First hour of life: assistance to newborns in public maternity hospitals

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28838

Keywords:

Newborn; Nursing care; Maternity hospitals; Health programs; Neonatal nursing.

Abstract

Objective: Identifying care provided to newborns in the first hour of life in two public maternity hospitals. Methodology: A quantitative, cross-sectional, descriptive study, aligned with a cohort, with 299 women attended in two public maternity hospitals in a municipality in the North of the State of Paraná, conducted from August to December 2017. Results: In the first hour of life, 70% of the babies were placed in skin-to-skin contact, among the reasons for not performing cesarean section with 54.4%. At birth 79.3% of the newborns were placed to suck in the mother’s breast. 86.3% newborns were submitted to interventions, 94.2% of which underwent nasopharynx and oropharynx aspiration. Conclusion: Care for the newborn has been occurring, requiring some improvement. Skin-to-skin contact and placement of the baby to suck the mother’s breast had expressive indexes but did not reach its entirety. The cesarean route and the high number of interventions were a hindrance to some care.

Author Biographies

Maicon de Moraes de Miranda, Universidade Estadual de Londrina

Enfermeiro. Mestre em Enfermagem, pela Universidade Estadual de Londrina – UEL. Londrina, Paraná, Brasil.

Juliane Pagliari Araujo, Universidades Estadual de Londrina

Enfermeira. Mestre em Biociências e Saúde pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste. Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Estadual de Londrina. Professora do Colegiado de Enfermagem do Instituto Federal do Paraná - Campus Londrina. 

Rosangela Aparecida Pimenta Ferrari, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo-EEUSP. Professora associada no Departamento de Enfermagem na área de saúde da criança e do adolescente, no programa de Pós-graduação em Enfermagem, nível Mestrado e Doutorado. Londrina, Paraná, Brasil.

Sebastião Caldeira, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutor em Enfermagem pela Universidade de São Paulo, USP. Professor Associado do Curso de Enfermagem na Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste e Docente no Mestrado - Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Saúde Pública em Região de Tríplice Fronteira Unioeste, Foz do Iguaçu PR. Cascavel, Paraná, Brasil.

Adriana Valongo Zani, Universidade Estadual de Londrina

Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP.  Professor adjunto da Universidade Estadual de Londrina - UEL no Departamento de Enfermagem na área de saúde da criança e do adolescente, no programa de Pós-graduação em Enfermagem, nível Mestrado e Doutorado.  Coordenadora e docente da Residência em Enfermagem Neonatal da UEL.

References

Abdala, L. G., & Cunha, M. L. C. (2018). Contato pele a pele entre mãe e recém-nascido e amamentação na primeira hora de vida. Clin. biomed. res, 38 (4), 356-360. https://doi.org/10.4322/2357-9730.82178

Almeida, M. F. B., & Guinsburg, R. (2016). Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pediatria. https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/DiretrizesSBPReanimacaoRNMaior34semanas26jan2016.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde (2016). Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana. Brasília: Ministério da Saúde. http://conitec.gov.br/images/Relatorios/2016/Relatorio_Diretrizes-Cesariana_final.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde (2017). Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde. https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/diretrizes-nacionais-de-assistencia-ao-parto-normal-versao-resumida/

Calegari, F. L., Barbieratto, B. J., Fujinaga, C. I., Fonseca, L. M. M., Oliveira, C. R., & Leite, A. M. (2016). Prontidão do recém-nascido a termo durante a primeira mamada em alojamento conjunto. Rev Rene, 17(4), 444-50. 10.15253/2175-6783.2016000400002

Campos, P. M., Gouveia, H. G., Strada, J. K. R., & Moraes, B. A. (2020). Contato pele a pele e amamentação de recém-nascidos em um hospital universitário. Rev. Gaúcha Enferm, 41: e20190154. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2020.20190154 .

Capucho, L. B, Forechi, L., Lima, R. C. D., Massaroni. L., & Primo, C. C. (2017). Fatores que interferem na amamentação exclusiva. Rev. Bras. Pesq. Saúde, 19(1):108-113. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/rbps/article/view/17725/12151

Espírito Santo. Secretaria Estadual de Saúde (2016). Protocolo de vinculação da gestante e regulação para o acesso a consultas e exames especializados em ginecologia e obstetrícia. https://saude.es.gov.br/Media/sesa/Consulta%20P%C3%Bablica/Rede%20Cuidar/PROTOCOLO%20DE%20VINCULA%C3% 87%C3%83O%20DA%20GESTANTE%20-%20FINAL%20_2_.pdf.

Ferrari, A. P., Almeida, M. A. M., Carvalhaes, M. A. B. L., & Parada C. M. G. L. (2020). Efeitos do parto cesáreo eletivo nos resultados perinatais e nas práticas assistenciais. Rev. Bras. Saude Mater. Infantil, 20 (3) 879-888. https://doi.org/10.1590/1806-93042020000300012.

