Methodological trends in mathematical education: a literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29362

Keywords:

Trends in Mathematics Education; Teaching methodologies; Teaching and learning mathematics.

Abstract

The following article presents a description of the characterizations of some of the Methodological Trends in Mathematics Education, namely: Problem Solving, Ethnomathematics, Mathematical Modeling, Games and Concrete Materials, Information and Communication Technology (ICT) and History of Mathematics. The objective is to provide students of Mathematics Degrees and teachers in continuing education with reflections on the different theoretical-methodological conceptions for the teaching of Mathematics and increase their knowledge about the planning and teaching activities of Mathematics in Basic and Higher Education. The methodological precepts of a bibliographical research were used, gathering the concepts referring to six of the main trends in Mathematics Education. The proposal resulting from this research, intends to arouse students' interest in what is being worked on, thus, the results were expressed to glimpse possibilities of organizing teaching methods based on the productions of the field of Mathematics Education, in order to produce an attractive and with visible meanings in teaching.

Author Biographies

Thalia Jane Ferreira Dias, Universidade Federal do Norte do Tocantins

Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal do Tocantins - UFT.  Atualmente é Professora da Escola Estadual Alfredo Nasser.

Rogerio dos Santos Carneiro, Universidade Federal do Norte do Tocantins

Doutor em Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT/REAMEC); Mestre em Educação Matemática, Universidade Severino Sombra (USS); Licenciado em Matemática, Universidade Estadual de Goiás (UEG); possui Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, Faculdade Católica de Anápolis; Pós-Graduação Lato Sensu em Educação em Direitos Humanos, Universidade Federal do Tocantins (UFT), e Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Produção, Universidade Cândido Mendes (UCAM). Integrante do Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil (GHEMAT-Brasil) e líder do Grupo de Estudo e Pesquisa sobre as Perspectivas Históricas e Atuais da Educação Matemática e Matemática (PHEMAT). Professor Adjunto da Universidade Federal do Norte Tocantins - UFNT, docente da Licenciatura em Matemática, do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGecim) e do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT), Câmpus de Araguaína. Atua nas áreas: Educação Matemática; História da Educação Matemática e Matemática.

Kattia Ferreira da Silva, Universidade de Gurupi

Doutoranda em Ensino de Ciências Exatas, pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPGECE) da Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES); Mestre em Matemática, pela Universidade Federal do Tocantins (UFT); Possui Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis; Graduada em Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG), e Curso Superior de Formação Específica em Gestão Publica, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG). Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa sobre as Perspectivas Históricas e Atuais da Educação Matemática e Matemática (PHEMAT). Professora Efetiva da Universidade de Gurupi (UNIRG) e da Rede Municipal de Gurupi. Tem experiência nas áreas de Educação Matemática, Educação, Matemática e Estatística.

Raylson dos Santos Carneiro, Universidade Federal do Tocantins

Doutorando em Educação na Amazônia pelo Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia (PGEDA / EDUCANORTE), Universidade Federal do Tocantins (UFT); Mestre em Matemática pela Universidade Federal do Tocantins (UFT); Graduado em Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); Bacharel em Engenharia Civil pela Universidade de Gurupi (UNIRG); Possui Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Saberes e Fazeres em Contextos Socioculturais e Educacionais (GEPEFAZE). Integrante do Grupo de Pesquisa em Sustentabilidade de Solos e Recursos Hídricos. Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa sobre as Perspectivas Históricas e Atuais da Educação Matemática e Matemática (PHEMAT). Professor Efetivo da Universidade Federal do Tocantins - UFT, curso de Engenharia Florestal e Matemática EaD. Atua nas áreas: Educação Matemática; Educação e Matemática.

References

Bassanezi, R. C. (2006). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. Contexto.

Biembengut, M. S., & Hein, N. (2009). Modelagem matemática no ensino. Contexto.

Borba, M. C.; Silva; R. S. R.; Gadanidis, G. (2014). Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Brasil, Ministério da Educação (2018). Base Nacional Comum Curricular: Matemática. MEC.

D’ambrósio, U. (1986) Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática. Summus.

D’ambrósio, U. (1996). Educação Matemática: da teoria à prática. (4a ed.), Papirus, 1996.

D’ambrósio, U. (1998). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. Ática.

D’ambrósio, U. (2013). Etnomatemática – elo entre as tradições e a modernidade. Autêntica.

Dante, L. R. (2005). Didática da Resolução de problemas de Matemática. Ática.

Felippe, A. C. & Macedo, S. da S. (2022). Contributions of Mathematical games and Mathematical modeling in teaching Mathematics. Research, Society and Development, 11(1), e41411124886. 10.33448/rsd-v11i1.24886. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24886.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Lorenzato, S. (2012). O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Autores Associados.

Matos, J. F. (2008). Mediação e colaboração na aprendizagem em matemática com as TIC. In: Encontro de Investigação em Educação Matemática (EIEM), da A Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática – SPIEM. 2008. <http://spiem.pt/DOCS/ATAS_ENCONTROS/2008/2008_04_JFMatos.pdf>.

Mendes, I. A. (2008). Tendências Metodológicas no ensino de matemática. EdUFPA.

Mendes, I. A. (2009). Investigação Histórica no Ensino de Matemática. Ciência Moderna Ltda.

Mendes, I. A., Fossa, J. A. & Valdes, J. E. N. (2006). A história como agente de cognição na educação matemática. Sulina.

Meyer, J. F. C. A., Caldeira, A. D. & Malheiros, A. P. S. (2013). Modelagem em Educação Matemática. Autêntica.

Miguel, A. & Miorin, M. Â. (2011). História na Educação Matemática: propostas e desafios. Autêntica.

Miranda, G. L. (2007). Limites e possibilidades das TIC na educação. Revista de ciências da educação, n. 3, maio/ago.

Nacarato, A. M. (2004-2005). Eu trabalho primeiro no concreto. Revista de Educação Matemática. Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), 9(9-10), 1-6.

Polya, G. (2006). A arte de resolver problemas. Interciência.

Ribeiro, F. D. (2009). Jogos e Modelagem na Educação Matemática. Saraiva.

Vergani, T. (2007). Educação etnomatemática: o que é? Flecha do tempo.

Published

30/04/2022

How to Cite

DIAS, T. J. F.; CARNEIRO, R. dos S. .; SILVA, K. F. da; CARNEIRO, R. dos S. Methodological trends in mathematical education: a literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e36411629362, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29362. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29362. Acesso em: 28 may. 2022.

Issue

Section

Education Sciences