Gender violence in the city of Seropédica/RJ: delimitations on the “profile” of violence

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26549

Keywords:

Gender; Violence against Women; Seropédica; Public policy; Violence.

Abstract

The present work investigates a possible “profile” of violence against women in the municipality of Seropédica/RJ in different time arcs between 2006 and 2019. For its interpretation, we start from theoretical bases that allow us to elaborate a sense of violence against women as one of the manifestations of gender violence. At the same time, we present the legislation and governmental action of the municipality to identify how the theme develops governmentally, while comparing the databases on gender violence in Seropédica. The sense of work allows the public manager to subsidize a profile that comprises a form of violence built by the proximity of the relationship between the victim and the aggressor, in addition to their “invisibility” of the place where it occurs. Likewise, there is a clear context of violence that is not the object of consideration or intervention by the State (in this case, the municipality); while there are institutional mechanisms of mere governmental "appearance".

References

Araújo, M. F. (2008). Gênero e violência contra a mulher: o perigoso jogo de poder e dominação. Psicologia para América Latina, 14: 0-0.

Baptista, V. F. (2021a). Reconhecimento de direitos de pessoas trans: alternativas, políticas e ativismo teórico-judicial. Revista de Direito Brasileira, 28: 131-163.

Baptista, V. F. (2021b). Justicia, Familia y Cuidado: Apuntes Normativos en Políticas Públicas. Revista Chilena de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social, v. 12, p. 1-26.

Baptista, V. F & Santos, W. C. (2021c). Territórios, políticas e manipulações: a segurança pública no olhar da letalidade violenta no Estado do Rio de Janeiro. Revista Política e Planejamento Regional, 8: 377-401.

Baptista, V. F. (2020). The critique of justice in the debate between Nancy Fraser and Axel Honneth: notes toward a critical theory. Revista Argentina de Ciencia Política, 1: 37-62.

Baptista, V. F. (2019). Violência contra à mulher e perspectivas de ações programáticas: o sentido estrutural da violência direta e indireta. Gênero & Direito, 8(3): 214-236.

Bandeira, L. M. (2014). Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Sociedade & Estado, Brasília, 29(2):449-469.

Barufaldi, L. A. et al. (2017). Violência de gênero: comparação da mortalidade por agressão em mulheres com e sem notificação prévia de violência. Ciência & Saúde Coletiva, 22(9): 2929-2938.

Battisti‚ C. R. & Lohmann‚ P. M. (2020.) Análise dos indicadores de violência contra a mulher provenientes das notificações de violência da 16ª Coordenadoria Regional de Saúde. Research, Society and Development, 9(2): 1-20.

Cordeiro‚ N. J.S. et al. A violência intrafamiliar e os reflexos na educação: uma proposta ou um desafio para a cultura de paz. Research, Society and Development, 9(6): 1-17.

Garcia, L. P. (2016). A magnitude invisível da violência contra a mulher. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25(3): 451-454.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2018). Perfil dos Municípios (Seropédica).

Lima, L. A. A. et al. (2016). Marcos e dispositivos legais no combate à violência contra a mulher no Brasil. Revista de Enfermagem Referência, 4(11): 139-146.

Michau, L. et al. (2015). Prevention of violence against women and girls: Lessons from practice. The Lancet, 385(9978): 1672-1684.

Richardson, R. J. et al. (2007). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. rev. ampliada. São Paulo: Atlas.

Saffioti, H. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Saffioti, H; Almeida, S. (1995). Violência de gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro: Revinter.

Scott, J. (1998). Gender and the Politics of History. New York: Columbia University Press.

Sebaldeli‚ A. C. G.; Ignotti‚ E. & Hartwig‚ S. V. (2021). Violência contra a mulher em uma cidade da fronteira do Brasil. Research, Society and Development, 10(3): 1-14.

Segato, R. (2003). Las estructuras elementales de la violencia: ensayos sobre gênero entre antropologia, psicoanálisis y derechos humanos. Buenos Aires: Prometeo.

Seropédica [Município]. (2019). Lei nº 662 de 28 de dezembro de 2018. Institui o Plano Plurianual da Administração Pública Municipal para o período de 2018 a 2021 e dá outras providências. Diário Oficial de Seropédica de 9 de fevereiro de 2019.

Seropédica [Município]. (2019). Lei nº 661 de 8 de janeiro de 2019. Estima a receita e fixa a despesa do município de Seropédica para o exercício de 2019. Diário Oficial de Seropédica de 8 de janeiro de 2019.

Seropédica [Município]. (2014). Lei nº 496 de 17 de dezembro de 2013. Institui o Plano Plurianual da Administração Pública Municipal para o período de 2014 a 2017 e dá outras providências.

Seropédica [Município]. (2011). Lei nº 419 de 26 de dezembro de 2011. Dispõe sobre criação do Núcleo Integrado de Atendimento à Mulher – NIAM.

Seropédica [Município]. (2005). Lei nº 272 de 27 de abril de 2005. Cria o Conselho Municipal de Seropédica do Direito da Mulher.

Silva‚ A. F. C. et al. (2020). Violência doméstica contra a mulher: contexto sociocultural e saúde mental da vítima. Research, Society and Development, 9(3): 1-17.

Silva‚ B. C.; Ramos‚ E. M. L. S. & Souza‚ J. C. (2020). A violência virtual contra vítimas mulheres de Belém/Pará. Research, Society and Development, 9(8): 1-20.

Steiner, H. (2000). International Human Rights in Context: Law, Politics and Morals. Second edition, Oxford: Oxford University Press.

White, M. & Satyen, L. (2015). Cross-cultural differences in intimate partner violence and depression: A systematic review. Aggression and Violent Behavior, 24: 120–130.

World Health Organization (WHO). (2013). Global and regional estimates of violence against women prevalence and health effects of intimate partner violence and non-partner sexual violence. Geneva: WHO.

Young, I. M. (1990). Justice and the politics of difference. Princeton: Princeton University Press,

Young I. M. (2010). Inclusion and democracy. New York: Oxford University Press.

Young, I. M. (2011). Responsability for justice. New York: Oxford University Press.

Published

20/02/2022

How to Cite

BAPTISTA, V. F. . Gender violence in the city of Seropédica/RJ: delimitations on the “profile” of violence. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e24611326549, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26549. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26549. Acesso em: 15 jun. 2024.

Issue

Section

Human and Social Sciences