The role of nurses in welcoming and risk classification in the hospital service

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.25540

Keywords:

Reception; Sick of urgences; Emergency medical services; Hospital service of urgences.

Abstract

Introduction: Nurses play a prominent role in welcoming and classifying risk in hospital services. Objective: To understand the role of nurses in welcoming and in risk classification in the hospital service. Methodology: The research was conducted through an integrative review, in which the secondary databases LILACS, SCIELO and BDENF were used, using the descriptors “reception; emergency nursing; emergency medical services and emergency hospital service”. Results: 6 articles on the subject were identified according to the inclusion criteria. Conclusion: Given the above, it was possible to observe a scarce production of articles on the subject. Despite this, it was evident that most articles addressed the relevance of the nurse's role in the reception in the risk classification, and the need for qualification to provide decisions in a safe way.

Author Biography

Juliana Souza Andrade , Faculdades Unidas do Norte de Minas Gerais

Graduação em enfermagem. 

References

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2016). Esclarecimentos sobre a regulamentação de industrialização, manipulação, comercialização e registros de insumos, de medicamentos fitoterápicos e de produtos tradicionais fitoterápicos. Informe Técnico nº 007/2016: Anvisa.

Abeso. (2010). Atualização das diretrizes para o tratamento Farmacológico da obesidade e do sobrepeso. ABESO 76: Edição Especial.

Anderson, J. W., Brinkman, V. L., & Hamilton, C. C. (1992). Weight loss and 2-y follow-up for morbidly obese patients treated with intensive very-low-caloric diet and an education program. Am. J. Clin. Nutr, 56(1), 244-246.

Brasil (2017). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: obesidade / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2004). Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC n˚48 de 16 de março de 2004. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Diário Oficial, Brasília, 18 de maio.

Conselho Latino Americano sobre Obesidade (2004). Diretrizes Brasileiras de Obesidade 4ª edição. São Paulo: Conselho Latino Americano Sobre a Obesidade.

Corrêa, E. D. M., Santos, J. M., & Ribeiro, P. L. B. (2012). Uso de fitoterápicos no tratamento da obesidade: uma revisão bibliográfica. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro de Pós Graduação de Nutrição Clínica e Esportiva do Centro de Estudo de Enfermagem e Nutrição da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. 2012.

Carvalho, A. C. B, Balbino, E. E., Maciel, A., & Perfeito, J. P. S. (2008). Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Rev. Bras. Farmacog, 18(2), 314-319.

Fetrow, C.W., & Avila, J.R. (2000). Manual de medicina alternativa. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 743p.

Gigante, D. P. G., França, G. V. A., Sardinha, L. M. V., Iser, B. P. M., & Meléndez, G. V. (2011). Variação temporal na prevalência do excesso de peso e obesidade em adultos: Brasil, 2006 a 2009. Revista Brasileira de Epidemiologia, 14(1), 157-165.

Han, L. K., Zheng, Y. N., Yoshikawa, M., Okuda, H., & kimura, H. (2005). Anti-obesity effects ofchikusetsusaponins isolated from Panax japonicus rhizomes. BMC, 5(9), 1-10.

Heckler, A. P. M., Andreazza, Dall’agnol, R. S., Heineck, I., & Rates, S. M. K. (2005). Estudo Exploratório sobre a Dispensação de Fitoterápicos e Plantas Medicinais em Porto Alegre/RS. Acta Farm, 24(2), 277-283.

IBGE. (2011). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Massi, L., & Queiroz, S. L. (2015). Iniciação científica: aspectos históricos, organizacionais e formativos da atividade no ensino superior brasileiro [online]. São Paulo: Editora UNESP.

Manenti, A.V. (2010). Plantas Medicinais utilizadas no tratamento da obesidade: uma revisão. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Nutrição) - Universidade do Extremo Sul Catarinense: UNESC.

Mancini, M. C. (2006). Obesidade: Tratamento. Projeto Diretrizes. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

Mendes K. D. S., Silveira, R, C, C, P., & Galvão, C. (2018). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, 17(4), 758-764.

Monego, E. T., Peixoto, M. R. G., Jardim, P. C. B. V., Sousa, A. L. L., Braga, V. L. N., & et al. (1996). Diferentes Terapias no Tratamento da Obesidade em Pacientes Hipertensos. Arq. Bras. Cardiol, 66(6), 343-347.

Moro, C. O., & Basile, G. (2000). Obesity and medicinal plants. Fitoterapia, 71, 73-82.

Organização Mundial da Saúde. (2000). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. Geneva, Switzerland: WHO.

Organização Mundial da Saúde. (2009). Obesity and overweight. Geneva: WHO.

Pinto, C. A., Silva, D. H. S., Bolzani, U. S., Lopes, N. P., & Epifânio, R.A. (2002). Produtos naturais: atualidade, desafios e perspectivas. Quim.Nova, 25 (5), 45-61.

.

Prado, C. N., Neves, D. R. J., Souza, H. D., & Navarro, F. (2010). O uso de fitoterápicos no tratamento da obesidade. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, 4(9), 14-21.

Rayalam, S., Della-fera, M.A., & Bail, C. A. (2008). Phytochemicals and regulation of the adipocyte life cycle. J. Nutri. Biochem, 19, 717-726.

Rezende, H. A., & Cocco, M. I. M. (2002). A utilização de fitoterapia no cotidiano de uma população rural. Rev Esc Enferm USP, 36(3), 282-288.

Sacramento, H. T. (2000). Fitoterapia nos serviços públicos do Brasil . In : Jornada Paulista de Plantas Medicinais Botucatu. Anais... Botucatu: UNESP, p.28.

Senger, A. E. V., Schwanke, C. H. A., & Gottlieb, M. G.V. (2010). Chá verde (Camellia sinensis) e suas propriedades. Scientia Medica, 20(4), 292-300.

Tomazzoni, M. I., Negrelle, R. R. B., & Centa, M. L. (2006). Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Texto Contexto Enferm, 15(1), 115-121.

Trombetta, I. C. (2003). Exercício físico e dieta hipocalórica para o Exercício físico e dieta hipocalórica para o paciente obeso: vantagens e desvantagens. Rev Bras Hipertens, 10(2), 130-133.

Weisheimer, N., Filho, P. F. C., Neves, R. P. C., Sousa, R. M., Pinto, D. S., & et al. (2015). Fitoterapia como alternativa terapêutica no combate à obesidade. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança, 13(1), 103-11.

World Health Organization. (2006) Child Growth Standards: length/height-for-age, weight-for-age, weight-for-lenght, weightfor-height and body mass index-for-age: methods and development. WHO (nonserial publication). Geneva, Switzerland: WHO.

Won, J. W. (2010). Possíveis terapêuticas anti-obesidade da natureza: uma revisão. Elsevier.

Bartel, T. E.;Silva, M. M.;Sturbelle, I. C. S.;Xavier, S. Q.;Dal Pai, D & et al. (2015). Dialogando Sobre Serviços de Saúde a Partir da Implantação do Acolhimento com Avaliação e Classificação de Risco: Relato de Experiência. Revista Baiana de Saúde Pública, 39(1), 164-173.

Bellucci Júnior, J. A.; Matsuda, L. M.; & Marcon, S. S. (2015). Análise do fluxo de atendimento de serviço hospitalar de emergência: estudo de caso. Revista Eletrônica de Enfermagem, 17(1), 108-116.

Bellucci Júnior, J. A.; Vituri, D. W.; Versa, G. L. G. Da S.; Furuya, P. S.; Vidor, R. C.; & et al. (2015).. Acolhimento com classificação de risco em serviço hospitalar de emergência: avaliação do processo de atendimento. Revista Enfermagem UERJ, 23(1), 82-87,

Caveião, C.; Hey, A. P.; Montezeli, J. H.; Barros, A. P. De M. M.;Sordi, J. A.; & et al. (2014). Desafios ao enfermeiro na implantação da classificação de risco em unidade mista. Revista de Enfermagem da UFSM, 14(1), 189-196.

Diniz, A. S.; Silva, A. P. Da; Souza, C. C. De S.; & Chianca, T. C. M. (2014). Demanda clínica de uma unidade de pronto atendimento, segundo o protocolo de Manchester. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, 16(2), 312-320.

Duro,C. L. M.;Lima, M. A. D.Da S.; & Weber, L. A. F. (2017). Opinião de enfermeiros sobre classificação de risco em serviços de urgência. Revista Mineira De Enfermagem, 21(2), 10-62.

Feijó, V. B. E. R.; Cordoni Junior, L.; Souza, R. K. T. De S.; & Dias, A. O. (2015). Análise da demanda atendida em unidade de urgência com classificação de risco. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, 39(106), 627-636.

Grupo Brasileiro De Classificação De Risco . (2015). Diretrizes para implementação do sistema Manchester de classificação de risco nos pontos de atenção às urgências e emergências: Como implementar o sistema de Manchester de classificação de risco em sua instituição de saúde - Segunda Edição Revisão para o Brasil.

Guedes, M. V. C.; Henriques, A. C. P. T.; & Lima, M. M. N. (2013). Acolhimento em um serviço deemergência: percepção dos usuários. Revista Brasileira deEnfermagem, Brasília, 66(1), 31-37.