Furlan, B. B., Araujo, J. P., Lago, M. T. G., Pinto, K. R. T. da F, Ferrari, R. A. P., & Zani, A. V. (2021). Cuidados ao recém-nascido e orientação à puérpera em alojamento conjunto. Research, Society and Development, 10 (16). e547101624065. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i16.24065

Gomes, M. N. A., Santos, L. K. O., Matos, M. A. B., Lopes, P. R. R., Chomatas, E. R. B., Barra, R. P., & et al (2019). Nota técnica para organização da rede de atenção à saúde com foco na atenção primária à saúde e na atenção ambulatorial especializada – saúde da mulher na gestação, parto e puerpério. / Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. São Paulo: Hospital Israelita Albert Einstein: Ministério da Saúde.

Jung, S. M., Rodrigues, F. A., & Herber, S. (2020) Contato pele a pele e aleitamento materno: Experiências de Puérperas. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 10:e3657. http://doi.org/10.19175/recom.v10i0.3657

Karimi, F. Z, Miri, H. H., Khadivzadeh, T., & Maleki-Saghooni, N (2020). The effect of mother-infant skin-to-skin contact immediately after birth on exclusive breastfeeding: a systematic review and meta-analysis. J Turk Ger Gynecol Assoc, 21(1):46-56. 10.4274/jtgga.galenos.2019.2018.0138.

Kologeski, T. K., Strapasson, M. R, Schneider, V., & Renosto, M. J. (2017). Contato pele a pele do recém-nascido com sua mãe na perspectiva da equipe multiprofissional. Rev enferm UFPE, 11 (1) 94-101. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i1a11882p94-101-2017

Ledo, B. C., Góes, F. G. V., Santos, A. S. T., Pereira-Ávila, F. M. V., Silvam A. C. S. S., & et al (2021). Fatores associados às práticas assistenciais ao recém-nascido na sala de parto. Escola Anna Nery, 25 (1). Disponível em: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2020-0102.

Leite, V. C., Gasquez, A. S., & Bertoncim, K. R. (2019). Estratificação de risco em gestantes no pré natal. Rev. Uningá, 56 (2) 184-193. http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/2160/1912

Mercer, JS, Erickson-Owens, DA, Graves, B, Haley, MM (2010). Práticas baseadas em evidências para a transição do feto a recém-nascido. Rev Tempus Actas Saúde Col. 4(4):173-89. http://redehumanizasus.net/acervo/praticas-baseadasem-evide%CC%82ncias-para-a-transic%CC%A7a%CC%83o-de-fetoa-recem-nascido/

Moreira, M. E. L., Gama, S. G. N., Pereira, A. P. E., Silva, A. A. M., Lansky, S. S. P. S., Pinheiro, R. S., & et al (2014). Práticas de atenção hospitalar ao recém-nascido saudável no Brasil. Cad. Saúde Pública, 30 (1) S128-139. https://doi.org/10.1590/0102-311X00145213.

Paraná. Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (2018). Superintendência de Atenção à Saúde. Linha Guia da Rede Mãe Paranaense. Paraná: Sesa. http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/LinhaGuiaMae Paranaense_2018.pdf

Saco, M. C., Coca, K. P., Marcacine, K. O., Abuchaim, E. S. V., & Abrão, A. C. F. V. (2019) Contato pele a pele e mamada precoce: fatores associados e influência no aleitamento materno exclusivo. Texto contexto enferm, 28:e20180260. https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2018-0260.

Santos, D. R., Viera, C. S., Guimarães, A. T. B., Toso, B. R. G. O., Ferrari, R. A. P. (2020). Avaliação da eficácia do Programa Rede Mãe Paranaense. Saúde Debate, 44(124) 70-85. 10.1590/0103-1104202012405

Ramalho, A, Martins, F, Lima, T, Andrade, A & Koifman, R (2019). Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida em Rio Branco, Acre. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, 14, e43809. https://doi.org/10.12957/demetra.2019.43809

Paraná. Secretaria de Estado da Saúde (SESA) (2018). Linha Guia Rede Mãe Paranaense. 7°edição. https://www.saude.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2020-09/LinhaGuiaMaeParanaense2018.pdf.

WHO (2018). Recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization. Licence: CC BY-NC-SA3.0IGO. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/9789241550215-eng.pdf?sequence=1.

Published

25/04/2022

How to Cite

MIRANDA, M. de M. de .; ARAUJO, J. P.; FERRARI, R. A. P. .; CALDEIRA, S. .; ZANI, A. V. . First hour of life: assistance to newborns in public maternity hospitals . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e20311628838, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28838. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28838. Acesso em: 24 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences