Mother’s perception about the first treatment received at a specialized craniofacial anomalies service

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.27605

Keywords:

First care; Humanization; Craniofacial anomaly; Multiprofessional team.

Abstract

The present study aims to identify the mothers of patients with craniofacial anomalies' perception about the first attendance in a rehabilitation service in the western region of Paraná. This is a qualitative-quantitative and exploratory research, of narrative review, using the Content Analysis method proposed by Bardin and statistical analysis of percentages. Semi-structured interviews were used to collect qualitative data and quantitative data were collected from the applied socionomic study. The population consisted of 20 mothers, of patients aged between 0 and 2 years, inserted in the rehabilitation service. Regarding the mothers' profile, the data show most are young, with medium and low education, in which a significant portion is exclusively dedicated to housework and child care. As for the characteristics of the family group, a low-income profile stands out, in which 75% of the mothers interviewed have up to 2 children, 65% live on rent and 25% are beneficiaries of a social income transfer program. The mothers' perception of the first care reveals that there was a change in feelings. Initially, when they arrived at the service, they felt nervous, afraid and shaken. After the multidisciplinary team’s intervention, they reported feelings of tranquility, happiness and safety. The team's work is perceived as welcoming and trust-promoting. The importance of the work carried out in the promotion of doubts' clarification regarding the different areas involving the treatment is highlighted. It is evident that the mothers' first care experience in the specialized service is perceived as positive and points to the formation of a bond with the technical team.

References

Almeida, M. I., Molina, R. C. M., Vieira, T. M. M., Higarashi, I. H., & Marcon, S. S. (2006). O ser mãe de criança com doença crônica: realizando cuidados complexos. Escola Anna Nery [online], v. 10, n. 1, p. 36-46. https://doi.org/10.1590/S1414-81452006000100005.

Alves-Mazzotti, A. J. A. (2002). A revisão bibliográfica em teses e dissertações: meus tipos inesquecíveis – o retorno. In: Bianchetti, L., & Machado, A. M. N. (Org.). A bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação de teses e dissertações. São Paulo: Cortez, v. 1, n. 5, p. 25-44.

Barduzzi, R. M., Razera, A. P. R., Farinha, F. T., Bom, G. C., Manso, M. M. F. G., & Trettene, A. dos S. (2021). Psychosocial repercussions experienced by parents who care for infants with syndromic orofacial clefts. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil [online], v. 21, n. 4, p. 1093-1099. https://doi.org/10.1590/1806-93042021000400008.

Bolla, B. A., Fulconi, S. N., Baltor, M. R. R., & Dupas, G. (2013). Cuidado da criança com anomalia congênita: a experiência da família. BAURU-SP, p.285.

Boztepe, H., Çınar, S., & Özgür, F. F. (2020). Parenting Stress in Turkish Mothers of Infants With Cleft Lip and/or Palate. The Cleft palate-craniofacial journal : official publication of the American Cleft Palate-Craniofacial Association, 57(6), 753–761. https://doi.org/10.1177/1055665619898592

Brasil. (2017). Guia de Políticas e Programas. Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDSA), p.12.

Cavalcante, R. B., Calixto, P., & Pinheiro, M. M. K. (2014). Análise de conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Rev. Inf. & Soc. 24(1), 13-8.

Colares, V., & Richman, L. (2002). Fatores psicológicos e sociais relacionados às crianças portadoras de fissuras labiopalatais. Pediatr Mod, 38(11):513-6.

Estrela, C. (2005). Metodologia científica. Porto Alegre: Artes Médicas, 2.ed.

Fávero, E. T. (2003). O estudo social: fundamentos e particularidades de sua construção na área judiciária. In: Conselho Federal de Serviço Social. O estudo social em perícias, laudos e pareceres técnicos: contribuição ao debate no judiciário, penitenciário e na previdência social. Ed. Cortez.

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(1), 17-27.

Garnica, A. V. M. (1997). Some notes on qualitative research and phenomenology. Interface Comunicação, Saúde, Educação, v.1, n.1.

Graciano, M. I. G., Tavano, L. D. A., & Bachega, M. I. (2007). Aspectos psicossociais da reabilitação. In: Trindade, I. E. K., & Silva Filho, O. G. Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. São Paulo: Santos; p. 311-33.

Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - Universidade de São Paulo (HRAC-USP). (2021). Fissura labiopalatina. Campus Bauru - SP. https://hrac.usp.br/saude/fissura-labiopalatina/

Kapp-Simon, K. A. (2002). Psychological care of children with cleft lip and palate in the family. In: Wyszynski, D. F., editor. Cleft lip and palate: from origin to treatment. New York: Oxford University, p. 412-23.

Ludke, M., & Andre, M. E. D. A. (2013). Pesquisa em educação: uma abordagem qualitativa. São Paulo: EPU, 2.ed.

Matos, F. G. D. O. A., dos Santos, K. J. J., de Melo Baltazar, M. M., Fernandes, C. A. M., Marques, A. F. J., & da Luz, M. S. (2020). Perfil epidemiológico das fissuras labiopalatais de crianças atendidas em um centro de referência paranaense. Revista de Enfermagem da UFSM, 10, 28.

Mesquita, S. T. (2005). (Re) conhecendo os hospitais de alta complexidade na área de lesões labiopalatais e a presença do serviço social: um retrato do Brasil [tese]. Franca: Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

Minayo, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. São Paulo (SP), v. 5, n. 7, p. 01-12, abril.

Monlleó, I. L., & Gil-da-Silva-Lopes, V. L. (2006). Anomalias craniofaciais: descrição e avaliação das características gerais da atenção no Sistema Único de Saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 913-922, maio.

Moraes, M. C. A. F., Buffa, M. J. M. B., & Motti, T. F. G. (2009). As atividades expressivas e recreativas em crianças com fissura labiopalatina hospitalizadas: visão dos familiares. Revista Brasileira de Educação Especial [online], v. 15, n. 3. https://doi.org/10.1590/S1413-65382009000300009.

Noronha, D. P., & Ferreira, S. M. S. P. (2000). Revisões de literatura. In: Campelo, B. S., Condón, B. V., & Kremer, J. M. (ORGS) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: UFMG.

Pereira, A. D., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica [recurso eletrônico]. Santa Maria, RS : UFSM, NTE (1. ed.), p.67-69. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Silva Filho, O. G., Ferrari Junior, F. M., Rocha, D. L., & Freitas, J. A. S. (1992). Classificação das fissuras labio-palatais: breve histórico, considerações clínicas e sugestão de modificação. Revista Brasileira de Cirurgia, 82( 2 ), 59-65.

Sunelaitis, R. C., Arruda, D. C., & Marcom, S. S. (2007). A repercussão de um diagnóstico de síndrome de Down no cotidiano familiar: perspectiva da mãe. Acta Paulista de Enfermagem [online], v. 20, n. 3, p. 264-271. https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000300004.

Taquette, S. R., Minayo, M. C. S., & Rodrigues, A. O. (2015). Percepção de pesquisadores médicos sobre metodologias qualitativas. Cad. Saúde pública, v. 31, n. 4, p. 1-11.

Vanz, A. P., & Ribeiro, N. R. R. (2010). Escutando as mães de portadores de fissuras orais. Revista da Escola de Enfermagem da USP. v. 45, n. 3, p. 596–602, outubro.

Published

21/04/2022

How to Cite

VILLACA, D. M. R.; PELIZZONI, A. V. .; COELHO, R. T. .; BALTAZAR, M. M. de M. . Mother’s perception about the first treatment received at a specialized craniofacial anomalies service. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e8711627605, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.27605. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/27605. Acesso em: 25 may. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences