Water demand of table tomato in the municipality of Paranapuã-SP at different planting times

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28797

Keywords:

Solanum lycopersicum L.; Evapotranspiration; Irrigation.

Abstract

Tomato is one of the most cultivated vegetables in Brazil, there are several varieties and production systems, so that there are no low yields in crops it is necessary to ensure the water requirement of the culture. The objective of this work was to determine the demand and water footprint of table tomato based on the simulation of crops for the municipality of Paranapuã-SP at different times of the year. The municipality of Paranapuã-SP was established as the study area, climatic data were obtained from the UNESP CLIMA Channel. The simulations of planting times were performed using the CROPWAT 8.0 software. The water demand of tomatoes per cycle is higher considering planting in January (347.3 mm) and lower when planting in April (263.8 mm), the blue water footprint increases as planting is postponed, depending on the need to supply the water demand of the crop with the application of water via irrigation.

References

Affonso, G. S., Basseto, P., Do Espírito Santo, R. S. (2016). Fatores de Produção que influenciam na produtividade e na qualidade do tomate. X Encontro de Engenharia de Produção Agroindustrial, setembro de 2016.

Alvarenga, M. A. R. (2013). Tomate: Produção em campo, casa de vegetação e hidroponia. 2.ed. Lavras: Editora Universitária de Lavras, p. 455.

Allen, R. G., Pereira, L. S., Raes, D. & Smith, M. (1998). Crop evapotranspiration: guidelines for computing crop water requirements. Rome: FAO. 300p. (Irrigation and Drainage Paper, 56).

Ayankojo, I. T. & Morgan, K. T. (2020). Increasing Air Temperatures and Its Effects on Growth and Productivity of Tomato in South Florida. Plants. 9 (1245), 1-16.

Blanca, J.,Monteiro, P. J., Sauvage, C., Bauchet, G., Illa, E., Díez, M. J., Francis, D., Causse, M., Knapp, E. V. D. & Cañizares, J. (2015) Genomic variation in tomato, from wild ancestors to contemporary breeding accessions. BMC Genomics, (15), 257-272.

Brandão Filho, J. U. T., Goto, R., Braga, R.S. & Hachamann, T. L. Solanáceas. Maringá/2018. Disponível em: https://doi.org/10.7476/9786586383010.0004. Acesso em: 01.nov.2021.

Borba, M. E. A. Seleção de genótipos de tomateiro visando tolerância do estresse por deficiência hídrica. 57 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) -Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.

Carvalho, C. R. F. et al. (2014) Viabilidade econômica e de risco da produção de tomate no município de Cambuci/RJ, Brasil. Ciência Rural, 4(12), 2293- 2299.

Choi, S. H., Kim, D. S., Kozukue, N., Kim, H. J. (2014). Protein, free amino acid, phenolic, b-carotene, and lycopene content, and antioxidative and cancer cell inhibitory effects of 12 greenhouse-grown commercial cherry tomato varieties. Journal of Food Composition and Analysis, 34(2),15-127.

Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). (2019). A Cultura do Tomate.. Disponível em: https://www.embrapa.br/hortalicas/tomate-de-mesa/cultivares2.

Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). (2006). Cultivo do tomate para industrialização. Embrapa Hortaliças Sistemas de Produção, 1 - 2ª Edição, 2006 Disponível em: https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Tomate/TomateIndustrial_2ed/clima.htm#tabela1.

Ferreira,R.L., Forti, V.A., Silva, V.N., Mello, S.C. (2013). Temperatura inicial de germinação no desempenho de plântulas e mudas de tomate. Ciência Rural, 43 (7), 1189-1195.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. (2010). CROPWAT 8.0 model. Disponível em: www.fao.org/nr/water/infores_ databases_cropwat.html.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021). Cidades, Paranapuã. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/sp/paranapua.html.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021) A produção de tomate em âmbito nacional/ Tabela 5457 - Área plantada ou destinada à colheita, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção das lavouras temporárias e permanentes. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/5457.

Korn, S. U. Evaluación de enmiendas orgánicas sobre el suelo y en el cultivo de tomate (Lycopersicum esculentum Mill). (2021). Trabajo de fin de curso (Graduación en Ingeniero Agrónomo). Universidad Nacional de La Plata, 2017. Disponível em: http://sedici.unlp.edu.ar/handle/10915/64137.

Lucidarme, M. Mapa de uso dos cultivares de tomate do Brasil. (2018). Trabalho de Conclusão de curso (Bacharelado em Engenharia Agronômica). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz- Universidade de São Paulo, 2018.

Nogueira, A. G. Desempenho Agronômico de Híbrido de Tomate (Solanum lycopersium L.) Sob Níveis de Reposição Hídrica. (2018). Dissertação de Mestrado em Irrigação no Cerrado – Instituto Federal Goiano, Campus Ceres - Goiás, 2018.

Peixoto, J. V. M. et al. (2017). Tomaticultura: Aspectos morfológicos e propriedades físico-químicas do fruto. Revista Científica Rural, 19, (1), 96–117.

Philippi, S.T. (2016). Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. Barueri: Manole, 5.ed. rev. e atual.

Rech, G. (2020). Análise dos choques aleatórios sobre o preço do tomate no município de Caxias do Sul entre 2000 e 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Econômicas). Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul.

Reis, A., Santos, A. C., Anache, J. A. A., Mendiondo, E. M., Wendland, E. C. (2020). Water footprint analysis of temporary crops produced in São Carlos (SP), Brazil. Revista Brasileira de Recursos Hídricos. 25 (33), 1-17.

Reis, L. S. Souza, J. L., Azevedo, A. V. C. (2009). Evapotranspiração e coeficiente de cultivo do tomate caqui cultivado em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 13(3), 289–296.

Rolim, G.S., Sentelhas, P.C., Barbieri, V. (1998).Planilhas no ambiente EXCEL para os cálculos de balanços hídricos: normal, sequencial, de cultura e de produtividade real e potencial. Revista Brasileira de Agrometeorologia, 6(1), 133-137.

Santana, M. J., Vieira, T. A., Barreto, A. C., Cruz, O. C. (2010). Resposta do tomateiro irrigado a níveis de reposição de água no solo. IRRIGA, 15(4), 443–454.

Schmidt, D, Zamban, DT, Prochnow, D, Caron, Bo, Souza, VQ, Paula, GM, Cocco, C. (2017). Caracterização fenológica, filocrono e requerimento térmico de tomateiro italiano em dois ciclos de cultivo. Horticultura Brasileira, 1(35), 089-096.

SILVA, A. M. (2015). Metodologia da Pesquisa. EdUEC, v. 2, p. 110,

Silva, D. J. H. D. A. (2015). Produção de frutos de tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill) em quatro sistemas de cultivo. Ceres, 44(252), 1-9.

Silva Junior, A. R., Ribeiro, W. M., Nascimento, A. R., Souza, C. B. (2015). Cultivo do tomate industrial no estado de Goiás: evolução das áreas de plantio e produção. Conjuntura Econômica Goiana, 1(34) 97-109.

Sol Geomics Network. Tomato QTL Map. (2018). Disponível em: https://solgenomics.net/cview/map.pl?map_id=34&show_offsets=1&show_ruler=1

Thornthwaite, C.W., Mather, J.R. (1955). The water budget and its use in irrigation. In: The Yearbook of Agriculture - Water. Washington, D.C., Department of Agriculture, 346-358.

Vargas, E. M., Navarini, J. (2019). Processo de extração e biodisponibilidade do licopeno no fruto do tomate in natura e em forma de molho utilizando óleo vegetal como co-solvente. In: IX SIEPEX-IX Salão Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2019. Disponível em: http://conferencia.uergs.edu.br/index.php/IXSIEPEX/IXSIEPEX/paper/view/3322.

Published

24/04/2022

How to Cite

MARTINS FILHO, J. B.; CREMASCO, C. P. .; NORIS, F. J. .; SANTOS, R. M. dos .; SANTOS, J. S. P. dos .; DAL PAI, A. .; DAL PAI, E. . Water demand of table tomato in the municipality of Paranapuã-SP at different planting times. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e18111628797, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28797. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28797. Acesso em: 22 may. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences