The importance of breaks in the work environment as a prevention of lumbalgia and cervicalgia in telemarketing attendants: a narrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28856

Keywords:

Occupational health; Health promotion; Professional diseases.

Abstract

The objective was to analyze the benefits that breaks can provide to telemarketers as a means of preventing neck pain and low back pain. As for the methodological approach, the research followed the principles suitable for narrative review without defining a systematic and replicable methodology at the level of data reproduction and quantitative results for specific questions. It was attested that the misuse of work equipment, associated with inadequate working postures and disorganization of tasks presented the existence of ergonomic risk to the worker, being possible the occurrence of damages to physical health, as well as small rest intervals can be decisive in the workers' quality of life. It is considered as future research proposals, studies that carry out analysis with the application of breaks in the work environment of telephone attendants, so that it is applied in an ergonomic way in the environment and within the reality of a certain scope.

References

Barbosa, B. & Oliveira, F. (2021) Aspectos ergonômicos e percepção de trabalhadores de telemarketing com relação aos modelos home office e presencial durante a pandemia da covid-19. Tcc (Curso de bacharelado em ciência e tecnologia), 14. http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/6886.

Costa, S. A. (2020) A pausa no trabalho dos operadores de caixa (checkout) de um hipermercado: em busca da qualidade de vida e do bem-estar ocupacional [n. d.] 2020. 82 f. Tese (Mestrado Profissional em Gestão de Serviços de Saúde) - Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem. http://hdl.handle.net/1843/33992.

Ferreira, M. C. (2015). Ergonomia da Atividade aplicada à Qualidade de Vida no Trabalho: lugar, importância e contribuição da Análise Ergonômica do Trabalho (AET). Rev. bras. Saúde ocup, 40, 131. https://doi.org/10.1590/0303-7657000074413.

Ferling, F. F. (2015). Influência da ergonomia no desempenho no trabalho: reflexos das medidas de ergonomia adotadas na CETESB- Companhia ambiental do estado de São Paulo. Monografia (Curso de pós-graduação em engenharia de segurança do trabalho), 57p. https://cetesb.sp.gov.br/escolasuperior/wp-content/uploads/sites/30/2016/06/Fabio-Ferreira-.pdf.

Instituto Santa CAtarina. (2021) Riscos ergonômicos no Telemarketing: Quais e como prevenir? Santa Catarina, 9 nov. 2020. https://www.institutosc.com.br/web/blog/riscos-ergonomicos-no-telemarketing:-quaissao-e-como-prevenir.

Jardim, M & LonghinI, T. (2021) Análise postural e de posto de trabalho de atendentes de um call center. Revista latino-americana de inovação e engenharia de produção, 9;15: 155-173. http://dx.doi.org/10.5380/relainep.v9i15.79952.

Luzia et al. (2021). Absenteísmo por motivo de doença: estudo de casos em unidades de terapia intensiva adulta e pediátrica de um hospital do Estado de Minas Gerais. Brazilian Journal of Heal th Review, Curitiba, 4(4): 16246-16257. https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/33703/pdf.

Mendes, Eliane de Assis et al. (2017). As condições de saúde dos trabalhadores a partir dos exames periódicos de saúde. Saude debate, 41(112): 142-154. https://doi.org/10.1590/0103-1104201711212.

Norma Regulamentadora 17 (NR 17). Anexo ii, trabalho em teleatendimento/telemarketing (Aprovado pela Portaria SIT n.º 09/2007). https://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr17_anexoII.htm.

Neves, Robson da Fonseca et al. (2018). A ginástica laboral no Brasil entre os anos de 2006 e 2016: uma scoping review. Revista brasileira de medicina do trabalho, 16(1):15. https://doi.org/10.5327/Z1679443520180078.

Honorato, A & Oliveira, A. (2020) Mensuração do nível de estresse ocupacional percebido por atendentes de telemarketing de um contact center. Revista Gestão em Análise Journal of Management Analysis, (3):192-206. http://dx.doi.org/10.12662/2359-618xregea.v9i3.p192-206.2020

Diniz, Natália Ramos et al. (2020). Saúde Laboral: Um Olhar para a Longevidade Saudável do Trabalhador. Inclui biografia. Brazilian journal of development, 6(11). https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-580.

Oliveira, K. C. Martins de et al. (2021). Análise funcional de indivíduos com lombalgia ocupacional. Research, Society and Development, 10(14). http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i14.22027.

Poletto, Sandra Salete. (2002). Avaliação e implantação de programas de ginástica laboral, implicações metodológicas. Dissertação de Mestrado. http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/publicacoes/Sandra%20Salete%20Poletto.pdf.

SAD, Cristopher Ribeiro dos Santos Nasar et al. (2019). As repercussões da precarização do trabalho contemporâneo na saúde e na segurança dos trabalhadores(as) de telemarketing. Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais - Trabalho, Questão Social e Serviço Social, 16(1). https://broseguini.bonino.com.br/ojs/index.php/CBAS/article/view/481/468.

Santos, G & Melo, F. (2019). A importância da ginástica laboral no ambiente de trabalho. Braz Cuba Centro Universitário, 8, 4(18). https://revistas.brazcubas.br/index.php/dialogos/article/view/696.

Santos, L. C., et al. (2017) O uso da tens e do ultrassom para o alívio da cervicalgia: relato de caso. Revista de trabalhos científicos- XVI Jornada de iniciação científica, 16. http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=1reta2&page=article&op=view&path%5B%5D=6153&path%5B%5D=3206.

Santos, N. Q.dos et al. (2021). Protótipo de aplicativo em apoio a promoção da saúde de secretarias com cervicalgia: estudo piloto. Congresso internacional de saúde, 8. https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/conintsau/article/view/19567/18300.

Sato, M. I. et al. (2019). Cervicalgia entre estudantes de medicina: uma realidade multifatorial. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, 21, 2(56). https://doi.org/10.23925/1984-4840.2019v21i2a3.

Silva, A. P. (2021). Dor crônica na coluna vertebral e variabilidade da frequência cardíaca em sedentários: comparações entre cervicalgia e lombalgia. Dissertação de mestrado - programa de pós graduação em saúde do adulto. https://tedebc.ufma.br/jspui/handle/tede/tede/3445.

Sousa, A. K. C. et al. (2021). Prevalência de cervicalgia em estudantes universitários: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, 10, 14(8). https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.22004.

Published

24/04/2022

How to Cite

ANDRADE, K. A.; PACHÚ, C. O. . The importance of breaks in the work environment as a prevention of lumbalgia and cervicalgia in telemarketing attendants: a narrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e17511628856, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28856. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28856. Acesso em: 29 may. 2022.

Issue

Section

Review Article