Analysis of vegetation use in slopes containment

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28510

Keywords:

Erosive processes; Slopes; Stability; Teaching.

Abstract

The objective of this work was to promote contextualization, to gather technical, normative, and practical information that can contribute to technicians and academics in the area of ​​civil engineering to raise awareness about the importance of adequate studies and projects for the stabilization of slopes. To achieve the objective of this work, an updated review of the subject was chosen, through bibliographical research of the literature. Slopes, in turn, are classified as the inclined surface of a block of soil or rock. In addition, they can be natural, slopes or cases of slopes, natural or artificial, embankments or cut slopes. Three factors act simultaneously to give stability to a slope or slope: its geometry, its geological properties, and the environmental conditions of the territory where it is located. Vegetation has important importance for the stability of slopes to be protected since the removal of the vegetation itself can cause risk areas. Among these risks are erosions that are classified as erosion by raindrop collision (splash), laminar or sheet erosion, linear erosion, or concentrated flow. The use of slopes covered with vegetation has been an important means of avoiding surface erosion, being considered a prevention technique, where grass planting is a low-cost and easy-to-perform technique. Thus, the vegetation favors the constancy of the soil, especially due to the increase in shear strength due to the contribution offered by the roots.

Author Biographies

Paleonar Dias Neres, Universidade de Gurupi

Estudante do curso de Engenharia Civil, da Universidade de Gurupi-TO, UNIRG.

Juliana Alves Lima, Universidade de Gurupi

Graduanda do curso de Engenharia Civil da Universidade de Gurupi-TO, UNIRG.

Camila Ribeiro Rodrigues, Universidade de Gurupi

Engenheira Civil pelo Centro Universitário Luterano de Palmas (2013), Especialista em Saneamento Ambiental pela Universidade Federal do Tocantins (2016), Mestra em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Tocantins (2019). Atualmente é professora assistente da Universidade de Gurupi (Unirg). Desenvolve pesquisas na área de tecnologia ambiental.

References

ABNT, N. (2009). ISO 31000 Gestão de riscos: Princípios e diretrizes. Committee Draft of ISO, 31000.

ABNT. (1989). NBR 10703; degradação do solo terminologias. ABNT.

ABNT. (2009). NBR 11682: Estabilidade de encostas.

Almeida, A. D. C. (2016). Avaliações orçamentárias para estabilização de talude na rodovia BR-230. Trabalho de conclusão de curso. 2016. Universidade Federal da Paraíba.

Araujo, G., Almeida, J. & Guerra, A. (2005). Gestão ambiental de áreas degradadas. Bertrand Brasil.

Augusto Filho, O. & Virgili, J. C. (1998). Estabilidade de taludes. In: Oliveira, A. M. S.; Brito, S. N. A. (Eds.) Geologia de Engenharia. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia. p. 243-269.

Azevedo, G. F. (2011). Análise da Relação Chuva-Escorregamentos em Regiões Tropicais Montanhosas Urbanas, Caso de Estudo Rio de Janeiro, Brasil. Dissertação de Mestrado, Publicação G.DM - 198/11. Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 120p.

Barbosa, M. C. R. & De Lima, H. M. (2013). Resistência ao cisalhamento de solos e taludes vegetados com capim vetiver. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 37(1), 113-120.

Caputo, H. P. (1989). Mecânica dos solos e suas aplicações. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos Editora Ltda, (6a ed.) 1.

Caputo, H. P. (2008). Mecânica dos solos e suas aplicações. Fundamentos. (6a ed.) Livros Técnicos e Científicos. Volume 1.

Carvalho, P. A. S. (1991). Manual de geotecnia: Taludes de rodovias: orientação para diagnóstico e soluções de seus problemas. São Paulo: Departamento de Estradas e Rodagens do Estado de São Paulo, Instituto de Pesquisa Tecnológicas, 388 p. (Publicação IPT; n.1843).

Carvalho, S. R., Dias, P. F. & Aronovich, S. (1993). Importância de gramíneas forrageiras perenes na recuperação de solos degradados. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 30, 1993, Rio de Janeiro. Anais. Niterói: Sociedade Brasileira de Zootecnia.

Coelho, A. T. (2007). Efeitos da vegetação herbácea associada a técnicas de bioengenharia de solos no controle de erosão em margens de áreas de reservatório da UHE Volta Grande, nos municípios de Água Comprida/MG e Miguelópolis/SP. Tese de Doutorado. Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais.

Couto, L., Gonçalves, W., Coelho, A. T., Paula, C. C., Garcia, R. Azevedo, R. F., Locatelli, M. V., Advíncula, T. G. L., Brunetta, J. M. F., Costa, C. A. B., Gomide, L. C. & Motta, P. H. (2010). Técnicas de Bioengenharia para Revegetação de Taludes no Brasil. Boletim Técnico CBCN, Viçosa, n.1.

Cunha, M. A. (1991). Ocupação de encostas. São Paulo. Instituto de Pesquisas Tecnológicas. São Paulo.

Dutra, V. A. S. (2013). Projeto de Estabilização de Taludes e Estruturas de Contenção englobando Dimensionamento Geotécnico e Estrutural. 83 p. Rio de Janeiro: UFRJ/Escola Politécnica.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA (2000). Fertilidade de Solos. Interpretação de resultados de análise do solo.

Gerscovich, D. (2012) Estabilidade de Taludes. 1.ed. Rio de Janeiro: Oficina de Textos, Rio de Janeiro.

Guidicin I, G. & Nieble, C. M. (2016). Estabilidade de taludes. (2a ed.) Oficina de Textos.

Guidicini, G. & Nieble, C. M. (1983). Estabilidade de taludes naturais e de escavação. Editora Edgar Blücher.

Guidicini, G. (1984). Estabilidade de Taludes naturais e de Escavação. Editora da USP.

Holanda, F. S. R., Rocha, I. P. & Oliveira, V. S. (2008) Estabilização de taludes marginais com técnicas de bioengenharia de solos no Baixo São Francisco. REVISTA BRASILEIRA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. 12(6).

Lemes, M. R. T. (2001). Revisão dos efeitos da vegetação em taludes. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Magalhães, T. A. & Azevedo, C. P. B. (2016). Análise Técnica e Econômica de Estruturas de Contenção de Taludes. In XVIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica.

Massad, F. (2003). Obras de Terra – Curso Básico de Geotecnia. Editora Oficina de Textos.

Mineiro, T. C., Calado, G. M. C., Guimaraes, W. L., Souza,A. B. de & Oliveira, S. M. F (2021) . Geomechanical classification and stability analysis of road slopes in rock masses in stretches of the PE-160 and BR-104 roadways. Research, Society and Development, 10(16), e209101623637.

Motamedi, M. & Liang, R.Y. (2014). Probabilistic landslide hazard assessment using copula modeling technique. Landslide, 11(4): 565-573.

Mouzai, L. & Bouhadef, M. (2011). Shear strength of compacted soil: effects on splash erosion by single water drops. Earth Surface Processes and Landforms. v. 36, 87–96.

Ocampo-Araya, M. D. C. (2016). Sistema de Classificação Geotécnica de Encostas para Projetos de Estradas Baseado no Índice de Qualidade HSQI: Aplicação na Costa Rica [Distrito Federal]. Dissertação de Mestrado, Publicação G.DM-266/16, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 135 p.

Prandini, L. F., Guidicini, G., Bottura, J. A., Ponçano, W. L., & Santos, A. R. (1976). Atuação da cobertura vegetal na estabilidade de encostas: uma resenha crítica. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT, 38p. (Relatório n.1074).

Samia, J., Temme, A., Bregt, A., Wallingab, J., Guzzettie, F., Ardizzonee, F., & Ross, M. (2017). Characterization and quantification of path dependency in landslide susceptibility. Geomorphology, p.16 – 24.

Santos, S. N., Gerscovich, D. M. S., Danziger, B. R. & Ribeiro, D. S. (2012). Previsão da Carga Transmitida a Dutos Enterrados Utilizando Métodos Analíticos e Numéricos. In: XV Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica, Porto de Galinhas. XV COBRAMSEG.

Silva Neto, M. A., Villwock, R., Scheer, S., Steiner, M. T. A. & Dyminski, A. S (2010). Técnicas de mineração visual de dados aplicados aos dados de instrumentação da barragem de Itaipu. Gestão & Produção, 17 (4), 721-734.

Tabalipa, N. L., & Fiori, A. P. (2008). Influência da vegetação na estabilidade de taludes na bacia do Rio Ligeiro (PR). Geociências, 27(3).

Published

18/04/2022

How to Cite

NERES, . P. D. . .; LIMA, J. A.; RODRIGUES, C. R. . Analysis of vegetation use in slopes containment. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e2111628510, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28510. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28510. Acesso em: 1 jul. 2022.

Issue

Section

Review Article