n.º 9.394/96?. Debates em Educação, 11(23), 311-332.

Paiva, J., Souza, C. R. T. de, Natali, P. M., Müller, V. R., & Bauli, R. A. (2014). A atuação profissional e formação do educador social no Brasil: uma roda da conversa. Interfaces Científicas - Educação, 3(1), 77–88.

Rodrigues, J. L. dos S., Santos, L. M.M. dos & Lima, A.F. de (2021). Mudar, pensar em mudar, continuar mudando: Narrativas das metamorfoses de uma Adolescência em abrigamento. Psicologia & Sociedade – v. 33 e217494.

Rodrigues, R., Penna, L., Ribeiro, L., Paes, M., & Guedes, C. (2015). Sexualidade das adolescentes em situação de acolhimento: contexto de vulnerabilidade para DST [Sexuality of adolescent girls in foster care: context of vulnerability to STD]. Revista Enfermagem UERJ, 23(4), 507-512.

Senado Federal do Brasil (2015). Projeto de Lei nº 328/2015. Dispõe sobre a regulamentação da profissão de educadora e educador social e dá outras providências. Apresentado pelo senador Temário Mota em 2 de junho de 2015. Brasília, DF, 2015.

Souza, C.R.T de; Paiva, J.; Natali, P.M.; Bauli, R.A. & Müller, V.R. A atuação profissional e formação do educador social no Brasil: Uma roda da conversa. Interfaces Científicas-Educação. Aracaju, 3(1), 77-88, out. 2014.

Trilla, J. (2003). O universo da Educação Social. In: Romans, M.; Petrus, A. Trilla, J. Profissão: Educador Social. Artmed.

Trivellato, Aline Jacob, Carvalho, Cíntia, & Vectore, Celia. (2013). Escuta afetiva: possibilidades de uso em contextos de acolhimento infantil. Psicologia Escolar e Educacional, 17 (2), 299-307.

Published

28/12/2021

How to Cite

PENNA, L. H. G. .; GUEDES, C. R. .; RIBEIRO , R.; PEREIRA, A. L. de F. .; RIBEIRO, L. V. .; CARINHANHA, J. I. .; SILVA, M. M. da .; PEREIRA, V. dos S. .; VASCONCELOS , S. .; TEIXEIRA, S. V. B. . The professional social educator in the daily life of adolescents of reception unit: an integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e239101724690, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24690. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24690. Acesso em: 17 jan. 2022.

Issue

Section

Review Article