Therapeutic itineraries of hanseníasis in Sergipe, Brazil: between the years 2016-2020

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26760

Keywords:

Leprosy; Public health; Pharmacological treatment.

Abstract

Study with the objective of identifying the number of adherence and abandonment of leprosy treatment in the State of Sergipe through the records available in the computer department of SUS (DATASUS). This is an epidemiological study of the ecological type with territorial basis of analysis the seven health regions of the State of Sergipe: Aracaju, Estância, Itabaiana, Lagarto. Nossa Senhora de Lourdes, Nossa Senhora do Socorro and Propriá. The search included studies published in English and Portuguese available in the Scielo, Lilacs and PubMed databases, using the descriptors "Leprosy", "Public Health", "Pharmacological treatment" with the Boolean operator "and". A total of 16,232 doses administered in the period 2016-2020 were identified, Aracaju is the region with the highest number of treatment abandonment with (67%) of cases, the lowest number is registered in the region of Nossa S. da Glória with 1 case (0.2%). Regarding adherence, men were the ones who adhered the most (59%). Thus, health education actions are necessary, clear guidelines that place the individual as the protagonist of their treatment.

References

Anchieta J. J. S, Costa L. M. M., Campos L. C. et al. (2018). Análise da tendência dos indicadores da hanseníase em estado brasileiro hiperendêmico, 2001-215. Rev Saúde Pública. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102019000100251&script=sci_arttext&tlng=pt.

Brasil. Nota técnica nº. 4/2020-CGDE/DCCI/SVS/MS, de 27 fevereiro de 2020. Ampliação de uso da clofazimina para hanseníase paucibacilar no âmbito do Sistema Único de Saúde, 2020.

Bedaque, H. P., & Bezerra, E. L. M. (2018). Descomplicando MBE: uma abordagem prática da Medicina Baseada em Evidências. Caule de Papiro, 2018.

Carneiro D. F., Silva M. M. B., Pinheiro M. et al. (2017). Itinerários terapêuticos em busca do diagnóstico e tratamento da hanseníase. Rev Baiana Enferm. (2017), 31(2):e1754. https://periodicos.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/17541.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução nº. 510, de 7 de abril de 2016, do. Normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União. 7 Abr 2016.

Cruz G. C., Macedo P. O., Dourado T. L., et al. (2018). Estudo epidemiológico das formas clínicas de hanseníase: Um panorama histórico e atual. Rev Eletrônica Saúde multidisciplinar. http://revistas.famp.edu.br/revistasaudemultidisciplinar/article/view/89.

Costa A. K. A. N., Pfrimer I. A. H., Menezes A. M. F. et al. (2019). Aspectos Clínicos E Epidemiológicos Da Hanseníase. Rev enferm UFPE on line. Recife, 13(1):353-62.

Eidt M. L. (2004). Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública. Rev Saúde e Sociedade. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902004000200008&script=sci_abstract&tlng=pt.

Filho T. A., Souza M. M., Sousa V. A. et al. (2020). Efeitos adversos à poliquimioterapia em pacientes com hanseníase atendidos nas unidades básicas de saúde. Educação Ciência e Saúde. http://periodicos.ces.ufcg.edu.br/periodicos/index.php/99cienciaeducacaosaude25/article/view/254Governo de Sergipe (Brasil), Secretaria do Estado da Saúde. Plano Estadual de Saúde com vigência de 2016 a 2019.

Maricato G. (2019). Entre uma nova epidemia e uma velha endemia: notas sobre as ações dos movimentos de pessoas atingidas pela hanseníase ao longo da pandemia da COVID-19. Rev Cadernos de Campo. https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/about.

Ministério da Saúde (Brasil), DATASUS: departamento de informática do sistema único de saúde http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico- Hanseníase. 1. ed. Brasília (DF), 2021.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância e Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase. Brasília (DF), 2017.

Moreira R. S., Costa J. S., Junior V. T. M. et al. (2019). Tendência temporal da hanseníase em Aracaju, Sergipe, Brasil. Rev de Epidemiologia e Controle de Infecção, https://online.unisc.br/seer/index.php/epidemiologia/article/view/11957.

Matias S. A. (2014). Análise epidemiológica e socioeconômica da incidência da hanseníase na população de Maceió – 2007 a 2012. Attena. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11552

Nery, J. S., Ramond, A., Pescarinni, J. M. et al. (2019). Socioeconomic determinants of leprosy new case detection in the 100 Million Brazilian Cohort: a population-based linkage study. Rev the lancet global health. Vol. 7, issue 9, e1226-e1236. https://www.thelancet.com/journals/langlo/article/PIIS2214-109X(19)30260-8/fulltext.

Passos A. L. V., & Araújo L. F. (2018). Representações Sociais da hanseníase: um estudo psicossocial com moradores um antigo hospital colônia. Interações. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-70122020000100093.

Ribeiro M. D. A., Silva J. C. A., & Oliveira S. B. (2018). Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: uma reflexão sobre as metas de eliminação. Rev Saúde Pública. https://www.scielosp.org/article/rpsp/2018.v42/e42/.

Rolim M. F. N., Abrantes V. E. F., Pereira G. S. A. et al. (2016). Fatores relacionado ao abandono ou interrupção do tratamento da hanseníase. Rev Journal of medicine. https://www.researchgate.net/publication/318648233.

Silva J. M. S., Nascimento D. C., Moura J. C. V. et al. (2021). Atenção às pessoas com hanseníase frente a pandemia da covid-19: uma revisão narrativa. Rev eletrônica Acervo Saúde. https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/6124.

Sousa A. A., Oliveira F. J. F., Costa A. P. J. et al. (2013). Adesão ao tratamento da hanseníase por pacientes acompanhados em unidades básicas de saúde de Imperatriz-MA. Rev de políticas públicas -SANARE. https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/322.

Published

08/03/2022

How to Cite

SANTOS, G. V. da S. .; SANTOS, A. M. da C. dos .; SILVA , L. M. da .; SANTOS , D. M. S. . Therapeutic itineraries of hanseníasis in Sergipe, Brazil: between the years 2016-2020 . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e58611326760, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26760. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26760. Acesso em: 17 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences