Nursing professional Performance in Urgency and Emergency Units

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.29147

Keywords:

Urgency; Emergency; Nursing; Teaching.

Abstract

With the emergence of the new health problems, increased the search for attendance and hospitalizations in urgency and emergency services, where the nurses experience day by day numberless cases of situacions who lack atencion, care and quickness during the provision of assistance. Therefore, this study aims to evidence the nurse professional actuation active in urgency and emergency unit. It is about a systematic literature review, with a qualitative approach, through the search in the databases “Medical Literature Analysis and Retrieval System Online” and “Nursing Database in the Virtual Health Library”, with the use of descriptors in health science in association with the AND”, researching as follows: “Role AND Nurse AND Urgency AND Emergency”. In the study was taken in consideration the perception by the own nurses, it is understood that the duties involve minimizing the users waiting time with the opportune attendance and based on needs, giving priority to the who found in worst state, the safe decision making, autonomy, knowledge and quickness, always looking for patient satisfaction. We concluded that the nurse usually assumes the role of a leader inside of the urgency and emergency unity. Acting since the use reception, with the welcome and the qualified listening, acts on part practice-assistance, performing the exclusive functions of their category, but also assists during the cares with others professionals, In addition to acting as a manager, organizing the sector, the team and the all logistics that involves the urgency and emergency sector. 

References

Almeida, R. B. & Alvarez, A. C. M.(2019). Assistência de enfermagem no serviço móvel de urgência (SAMU): revisão de literatura. Rev Inic Cient Ext. 2(4), 196-207.

Azevedo, S. L., et al. (2020). Sala de espera: práticas educativas desenvolvidas pelo enfermeiro na unidade básica de saúde. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba. 3(2), 2327-2341.

Brasil. (2001). Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Urgência e Emergência, Brasília, 28 p.

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização (PNH) – HUMANIZASUS, ed. 1, 1º reimp., Brasília - DF.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde, 2. ed., 5. reimp. – Brasília, 44 p.

Cameron, M. & Shaw, V. (2020). Expanding the emergency nurse role to meet demand: nurse and physician perspectives. Emerg Nurse, 28(6), 26-33.

Canas, L. M. M. (2021). Vivências em situação de emergência: Um estudo com enfermeiros da viatura médica de emergência e reanimação, 2021,. Dissertação (Mestrado em Enfermagem Médico-Cirúrgica) – Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Coimbra, 97 p.

Coutinho, A. A. P., Cecílio, L. C. O. & Mota, J. A. C. (2012). Classificação de risco em serviços de emergência: uma discussão da literatura sobre o Sistema de Triagem de Manchester. Revista Médica de Minas Gerais. 22 (2),188-198.

Dantas, U. I. B., et al. (2015). O trabalho dos enfermeiros no setor de Urgência: Limites e perspectivas. Revista de Enfermagem UFPE on line, Recife, v. 9, (Supl. 3), 7556-61.

Farias, M. T. & Brasileiro, M. S. E. (2018). Os desafios do enfermeiro para atuação no acolhimento e classificação de risco nos serviços de emergência. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano. 3, ed. 9, v. 9, p. 46-60, set.

Galvão, M. C. B. & Ricarte, I. L. M. (2019).Revisão Sistemática da Literatura: Conceituação, produção e publicação. LOGEION: Filosofia da informação, Rio de Janeiro. 6(1), 57-73.

Garcia, J. A. C. L. (2019). Atuação em Urgência e Emergência na Atenção Básica: percepção dos enfermeiros, 2019. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem, Maceió, 84 p.

Innes, K., et al. (2018) Emergency department waiting room nurses in practice: An observational study. J Clin Nurs, 27(7-8), e1402-e1411.

Kerr, L. & Macaskill, A. (2020). Advanced Nurse Practitioners' (Emergency) perceptions of their role, positionality and professional identity: A narrative inquiry. J Adv Nurs, 76(5), 1201-1210.

King, R., Sanders, T. & Tod, A.(2021).Shortcuts in knowledge mobilization: An ethnographic study of advanced nurse practitioner discharge decision-making in the emergency department. J Adv Nurs, 77(7), 3156-3167.

Krzesinski, P., et al. (2021). Nurse-led ambulatory care supported by non-invasive haemodynamic assessment after acute heart failure decompensation. ESC Heart Fail, 8(2),1018-1026.

Kwok, M. M. K., et al. (2021). Access to Translator (AT&T) project: Interpreter on Wheels during the COVID-19 pandemic. BMJ Open Qual, 10(1).

Leonard-Roberts, V., Currey, J. & Considine, J. (2020). Emergency nurses' perceptions of their role in responding to escalations of care for clinical deterioration. Australas Emerg Care, 23(4), 233-239.

Marques, T. O., et al. (2021). Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (Samu): uma revisão integrativa. Research, Society and Development, v. 10, n. 2, e38310212522,

Mercê, J. C., Silva, B. E. M. & Oliveira, R. F. S. (2018) A importância do enfermeiro enquanto coordenador na equipe de Estratégia de Saúde da Família. Rev. Psicol Saúde e Debate, 4(3), 72-83.

O’dwyer, G., et al. (2017). O processo de implantação das unidades de pronto atendimento no Brasil. Revista Saúde Pública, v. 51, p. 125.

Oliveira, J. L. C., et al. (2017). Acolhimento com classificação de risco: Percepções de usuários de uma Unidade de Pronto Atendimento. Texto Contexto Enfermagem, v. 26, n. 1, e 0960014.

Oliveira, S. N., et al.(2015). Unidade de Pronto Atendimento – UPA 24h: Percepção da Enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, 24(1), 238-44.

Patias, N. D. & Hohendorff, J. V. (2019). Critérios de qualidade para artigos de pesquisa qualitativa. Psicol. Estud., v. 24, dez.

Paula, C. F. B., Ribeiro, R. C. H. M. & Werneck, A. L.(2019). Humanização da assistência: Acolhimento e triagem na classificação de risco. Rev Enfermagem UFPE on line, Recife, 13(4), 997-1005.

Pinto, I. V., et al. (2020). Agressões nos atendimentos de urgência e emergência em capitais do Brasil: perspectivas do VIVA Inquérito 2011, 2014 e 2017. Rev. bras. Epidemiol., v. 23, (Suppl 01), jul.

Rabelo, S. K., et al. (2020) Nurses' work process in an emergency hospital service. Rev. bras. Enferm., v. 73, n. 5, e20180923-.

Rosa, P. H., et al. (2020). Percepções de enfermeiros acerca da atuação profissional no contexto do atendimento pré-hospitalar móvel. Enferm. foco, v. 11, n. 6, p. 64-71, dez.

Sacoman, T. M., et al. (2019). Implantação do Sistema de Classificação de Risco Manchester em uma rede municipal de urgência. Saúde Debate, v. 43, n. 121, 354-367.

Santana, L. F., et al. (2021). Atuação do enfermeiro na urgência e emergência: revisão integrativa da literatura. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 7, n. 4, p. 35994-35006, apr.

Silva, A. A., et al. (2017). Atuação do Enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar em Parada Cardiorrespiratória. Revista Científica Interdisciplinar, v. 2, n. 1, art. 5, jan/jun.

Silva, L. A. S., et al. (2019). Atuação da enfermagem em Urgência e Emergência. Revista Extensão, v. 3, n. 1.

Silva, R. M., Jorge, M. S. B. & Júnior, A. G. S. (2015). Planejamento, Gestão e Avaliação nas práticas de saúde. Editora da Universidade Estadual do Ceará – EdUECE, Fortaleza, 1 ed., 548p.

Published

08/07/2022

How to Cite

SOUZA, M. R. G. de .; SOUZA, L. G. dos S. .; LIMA, N. T. de .; OLIVEIRA, M. T. M. .; SILVA, M. A. V. da .; ARAÚJO, L. M. P. S. de .; TAVARES, V. G. da S. .; NASCIMENTO, K. C. do .; LIMA, T. N. B. de .; BARBOSA, M. do S. A. . Nursing professional Performance in Urgency and Emergency Units. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e26011929147, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.29147. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29147. Acesso em: 27 sep. 2022.

Issue

Section

Health Sciences