Hermida, P. M. V.; Nascimento, E. R. P. Do; Echevarría-Guanilo, M. E.; Brüggemann, O. M.; & Malfussi, L. B. H. (2018).. Acolhimento com classificação de risco em unidade de pronto atendimento: estudo avaliativo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 52(2), 105-118.

Malfussi, L. B. H.; Bertoncello, K. C. G.Nascimento, E. R. P. Do.; Silva, S. G. Da.; Hermida, P. M. V.; & et al. (2018). Concordância de um protocolo institucional de avaliação com classificação de risco.Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, 27(1), 420-426,

Neto, A. V. De L.; Nunes, V. M. De A.; Fernandes, R. L; Barbosa, I. M. L.; & Carvalho, G. R. P. De. (2013). Acolhimento e humanização da assistência em pronto-socorro adulto: percepções de enfermeiros. Revista de Enfermagem da UFSM, 3(2), 276 - 286.

Oliveira, G.N.;Vancini-Campanharo, C. R.; Okuno, M. F. P.; & Batista, R. E. A. (2013). Cuidados de enfermagem baseados na avaliação e classificação de risco: concordância entre enfermeiros e protocolo institucional. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, 21(2), 500-506.

Oliveira, K. K. D. De.; Amorim, K. K. P. S.; Fernandes, A. P. N. De L.; & Monteiro, A. I. (2013). Impacto da implementação do acolhimento com classificação de risco para o trabalho dos profissionais de uma unidade de pronto atendimento. REME -Revista Mineira de Enfermagem, 17(1), 148-156.

Pagliotto, L. F.; Souza, P. B. De.; Thomazini, J. O.; Ortega, A. B. De A.; & et al. (2016). Classificação de risco em uma unidade de urgência e emergência do interior paulista. CuidArte Enfermagem, 10(2), 148-155.

Prudêncio,C. P.G.; Monteiro, R. A. Do N.; Ribeiro, B. C. M.; Gomes, M. S. M.; & Manhães, L. S. P. (2016). Percepção de enfermeira(o) sobre acolhimento com classificação de risco no serviço de pronto atendimento. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, 30(2), 1-10.

Rates, H. F.;Alves, M.; & Cavalcante, R. B. (2016). O processo de trabalho do enfermeiro no acolhimento com classificação de risco. REME - Revista Mineira de Enfermagem,v. 20(5), 1415-2762.

Rezende,M. R. M.; Ercole, F. F.; Mattos, S.S.De; & Donoso, M. T. V. (2016). Protocolo de Manchester em pronto atendimento de hospital escola. Revista Rene, 17(6),843-849.

Roncalli, A.A.; Oliveira, D. N. De; Silva, I. C. M., Brito, R. F.; & Viegas,S. M. (2017). Protocolo de Manchester e População Usuária na Classificação de Risco: Visão do Enfermeiro. Revista Baiana de Enfermagem, 31(2), 14-51.

Silva, A. P.; Diniz, A. S.;Araújo, F. A.; & Souza, C. C. (2013). Presença da queixa de dor em pacientes classificados segundo o protocolo de manchester. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 3(1), 507-517.

Souza, C. C. De; Araujo, F. A.; & Chianca, T. C. M. (2015). Literatura Científica sobre a Confiabilidade e Validade do Protocolo do Sistema de Triagem de Manchester (MTS): Uma Revisão Integrativa de Literatura. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(1), 144-151.

Souza, C. C. De.; Diniz, A. S.; Silva, L. De L. T.; Mata, L. R. F. Da.; & Chianca, T. C. M. (2014). Percepção do enfermeiro sobre a realização da classificação do risco no serviço de urgências. Investigación y Educación En Enfermería, Medellín, 32(1), 78-86.

Souza, C. C.; Mata, L. R. F. Da.; Carvalho, E. C. De.; & Chianca, T. C. M. (2013). Diagnósticos de enfermagem em pacientes classificados nos níveis I e II de prioridade do Protocolo Manchester. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(6), 1318-1324.

Published

13/02/2022

How to Cite

ANDRADE , J. S. .; MONTEIRO, S. C. .; MORAES, D. S. .; SILVA, K. T. S. .; FREITAS, T. C. C. .; NASCIMENTO, A. P. de O. .; NOGUEIRA, E. A. M. .; SCREMIN, M. .; ROCHA, F. L. F. .; NOGUEIRA, A. L. L. M. .; MOREIRA, L. G. .; DIAS, G. T. .; CORDEIRO , F. C. .; ALMEIDA, B. C. R. de .; MOTA, L. R. . The role of nurses in welcoming and risk classification in the hospital service. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e7311325540, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.25540. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25540. Acesso em: 15 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences