Continuing education of teachers in Basic Education: a systematic review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29383

Keywords:

Continuing education; Update; Events; Courses; Teacher training.

Abstract

This article presents a systematic review of the literature on the processes of continuing education of teachers working in Basic Education. The objective is attenuated in articulating and substantiating the theoretical foundations laid out in the literature in the face of the didactic-pedagogical contributions provided by continuing education in the stages of Basic Education. By opening the context, the pandemic crisis is justified as an 'awakening' of continuing education with an emphasis on digital technologies. In the pandemic, a romanticization of face-to-face teaching was identified and, such a modality is understandable as an enhancer of many teaching and learning activities, however, many of the shortcomings evidenced in the pandemic are reflections of years of teaching devaluation that occurred even in face-to-face teaching. In view of this, it is necessary to encourage the updating of teachers in training courses, events, lectures, seminars, lives, among other means of going beyond training / performance. Entering the results, this research shows that school management must seek training subsidies for teachers, the Public Education Network must promote resources for training and updating teachers as an incentive to improve their teachers, innovating in knowledge, therefore, the value of this articulation will result in improvements in the teaching and learning process of Basic Education students.

Author Biographies

Fernando Icaro Jorge Cunha, Universidade Federal do Pampa

Possui formação em Magistério (Curso Normal) de nível médio pelo Instituto de Educação Ciep 179 - Professor Claudio Gama/RJ. Atualmente é acadêmico do curso de Licenciatura em Ciências da Natureza na Universidade Federal do Pampa - Unipampa, Campus Uruguaiana. Bolsista CAPES através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID, atuando na EMEF Moacyr Ramos Martins na cidade de Uruguaiana/RS, desenvolvendo atividades que buscam superar o Ensino de Ciências da Natureza, a fim de elucidar o Letramento Científico. Foi premiado com uma bolsa do banco Santander através do edital 235/2020, que selecionou graduandos com excelência em rendimento acadêmico. Desenvolve o projeto de extensão intitulado: Processos de Formação e Articulações Didático-Pedagógicas para Professores de Ciências da Natureza, em conformidade com o edital n° 40/2021, tecendo um curso de extensão sob orientação do Prof. Dr. Ailton Jesus Dinardi.. Em 2021 iniciou a participação no grupo de pesquisa em Ambiente, Educação, Ciênciometria e Ensino de Ciências - COMCIÊNCIA.

Erimar Pereira da Rocha, Secretaria Municipal de Educação de José de Freitas

Graduado em Licenciatura em Pedagogia (UNINASSAU/FAP), Letras Português – Inglês (UNICESUMAR), discente do Curso Ciências da Natureza (UFPI). Professor atuante na Educação Básica e Superior, Especialista em Gestão Pública (CENES/FOCUS), Gestão Educacional (UFPI) e Psicopedagogia (FUNIP). Mestrando em Tecnologias Emergentes em Educação pela MUST University, EUA.

Rafael Francisco Braz, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Atualmente, é Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade - UEPB/PPGLI (2021) e, também, Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Psicologia - UFRN/PPgPsi (2019). Mestre pelo programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba -UFPB/PPGL (2014). Especialista em Língua Estrangeira Moderna: Inglês e Espanhol - IFPB (2020) e, também, Língua Portuguesa pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (2013). Graduado em Letras pela Universidade Estadual da Paraíba (2010). Tem vários capítulos de livros, artigos e ensaios publicados anais de eventos locais, regionais, nacionais e internacionais na área de Língua e Literatura Espanhola e Portuguesa. Foi monitor da graduação de Língua Espanhola (2008-2010). Pesquisador do PIBIC-CAPS/CNPq na pesquisa do Imaginário simbólico da Serpente na Literatura Brasileira. Atuou como Professor substituto do Departamento de Letras - DL da Universidade Estadual da Paraíba - Campus I e III e, também, Departamento de Ciências Básica e Sociais -CCHSA na Universidade Federal da Paraíba - UFPB - Campus III. Desenvolve pesquisas que contemplam as temáticas ou áreas de interesse: a-) Psicologia analítica; b-) Psicologia da Personalidade; c-) Neurociência do amor; d-) Literatura e psicanálise; e-) Mitocrítica e Mitoanálise; f-) Antropologia do Imaginário Simbólico; g-) Literatura comparada; h-) Estudos Culturais; i-) semiótica; j-) Análise do Discurso; l-) Ensino de língua espanhola, francesa e portuguesa com ênfase maior na área de literatura e suas práticas simbólicas, do imaginário e identidade cultural, discutindo a representação mítico-simbólica-metafórica associadas ao Feminino. Revisor Ad hoc de alguns periódicos da área de Letras, Linguística, Literatura, Educação e Psicologia.

Ricardo Santos de Almeida, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando em Geografia na UFSM. Doctorando en Educación na UI (concluinte/tese defendida). Mestrado: Geografia pela UFS (2016). Especializações: Práticas Assertivas da Educação Profissional Integrada à Educação de Jovens e Adultos - com Ênfase em Didática pelo IFRN (2020), Geografia Humana e Econômica pela UNINTER (2019), Administração Pública pela UCAM (2016); Geografia e Meio Ambiente pela UCAM (2014); Educação do Campo pela UCAM (2013); Formação para a Docência do Ensino Superior (2011). Graduações: Pedagogia pela UNINTER (2018), Geografia Licenciatura pela UFAL (2014), Gestão de Pequenas e Médias Empresas pela FAA (2009). Desenvolve pesquisas relacionadas às temáticas: agronegócio, território e territorialidades, processos de ensino-aprendizagem em Geografia e Educação do/no campo. Docente da rede pública de Porto Calvo/AL e atua no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas/Universidade Aberta do Brasil. Pesquisador do: Núcleo de Estudos Agrários e Dinâmicas Territoriais (NUAGRÁRIO/UFAL) desde 2009; Grupo de Estudos e Pesquisa em Análise Regional (GEPAR/UFAL); Geoprocessamento e a Cartografia no Ensino de Geografia (GCEG/UFAL) desde 2016; Núcleo de Pesquisa e Extensão em Educação de Jovens, Adultos e Idosos e Campesinos (NUPEEJAIC/UNEAL) desde 2020; do Grupo de Pesquisa em Educação e Território (UFSM) e Grupo de Pesquisas: Estudos e Pesquisas da Educação em Paulo Freire (GPEPEPF/UFRN) desde 2021. É também associado ao Centro Paulo Freire - Estudos e Pesquisas (CPFreire).

Cesar Augusto Freitas Jacques, Faculdade Interamericana de Porto Velho

Graduação em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria (2007). Mestrado Profissional em Patrimônio Cultural pela Universidade Federal de Santa Maria (2014). Pós Graduação em Formação Docente no Ensino Superior (2018). 2° Graduação em Gestão Pública pela Escola de Instrução Especializada (2020). Atualmente é Coordenador do Curso de Direito da Faculdade UNIRON - Unidades I e II (desde 2019). Coordenador do Curso de Direito EAD da Faculdade de Educação de Porto Velho - UNIRON (desde 2020). Membro do Núcleo de Docente Estruturante (NDE) da UNIRON (desde 2018). Membro da Equipe Multidisciplinar, responsável pela concepção e disseminação de tecnologias e recursos educacionais para a educação à distância (desde 2019). Tem experiência na área de Política de Ações Afirmativas, com ênfase em Comissão de Ações Afirmativas.

Cassius Assunção Martins, Centro Universitário do Norte

Graduando em Psicologia (9o período) pelo Departamento de Saúde do Centro Universitário do Norte (UNINORTE). Foi Estagiário Clínico em Psicologia pela Clínica SPsico - Centro. Atualmente, dedica-se à pesquisa científica nos temas mais variados das ciências humanas, bem como é Estagiário Clínico em Psicologia da Policlínica Dr. José Antônio da Silva (SEMSA-Manaus) e Estágiário Voluntário pela ONG Projeto Ponte - Heliópolis, que oferece atendimentos psicológicos gratuitos para comunidades em vulnerabilidade social do maior bairro de São Paulo, em tempos de pandemia.

Lilian Patricia Soares Filocreão, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Mestre pelo Programa de Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) bolsista CAPES, com pesquisa sobre o uso do vestuário oitocentista como objeto de estudo no ensino de História, através da confecção de material pedagógico a ser utilizado por docentes do Ensino Médio, sob a orientação da Profª Dra. Anita Correia Lima de Almeida. Especialista em História e Cultura no Brasil pela Universidade Estácio de Sá (2014-2015), Bacharel e Licenciada em História pela Universidade Gama Filho (2005-2009). Desenvolveu atividades de pesquisa do Programa de Iniciação Científica (PIBIC UGF) de 2008 até 2009, sob a orientação do Prof. Dr. William de Souza Martins. Professora efetiva da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC).

Anderson da Silva Ramos, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Tenho ampla experiência na área de Ensino de História. Me formei na PUC-RIO em 2010.2 e concluí o Mestrado Profissional em Ensino de História, pela UNIRIO, em 2021.2. Possuo ampla experiência no campo de concursos públicos, turmas pré-vestibulares e pré-militares.

Joana Maristela Moreira Moleda, Rede de Ensino Municipal e Estadual de Uruguaiana

Professora formada Magistério em nível médio, Curso Normal no Instituto Elisa Valls Uruguaiana, RS.
Graduada em Pedagogia, habilitação em Orientação Educacional pela PUC-RS. Especialista em História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena na UNIPAMPA-RS. Atua como professora dos anos iniciais na rede municipal como alfabetizadora na E.M.E.F. Osvaldo Cruz e na rede estadual como Orientadora Educacional na E.E.E.M. Senador Salgado Filho. Integra atualmente o CONSEMMA como Conselheira Ambiental do município de Uruguaiana e o GENSQ (Grupo de Estudos em Nutrição, Saúde e Qualidade de Vida na UNIPAMPA-RS). Participa como multiplicadora do Programa Saúde e Prevenção nas Escolas e do Programa de Educação Ambiental do município de Uruguaiana. Trabalhou como assessora ambiental na 10ª Coordenadoria Regional de Educação no período de 2011 a 2014.Integrou a Comissão Binacional de Meio Ambiente Brasil-Argentina. Coordenou nas Escolas da rede estadual no município de Uruguaiana o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa.

Adriele Carvalho dos Santos, Universidade do Estado do Pará

Graduanda em Letras-Língua Portuguesa pela Universidade do Estado do Pará, com experiência em Literatura Brasileira. Atualmente é membro do Grupo de Estudo e Pesquisa Letramentos e Ensino-Aprendizagem de Língua Portuguesa (GEPLEALP). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/0443920749820329. 

References

Alvarado-Prada, L. E., Campos Freitas, T., & Freitas, C. A. (2010). Formação continuada de professores: alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Revista Diálogo Educacional, 10(30), 367–387. https://doi.org/10.7213/rde.v10i30.246

Araújo, R. M. B., Silva, M. D., & Silva, M. C. (2019). A formação continuada de professores da educação básica: concepções e desafios na perspectiva dos docentes. Revista Ambienteeducação. São Paulo: Universidade Cidade de São Paulo, v. 12, n. 3, p. 17-38 set/dez . Recuperado em 30 mar. 2022 de https://publicacoes.unicid.edu.br/index.php/ambienteeducacao/article/view/758.

Bissolotti, K., Nogueira, H. G., & Pereira, A. T. C. (2014). Potencialidades das mídias sociais e da gamificação na educação a distância. Revista Novas Tecnologias na Educação, 12(2), 1-11.

Bowen, J. A. (2012). Teaching naked: How moving technology out of your college classroom will improve student learning. John Wiley & Sons: Nova York.

Brasil. (1996). Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (1998). Ministério da Educação e do Desporto. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, MEC/SEF.

Brasil. (2015). Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, MEC/SEF.

Correia, R. L., & Dos Santos, J. G. (2013). A importância da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) na Educação a Distância (EAD) do Ensino Superior (IES). Revista Aprendizagem em EAD, 2(1), 1-16.

Cunha, F. I. J. et al. (2021). A importância do brincar no processo de inclusão de alunos/as especiais no ambiente educacional . Research, Society and Development, 10(11), e384101120094. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i11.20094.

Cunha, F. I. J., & Mourad, L. A. F. A. P. (2021). Ensino Remoto Emergencial: experiência de docentes na pandemia. Maringá: Uniedusul.

Cunha, F. I. J., Dinardi, A. J., Souza, D. V., Carvalho, A. V., Castro, L. R. B. (2020). O uso do QRCode como ferramenta para o ensino. In: Anais do Congresso Brasileiro Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia. Diamantina-MG: Even3 [...] Anais, 2020. Recuperado em 15 fev. 2022 de https://www.even3.com.br/anais/icobicet2020/268979-formacao-continuada-remota--o-uso-do-qrcode-como-ferramenta-para-o-ensino/.

Cunha, F. I. J., Souza, D. V., Mignone, S. G., & Ruppenthal, R. (2021). Relato de experiências: curso “subsídios básicos de psicologia da educação para a aprendizagem significativa”. In: Silveira, R. C. A., De Freitas, D. P. S., Mello, E. M. B. (Orgs). Inovação pedagógica: vivências democráticas na relação ensino-aprendizagem. São Paulo: Pimenta Cultural.

De Freitas, A. S. (2007). Os desafios da formação de professores no século XXI: competências e solidariedade. In: Ferreira, A. T. B., Albuquuerque, E. B. C. de., & Leal, T. F. (Orgs.). Formação continuada de professores. (1a. ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Fagundes, B. F. L. (2017). PROFHISTÓRIA, experimento sem prognóstico. PerCursos, 18(38), 33 - 62. https://doi.org/10.5965/1984724618382017033.

Freitas, S. L., & Pacífico, J. M. (2020). Formação continuada: um estudo colaborativo com professores do Ensino Médio de Rondônia. Interações (Campo Grande), 21(1), 141-153. https://doi.org/10.20435/inter.v21i1.1953.

Galvão, M. C. B., & Ricarte, I. L. M. (2020). Revisão Sistemática da Literatura: conceituação, produção e publicação. Filosofia da Informação, 6(1), 57-73. https://doi.org/10.21728/logeion.2019v6n1.p57-73.

Galvão, T. F., & Pereira, M. G. (2014). Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 23(1), 183-184, jan-mar. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000100018.

Gimeno Sacristán, J. (1999). Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artmed.

Imbernón, F. (2005). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. (5. ed.). São Paulo: Cortez.

Imbernón, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. (9. ed.). São Paulo: Cortez.

Kirkwood, A., & Price, L. (Technology-enhanced learning and teaching in higher education: what is ‘enhanced’and how do we know? A critical literature review. Learning, media and technology, 39(1), 6-36.

kramer, S. (1994). Currículo de Educação Infantil e a formação dos profissionais de creche e pré-escola: questões teóricas e políticas. In: Por uma política de formação do profissional de educação infantil. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 1994.

Kuenzer, A. Z. (2011). A formação de professores para o ensino médio: velhos problemas, novos desafios. Educação & Sociedade, 32(116), 667-688.

Levy, P. (2010). Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Lopes, D. R. (2021). Educação Infantil: as práticas inovadoras e o uso das mídias como ferramenta de aprendizagem no município de Ananindeua/PA. Revista Educação Pública, v. 21, nº 41, 16 de novembro de 2021. Recuperado em 14 abr. 2022 de https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/21/41/educacao-infantil-as-praticas-inovadoras-e-o-uso-das-midias-como-ferramenta-de-aprendizagem-no-municipio-de-ananindeuapa.

Marques, M. O. (2000). A formação do profissional da educação. Ijuí: UNIJUÍ.

Matos, E. O. F., & Barbosa, C. H. S. (2020). A atuação da gestão escolar na formação continuada dos professores. In: VII Congresso Nacional de Educação (VII CONEDU). Recuperado em 26 abr. 2022 de https://editorarealize.com.br/editora/anais/conedu/2020/TRABALHO_EV140_MD1_SA1_ID6989_30092020162625.pdf.

Mello, G. N. de. (2003). Afinal, o que é competência? Formando Cidadãos Editora. Recuperado em 5 abr. 2022 de http://www.formandocidadaos.com.br/edicoes/maio_2014/afinal_o_que_e_competencia.php.

Mesquita, I. M., & Fonseca, S. G. (2006). Formação de professores de História: experiências, olhares e possibilidades. História Unisinos, 10(3):333-343. Recuperado em 26 abr. 2022 de http://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/view/6187.

Brasil. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). (2009). Estudo exploratório sobre o professor brasileiro. Recuperado em 27 fev. 2022 de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/estudoprofessor.pdf.

Nascimento, F. J. do, Araújo, R. R., & Lima, M. D. S. L. (2017). Pacto nacional pelo fortalecimento do ensino médio: ressignificando a formação continuada de professores. Revista Cocar, 11(21), 117-141.

Nogueira, A. L. (2015). Formação Continuada na Educação Infantil: Concepções e Práticas Educadoras. Itinerarius Reflectionis, 11(2), 1-12. https://doi.org/10.5216/rir.v11i2.38073.

Nóvoa, A. (1999). Profissão professor. Portugal: Editora Porto.

Nóvoa, A. (2002). Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa.

Orlando, J., & Attard, C. (2016). Digital natives come of age: The reality of today’s early career teachers using mobile devices to teach mathematics. Mathematics Education Research Journal, 28(1), 107-121.

Pinheiro, F. P. H. A. (2020). Educação Infantil: Um Estudo de Caso Sobre o Ofício Docente. Revista de Psicologia da IMED, 12(2), 144-160. https://doi.org/10.18256/2175-5027.2020.v12i2.3718.

Sanches, K. S., Ramos, A. D. O., & Costa, F. D. J. (2014). As tecnologias digitais e a necessidade da formação continuada de professores de Ciências e Biologia para tecnologia: um estudo realizado em uma escola de Belo Horizonte. Revista Tecnologias na Educação, 11-dez. Recuperado em 4 abr. 2022 de https://tecedu.pro.br/ano-6-numero-vol11/.

Santos, S. M. M.; Silva, A. Souza da., & Silva Filho, A. P. (2013). Saberes docentes e o uso das tecnologias de informação na sala de aula. In: Atas do Encontro Luso Brasileiro sobre Trabalho Docente e Formação - Políticas, Práticas e Investigação: pontes para a mudança. Porto, 2013.

Tardif, M. (2006). Saberes docentes e formação profissional. (6 ed). Petrópolis: Vozes.

Tozetto, S. S. (2010). Trabalho docente: saberes e práticas. Curitiba: Editora CRV.

Tozetto, S. S., & Bulaty, A. (2015). A história da formação de professores frente aos saberes e ao trabalho docente. In: Raiman, A. (Org.). A graduação e a formação de professores: elementos implicadores da formação. Jundiaí: Pacto Editorial.

Published

15/05/2022

How to Cite

CUNHA, F. I. J.; ROCHA, E. P. da; BRAZ, R. F.; ALMEIDA, R. S. de; JACQUES, C. A. F.; MARTINS, C. A.; FILOCREÃO, L. P. S.; RAMOS, A. da S. .; MOLEDA, J. M. M.; SANTOS, A. C. dos . Continuing education of teachers in Basic Education: a systematic review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e10511729383, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29383. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29383. Acesso em: 7 jul. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences